15 outubro 2007

"01, manda subir!"

"Vai ficar todo mundo quietinho aí! Todo mundo quietinho! Ninguém sobe!" (Capitão Nascimento, o novo herói por vias tortas nacional, para um grupo de PMs na subida do morro)

E não sobem mesmo. Podem até resmungar, mas PMs comuns não sobem o morro junto com o BOPE.

Na abertura, uma citação que diz mais ou menos o seguinte: não é o caráter que determina as condições de um homem, mas, sim, o contexto social em que ele vive. Mais ou menos isso. Muita gente não deve ter gostado. Para mim, por mais forte e bem construído o caráter, o meio às vezes pode passar por cima dele e virar tudo do avesso. Não é fatalismo, mas fatalidades acontecem, e nem por isso o raciocínio geral precisa ser fatalista. Isso exige a compreensão de certas nuances, claro. Quem vê e lê as coisas nas entrelinhas as pega, as nuances, sem problema.

Excelente história (a gente sai com gostinho de quero mais, pena que dificilmente venham a fazer uma seqüência), boas seqüências de ação e táticas de combate assustadoras. Esperava ver mais cenas assim, se bem que os ataques furtivos dos caras são show...

Cruzaram bem as vidas, os “destinos”, pra quem acredita nessas coisas, do Capitão Nascimento e dos dois “aspiras”, jovens e inexperientes, mas íntegros, PMs. Aliás, dois atores ótimos.

Violento, porém sabendo que não apareceu o pior. Quase chegou lá. Nem poderiam mesmo mostrar certas coisas que as polícias do Rio e de São Paulo fazem. Talvez o livro conte mais.

Sobre a violência do treinamento. Alguma violência funciona e é necessária, só que nem todos os grupos de elite fazem assim. Muitos não fazem absolutamente nada disso, nem pensar. Em muitos deles o treinamento em si é tão massacrante que simplesmente não há necessidade de espancamento e humilhações. Claro que isso varia muito de país para país, mas não é a norma, por exemplo, no Special Air Service, o SAS inglês. Mas é — a brutalidade — nos Spetsnaz russos. Depende. A mim me parece uma questão cultural, de cultura militar, de tradições guerreiras, chamem como quiserem.

Não estou querendo sugerir que os britânicos sejam um “doce”, enquanto os russos são, bem, os russos. Antes muito pelo contrário... Mas um treinamento não precisa de violência, física ou psicológica, para ser cruel. Sempre há outros meios. Poderia citar outras unidades de elite menos conhecidas e seus métodos, mas a lista é longa, vamos ficar por aqui. O que interessa é que o treinamento desses caras é ainda mais pesado e diversificado, mais voltado para resistência e sobrevivência, além de coleta de informações/espionagem, assassinato, seqüestros, atentados, demolições, reconhecimento, guerra convencional e irregular, enfim, tudo. Diferente do BOPE do Rio, sem dúvida.

O que não quer dizer que o BOPE seja inferior. Fazem intercâmbio com alguns grupos estrangeiros até. Mas estamos falando de guerrilha urbana, de polícias de elite, nada a ver com grupos militares de elite. No entanto, em matéria de infiltração e furtividade, surpresa, o BOPE é dez. Por outro lado, treina unidades militares estrangeiras, nesses particulares, nesse ambiente, não só forças policiais de fora. Eis a grande diferença. Além do que, no Brasil há outros grupos assim, policiais e militares, nunca sequer mencionados. Bem, o BOPE existe desde 1978, a guerra nos morros do Rio é antiga e ele só ficou famoso agora, não?

Eles chegam a escalar paredões, encostas, cientes de que os traficantes não esperam um ataque naquela direção. Acho que dá pra ver isso numa cena. Tudo para não perder o elemento surpresa. Acredito no oficial do grupo que, sob anonimato, disse que há muito mais que não foi mostrado no filme. E imagino que não foram só técnicas de tortura, mas de combate, de guerra, que ficaram de fora. Ainda assim, o que foi mostrado é bem legal: táticas de assalto silenciosas, rápidas, letais e, claro, o tiro de precisão dos snipers.

Destaque para a cena em que pegam um traficante, que pede para não ser “finalizado” com um tiro no rosto, para sair bem no enterro. O oficial do BOPE não só ignora o pedido como pega um rifle de repetição calibre 12, antes de passar essa execução para um colega. Não poderia haver estrago maior do que o causado por essa arma...

Mas não é só tiros, não. Expõe a corrupção generalizada e arrasa com a classe média e média alta. O melhor, a meu ver.

Sabem, não tenho raiva nem (muita, he, he) inveja de um Luciano Huck, digamos - esse membro da "elite branca" atacado pela própria, bem como por supostos representantes dos "excluídos" (não existem mais pobres, sabiam?) depois daquela entrevista, do roubo do Rolex. Independente do que cada um pense dele, razão ele tem em ficar com medo e revoltado. E a gente em ficar preocupado. Afinal, isso pode acontecer com qualquer um de nós. Não sei, por exemplo, se o Luciano Huck realmente faz o que diz que faz pelas crianças carentes, com tanta dedicação, por meio de uma ONG numa favela. Imagino que sim, que faça. Bom, não acho que essa seja a questão, nem vou entrar nesse assunto agora.

O fato é que parte dessa elite retratada no filme — só se for elite do ponto de vista da renda, porque intelectualmente é uma negação — realmente é de dar nos nervos.

A parte da discussão universitária parece meio artificial, ensaiadinha demais, mas me lembrou tanto de certas aulas na faculdade... Aqueles universitários de direito fazendo o trabalhinho sobre Foucault. Ah, eu passei por isso. Repetidas vezes. Com 98% de semelhança. Tive que ler essa joça, entre outras. Os coleguinhas, quase todos exatamente como aqueles, tolos, alienados e, também quase todos, consciente ou inconscientemente, de esquerda ou “libertários contestadores do sistema”. Do livrinho chatóide do Foucault, aquele picareta “pós-moderno” francês, entrávamos nas lições de filosofia (risos) de Marilena Chauí. Li, voando, como um médium psicografando textos do Além, muitas piroquetagens modernosas importadas de Paris e da Alemanha. E o discurso em academês do professor? Perfeito.

Só faltou o BOPE entrar em sala de aula. Aquela linguagem seca, o “01, manda descer!”, dentro da faculdade, já pensou?

Dentro disso tudo, a melhor frase foi a do policial para a ex-namorada: "Não se preocupe com seus amigos seqüestrados: os traficantes têm consciência social." Não tinham, lógico, e deu no que deu.

Depois de salvar dois PMs encurralados num morro, o Capitão Nascimento olha para eles e pergunta: “Os Srs. estão feridos? Os Srs. são policiais? Pois agora os Srs. vão aprender a carregar corpo.” Pois é: ou você se corrompe ou finge que não é com você ou entra na guerra.

64 comentários:

Heitor Abranches disse...

Vamos mandar a Tropa de Elite pegar o Chavez...




Chávez ameaça transformar Bolívia em 'Vietnã' se Morales for derrubado


Da France Presse

AP/Ismael Francisco



Presidente venezuelano não mediu palavras em discurso


14/10/2007
20h50-SANTA CLARA (Cuba) – O líder venezuelano, Hugo Chávez, ameaçou neste domingo transformar a Bolívia em um novo "Vietnã", se a oposição boliviana derrubar ou assassinar o presidente Evo Morales. "Se a oligarquia boliviana, Deus não queira, derrubar Evo ou assassiná-lo, saibam vocês, oligarcas da Bolívia, que o governo da Venezuela e os venezuelanos não vão ficar de braços cruzados".

Chávez seguiu com seu discurso inflamado alertando contra aqueles que são contra Morales."Tenham muito cuidado, porque não verão o Vietnã das idéias, não será o Vietnã da Constituinte, será, e Deus não queira, o Vietnã das metralhadoras, o Vietnã da guerra", disse Chávez em tom enérgico, em seu programa Alô, presidente, transmitido neste domingo da cidade cubana de Santa Clara para lembrar os 40 anos da morte do líder guerrilheiro Ernesto Che Guevara.

O presidente venezuelano, aliado de Cuba, Nicarágua e Bolívia, disse que "sabe das conspirações contra Evo Morales e das tentativas do Império (EUA) para derrubar Evo, porque Evo é dos que não se vendem".

Chávez destacou que seu aliado boliviano "não é bruto, é inteligente, tem coragem e valor".
Segundo Chávez, a oposição boliviana, "valendo-se de artimanhas e terrorismo", está boicotando a Constituinte, que está por terminar "sem poder aprovar um artigo sequer".
O líder venezuelano revelou que conversou com seu colega do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, sobre a necessidade de se fazer algo "para evitar que na Bolívia ocorra o que aconteceu na Venezuela em 2002", em referência à tentativa de golpe que o tirou do poder durante 47 horas.

Já menos incisivo, Chávez lembrou que "estamos vendo a profecia de Che: um Vietnã, dois, três Vietnãs na América Latina. Equador e Venezuela são povos rebelados. O que é a Bolívia hoje se não um Vietnã? Um povo que despertou, um líder à frente que está derrotando as forças do Império e os lacaios oligarcas, que arremetem contra Evo, Venezuela e Cuba", analisou Chávez.

Neste domingo, durante uma conversa "ao vivo" entre Chávez e o presidente cubano licenciado, Fidel Castro, os dois líderes lembraram que Che Guevara pensou em estabelecer uma guerrilha na Venezuela antes de seguir para a Bolívia, onde foi morto em 1967. "Che tinha planos para ir à Venezuela, antes de ir à Bolívia", disse Chávez, antes de Castro responder que "depois da Revolução Cubana, na Venezuela estão se criando aceleradamente as condições para uma revolução".

"O mundo está repleto de Vietnãs contra o poder tirânico (os EUA), este Exército sobre o planeta", disse Castro, ao lembrar o sonho de Che de criar "um, dois, três, muitos Vietnãs" na América Latina.

André disse...

Não sei o que é pior. A Telesur, a tv do Chavez, ou ligar na TV Senado ou Câmara e dar de cara com um jornalista de esquerda, muitas vezes comunista e ultranacionalista declarado mesmo, entrevistando alguém de esquerda. Só zapeando pra agüentar esses canais.

Se um venezuelano fizesse o estrago que um vietnamita fazia lá nos anos 60... pobre coitado do Chavez. Ele deve ter pesadelos com barris de petróleo todas as noites. O preço caindo e os barris caindo em cima dele.

Mas o Vietnã hoje está bem próximo dos EUA...

Mandar o BOPE pra Caracas até q seria divertido. “02, faça o cidadão aqui falar em português, que afinal a gente não é obrigado a entender essa língua.”, he, he

"Che tinha planos para ir à Venezuela, antes de ir à Bolívia". Ele tinha planos até pra Papua Nova-Guiné, imagino. E aposto q fazia esse discurso aí dos “mil Vietnãs” até em igreja evangélica no interior da África.

É, paciência. Quem sabe um dia a gente arruma essa porcaria de subcontinente aqui. Uns 300 a 400 anos, quem sabe. Acho que muita coisa vai dar errado antes de começar a dar certo.

André disse...

O dia em que tentaram matar Brizola

Por Francisco Alves Filho

– Vamos matar o Brizola. Entreouvida no diálogo de dois policiais militares do Batalhão de Operações Especiais do Rio de Janeiro, a frase causou impacto – e foi seguida de várias outras, reveladoras de um minucioso plano traçado dentro do Bope para eliminar o então governador Leonel Brizola. 'Já temos os mapas dos deslocamentos diários dele', argumentou o policial que tentava convencer o colega a participar do plano. Dizia que se tratava de uma operação coletiva, com a qual 'a nata do Bope' estava de acordo. O motivo alegado para a conspiração era a suposta ordem dada pelo governador para que a polícia deixasse de subir morros atrás de traficantes. Uma reunião para esquematizar o ataque chegou a ser feita. A idéia só foi abortada por um golpe da sorte. O relato dessa história inédita está no livro Elite da tropa (Objetiva, 315 páginas), escrito a seis mãos pelo antropólogo Luiz Eduardo Soares e os ex-oficiais do Bope André Batista e Rodrigo Pimentel. Inspirado-se em fatos reais, mas valendo-se de nomes e locais fictícios, os autores conduzem o leitor a um impressionante mergulho no cotidiano de violência e corrupção da Polícia Militar fluminense.

No caso do complô contra Brizola, porém, eles optaram por usar o verdadeiro nome da vítima. O diálogo que o livro reproduz foi presenciado por um dos autores, que ainda hoje não quer se identificar. A troca de frases é feita por dois outros policiais militares, também não identificados. – 'Matar Brizola? Você está louco. – Não sou eu, somos nós. Podemos estar loucos, mas não somos covardes (...). Ele nos impôs cumplicidade, nos obrigou a facilidades. Que policial sou eu? (...) Eu quero agir dentro da lei. – Desde quando matar o governador é cumprir a lei?', argumenta o oficial contrário ao plano. – 'Se o governador é a antilei, se impede o cumprimento da lei, se bloqueia a luta contra o crime...', ataca o conspirador. Mais a frente, o policial que planeja o atentado adverte - 'Não é brincadeira não. É sério', afirma. 'E você está envolvido, queira ou não queira. Até porque, meu caro, sendo uma missão de segurança máxima, quem hesitar dança (é morto)'.

Mais à frente, o livro relata a reunião dos policiais conspiradores em uma sala, debruçados em um mapa do bairro de Santa Tereza, onde Brizola teria 'parentes'. Depois de várias discussões sobre o plano, a idéia acabou arquivada por um motivo prosaico:

um dos policiais argumentou que sua mãe, uma espécie de mascote da tropa, achou tudo aquilo uma maluquice.

Bocage disse...

Rsrs

O Brizola salvo mais uma vez por uma calcinha...

Heitor Abranches disse...

Pois é André,

Este é um dilema terrível que algumas vezes surge!

As forças armadas são leais ao que?

Ao Estado-nação Brasil?
Ao Governo de plantão?
A Constituição?

E se eles acharem que o governo de plantão é traidor da pátria e uma ameaça a Constituição?

Estes são problemas reais que cabe ao político evitar por ter uma postura não-corrupta, de respeito as leis, de ação consensual e de respeito as minorias...

André disse...

De vez em quando isso acontece: forças militares que resolvem fazer o serviço por conta própria. Já pensou se o Exército fizesse algo assim com o PT? Teriam q pegar muita gente...

Quando viram o Brizola como a "anti-lei", quase mataram o cara.

Ha ha, e o cara foi salvo por uma "tia", por uma avó "mascote" do... BOPE! Essa velhinha aí estava segura...

André disse...

Acabei de ver todas as velas acesas. “Pela extinção dos memes religiosos...” Todas ficaram muito boas.

Acho q vou acender uma também. Quero a Luize Altenhofen, uma conta numerada na Suíça e um apartamento bem legal em Roma. Melhor ir por partes, pedir primeiro a garota.


“TSE proíbe adesivos com alusão a mindinho amputado de Lula”

Sim, eu fiquei sabendo. Será q na época falei disso com vcs? Não sei. Parece que proibiram também aquele outro, da garrafa e do copo com a faixa vermelha em cima, escrito em baixo: “se beber, não governe”. Achei engraçado.

Bom, aqui em Brasília eu via desses adesivos o tempo todo.

Valha-me Nossa Senhora da Assunção... é tanta vela acesa que meu PC vai queimar.

Em “veja todas as velas”, um tal de Aarão de Andrada, de Brasília, pediu pelo “fim de todas as superstições”. Será q ele é dos nossos? , he, he.

A maioria dos fiéis é direta: “pela proteção de Nossa Senhora”.

Uma garota (ou mulher, sei lá) pediu pelo “bloqueio do aquecimento global”. Ora, então pare de acender velas, menina!

André disse...

Comentei no post errado. Lá vai de novo:

Incrível o site desse Gil. E bem feito. Se é q ele existe. Será q existe?

O site vem em três idiomas e é realmente bem feito. Simples, mas bem feito. Mas aquela do caminho inca... quéqué isso? Ele faz o maia também? E o asteca? E o dos egípcios? E o dos sumérios da Mesopotâmia? E o dos romanos? E o dos mongóis? E o dos espartanos? E?...

Se isso for sério, quer dizer, real, e acho q é, esse cara deve ganhar uma bela grana fazendo isso. Será só um cara disposto com um monte de boas intenções (as quais, a gente já sabe, vão todas para o Inferno)? Duvido.

De qualquer forma, ele deve andar pra burro. Já deve ter virado lenda: Juanito El Caminhador por aqui, Johnnie Walker na Escócia.

Quem sabe um dia ele aparece no Fantástico.

P.S.: já acendi minha vela.

Bocage disse...

Rsrsrs

Velas virtuais em honra a seres virtuais.

É Aaarão, com três As. Minha intenção foi aparecer na primeira página, rsrs. São mais de duas mil. Na 666ª há uma vela virtual de uma certa Maria X na intenção dos familiares(!) para que percebam que a bebida é um grande mal. Minha Nossa Senhora!

Bocage disse...

"Se é q ele existe. Será q existe?"

Por certo! Há uma reportagem da RTP sobre seu "trabalho".

A figura lembra-me um bocado aquele Ahmadinejad, rsrs.

Anônimo disse...

O Brizola salvo mais uma vez por uma calcinha


????

André disse...

Ele parece mesmo com o presidente do Irã...

Holy Father disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Holy Father disse...

Problemas com a acentuação.

Se não acreditam o problema é de vocês. Ao menos deveriam deixar de vandalismo e de macular o site do Santuário de Aparecida com essas brincadeiras de criança. Já reportei as agressões ao administrador do site e as velas serão apagadas.

"Ainda assim, o que foi mostrado é bem legal: táticas de assalto silenciosas, rápidas, letais e, claro, o tiro de precisão dos snipers."

Acha isso legal? Você acha que a vida é um game. Essas pessoas têm mãe, pai, filhos e um Deus que as ama infinitamente.

André disse...

Caso alguém tenha algum interesse pelo assunto: (Irã e Rússia)

http://execout.blogspot.com/2007/10/iran-real-agenda-behind-putins-visit.html

http://execout.blogspot.com/2007/10/odd-threat-against-putin.html

http://execout.blogspot.com/2007/10/world-war-i.html

http://execout.blogspot.com/2007/10/russias-plans-for-iran-2006.html

http://execout.blogspot.com/2007/10/russia-how-iran-figures-in-talks-with.html

http://execout.blogspot.com/2007/10/iran-russia-and-us.html

http://execout.blogspot.com/2007/10/russia-putin-takes-on-outdated-treaties.html

http://execout.blogspot.com/2007/10/iran-almost-dollar-free.html

Catellius disse...

"O Brizola salvo mais uma vez por uma calcinha."

Acho que porque ele teria fugido para o Uruguai vestido de mulher. É isso?

Holy Father,

Acendi uma vela por você também.
Intenções: Pela conversão dos membros do Pugnacitas.

Acompanhe aqui o derretimento, he he.

Bocage disse...

2007-10-14
Itália: Entrevista causa embaraço à Santa Sé
Padre do Vaticano admite ser gay

O Vaticano suspendeu um sacerdote bem colocado na Santa Sé por ter admitido publicamente a sua homossexualidade. A confissão teve lugar durante uma entrevista televisiva anónima, durante a qual a sua voz foi distorcida e o rosto oculto. Mas colegas, amigos e superiores identificaram-no devido à filmagem realizada no seu escritório.


Na entrevista da polémica, o padre afirma “não se sentir em pecado” por ser homossexual, mas prefere manter o anonimato “para evitar reprimendas dos superiores, devido à actual posição da doutrina católica face ao celibato dos padres e à homossexualidade”.

O porta-voz oficial do Vaticano, Federico Lombardi, revelou ontem a suspensão do sacerdote até o caso ser devidamente investigado e considerou que a Igreja “tem de intervir de forma severa e decisiva num caso de comportamento incompatível com os deveres sacerdotais e a missão da Santa Sé”. Apesar de a Igreja não considerar as tendência homossexuais erradas em si mesmas, exige dos padres o respeito pelo voto de castidade.

A identidade do infractor não foi revelada, mas sabe-se tratar-se de um padre integrado num departamento encarregue da supervisão dos assuntos sacerdotais no estrangeiro, que aparece frequentemente num canal de TV católico italiano.

À MARGEM

NORMAS RENOVADAS

O Vaticano proibiu em 1961 a admissão de homossexuais nos seminários mas em 2005 mudou de política. À luz das novas normas, os homens com comportamentos homossexuais “transitórios” podem ser ordenados após três anos de oração e castidade.

INVESTIGAÇÃO

Os estudos sobre a homossexualidade na Igreja abundam, mas não são conclusivos. Um deles, relativo aos EUA, afirma que 33% dos sacerdotes do país são homossexuais, média superior à verificada no resto da população.

F. J. Gonçalves com agências

André disse...

Waaal, agora somos Vândalos.

Aqueles lá da Europa, os primeiros quebradores oficiais de carteiros europeus e moinhos?

Quem era o BOPE naqueles tempos?

“Já reportei as agressões ao administrador do site e as velas serão apagadas.”

Ah, agora tem um coordenador pedagógico aqui! Que meda! Um dia vou entrar no Pugnacitas e vai aparecer uma tarja preta na tela:

“A Opus Dei, os dominicanos, os jesuítas e as freiras cegas do mosteiro de Santo Atanagildo de Trebizonda BLOQUEARAM esse site.”

E aí eu vou conclamar uma cruzada pra libertar os sites de livres-pensadores. Uma cruzada herege.

“Essas pessoas têm mãe, pai, filhos e um Deus que as ama infinitamente.”

Sim, e o caras do BOPE também. E os homens das Waffen SS na II Guerra também. E o sérvios que lutaram (e empataram!) com as SS na guerra. E os americanos, ontem e hoje. E os vietnamitas. E os soldados de Saladino, o curdo. E os mongóis de Gêngis Khan. E os homens que lutaram ao lado de Maomé. E os falangistas de Alexandre, o Grande (grande açougueiro, aliás. Foi o criador da batalha de choque, decisiva, aquela que vai até o fim e não deixa prisioneiros. Ele era um gênio militar, mas louco. Se entregava a surtos assassinos, eliminava milhares de soldados — nem vamos falar nos civis e suas cidades — de uma vez, por puro prazer, já encerrada a batalha) também.

Meu caro, a guerra é algo terrível. Por isso se chama guerra. Ela tem facetas horríveis e também algumas belas. E outras imprevisíveis. Certos homens que em tempos de paz não dariam em nada “surgem”, se erguem e começam grandes carreiras por causa dela. E não estou falando dos homens de guerra somente. Estadistas, por exemplo, que sem uma guerra não passariam de políticos rotineiros, por falta de oportunidade.

A guerra é uma forma de caos controlado. Mas eu não sou pelo free for all, o cada um por si. Não mataria um homem desarmado ou feito prisioneiro. Nem mulheres ou crianças. Não aprovo execuções. Nem achei “legais” as torturas mostradas no filme. Na verdade, me sinto mal ao ver essas coisas. Que bom, senão haveria algo de errado comigo.

O que me interessa é o combate, puro e simples. Enfim, se o cara pega um fuzil e entra em combate, a coisa muda. Ele quer te derrubar e você tem que derrubá-lo. E lembre-se de que assim como ele é um alvo para vc, vc também é um para ele. Pessoas podem pensar em suas famílias quando agonizam, mas durante um combate, quando o bicho pega, é diferente. Guerra (também) é isso. Poderia me estender mais, mas acho que já disse o suficiente.

Além do mais, esse é um desses assuntos em que quem concorda com as minhas razões já sabe do que estou falando, não é novidade pra eles, enquanto quem discorda nunca vai mudar de idéia, muitas vezes porque não me entende — nem às minhas razões.

Relativo a isso:

http://execout.blogspot.com/2007/05/morte-pelos-olhos-frios-do-atirador-de.html

É, Bocage, o cara pode ser gay, mas dentro do armário,in the closet, escondidinho.

Essas entrevistas “com voz desfigurada”, francamente. Todo mundo conhece a pessoa na área, não adianta. Só se usam a voz do Darth Vader e desfiguram a imagem, de modo a ser impossível saber até o sexo! E aqueles pobres coitados em morros e periferias que caem nessa da entrevista com voz alterada? Isso é sacanagem.

Queria dizer algo sobre isso, a viadagem apostólica, mas me deu branco. Catelli, faça as honras, se os seus intrincados projetos lhe derem tempo pra suspirar, he, he

E olha o camburão do BOPE (Batalhão de Operações Eclesiásticas) aí gente! Vão nos pegar na hora da missa!

André disse...

Lampião, o Estadista (aquele que viaja pra muitos Estados, e só os errados):

Lula está em Burkina Faso. Assinou importantes acordos de biocombustíveis em Burkina, cujo nome da capital é impronunciável.

Só se esse "bio" aí quer dizer combustível feito de gente, pq o país (país?) não tem nada.

Lá a imprensa é totalmente controlada pelo Estado. Imagina-se o resto.

É por isso q ele adora ir pra lá? Ou vai pra distribuir computadores Lentium e leitinho (de soja?) pro Quinto Mundo?

Ele deve estar se sentindo em casa, ou como queria q fosse sua casa (q infelizmente também é a nossa).

Depois vai para o Congo. Será q lá eles ainda dão aqueles pacotes de diamantes brutos de presente para as visitas?

Jacques Chirac ganhou um troço pesadíssimo cravejado de diamantes do Mobutu Sese-Seko, q mudou o nome do Congo pra Zaire e promoveu em seu país a luta (e q luta!) do Cassius Clay/Mohammed Ali Vs George Foreman. Bela luta.

Foi o maior escândalo na França, ele teve q devolver o presente. Não colou a desculpa dele estar se valendo da cota para presentes PESSOAIS, além dos presentes para o PAÍS, em nome de outro país. Um Estado presenteando o outro, mas com um free shop para o líder máximo... Afinal, Chirac trouxe o mimo escondido na bagagem. Pois sabia q o valor excedia, e muito, o da tal cota pessoal. Que presente pra França q nada. E que piada.

Chirac foi um dos prefeitos mais corruptos de Paris, um tipo de Maluf. Mas lá mesmo esses caras tem q tomar certos cuidados.

Aqui pode tudo. Imaginem algo assim no Brasil. O que aconteceria com um Lula numa situação dessas, ganhando um monte de diamantes? Nada, por certo. Mas "presente para o país", se é q existe essa regra por aqui, ah, eles jamais aceitariam essa. Dariam um jeito de contornar. Na mesma hora a D. Marisa, a Primeira-Jeca, iria querer o troço. Provavelmente pra enfeitar a parte de cima de sua cachola - também plena de espaço interno.

Enfim... divagações de fim de noite. Agora é comer, papar e nanar.

Buenas para todos

André disse...

correção: agora é papar, estudar e nanar. Comer E papar, que falha!

A Língua disse...

KOMMUNISTAS FILHOS DA PUTA!


Hino do MST

Letra: Ademar Bogo
Música: Willy C. de Oliveira

Vem, teçamos a nossa liberdade
braços fortes que rasgam o chão
sob a sombra de nossa valentia
desfraldemos a nossa rebeldia
e plantemos nesta terra como irmãos!


Vem, lutemos
punho erguido
Nossa força nos leva a edificar
Nossa pátria
livre e forte
construída pelo poder popular


Braço erguido ditemos nossa história
sufocando com força os opressores
hasteemos a bandeira colorida
despertemos esta pátria adormecida
o amanhã pertence a nós trabalhadores!

Nossa força resgatada pela chama
da esperança no triunfo que virá
forjaremos desta luta com certeza
pátria livre operária e camponesa
nossa estrela enfim triunfará!

A Língua disse...

Lula sabe, Lula quer: "BANHO DE SANGUE"
A pedido do des-governo mundial iluminatti representado pela cortina de nome ONU, fez o jog de demarcar área rica em nióbio com desculpa de ser área indígena e que não deve ter ocupação militar o que de acordo com a manipulação da lei agressora ONU, se transforma em vazio territorial necessário de apoio internacional para desmembramento do País (o Brasil) de origem.

Agora entendem porque a sede da ONU no Iraque foi explodida por um camião tanque dirigido para chocar-se contra a tal sede?

Susto do General

O general Heleno afirmou também que a responsabilidade da defesa nacional não é só das Forças Armadas, mas também de toda a sociedade.

O militar considerou que "é preocupante" a declaração das Nações Unidas, assinada em setembro, que recomenda a desmilitarização das terras indígenas e que permite aos povos indígenas determinar sua livre condição política, criando um Estado dentro do Estado.

"Eu me assustei. Fiquei preocupado quando vi os termos da declaração".

O general Heleno também criticou o artigo que diz que "não se desenvolverão atividades militares nas terras indígenas, a menos que se justifiquem por ameaças graves ao interesse público ou que se faça um acordo com os índios". Para ele, "o vazio demográfico e a falta do Estado são dois grandes inimigos" da segurança nacional.

Intervenção dolorosa

O general Heleno comentou a situação dos moradores da Raposa Serra do Sol, em Roraima.

O militar lembrou que "uma intervenção dolorosa" está prestes a ser realizada, para a retirada dos arrozeiros e entrega das terras aos índios.

Os produtores prometem reagir se tentarem retirá-los de lá.

TODA A RESPOSTA ESTÁ AQUI.
Leia o artigo de Rebecca Santoro: Perdemos Roraima?

A Língua disse...

A "COISA" GAY: a intolerância kúmmunista sobre os CRISTÃOS

Este é um assunto que estarei tratando dia após dia:
O texto está sendo atualizado, então não repare alguns erros de digitação. Ainda falta um trecho da matéria. Abaixo está o link do nosso Orkut.

dom. 14 de outubro de 2007
Programa Fantástico completa mais uma tarefa da manobra escravista de repressão ás pessoas de bem.

Agora a pouco no jornaleco comunista e promíscuo Fantástico da Rede Bobo de Televizornia (TV em russo) da zelitch kúmmunista de tomada de assalto silencioso da mídia para dominar visualmente e mentalmente a população de forma bochevique, mostrou a parada gay que é a parada para dizer "basta à moralidade e à decência".

O movimento gay é patrocinado pelos donos do satanismo que detém kúmmunismo nas mãos para manipulação da sociedade para encaixá-la às peças para a realização do futuro de um governo ditador baseado nos livros de Marx, Maquiavel, Gramsci, e outros monstros que se deliciaram e deliciam com invenções de táticas de manipulação em massa, os Cérebros humanos que querem controlar os Pinks (paródia com o desenho animado dos ratinhos Cérebro - o dominador de massas - e o Pink - inocente e risonho).

A melhor forma bandidos do crime organizado satanista (comunista) é o uso de medidas impositoras de sistema econômico controlado pelo governo para que o povo seja pobre. Além disso, enfiltrar na sociedade com pessoas que transmitem o vírus da AIDS, as drogas para que os jovens de então formem uma sociedade sem princípios para que sinta-se desmoralizada para quando pedir por respeito às coisas públicas. Uma sociedade destruída quando jovem será uma sociedade adulta vulnerável. Está no livro lido por Lula, o Manual de Implantação do Comunismo de Beria.

Com a imposição de lei não de agressão a homossexuais não escolhida e nem consultada pela maioria de opressão aos indivíduos de bem, ficará fácil para que os bandidos líderes do trafico de drogas (todos os partidos de esquerda principalmente PT e PCdoB) que também são agentes das manipulações dos impérios europeus para a contínua colonização e escravização do POVO BRASILEIRO que é vista como "massa", ficará fácil tomar qualquer atitude de repessão às pessoas de moral para TRAVÁ-LAS E ASSIM TIRAR QUALQUER DIREITO DE IR E VIR.

Essas máfias kúmmunistas de bandidos de gravatas, ISSO MESMO, BANDIDOS DE GRAVATAS!, vão poder ter controle sobre as pessoas ao manipular ataques individuais e grupais de homossexuais contra quem quiser e o indivíduo ao se defender, será processado por agredir homossexual pelo motivo dele ser homossexual e o indivíduo que pela Constituição e Código Penal tem direito à própria defesa, terá seus direitos substituídos por outro e isso causará uma bagabunça como um vírus de computador causa no computador porque cria uma confusão. O mais notável dessa manipulação é o soterramento das Leis de Deus.

Agoro pergunto: De onde veio tanto dinheiro para fazer aquele jogo de imagem para oprimir a reação pública que é DESPROVIDO de DIREITO DE RESPOSTA?
O dinheiro veio do roubo de nossos impostos para a CELEBRAÇÃO DA CLASSE KRIMINOSA KÚMMUNISTA.

Toda aquela armação contra nós é paga com as taxas IMPOSTAS à nós, daí "IMPOSTO". Somos obrigados a pagar a nossa própria repressão.

E qual é a solução para esse golpe institucional, imoral, e constitucional?
Simples: União de todos nós para esclarecer as origens desse golpe que vem da máfia do governo mundial conduzido pela ONU que é a cortina que cobre as faces dos "intocáveis" dos Iluminatti, os embaixadores do Great Satan (grande satan), o próprio satanás. Imediatamente temos que mostrar O DIREITO DE PROTEÇÃO que a CONSTITUIÇÃO dá a qualquer cidadão de qualquer "GÊNERO" (masculino ou feminino), não importando seu credo religioso ou preferência sexual.

Criar um direito de repressão para pessoas de uma classe de preferência sexual e que ainda infrigem a Lei de PUDOR SEXUAL sobre aquelas que permanecem em conduta normal e reconhecidamente cristã também ensinada pela cultura judaica, islâmica, indú, e muitas outras, todas baseadas nas REVELAÇÕES DA PALAVRA DE DEUS aos seus profetas, é passar por cima dos conceitos organizacionais de civilizações.

E O PIOR! Tudo isso é uma tática satânica tomada antes do golpe comunista na Rússia. Depois disso, todos os homossexuais que serviram de manobra para controlar as pessoas normais, foram fuziladas.

NO KÚMMUNISMO
TODAS AS PESSOAS QUE FORAM FERRAMENTA DE USO DOS LÍDERES, FORAM DEPOIS FUZILADAS.
OS HOMOSSEXUAIS OU AQUELAS INCITADOS A PRATICAR HOMOSSEXUALISMO PARA SOMAR NÚMERO DE MASSA PARA CAUSAR IMPACTO NA SOCIEDADE COMO VIMOS NAS IMAGENS PROPAGADAS PELA GLOBO, FORAM DEPOIS FUZILADAS.


"KÚMMUNISTA NÃO GOSTA DE GAYS NEM DE NEGROS"

Esses são primeiramente usados para oprimir os não inimigos (os bons) com mentiras, ódios, e enfrentamentos autorizados por leis não defenidas pela maioria, depois são fuzilados.

Mas o povo brasileiro não lê, muito menos esses obsecados por sexo animal sem qualidade (promíscuo) e pensam que estão sendo defendidos, quando na VERDADE, eles estão sendo massa de manobra para ajudar OPRESSORES, BANDIDOS, SATANISTAS.



E a Igreja Universal, porque ela patrocina isso sendo que tem os fiéis que patrocinam-na com tanto dinheiro? Não importa, o povo cristão é burro porque acredita na inocência e na pureza, para eles, eles continuarão dando dinheiro à tal máfia religiosa quanto darão dinheiro IMPOSTO pelo governo.

E a Igreja Católica Apostólica Romana. Porque apóia o PT e o PCdoB mesmo a URSS tendo tentado matar o Papa João Paulo II por mais de duas vezes? - É difícil explicar, mas não impossível. A Igreja é em parte dominada por fora do papado, ela é dominada pelos iluminatti que têm operadores kúmmunistas que corróem a doutrina da Igreja e a Palavra de Deus para que eles promovam o kúmmunismo que depois virá destruir as religiões. Mas isso não é propagado e a ocultação isso é um crime contra Deus.


Padres enchidos com o ódio satanista kúmmunista, esquecem das virtudes de Deus e adotam ser operadores gratuítos ou paupérrimamente pagos para a implantação lenta mas constante do kúmmunismo. Eles que vivem do dízimo e das ofertas dos ricos e pobres, incitam o ódio entre classes ao invés de promover a Paz de Cristo. Eles que vivem no conforto patrocinado pelo dinheiro da comunidade (os fiéis da cidade), usam o dinheiro dos fiéis para patrocinar as vindas de narco-traficantes das FARC cujas são protegidas em testamento por ninguém menos que Luís Inácio Lula da Silva, do AMOR DIVINO e das soluções pacíficas (DIGA-SE CRIATIVAS).esse que hoje possui mais de 2 bilhões de fortuna roubada de "CINIKATOS" e agora do dinheiro público sem parar e sem impedimento e que DESVIA parte dos impostos para nada menos que:

1 - COMPRAR FUZÍS AK-47 DE FORMA ILEGAL (NÃO DECLARADA) PARA A TOMADA KÚMMUNISTA A SER FEITA PELOS SEM-TERRA E OS FILHOS DOS SEM-TERRA, os sem-terrinhas (FALAREI DISSO DEPOIS);

2 - Patrocinar passeatas gays para engajar até pessoas que não são gays e que vão com as despesas pagas para a oportunidade de estar num carnaval fora de época pago com impostos pagos por outras pessoas e assim FORMAREM NÚMEROS que pressionarão a sociedade ordeira pelo enfrentamento debochante pela TV;

3 - Se não for através da dificutação do porte de arma, o povo ordeiro vai ser amarrado por um DISPOSITIVO JURÍDICO que amarrará os punhos dos pagadores de impostos para obedecerem os bandidos do poder através dos agentes de repressão, os homossexuais, cujos, se forem respondidos verbalmente ou agredidos por ENSINUAREM-SE OU ESTUPRAREM um filho seu, você irá para a cadeia, e o bandido estuprador terá apoio psicológico e terá pena abrandada ao máximo devido aos direitos que incluem proteção dos órgãos de repressão à sociedade ordeira que são as ONGs que se dizem não governamentais, mas são pagas com impostos e pelas organizações estratégicas dos ILUMINATTI como a Fundação Ford (para isso, não compre veículos FORD). Essa é a razão das perdas da Ford nos Estados Unidos. A sociedade ordeira esclarecida está negando a compra de veículos de corporações que patrocinam táticas malignas de manipulação e opressão da SOCIEDADE ORDEIRA.

4 - Manipulação dos professores através de táticas conjuntas com a CUT que fora criada junto com Lula para repetir a lavagem cerebral desses seja propagada aos alunos para que sejam pessoas de intelecto vazio somente tomado por ódio, ignorância, promiscuidade, e anti-americanismo, sendo que o Bush é regido pelos chefes que também controlam o kúmmunismo. Ao ter uma sociedade sem conhecimento sobre o mundo, o povo será sempre encurralado pela falta de visão que é possível viver melhor sem ter os políticos de esquerda que apenas manipulam o controle da sociedade através de comandos de ódios, invasões, conceitos de que quem tem deve ser saquado e morto e não de soluções que provêem a FELICIDADE DA REALIZAÇÃO DE MELHORES CONDIÇÕES DE VIDA E TECNOLOGIAS.

5 - Incita o ódio entre classes sociais ao invés de TRABALHAR PARA SOLUCIONAR AS DIFERENÇAS. Ele não diz que é da elite para que o povo ainda acredite nele apesar de tudo. Todas as vezes que Lula aponta crimes inexistentes a quem trabalha, é porque ele sabe que a socidade ordeira e a sociedade desarrumada por ele estão descobrindo a VERDADE!

Para acabar com todos as inversões de valores desenvolvida pela máfia das máfias de crimes organizados (partidos comunistas e partidos simpatizantes), é necessário fomentar o RESSURGIMENTO DA DIREITA!

Nunca houve direita no País desde o advento da tal Nova República. A direita defende o conceito de sociedade livre, livre para ir e vir, livre para criar e melhorar, livre para ter sua propriedade privada com direito de defesa próprio e da Constituição.

Eu convido a todos a engajarem o movimento DIREITA JÁ! que promete aquecer o País com pessoas de bem, estudadas e de projeto e não pessoas cujas o passado foi apenas defender classes de criminosos sejam pró-comunistas sejam agentes do comunismo (traficantes, corruptos, estupradores, e terroristas pró-entreguismo do País aos ídolos do mal kúmmunista).

Ao promover-mos a verdadeira direita, estaremos promovemendo os direitos baseados no Cristianismo, enfim, na harmonia entre as pessoas e não no patrocínio de assaltos de pessoas contra pessoas que forçadamente pagam taxas (IMPOSTAS = IMPOSTOS) que vão para os manipulados para fazer a futura tomada comunista através do campo às cidades.

Enfim, um governo tomado por facínoras comunistas, assassinos, idólatras de assassinos em massa, inimigos da Causa Cristã, não podem continuar soltos e mandando no país como se fosse normal conviver com o inimigo (kúmmunistas).

A partir de segunda, eu estarei adicionando um apêndice neste texto para vocês entenderem porque Luís Inácio Lula da Silva não pode continuar no poder. Ele visivelmente faz crimes de formação de quadrilha, atentado à soberania nacional, manipulação de filhos de alheios com manipulações de incitação ao crime de assassinato em massa, uso de dinheiro público para tráfico de armas.

Participe do nosso Orkut!
DIREITA JÁ!

a.h disse...

Excelente texto, André, assim como o filme. Gostei muito também.

Para mim, a cena emblemática foi aquela em que o capitão em treinamento com os candidatos ao Bope diz ao policial corrupto deitado no chão e com os pés cheios de bolha (não me lembro bem, mas é algo assim): "Está vendo este emblema aqui? Tu nunca vai ter um. Por que isto aqui não é pra policial corrupto. CORRUPTO!"

Esta cena disse tudo.

Bocage disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Heitor Abranches disse...

Freakonomics: O efeito Jane Fonda

Stephen J. Dubner e Steven D. Levitt

Se lhe pedissem para nomear o maior dos vilões do aquecimento global dos últimos 30 anos, eis aqui um nome que provavelmente não viria à mente: Jane Fonda. Mas será que deveria vir?

No filme "Síndrome da China" ("The China Syndrome", EUA, 1979), Fonda fez o papel de uma repórter de televisão da Califórnia que filmava uma otimista série sobre o futuro da energia naquele Estado. Ao visitar uma usina nuclear, ela vê os engenheiros entrarem subitamente em pânico devido àquilo que mais tarde foi chamado de "rápida contenção de um acontecimento potencialmente caro". Quando o dono da usina tenta acobertar o acidente, a personagem interpretada por Fonda convence um engenheiro a denunciar a possibilidade de um meltdown (derretimento do núcleo de um reator nuclear devido a resfriamento insuficiente) capaz de "tornar permanentemente inabitável uma área do tamanho do Estado da Pensilvânia".

"Síndrome da China" estreou em 16 de março de 1979 nos Estados Unidos. Com o movimento antinuclear no seu apogeu, o filme foi atacado pela indústria nuclear como sendo um ato irresponsável de esquerdistas semeadores de pânico. Mas 12 dias mais tarde ocorreu um acidente na usina nuclear de Three Mile Island, na região centro-sul da Pensilvânia.

Michael Douglas, produtor e ator do filme - ele fez o papel do cinegrafista de Fonda - viu o acidente em Three Mile Island no noticiário real da televisão, que sobrepôs cenas ao vivo da Pensilvânia a outras assustadoramente similares de "Síndrome da China". Ao contrário de Fonda, que era uma inimiga convicta da energia nuclear antes de fazer o filme, Douglas não era tão dogmático. Mas ele se converteu naquele momento. "Foi um despertar religioso", recordou ele em uma recente entrevista por telefone. "Senti que foi a mão de Deus".

Enquanto isso, Fonda tornou-se uma paladina total da causa. Em uma entrevista para a edição em DVD de "Síndrome da China" ela observa com satisfação que o filme ajudou a persuadir pelo menos dois outros homens - o pai do seu então marido, Tom Hayden, e o seu futuro marido, Ted Turner - a se voltarem contra a energia nuclear. "Fiquei fascinada pelo fato de o filme ter sido um grande sucesso comercial", disse ela. "Conhece a expressão 'Tínhamos pernas'? Pois transformamo-nos em uma lagarta após Three Mile Island".

O acidente em Three Mile Island, segundo um relatório da comissão presidencial de 1979, "teve início devido a defeitos mecânicos na usina, e tornou-se pior devido a uma combinação de erros humanos". Embora alguma radiação tenha sido liberada, não houve nenhum derretimento do núcleo do reator até o outro lado da Terra - nenhuma "Síndrome da China" - e tampouco o acidente de Three Mile Island causou mortes, ferimentos ou danos significativos, a não ser na própria usina.

O que ele produziu, com a ajuda de "Síndrome da China", foi um pânico generalizado. A indústria nuclear, que já não ia bem das pernas devido a pressões econômicas, públicas e regulamentações, cancelou os projetos para expandir-se. E, assim, em vez de termos nos tornado uma nação de energia nuclear limpa e barata, como antes parecia ser inevitável, os Estados Unidos continuaram construindo usinas de geração de energia que queimam carvão e outros combustíveis fósseis. Atualmente estas usinas respondem por 40% das emissões de dióxido de carbono vinculadas à produção de energia do país. Qualquer um que esteja buscando um vilão do aquecimento global não pode deixar de culpar essas usinas de energia à base de combustíveis fósseis - e também não pode deixar de questionar quais foram as conseqüências involuntárias do ativismo de Jane Fonda.

Mas a boa notícia é que a energia nuclear pode estar retornando nos Estados Unidos. Existem projetos para mais de 24 novos reatores e bilhões de dólares em potenciais garantias federais de empréstimos. Será que o medo do meltdown acabou, ou ele apenas foi substituído pelo temor do aquecimento global?

A resposta pode estar em uma tese de doutorado de 1916 do lendário economista Frank Knight. Ele fez uma distinção entre dois fatores-chaves para o processo decisório: risco e incerteza. A diferença fundamental, declarou Knight, é que o risco - por maior que seja - pode ser medido, enquanto a incerteza não.

Como é que as pessoas calculam risco e incerteza? Vejamos uma famosa experiência que ilustra aquilo que é conhecido como Paradoxo de Ellsberg. Existem duas urnas. A primeira, segundo lhe dizem, contém 50 bolas vermelhas e 50 pretas. A segunda também contém 100 bolas vermelhas e pretas, mas o número de bolas de cada uma das cores é desconhecido. Se a sua tarefa for pegar uma bola vermelha em uma das duas urnas, que urna você escolheria?

A maioria das pessoas escolheria a primeira urna, o que sugere que elas preferem um risco mensurável a uma incerteza imensurável (esta condição é conhecida pelos economistas como aversão à ambigüidade). Será que a energia nuclear, com os riscos e tudo o mais, é tida agora como preferível às incertezas do aquecimento global?

A França, que gera quase 80% da sua eletricidade a partir da energia nuclear, parece achar que sim. E também a Bélgica (56%), a Suécia (47%) e mais de uma dúzia de outros países que geram pelo menos um quarto da sua eletricidade a partir da energia nuclear. E qual é o maior produtor mundial de energia nuclear?

Por mais improvável que pareça, a resposta é... os Estados Unidos. Ainda que a construção de novas usinas nucleares tenha sido cancelada no início da década de 1980, os 104 reatores atuais do país produzem quase 20% da eletricidade consumida pelo país. Essa porcentagem na verdade aumentou com o passar dos anos, juntamente com o nosso consumo, desde que a energia nuclear tornou-se mais eficiente. Embora os custos fixos de uma nova usina nuclear sejam superiores ao de uma usina movida a carvão ou gás natural, a produção de energia nos reatores nucleares é mais barata: a Exelon, a maior companhia nuclear dos Estados Unidos, alega produzir eletricidade a 1,3 centavo de dólar por kilowatt-hora, contra 2,2 centavos no caso do carvão.

O entusiasmo pela energia nuclear pode estar em alta, mas ele sempre será contido pela menção de uma única palavra: Chernobyl. O desastre ucraniano de 1986 matou diretamente pelo menos algumas dezenas de pessoas e expôs milhões de outras à radiação. Um novo estudo feito pelos economistas Douglas Almond, Lena Edlund e Marten Palme revelam que em países tão distantes quanto a Suécia, nas áreas para as quais o vento carregou a nuvem radioativa de Chernobyl, os bebês que à época estavam no útero das mães apresentaram mais tarde um desempenho significativamente pior na escola do que as outras crianças suecas.

Mas o carvão também tem os seus custos, que não se restringem apenas àqueles relativos à ameaça do aquecimento global. Nos Estados Unidos, uma média de 33 operários de minas de carvão morrem a cada ano em acidentes. E na China, somente no ano passado, mais de 4.700 operários de minas de carvão morreram - uma estatística da qual o governo chinês se gabou como sendo uma grande melhora.

O acidente em Three Mile Island destruiu um dos reatores da usina. O outro, operado pela Exelon, continua silenciosamente a fornecer eletricidade para 800 mil pessoas. Em frente ao centro de treinamento da usina há uma pequena horta cercada com tela de arame: lá dentro há pés de milho, tomate e beterraba. A produção é monitorada para detectar a presença de radiação. Em uma recente visita, embora tivéssemos constatados que as plantas estão precisando bastante de água, elas vão, tirando isso, muito bem.

Lá dentro, Christopher Crane, o diretor de operações da Exelon Generation, falou sobre as barreiras que a indústria nuclear precisa enfrentar antes de ter permissão para construir novos reatores. Entre elas: a antiga questão referente a como se livrar do combustível usado e determinar se a população superou o seu medo dos novos reatores nucleares. Crane senta-se em uma sala de conferência dentro do complexo de Three Mile Island. A paisagem lá fora é sinistra: prédios grandes e sem janelas; cercas que trazem no topo espirais de arame dotado de lâminas afiadas; atiradores vestidos com coletes à prova de balas a postos. A segurança em todas as usinas nucleares aumentou desde o 11 de setembro. Se um visitante não soubesse onde se encontrava, acreditaria estar vendo uma prisão de segurança máxima.

Essa similaridade sugere uma resposta à questão levantada por Crane a respeito da aceitação pública de novas construções de usinas nucleares. Houve época em que as pessoas não queriam que novas prisões fossem construídas em seus quintais - até que decidiram que o risco era relativamente baixo, e que os benefícios, em empregos e dólares advindos de impostos, eram substanciais. Será que com as usinas nucleares acabará acontecendo a mesma coisa? O mercado parece acreditar que sim - as ações da Exelon triplicaram nos últimos cinco anos -, mas no fim das contas tudo poderá depender do tipo de filmes-desastres que Hollywood estiver planejando produzir.

André disse...

A demagogia do governador do DF, Arruda, “o do painel”, que determinou a abolição do gerúndio. Ele demitiu uma forma verbal como se fosse uma pessoa. Que idiota. Fez isso pra aparecer.

A historiadora Mary del Priore lançou um livro que conta a decadência da família imperial por meio de Pedro Augusto, neto “maldito” do melancólico dom Pedro (o garoto, q pelo jeito tinha problemas mentais dormentes muito sérios, terminou velho e louco num hospício europeu, paranóico depois de mil conspirações palacianas. Parece q ele sempre odiou um moleque seu parente q queria tomar o trono. A desilusão de seu sonho de ser dom Pedro III...). Mas é difícil não rir do comportamento patético da nossa monarquia.

O problema é que a monarquia portuguesa tentou se transladar para um país sem tradição nem instituições e, apesar de lançar algumas bases do Estado-nação, não conseguiu forjar uma “elite” que merecesse o nome, que fosse além do privilégio e do improviso. A colonização portuguesa se acentuou num momento em que Portugal decaía no cenário da modernidade, e com a unidade nacional contraímos alguns “vícios de origem”. O livro de Adam Smith, A Riqueza das Nações, tão citado quanto ignorado, a exemplo de O Capital, de Karl Marx, também trata do assunto, mostrando as diferenças da colonização inglesa nos EUA, para não falarmos de sua fundação republicana. E esses vícios não foram enfrentados, como ainda não são, embora Portugal mesmo seja exemplo de que é possível.

Freakonomics é um bom livro, Heitor. E gostei desse artigo.

Esses atores, sempre com um parafuso a menos na cabeça... e tão ricos!

A França e a Alemanha parecem dominar a tecnologia de usinas nucleares. As francesas são o q há de mais seguro e moderno. As americanas pararam no tempo, eles querem reverter isso agora, com atraso.

Eu acho q aquecimento global é conversa de certos cientistas q querem grana para seus projetos. Quem critica é excluído da comunidade, dizem. E acho q é possível aquela tendência de aquecimento e resfriamento da Terra a cada 30 anos. Bom, vamos ver...

A nuvem radioativa de Chernobyl pegou as crianças suecas? Eu sabia das vacas (do leitinho delas, contaminado).

André disse...

Diagnóstico: Deus é maníaco-depressivo

Publicado em "The Onion", 2-Maio-2001

NEW HAVEN, CT - Num diagnóstico que ajuda a explicar aspectos do cosmo que há milênios confundem filósofos, teólogos e estudiosos da condição humana, a doença de Deus, criador do universo e divindade para bilhões de
seguidores, foi diagnosticada na última segunda-feira como psicose maníaco-depressiva, hoje chamada de transtorno bipolar afetivo.

O Senhor foi diagnosticado como maníaco-depressivo pelo Rev. Dr. Jurgens.

"Eu sempre soube que tinha de haver uma explicação", disse Jurgens, "e, após anos de pesquisa minuciosa e longas sessões com Deus Todo Poderoso, com intercessão da oração, fui capaz de apontar a natureza exata do
problema d'Ele."

O transtorno bipolar, ou psicose maníaco-depressiva, é condição que aflige milhões de pessoas. Caracteriza-se por ciclos de exaltação seguidos de
profunda depressão e desespero, podendo causar muito sofrimento ao paciente e seus entes queridos, especialmente quando fica sem tratamento por períodos longos. Calcula-se que o transtorno bipolar em suas várias formas
afete cinco por cento da população mundial, mas somente na última segunda-feira essa condição foi diagnosticada numa divindade maior.

Evidências da psicose maníaco-depressiva de Deus podem ser encontradas por todo o universo, das explosões monumentais dos quasares ao vácuo frio e sem
vida do espaço interplanetário. No entanto, salientam os teólogos, o
contato da humanidade com essa aflição do Criador vem principalmente da propensão Deste de alternar punição ou recompensa às suas criaturas sem qualquer motivo ou explicação.

"Na semana passada, perdi meu querido marido Walter na enchente", disse Elaine Froman de Davenport, IA, dona de casa e religiosa devota. "Me pergunto: Por quê? Por que Deus fez uma coisa dessas agora que Ele tinha
acabado de ajudar o Walter a vencer uma longa luta contra o câncer de cólon, e estávamos tão felizes por poder recomeçar a vida?"

Ruth Kanner, advogada de Nova Iorque, foi outra que conheceu em primeira mão as alterações de humor de Deus.

"No último sábado, numa linda tarde de primavera, eu corria no Central Park com a minha filha. Encantávamo-nos diante da beleza e da majestade da natureza, pensando em quão maravilhoso é o mundo em que vivemos. Foi então que, surgindo do nada, ouvimos o barulho de tiros", disse Kanner, falando de seu leito na enfermaria do Columbia Presbyterian Medical Center. "Só levaram uns míseros 17 dólares. Por causa deles, disseram os médicos, minha filha nunca mais andará. Se o Santo Pai não tivesse esses problemas mentais a minha preciosa Katie não estaria confinada a uma cadeira de rodas pelo resto da vida."

Jurgens salientou que as criaturas de Deus precisam entender que devido ao Seu transtorno bipolar, Ele não tem controle sobre Suas ações e não percebe como elas afetam a vida dos outros.

"O que Ele precisa é de compreensão e paciência", disse Jurgens.

"Parafraseando o próprio Deus, eu diria, 'Homens, perdoem-no, pois Ele não sabe o que faz.'"

Embora drogas como Paxil, Prozac e Zoloft tenham se mostrado eficazes no tratamento da doença bipolar entre humanos, nenhum dos modernos
medicamentos terrenos pode ser prescrito para uma divindade tão vasta e complexa quanto Deus. Jurgens está tentando formar o grupo de suporte chamado "Vivendo com um Deus Criador Bipolar", para que toda a humanidade "se dê as mãos e discuta seus sentimentos com relação a viver num universo
dirigido por um Bem Amado Onipresente que não tem o pleno controle de suas emoções."

Jurgens acredita que a condição de Deus seja relacionada às estações do ano, como é evidente por Suas explosões de energia e vitalidade na primavera e verão, seguidas de depressão e angústia no outono e inverno. Às vezes, no entanto, seus ciclos são ainda mais curtos.

"A média das pessoas com transtorno bipolar passa por 10 ou 12 ciclos de mania e depressão durante a vida. Em casos graves, o paciente pode experimentar quatro ou mais episódios por ano, no que se chama de 'ciclo rápido'", diz Jurgens. "Acreditamos que Deus sofra do raríssimo 'ciclo ultra-rápido', que seria responsável pelos muitos casos documentados em que Ele se alterna entre benevolência e raiva para com a humanidade em questão de segundos. Só na semana passada, por exemplo, enquanto trazia a chuva tão
esperada e benfazeja para o sul de Mali, infligia ao mesmo tempo um
terremoto devastador à Turquia."

Evidências adicionais da psicose maníaco-depressiva de Deus podem ser encontradas na Bíblia, na qual a eretomania dos Cânticos dos Cânticos contrasta fortemente com a tristeza e desespero existencial do Livro do Eclesiastes. O Livro de Jó, observa Jurgens, denota um dos melhores exemplos de Sua condição. Começa com as sombrias lamentações de Jó e termina com um episódio maníaco em grande estilo, exibindo os sintomas bipolares clássicos da ilusão de onipotência e mania de grandeza.

"Uma das maiores heresias da história cristã é a crença dos gnósticos de que o Criador, ou 'demiurgo', deste mundo atormentado é um deus cego,
idiota e insano", diz Jurgens. "Essa idéia aparece em muitas tradições religiosas ao redor do mundo, mas diz apenas meia verdade: Deus tem Seus
problemas como qualquer um, mas Ele tenta fazer o melhor que pode. Sua condição clínica faz com que suas emoções saiam fora de controle de vez em quando."

"Cabe a nós lidar o melhor que pudermos com os problemas emocionais de Deus," continua Jurgens. "Pois a humanidade nasce para a tribulação, como as faíscas se levantam para voar".

Catellius disse...

Legal esse texto, Heitor. Sou favorável à energia nuclear. Devemos minimizar os riscos, mas, como no caso dos carros, responsáveis por milhares de mortes todos os anos, abusus non tollit usum - abuso não impede o uso. Se a energia nuclear faz 10 vítimas por ano e espalha uma nuvenzinha radioativa aqui e ali (he he) é demonizada pelos ambientalistas. E a poluição causada pelas termoelétricas, e o impacto na fauna e flora da implantação de hidrelétricas? Se não abandonarmos a energia nuclear aí sim encontraremos um jeito de minimizar os riscos, obviamente. Como aconteceu com os itens de segurança dos automóveis. A questão, claro, é o material radioativo tão próximo de nós, o custo de segregá-lo de modo seguro, que impeça contaminação, os séculos para ele não ser mais uma ameaça, o uso criminoso por terroristas, por exemplo.
Em última instância, até energia de hidrelétricas é nuclear. Quem enche os reservatórios de água é a energia de bilhões de bombas de hidrogênio a 150 milhões de km daqui, no Sol, he he he.

Catellius disse...

Grande André,

"Eu acho q aquecimento global é conversa de certos cientistas q querem grana para seus projetos."

Ao que consta, realmente há aquecimento global. Resta saber se o causador é o homem. Muito improvável. Parece que há um aumento da atividade solar, que já ocorreu em outras épocas. O fato é que há camadas de gelo nos pólos outrora profundas que foram derretidas recentemente e que existiam há milhares de anos; costumavam sobreviver aos degelos. Outra questão é que o mundo realmente está absurdamente poluído. Devemos buscar energias limpas e minimizar a agressão a rios, oceanos, florestas e atmosfera.

"A nuvem radioativa de Chernobyl pegou as crianças suecas? Eu sabia das vacas (do leitinho delas, contaminado)."

Parece que o número de casos de câncer, especialmente na tireóide, em Kiev, a uns 200 km de Chernobyl, aumentou sobremaneira após o vazamento.

"...a doença de Deus, criador do universo e divindade para bilhões de seguidores, foi diagnosticada na última segunda-feira como psicose maníaco-depressiva, hoje chamada de transtorno bipolar afetivo."

Ha ha ha. Gosto do The Onion.
O Bocage me indicou a seqüência de filminhos muito engraçados do Mr. Deity. Ri muito. Texto e interpretação são ótimos. Vejam alguns episódios:

- Mr. Deity Episode 1: Mr. Deity and the Evil
- Mr. Deity Episode 2: Mr. Deity and the Really Big Favor
- Mr. Deity Episode 4: Mr. Deity and the Messages
- Mr. Deity Episode 5: Mr. Deity and Lucifer

André disse...

O chato é guardar o lixo radioativo e o problema do plutônio, q é feito a partir do urânio.

Ah, claro, aquela área toda na Ucrânia ao redor de Chernobyl é o maior festival de câncer. Um horror.

“Quem enche os reservatórios de água é a energia de bilhões de bombas de hidrogênio a 150 milhões de km daqui, no Sol, he he he.” Boa.

Mas o mundo está poluído demais mesmo, tem razão.

O+cioso disse...

Voltei, mediocridade!
O blog tá mesmo prás traças, kkkk.
Sempre foi ruim, mas perto disto aqui antes ele era um grande blog, kkkk.

Heitor Abranches disse...

Sobre o debate acerca do roubo do Rolex do Luciano Huck...

By the way, o Che tinha dois Rolex quando foi morto.


Pensamentos quase póstumos
LUCIANO HUCK
LUCIANO HUCK foi assassinado. Manchete do "Jornal Nacional" de ontem. E eu, algumas páginas à frente neste diário, provavelmente no caderno policial. E, quem sabe, uma homenagem póstuma no caderno de cultura.
Não veria meu segundo filho. Deixaria órfã uma inocente criança. Uma jovem viúva. Uma família destroçada. Uma multidão bastante triste. Um governador envergonhado. Um presidente em silêncio.
Por quê? Por causa de um relógio.
Como brasileiro, tenho até pena dos dois pobres coitados montados naquela moto com um par de capacetes velhos e um 38 bem carregado.
Provavelmente não tiveram infância e educação, muito menos oportunidades. O que não justifica ficar tentando matar as pessoas em plena luz do dia. O lugar deles é na cadeia.
Agora, como cidadão paulistano, fico revoltado. Juro que pago todos os meus impostos, uma fortuna. E, como resultado, depois do cafezinho, em vez de balas de caramelo, quase recebo balas de chumbo na testa.
Adoro São Paulo. É a minha cidade. Nasci aqui. As minhas raízes estão aqui. Defendo esta cidade. Mas a situação está ficando indefensável.
Passei um dia na cidade nesta semana -moro no Rio por motivos profissionais- e três assaltos passaram por mim. Meu irmão, uma funcionária e eu. Foi-se um relógio que acabara de ganhar da minha esposa em comemoração ao meu aniversário. Todos nos Jardins, com assaltantes armados, de motos e revólveres.
Onde está a polícia? Onde está a "Elite da Tropa"? Quem sabe até a "Tropa de Elite"! Chamem o comandante Nascimento! Está na hora de discutirmos segurança pública de verdade. Tenho certeza de que esse tipo de assalto ao transeunte, ao motorista, não leva mais do que 30 dias para ser extinto. Dois ladrões a bordo de uma moto, com uma coleção de relógios e pertences alheios na mochila e um par de armas de fogo não se teletransportam da rua Renato Paes de Barros para o infinito.
Passo o dia pensando em como deixar as pessoas mais felizes e como tentar fazer este país mais bacana. TV diverte e a ONG que presido tem um trabalho sério e eficiente em sua missão. Meu prazer passa pelo bem-estar coletivo, não tenho dúvidas disso.
Confesso que já andei de carro blindado, mas aboli. Por filosofia. Concluí que não era isso que queria para a minha cidade. Não queria assumir que estávamos vivendo em Bogotá. Errei na mosca. Bogotá melhorou muito. E nós? Bem, nós estamos chafurdados na violência urbana e não vejo perspectiva de sairmos do atoleiro.
Escrevo este texto não para colocar a revolta de alguém que perdeu o rolex, mas a indignação de alguém que de alguma forma dirigiu sua vida e sua energia para ajudar a construir um cenário mais maduro, mais profissional, mais equilibrado e justo e concluir -com um 38 na testa- que o país está em diversas frentes caminhando nessa direção, mas, de outro lado, continua mergulhado em problemas quase "infantis" para uma sociedade moderna e justa.
De um lado, a pujança do Brasil. Mas, do outro, crianças sendo assassinadas a golpes de estilete na periferia, assaltos a mão armada sendo executados em série nos bairros ricos, corruptos notórios e comprovados mantendo-se no governo. Nem Bogotá é mais aqui.
Onde estão os projetos? Onde estão as políticas públicas de segurança? Onde está a polícia? Quem compra as centenas de relógios roubados? Onde vende? Não acredito que a polícia não saiba. Finge não saber.
Alguém consegue explicar um assassino condenado que passa final de semana em casa!? Qual é a lógica disso? Ou um par de "extraterrestres" fortemente armado desfilando pelos bairros nobres de São Paulo?
Estou à procura de um salvador da pátria. Pensei que poderia ser o Mano Brown, mas, no "Roda Vida" da última segunda-feira, descobri que ele não é nem quer ser o tal. Pensei no comandante Nascimento, mas descobri que, na verdade, "Tropa de Elite" é uma obra de ficção e que aquele na tela é o Wagner Moura, o Olavo da novela. Pensei no presidente, mas não sei no que ele está pensando.
Enfim, pensei, pensei, pensei. Enquanto isso, João Dória Jr. grita: "Cansei". O Lobão canta: "Peidei".
Pensando, cansado ou peidando, hoje posso dizer que sou parte das estatísticas da violência em São Paulo. E, se você ainda não tem um assalto para chamar de seu, não se preocupe: a sua hora vai chegar.
Desculpem o desabafo, mas, hoje amanheci um cidadão envergonhado de ser paulistano, um brasileiro humilhado por um calibre 38 e um homem que correu o risco de não ver os seus filhos crescerem por causa de um relógio.
Isso não está certo.
LUCIANO HUCK, 36, apresentador de TV, comanda o programa "Caldeirão do Huck", na TV Globo. É diretor-presidente do Instituto Criar de TV, Cinema e Novas Mídias.
…………………………………………………
Pensamentos de um "correria"
FERRÉZ
ELE ME olha, cumprimenta rápido e vai pra padaria. Acordou cedo, tratou de acordar o amigo que vai ser seu garupa e foi tomar café. A mãe já está na padaria também, pedindo dinheiro pra alguém pra tomar mais uma dose de cachaça. Ele finge não vê-la, toma seu café de um gole só e sai pra missão, que é como todos chamam fazer um assalto.
Se voltar com algo, seu filho, seus irmãos, sua mãe, sua tia, seu padrasto, todos vão gastar o dinheiro com ele, sem exigir de onde veio, sem nota fiscal, sem gerar impostos.
Quando o filho chora de fome, moral não vai ajudar. A selva de pedra criou suas leis, vidro escuro pra não ver dentro do carro, cada qual com sua vida, cada qual com seus problemas, sem tempo pra sentimentalismo. O menino no farol não consegue pedir dinheiro, o vidro escuro não deixa mostrar nada.
O motoboy tenta se afastar, desconfia, pois ele está com outro na garupa, lembra das 36 prestações que faltam pra quitar a moto, mas tem que arriscar e acelera, só tem 20 minutos pra entregar uma correspondência do outro lado da cidade, se atrasar a entrega, perde o serviço, se morrer no caminho, amanhã tem outro na vaga.
Quando passa pelos dois na moto, percebe que é da sua quebrada, dá um toque no acelerador e sai da reta, sabe que os caras estão pra fazer uma fita.
Enquanto isso, muitos em seus carros ouvem suas músicas, falam em seus celulares e pensam que estão vivos e num país legal.
Ele anda devagar entre os carros, o garupa está atento, se a missão falhar, não terá homenagem póstuma, deixará uma família destroçada, porque a sua já é, e não terá uma multidão triste por sua morte. Será apenas mais um coitado com capacete velho e um 38 enferrujado jogado no chão, atrapalhando o trânsito.
Teve infância, isso teve, tudo bem que sem nada demais, mas sua mãe o levava ao circo todos os anos, só parou depois que seu novo marido a proibiu de sair de casa. Ela começou a beber a mesma bebida que os programas de TV mostram nos seus comerciais, só que, neles, ninguém sofre por beber.
Teve educação, a mesma que todos da sua comunidade tiveram, quase nada que sirva pro século 21. A professora passava um monte de coisa na lousa -mas, pra que estudar se, pela nova lei do governo, todo mundo é aprovado?
Ainda menino, quando assistia às propagandas, entendia que ou você tem ou você não é nada, sabia que era melhor viver pouco como alguém do que morrer velho como ninguém.
Leu em algum lugar que São Paulo está ficando indefensável, mas não sabia o que queriam dizer, defesa de quem? Parece assunto de guerra. Não acreditava em heróis, isso não!
Nunca gostou do super-homem nem de nenhum desses caras americanos, preferia respeitar os malandros mais velhos que moravam no seu bairro, o exemplo é aquele ali e pronto.
Tomava tapa na cara do seu padrasto, tomava tapa na cara dos policiais, mas nunca deu tapa na cara de nenhuma das suas vítimas. Ou matava logo ou saía fora.
Era da seguinte opinião: nunca iria num programa de auditório se humilhar perante milhões de brasileiros, se equilibrando numa tábua pra ganhar o suficiente pra cobrir as dívidas, isso nunca faria, um homem de verdade não pode ser medido por isso.
Ele ganhou logo cedo um kit pobreza, mas sempre pensou que, apesar de morar perto do lixo, não fazia parte dele, não era lixo.
A hora estava se aproximando, tinha um braço ali vacilando. Se perguntava como alguém pode usar no braço algo que dá pra comprar várias casas na sua quebrada. Tantas pessoas que conheceu que trabalharam a vida inteira sendo babá de meninos mimados, fazendo a comida deles, cuidando da segurança e limpeza deles e, no final, ficaram velhas, morreram e nunca puderam fazer o mesmo por seus filhos!
Estava decidido, iria vender o relógio e ficaria de boa talvez por alguns meses. O cara pra quem venderia poderia usar o relógio e se sentir como o apresentador feliz que sempre está cercado de mulheres seminuas em seu programa.
Se o assalto não desse certo, talvez cadeira de rodas, prisão ou caixão, não teria como recorrer ao seguro nem teria segunda chance. O correria decidiu agir. Passou, parou, intimou, levou.
No final das contas, todos saíram ganhando, o assaltado ficou com o que tinha de mais valioso, que é sua vida, e o correria ficou com o relógio.
Não vejo motivo pra reclamação, afinal, num mundo indefensável, até que o rolo foi justo pra ambas as partes.
REGINALDO FERREIRA DA SILVA , 31, o Ferréz, escritor e rapper, é autor de "Capão Pecado", romance sobre o cotidiano violento do bairro do Capão Redondo, na periferia de São Paulo, onde ele vive, e de "Ninguém é Inocente em São Paulo", entre outras obras.

Devemos sempre resistir à impressão de que o mundo enlouqueceu. O famoso conto de Machado de Assis "O Alienista" nos deixa essa lição. Doutor Simão Bacamarte, depois de trancar toda a cidade no manicômio - inclusive a sua própria mulher - acabou por trancar a si mesmo.


Se não é saudável nem prudente apostar na loucura geral, imaginando-se em plena sanidade, há evidências de que grassa uma epidemia de capota furada. Nas últimas semanas, os debates suscitados pela controvérsia Huck-Ferrez desataram um desfile de fúria e descontrole moral.


Há quem ainda apresente sintomas de sobrevivência do DNA do processo civilizador e dos valores da sociedade moderna e ouse escrever para as seções de Cartas ao Leitor ou comentar nos blogs os comentários dos fanáticos do Apocalipse. Os ululantes retrucaram com as armas do preconceito, da intolerância e da apologia da brutalidade, sem falar nos ataques em massa à última flor do Lácio, inculta e bela.


Alguém já dizia que há método na loucura, mas, desta vez, a desrazão caprichou na metodologia. As expressões "fascistas", "idiotas politicamente corretos", "elite vagabunda" poucas vezes foram utilizadas com tanta liberalidade e descuido.


A generosa distribuição de adjetivos foi acompanhada de exaltadas conclamações para o retorno dos militares ou sugestões para que os correrias de Ferréz fossem mais eficientes em seu "empreendedorismo" anárquico e, não raro, mortal.


Imagino como seria a vida dos "humanos direitos" sem instituições que garantam os direitos civis, econômicos e sociais obtidos a duras penas


Torço para que o destampatório seja mais um esgar do que um ideário consistente. Mas não custa ficar esperto: os estudiosos do totalitarismo sabem que a "autovitimização" da "boa sociedade" e a inculpação do "outro" foram métodos eficientes para a conquista do poder absoluto.


Vejo nos blogs: os mais furiosos se apresentam como "humanos direitos", em contraposição aos defensores dos "direitos humanos". Fico a imaginar como seria a vida dos humanos direitos na moderna sociedade capitalista de massas, crivada de conflitos e contradições, sem instituições que garantam os direitos civis, sociais e econômicos conquistados a duras penas. A possibilidade da realização desse pesadelo, um tropismo da anarquia de massas, tornaria o Gulag e o Holocausto um ensaio de amadores.


A sociabilidade moderna se move entre a inevitável pertinência a uma cultura produzida pela história e a pluralidade dos indivíduos. A identidade é "recebida" sem que o indivíduo seja indagado sobre suas preferências. Mas a história dessas sociedades trouxe o mercado como instância dominante da sociabilidade, o que supõe o "indivíduo livre" cujas ações egoístas ameaçam, para o bem e para o mal, a estabilidade do conjunto. Essa forma peculiar de sociabilidade torna difícil a compreensão e a mediação do conflito entre a reprodução da sociedade e a construção da autonomia individual, relação contraditória que só pode ser mediada precariamente pela política e pelo direito. Para assumir a condição de sujeitos de direitos e deveres, os indivíduos são constrangidos a abdicar de sua moral particularista. O consensus iuris é o reconhecimento dos cidadãos de que o direito, ou seja, o sistema de regras positivas emanadas dos poderes do Estado e legitimados pelo sufrágio universal, deve punir rigorosamente quem se aventura à violação da norma abstrata. Mas a mediação do Estado é precária, sugere Giorgio Agambem, pois a soberania é um frágil compromisso entre a natureza e a razão, o direito e a violência.


Hanna Arendt, em "Origens do Totalitarismo", abordou as transformações sociais e políticas na era do capitalismo tardio e da sociedade de massas. A economia dos monopólios promoveu a substituição empresa individual pela coletivização da propriedade privada e, ao mesmo tempo, a "individualização do trabalho" engendrada pelas novas modalidades tecnológicas e organizacionais da grande empresa. A isto se juntou a conversão ao regime salarial das profissões outrora conhecidas como liberais. A operação impessoal das forças econômicas produziu, em simultâneo, o declínio do homem público e a ascensão do "homem massa, cuja principal característica não é a brutalidade nem a rudeza, mas o seu isolamento e sua falta de relações sociais normais".


Trata-se da abolição do sentimento de pertinência a uma classe social sem a supressão das relações de dominação. "As massas surgiram dos fragmentos da sociedade atomizada, cuja estrutura competitiva e concomitante solidão do indivíduo eram controladas quando se pertencia a uma classe. O fato de que o 'pecado original' da acumulação primitiva de capital tenha requerido novos pecados para manter o sistema em funcionamento foi eficaz para persuadir a burguesia alemã a abandonar as coibições da tradição ocidental... Foi esse fato que a levou a tirar a máscara da hipocrisia e a confessar abertamente seu parentesco com a escória". A escória, na visão de Arendt, não tem a ver com a situação econômica e educacional dos indivíduos, "pois até os indivíduos altamente cultos se sentiam particularmente atraídos pelos movimentos da ralé".


Em seu último livro, "The Assault on Reason", misteriosamente não divulgado no Brasil, Al Gore, ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 2007, diz que "Hanna Arendt escreveu sobre o totalitarismo no século XX e ressaltou a importância da esfera pública (onde se forma o consensus iuris): ' O único remédio contra o mau uso do poder público pelos indivíduos privados está na constituição de um espaço público capaz de avaliar os procedimentos de cada cidadão, submetendo todos os indivíduos à visibilidade'. Quando as opiniões são bloqueadas (pelo particularismo dos monopolistas da informação), a meritocracia das idéias sofre um grave dano e o debate democrático escapa às normas da razão e pode ser manipulado".

Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e professor titular do Instituto de Economia da Unicamp, escreve mensalmente às terças-feiras. E-mail: BelluzzoP@aol.com

André disse...

Valeu, Heitor. Eu queria ler esses textos mesmo mas estava com preguiça de procurar.

“Um governador envergonhado. Um presidente em silêncio.”

Nossa, esse Huck se acha tão importante. É engraçado q na Veja ele tenha se preocupado muito em dizer q paga todos os impostos, q anda na linha e q até “faz um social” ajudando crianças carentes. Ele me pareceu fútil, vazio, auto-referente demais. Mas posso estar errado, claro. Ele pode ser fútil mas estar com a razão.

Mano Brown já deveria ter sido morto pela ROTA há muito tempo. Ele e os “mano”.

Esse Ferréz é uma “voz da periferia”, não é? Ah, o “sistema", sempre o culpado. O mal sempre está lá fora, sempre são “os outros”.

Acadêmico sonolento esse Belluzzo.
E ele é do PT.

“A operação impessoal das forças econômicas produziu, em simultâneo, o declínio do homem público e a ascensão do "homem massa, cuja principal característica não é a brutalidade nem a rudeza, mas o seu isolamento e sua falta de relações sociais normais.”

Hummm... mais um “culpado”.

“O fato de que o 'pecado original' da acumulação primitiva de capital tenha requerido novos pecados para manter o sistema em funcionamento foi eficaz para persuadir a burguesia alemã a abandonar as coibições da tradição ocidental.”

Que bobagem.

E ainda cita Hanna Arendt fora do contexto e, risos, Al Gore, que na hipótese mais caridosa é iletrado.

André disse...

Sonhos terceiro-mundistas (espero q a variada fauna de gays e janotas do Itamaraty não tente pegar o crédito por mais essa, se um dia isso der em alguma coisa):

Global Market Brief: IBSA's Global Ambitions

Brazilian, Indian and South African leaders met in Johannesburg, South Africa, for the second India-Brazil-South Africa (IBSA) summit Oct. 15-17. The three countries discussed furthering trade relations, energy cooperation and each country's bid to gain a permanent seat on the U.N. Security Council.

India, Brazil and South Africa formed IBSA after the 2003 G-8 meeting in Evian-les-Bains, France, which G-8 members invited developing countries to attend to better map out cooperation in globalization efforts. China, Mexico, Nigeria, Egypt, Brazil, India and South Africa attended the summit, and the latter three broke off to form what would become IBSA. Their exclusion of other developing nations points to their perception of themselves as well-functioning democracies with good governance and sustainable economic growth models relative to other large developing nations such as China, Nigeria and Egypt.

The three countries consider themselves representative of developing nations in their respective regions. With a combined gross domestic product of $2 trillion and a combined population of approximately 1.3 billion, IBSA symbolically serves as a counterweight to Western nations mainly by bolstering the three members' resolve and highlighting topics they claim are important to all developing countries, such as energy development, poverty reduction and sustainable economic growth.

The IBSA grouping is not a new phenomenon -- India and Brazil have been in other international coalitions, such as the G-77 and the G-20, seeking to challenge Western hegemony. However, IBSA will continue serving as an effective buffer against Western designs for global trade talks (unless Western nations drastically reduce agriculture subsidies). Furthermore, the three IBSA members will bolster attempts to link their national priorities with those of other less-developed nations, particularly in Africa, in an attempt to offer an economic partnership that is an alternative -- though not highly competitive at this point -- to the West and China.

Potential for Trade

During the Johannesburg summit, IBSA agreed to work toward increasing trilateral trade from $10 billion in 2007 to $15 billion by 2010. South African President Thabo Mbeki, Brazilian President Luiz Inacio "Lula" da Silva and Indian Prime Minister Manmohan Singh also released a summit agreement, known as the Tshwane IBSA Summit Declaration (named after a municipality in South Africa), that emphasized how important the World Trade Organization's Doha talks were to the developing world. The leaders called for the removal of agricultural subsidies and trade barriers in Doha discussions (a demand very unlikely to be met), claiming that industrialized countries are not making appropriate reductions in agriculture subsidies while demanding that developing nations remove protections on key industries. In typical da Silva fashion, the Brazilian leader told the press, "We don't want to participate (in the Doha Round) to eat the dessert. We want to eat the main course -- duck -- and have coffee afterwards, if possible."

While IBSA is symbolically important to cementing the developing countries' agenda against the Western agenda, the total internal trade volume IBSA proposes is small compared to trade with industrialized nations. Furthermore, the seven agreements signed at the IBSA summit were mostly lightweight, seeking greater cooperation on public administration, governance, tax administration, arts and culture, higher education, wind resources, health and medicines, and social development.

Still, each IBSA member can benefit from greater economic agreements, particularly in the energy, information technology and pharmaceutical sectors. In energy, Brazil is a world leader in ethanol and biofuels development; South Africa has expertise in coal-to-liquid and gas-to-liquid technologies; and India has wind and solar energy businesses. All three countries have large markets for these technologies as well. India is also eager to gain access to Brazilian oil exploration and nuclear power capabilities, while Indian companies -- especially in the services sector -- could gain significant access to the South African and Brazilian markets, particularly if future agreements include an investment treaty. India's generic drug industry might also profit significantly.

Ultimately, though, trade among these nations can only go so far while they still have large commodity-based, low-skilled economies that cannot complement one another as well as an industrialized economy could. For some time, all three countries will remain competitors for exports to more developed markets.

Scramble for African Resources

While the IBSA alliance is limited in its internal economic endeavors, its political clout among developing nations may go some way in serving the IBSA nations' economic interests, particularly in Africa. India, Brazil and South Africa lack Western countries' and China's capital and investment capabilities and will try to gain leverage in Africa by claiming that, as self-proclaimed leaders of the global south, they are looking out for Africa's interests and deserve inclusion in discussions on divvying up Africa's resources. In proclaiming that they are looking out for the developed world, they will also try to counter China, which is not wedded to the developing nation political cause, and its growing influence on the continent. While not above making deals with African politicians with questionable pasts, IBSA nations are attempting to portray themselves as the "good guys" who understand the plight of African countries.

Competition will likely arise between India and China over African oil. African countries combined hold approximately 114 billion barrels of oil, according to 2007 figures from Oil and Gas Journal. (In comparison, the Middle East has approximately 739 billion barrels.) While China and India will not come to diplomatic blows soon, there could be an increasing "race for resources" over the next 10 years as Indian and Chinese demands for energy resources continue to grow exponentially.

China imports about 25 percent of its oil from Africa, and that amount is growing. China's investments in Africa -- especially Sudan, which ships approximately 64 percent of its oil exports to China -- have been under increasing scrutiny from Western human rights activists who argue that China is facilitating genocide in Sudan by pumping funds into the Sudanese government. Furthermore, Africa as a whole is increasingly wary of China's influence on the continent.

India, which imports approximately 70 percent of the crude oil it consumes, struck a strategic partnership deal with Nigeria during the recent IBSA summit and is organizing a hydrocarbon conference in Africa in early November to hammer out agreements for more Indian investment opportunities. Throughout such negotiations, India will seek to differentiate itself from China as a non-threatening power. However, this is all India has going for it, as it sorely lacks the cash and technology to seriously compete with China in this arena. Furthermore, India's state-owned Oil and Natural Gas Company regularly gets hung up in red tape and bureaucratic excess, falling far behind in any bidding wars for overseas energy assets.

Africa also holds several important resources besides oil, including key minerals and biofuels inputs. Brazil is currently discussing agreements with African nations on biofuels, as Brazil seeks to expand its control over biofuels inputs, such as sugar cane. In more than half a dozen trips to the continent, da Silva has emphasized his country's historic ties with Africa and is now heralding biofuels as a way to lessen developing nations' dependence on oil imports.

This influx of capital and trading partners bodes well for South Africa, which has an interest in extending its political and economic reach throughout the continent and showing that it is capable of taking on a leadership role for Africa in organizations such as the African Union and the G-8.

IBSA's Future

South Korea and China have graduated from the list of Cold War Third World countries -- the G-77 -- to become economic powers in their own right. They are now playing on the global stage and competing with Europe, Japan and the United States for access to resources and markets. South Africa, Brazil and India appear to be on the cusp of similar growth. India is beginning to compete with China for access to oil in Africa. Brazil is rapidly becoming an important strategic supplier of agricultural commodities for both Europe and China. With the three countries banded together, IBSA could work one of two ways: It could provide assistance as each country joins China and South Korea as G-77 graduates over the coming years, or it could solidify its three members as leaders of emerging economies, focused on becoming the rich leaders of the world's poor.

In the former scenario, the IBSA alliance will most likely find relevance as a body similar to the G-8 -- a forum for discussion on a wide variety of economic, political, social and environmental issues -- rather than as a formal trade alliance. This would not be a stretch, as issues such as mutual support for each member's pursuit of a permanent seat on the U.N. Security Council took as much priority as economic cooperation at the IBSA summit. Trade agreements -- such as Latin America's Mercosur and Africa's Southern African Customs Union -- in each IBSA country's region will need to mature before these trade blocs begin breaking down barriers with each other, as IBSA members have discussed.

In the latter scenario, IBSA members will continue seeking influence in forums like the G-20, a group of both developed and developing countries. The stage is set for growing influence (and incidentally, the G-20 will meet in Cape Town, South Africa, on Nov. 17-18. Brazil will host the G-20 in 2008), but it is unclear if IBSA will move beyond its strident pro-developing country agenda and toward a concerted effort to cooperate with the rest of the world. Additionally, the efficacy of using alliances such as the G-20 to further IBSA's ambitions is questionable. Not only is China a full member, but since its creation in 2003 the G-20 has had a rocky start and a fluctuating membership which saw the exit of Colombia, Costa Rica, Turkey and Peru. Industrialized nations could easily pick apart the tenuous G-20 alliance. IBSA is more likely to use the G-20 as a forum to solicit agreements with other developing nations.

IBSA countries will scramble to become the next China or South Korea, and while becoming the stewards of developing countries might seem like a nice thing for them to do and might carry long-term strategic benefits, the IBSA countries will, in the end, go for their own short term gain -- undercutting each other if necessary. In order to facilitate their own economic growth -- a high priority for each IBSA member, as each has acute unemployment problems -- they will continue to pursue economic arrangements with a variety of nations around the world, even it that means straying from IBSA solidarity.

Eduardo Silva disse...

Como sempre, bem produtivo

logo que encontrar tempo comento algo (como se isso não fosse um comentário)

Valeu pessoal

Ricardo Rayol disse...

Meu amigo, por partes:

1) Se o Hulk ajuda ou não é o que menos importa. O que me deixa indignado é publicarem entrevistas com os "mano" em que dizem que roubo de rolex é justiça social.

2) Se você achou o treinamento do BOPE barra pesada tem que procurar se inteirar sobre o treinamento dos Comandos Anfíbios dos Fuzileiros Navais. Inclusive eles tem uma unidade de contra-terrorismo. Conheci um dos capitães e o cara era sinistro.

André disse...

O treinamento do BOPE é ímpar em guerrilha urbana. Obviamente o treinamento difere muito do de um comando dos fuzileiros navais. Cada um na sua área, são excelentes unidades. O treinamento do BOPE é mais curto e focaliza mais certos aspectos. Claro q o treinamento de um fuzileiro de elite é muito mais longo e complexo, tanto na parte de operações em mar como nas de terra. E extenuante, se não for também brutal. São os nossos SEALS, guardadas certas (poucas) proporções.

O BOPE não pode ser comparado a esses caras, mas pode ser comparado a outras unidades militares, como o regimento pára-quedista israelense (que também tem uma unidade de elite, a 269). Eles passam por situações muito parecidas com as do BOPE nos territórios ocupados palestinos. E se conhecem bem, fazem intercâmbios.

Outra unidade interessante é o COE, Comando de Operações Especiais, do Exército. Letais.

O BOPE é uma unidade de assalto rápido. Limpa rapidamente uma área considerável e tem excelentes atiradores. Mas tem seus pontos fracos. P. ex., comparado ao GATE, Grupo de Ações Táticas Especiais da polícia de São Paulo, perde no quesito "entrada" (invasão de ambientes, em casos de seqüestro), exatamente pq o GATE é especializado, entre outras coisas, em seqüestros. O BOPE não é.

Se vc acha a elite dos fuzileiros navais sinistra, e é, provavelmente eles já passaram pelo CIGS, Curso de Instrução de Guerra na Selva, do Exército Brasileiro. É a brutalidade por excelência, considerado o pior do mundo. Soldados de vários países fazem esse curso, legionários estrangeiros do Régiment Étranger baseados na Guiana, p. ex., Boinas Verdes norte-americanos, homens do SAS inglês, etc. Aliás, nem nas florestas de Borneo e Sumatra, onde o SAS faz treinamento de selva, há tantos tipos de animais peçonhentos e doenças como na Amazônia. É comum treinandos do CIGS morrerem de hipotermia por ficarem muito tempo dentro d'água. Apesar do calor, em alguns lugares a água dos rios na Amazônia pode ser gelada. Enfim, é a maior selvageria. Mas alguém passa, apesar de tudo. Os que não passam, se sobrevivem, podem tentar de novo mais uma ou duas vezes, imagino. Talvez só mais uma. Costuma ser assim em outros cursos mundo afora.

Catellius disse...

Ah, que beleza!
O Eduardo, o André e a Simone devem saber do que estou falando: que chuvinha boa esta de hoje de manhã, aqui em BSB. Os últimos dias estiveram entre os mais quentes da história de Brasília; horríveis!
Aproveitei o clima para ouvir um Fierrabras de Schubert antes de vir para o escritório. Cara, essa ópera É O QUE HÁ!!!

Abraços a todos

Catellius disse...

Ah, as velas estão pela metade, he he. Confiram os links no post passado. Em alguns dias saberemos se as orações feitas pela boneca de barro tocarão o coração do instável Mr Deity e ele acabará com as superstições religiosas no mundo inteiro. Queira Deus, para quem nada é impossível, que minhas humildes preces sejam atendidas.

HAHAHAHAHAHAHAHAHA

Catellius disse...

Grandes Rayol e André,

Pô, se o treinamento dos fuzileiros navais é pior do que o do BOPE - falo do BOPE do filme - então deve ser barra pesada... Ao invés de Capitão Nascimento, o Sargento Barnes do Platoon, interpretado pelo Duende Verde, o Willem Dafoe (William Dafoe), he he, que pelo menos não tem cara de Olavo, o babaquinha da novela das oito passada. Ao invés de comer vômito, coprofagia... Imagino que para ganhar o título de homem-anfíbio o sujeito seja obrigado a passar 40 minutos debaixo d'água, sem respirar...

CRUEL!

André disse...

É, eu sei muito bem do q vc está falando. Os últimos 30 dias foram os piores, e olha q nasci e fui criado nesse Jurassic Park, nunca vi tanto calor assim. Nem os velociraptors ficaram aqui. E essa semana foi a mais quente.

Gosto do Willem Dafoe.

Fuzileiros navais e pára-quedistas, em qualquer lugar, são tradicionalmente duros. Por isso essas unidades costumam mandar mais homens para a seleção/treinamento das unidades de elite.

Os homens anfíbios tem q ser capazes de fazer quase tudo dentro d'água, além, claro, de exímios nadadores que são. Mas boa parte da vida de um fuzileiro naval (em combate, quero dizer) se passa em terra mesmo. Cada um tem suas especialidades, e a deles é a água, mas são competentes em qualquer outra coisa também.

Meu predileto é o SAS inglês, cujo lema é “Who dares Wins”, quem ousa vence. Mas é questão de gosto.

Um grupo interessante, q não existe mais (Vietnam), foi o SOG (Studies and Observations Group). Esse nome burocrático servia pra enganar mesmo. Parece nome de repartição, grupo de estudos e observações, uma seção administrativa. Pra não atrair nenhuma atenção. O SOG era composto dos melhores provenientes dos SEALS da Marinha, dos Green Berets, entre outros. Boa parte morreu em combate. Um sobrevivente escreveu alguns livros, q mesmo censurados (sempre são) pelo governo ainda tem muita coisa legal. Eles faziam coisas q o governo não queria nem podia admitir. Os vietnamitas tinham pavor dos caras, e olha q eles eram uns filhos da p... sádicos. O SOG oficalmente não existia, era uma unidade negra, ilegal. Só o presidente e alguns poucos generais sabiam da existência dessa unidade. O Congresso, p. ex., não sabia, o q constitui o maior crime. Bom, dane-se o Congresso. Os caras eram bons, tocaram o terror e fizeram o melhor possível. Isso é o q importa.

Bom final de semana pra todo mundo. E tomara q continue chovendo.

André disse...

http://execout.blogspot.com/2007/10/oil-and-some-geopolitical-imperatives.html

Catellius disse...

"...que pelo menos não tem cara de Olavo, o babaquinha da novela das oito passada."

Falando em Olavo babaquinha, olhem o que o André me mandou por e-mail:

Olavo de Carvalho:
“Não digo jamais aquilo em que creio, nem creio naquilo que digo – e, se descubro algum pedacinho da verdade, trato logo de escondê-lo sob tantas mentiras que se torna impossível encontrá-lo.” Não, não neutralizem esta confissão feita por Nicolau Maquiavel a um amigo, aplicando a ela o “paradoxo do mentiroso”. Ele aqui é perfeitamente sincero, pois escreve em privado sobre sua obra pública. A técnica das mentiras superpostas, entrecruzadas e mescladas é realmente o segredo dessa obra, tão obscura que Benedetto Croce a declarava impenetrável, mas que se abre de par em par tão logo descobrimos essa chave, fornecida pelo próprio autor num momento de franqueza, ou talvez fraqueza.

Maquiavel não é o imoralista vulgar que nele viram seus primeiros críticos, nem o realista científico que seus admiradores modernos fizeram dele, nem o límpido patriota que tantos intérpretes italianos celebram.

É o criador do plano revolucionário de destruir o cristianismo desde dentro e subjugá-lo a um Estado economicamente igualitário e politicamente totalitário, que hoje diríamos um Estado socialista. É também o inventor da estratégia incumbida de realizar esse fim: desorientar e dominar a sociedade por meio de um bombardeio alucinante de mentiras e fingimentos histriônicos, propositadamente contraditórios entre si para que suas vítimas não percebam a unidade do objetivo político por trás de tudo.

Quem melhor compreendeu Maquiavel foi Antonio Gramsci, mas não o compreendeu perfeitamente. Seu próprio amoralismo sociopático de revolucionário o tornou cego para o caráter satânico do empreendimento maquiavélico e o fez enxergar nele, ao contrário, todas as belezas ilusórias que ali tinham sido postas justamente para seduzir intelectuais meia-bomba.

O que Gramsci viu claramente foi que o Príncipe não era um indivíduo, mas uma elite revolucionária capaz de controlar a sutil engenharia do engodo e conquistar, ante o olhar sonso de adversários impotentes, “o poder onipresente e invisível de um imperativo categórico, de um mandamento divino”.

Catellius disse...

Já que o Olavo não conseguiu influenciar racionalmente os seus leitores, já há algum tempo resolveu apelar para o emocional, tentar estimular uma espécie de espírito cruzadista nos que sobraram: os cristãos paranóicos. Em tudo há um plano revolucionário para destruir o cristianismo, quando na verdade ateus, por exemplo, tendem a denunciar as crenças metafísicas como superstições e criticam veementemente a mistura nefanda de Estado e Religião, evocando os incontáveis exemplos disponíveis nas páginas da História. O Olavo passou a colocar no mesmo saco o socialismo, os que criticam o cristianismo, os ateus, islâmicos e outros que chama de "inimigos da civilização ocidental". Pior para ele. Uma figura como essa começa perdendo totalmente o crédito no meio intelectual e termina como um sandeu qualquer cujos livros só servem para empenar prateleiras metálicas de sebos em alguma travessa de algum centro decadente de alguma metrópole tropical. Vê-se na obrigação de ser cada vez mais contundente para chamar a atenção e passa às pessoas sensatas a impressão de ser um rottweiler cego - portanto não muito perigoso - fazendo barulho em alguma freguesia pouco movimentada.

Por causa da proximidade e do grau de influência em minha vida e na de meus conhecidos e conterrâneos eu critico mais o catolicismo do que o protestantismo, mais o cristianismo do que outras religiões e mais religiões do que superstições sem poder central e representantes divinos. Critico mais o petismo e o esquerdismo brasileiro do que a "ideologia" do partido Baas, no Iraque, apesar de que eu seria um infeliz miserável se fosse obrigado a trocar o esquerdismo que temos aqui por qualquer direitismo ou esquerdismo do Oriente Médio.

Mas sou um "inimigo do ocidente" para o louco do Olavo e um "direitista chauvinista" para a Heloísa Helena. Aliás, vejamos o exemplo desta pobre xiita cristã-socialista: é MUITO MAIS FÁCIL encontrar socialistas cristãos do que socialistas ateus, principalmente no Brasil. O ateísmo instituído nos países comunistas do séc. XX visava o monopólio do poder, tirar a Igreja Ortodoxa (no caso da URSS) do páreo. Mas não podemos nos esquecer do socialismo de Hitler, Mussolini e Franco, profundamente impregnado do conceito de um deus. Hoje os bolcheviques talvez pregassem o socialismo evocando as páginas do Novo Testamento, onde os ricos são demonizados e os seguidores de Jesus "estimulados" a abrir mão dos bens em prol da comunidade de "iguais".
O pior é que o socialismo sobreviverá, como qualquer vitorioso "meme" religioso, por séculos, e o ateísmo socialista do século XX será quase um "acidente". Há elementos religiosos suficientes no socialismo e incontáveis em comum com o cristianismo. Por enquanto temos pouco mais de 70 anos de socialismo ateu soviético contra uns 500 anos de utopistas cristãos como Thomas More, Campanella e o Conde de Saint-Simon. Vale a pena conhecer os ideais deste último. Idênticos aos de qualquer socialista, mas em nome do cristianismo. O fato é que a maioria dos ateus nasceu em meio a uma religião que posteriormente rejeitou, normalmente por espírito crítico. Amiúde este mesmo espírito crítico torna a maioria dos ateus imune a ideologias baratas como o socialismo.

Bom....
Uma hora elaboro melhor as idéias e escrevo um post sobre isto... Tenho que trabalhar, he he he.

Anonymous disse...

O socialismo q a gente combate eh o socialismo de hoje nao o de Marx e da Uniao Sovietica.

O socialismo de hoje eh cristao ate o talo, mesmo q nao tenha + ligacao direta c religioes tipo a catolica.

O cristianismo contido no socialismo de hoje eh meio independente e pode ate criticar a igreja catolica.

O cristianismo se presta pro socialismo e pro oposto, tipo o q as igrejas evangelicas fazem dizendo q a falta de dinheiro eh igual a falta de Deus.

André disse...

Esbarrei nessa bobagem do Olavo de Carvalho por acaso. Não estava procurando nada sobre ele, na verdade nem mesmo sei como vai o site dele, pois não entro lá há uns dois, talvez três anos (sem brincadeira). Entrei em algum site e dei de cara com isso. Como gosto de Maquiavel, comecei a ler, mesmo sabendo q o autor era esse idiota. E, já q fazia tanto tempo q não lia nada dele, fiquei um pouco curioso pra saber qual a nova paranóia do Olavo.

Ou ele é hipócrita ou é louco mesmo. Talvez seja maluco, não duvido. Absolutamente tudo nesse mundo faz parte de uma conspiração secreta contra os bondosos, caridosos, puros, amados, idolatrados, salve, salve cristãos. Já virou piada. O cara fala em “movimento gayzista”, onde já se viu usar uma palavra dessas? Tudo pra ele tem um médico abortista por trás, um ateu científico ou um cientista do mal.

E essa de ligar Maquiavel a Gramsci foi triste.

Ah, e todo mundo também é comunista. Comunista e viado. E os islâmicos devem ser ateus também, já q o único deus q conta é o do Olavo, uma divindade ciumenta, possessiva e perigosa que deve viver numa espécie de mosaico bizantino emoldurado em ouro maciço. Intocável.

Quanta influência ele tem? Quem leva a sério esse sujeito? Alguém o lê? Quando penso nele, penso nos 2/3 da humanidade que não tem imaginação. Penso em velhas senhoras rezadeiras pela moral e pelos bons costumes lá no interior de São Paulo. Em militares da reserva nacionalistas de direita. Em adolescentes débeis da rede Canção Nova. Em párocos gays (dentro do armário pode) que oficialmente gostariam de queimar os gays. Oficialmente pode tudo, até a crença em milagres. O que for necessário pra manter a ignara pacificada, pastando. Já no mundo real, qualquer religioso, de qualquer igreja, é infinitamente mais realista...

Penso em gente que, não satisfeita em querer impedir todos os abortos do mundo, agora quer salvar as células-tronco embrionárias também (desse jeito, nessa retroação, logo vão chegar no espírito, na alma que é fabricada na linha de montagem no céu e fica esperando a produção do corpo aqui embaixo, via atividade sexual "sujinha", he, he). Não sabem, ninguém sabe, em que momento começa a vida. Uma vez até foram ao Supremo discutir isso, dessa maneira, e se ferraram. Se prenderam a uma questão filosófica superabstrata, enquanto os cientistas pró-clonagem foram mais modestos - e bem-sucedidos.

Sabem sobre o início desta tanto quanto sabem sobre o que vem depois dela: nada. Mas tem certeza absoluta de que esta é divina, aqui e no além-túmulo. E, por via das dúvidas, acham melhor proteger logo a gente desde o estágio de blástula ou sei lá o quê.

Penso também em quem, no Brasil, tem um retratinho de Hitler na parede de casa. Ou em seminaristas da Opus Dei e jesuítas assépticos. Deve haver mais gente assim do q eu imagino, será?

É um submundo, um caldo de subcultura, esse Brasil da Marcha da Família com Deus e pela Liberdade, o Brasil da modinha, da venda de interior, da seresta ao luar.

O comunismo se aproveitou da imensa e incontestável popularidade do cristianismo e copiou o que deu. Tudo isso é deprimente, demagogia da mais rasteira misturada a baixo religiosismo. Uma procissão de idiotas, em última análise.


*************

Outro dia o Moniz Bandeira, acadêmico de esquerda, apareceu num canal estatal, entrevistado por um jornalista (petista daqueles bem ingênuos, até conheço pessoalmente a figura. Amável, mas apenas um tolo amável). Entre uma sandice e outra, Bandeira disse, se “achando”, que preferia ver tropas brasileiras no Haiti do q Marines norte-americanos. Diz isso e pensa q está reverberando, causando impacto. Ele nem sabia o q eram Marines, fuzileiros navais. Entendeu “marinha” e, mesmo depois da explicação dada pelo jornalista (e olha q esse é praticamente um analfa), continuou perdido. Ficou claro o desconforto na hora, aquele silêncio constrangedor. Ah, nossos intelequituais... no caso, um “expert” em geopolítica. Nem quero ver o leigo.

Tropas brasileiras, dos EUA, nada disso faz a menor diferença. Os Marines já cansaram de entrar e sair do Haiti. O Brasil só está lá pq ninguém mais quer saber daquele desastre, todo mundo se cansou do Haiti. Se há lugares q ainda merecem aquele lugar-comum, “um canto esquecido por Deus na Terra”, o Haiti é um deles. Tudo o que podia dar errado num lugar deu errado lá. Por razões geográficas, afundou. Não passa de um entreposto de drogas. Ah, sim, o Brasil está lá também pq o PT resolveu virar o “líder” dos países de merda no mundo inteiro. O primeiro do terceiro mundo.

*************

Melhor eu também parar por aqui, tenho muito o que fazer e preciso diminuir meu tempo na net.

Bocage disse...

Karl Marx:

"As the parson has ever gone hand in hand with the landlord, so has Clerical Socialism with Feudal Socialism.

Nothing is easier than to give Christian asceticism a Socialist tinge. Has not Christianity declaimed against private property, against marriage, against the State? Has it not preached in the place of these, charity and poverty, celibacy and mortification of the flesh, monastic life and Mother Church? Christian Socialism is but the holy water with which the priest consecrates the heart-burnings of the aristocrat."

........................

Chávez: "socialismo cristão" é o único caminho


O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou ontem em Salamanca, no noroeste da Espanha, que o "socialismo cristão" é "o único caminho" para escapar da pobreza. "A América Latina vive a etapa mais dramática de sua história", disse o líder venezuelano após a primeira reunião de trabalho dos líderes que participam da 15ª Cúpula Ibero-Americana, realizada na cidade.


Chávez refletiu sobre a "miséria dos povos latino-americanos" em seu discurso na primeira sessão de trabalho, aberta pelo presidente do Governo da Espanha, José Luis Rodríguez Zapatero, com uma declaração sobre a pobreza, que o líder venezuelano classificou de "certeira". "Foi um discurso muito certeiro e vi (Rodríguez Zapatero) muito animado e enérgico, como sempre", disse.


Chávez fez uma análise dos "dramáticos" números da miséria na América Latina, onde "milhões de pessoas morrem de fome", e afirmou que a região só deixará de "sangrar" se "romper com o modelo". "Seguimos o Fundo Monetário Internacional (FMI) ao pé da letra e ficamos devendo a alma", afirmou o presidente venezuelano, para reiterar que o capitalismo e o neoliberalismo são as raízes desses males.

"O capitalismo quebra as sociedades em mil pedaços", afirmou. Chávez elogiou a proposta de troca de dívida por investimento em educação apresentada Rodríguez Zapatero à Cúpula Ibero-Americana, mas disse que pretende "ir além, se aprofundar nesse assunto". "Digamos que paguemos a metade (da dívida externa) durante uma década", e com isso seriam obtidos pelo menos US$ 150 bilhões para o investimento social, afirmou.


Chávez chamou a dívida externa de "mecanismo monstruoso", com o qual "quanto mais se paga, mais se deve". O líder venezuelano previu ainda que essa "dívida eterna" aumentará devido à crise fiscal nos Estados Unidos, que atribuiu à Guerra do Iraque, ao furacão Katrina e à "irresponsabilidade" do Governo de George W. Bush.

O presidente disse que, entre as várias propostas que levou a Salamanca, estão a criação de um "Fundo Humanitário Ibero-Americano", outro similar contra a pobreza e um terceiro para garantir assistência médica gratuita para os latino-americanos.

........................

De um blogueiro chamado "De Barros":

"O socialismo cristão existiu na igreja primitiva... está registrado no novo testamento, no livro de atos..... eles repartiam entre si os bens, de acordo com a necessidade, para que ninguem tivesse fome ou falta de vestuário....havia aqueles que chegavam a vender imóveis e entregavam o dinheiro aos apóstolos (que não enriqueceram ... pelo contrário, continuaram pobres, foram perseguidos e acabaram sendo executados...)

nos dias atuais, é uma visão voltada para os mais pobres, é contra o modelo capitalista excludente.... a partir dos anos 60, tinha o objetivo de mostrar e provar que seria possível ser socialista sem ser materialista ou ateu....surgem as CEB (comunidades eclesiais de base)...."

Bocage disse...

De um anônimo chamado "Movimento":

"Como estava com muito trabalho, e assoberbado de tarefas; só pude lhe responder agora, em vista de que o IV Congresso Nacional do MST me tomou todo tempo disponível...

Pois bem caríssimo, você desaponta-me ao equivocar-se quando afirma do “perigo espiritual que estaria envolto”. Ora, de acordo com a fé de cristo, o espírito santo nos concede diversos dons, cabendo a nós desenvolvê-los ou recusá-los (Christifidelis Laici,45). E se tiver tempo, olhe o catecismo católico diz quanto a diversidade de espiritualidade (2684), portanto, não julgueis a poção na função profética herdada de Cristo pelo batismo. Função que busco a cada dia confirmar pela diferença de quem sofre excursões provocadas por defensores do atual sistema sócio-econômico.

Caríssimo, a espiritualidade é a nossa maneira própria de seguir a Cristo, à Buda, à Maomé...Há, desse modo, uma incontável diversidade de espiritualidade. Não espiritualidade teórica como desejas demonstrar. No máximo, pode se fazer teorias (teologias0 sobre as diferentes espiritualidade. Porém ela depende da experiência vivencial, interior e comunitária. É verdade que a teologia latino americana gera, a partir dessa idéia uma continua ruptura com a engarrafada teologia tradicional. Mas, a disparidade real entre América Latina e a Europa leva-nos a uma experiência de Deus própria, mesmo que tenhamos que divergir. O Cristo europeu é louro e penteado. O nosso Cristo passa fome e morre todos os dias de desnutrição,. É forçado a trabalhar em carvoarias e em casas de farinha para sobreviver...

Olhando a nossa realidade é-nos de obrigação optar pela vida ou pela morte. E o caminho na vida não se faz sozinho, é preciso ser com outro e é por isso que como cristão latino americano, fiel à Jesus Cristo de Nazaré tenho que considerar os pobres os primeiros destinatários do evangelho e os verdadeiros portadores da primícias do reino; Nutrir a espiritualidade do martírio pela causa justa dos pobres (1 Jó, 3,16-18).

Estamos sendo fiéis ao mandamentos do amor de Deus, ao contrário de sua afirmação louca e desloucada, porque se dissemos que amamos Deus, que não vemos e não amamos nosso irmão que vemos a todo instante seremos mentirosos. O critério do decálogo é relação de Deus com o homem (criado a imagem e a semelhança de Deus) especialmente o pobre com quem Deus se identifica (Mt 25,31 - 46). Lembra do jovem rico? Ela cumpria todos os mandamentos, mas não sabia compartilhar...(Mc 10,21-22).

O sétimo mandamento proíbe tomar ou reter, injustamente o bem do próximo ou lesá-lo nos mesmos bens (Catecismo 2401).

Você credita verdadeiramente que um latifúndio é possibilitado por herança divina? Acredita, de fato, que os latifundiários não são usurpadores dos direitos e das terras alheias? Acredita que essa terra foi conseguida sem morte (Biológica e ou Psicológica)? Basta ver a demarcação das propriedades indígenas que se estreitam a cada dia... Basta ver os quilombos que são usurpados e seus habitantes desimados pelo fazendeiro já donos de gigantescas propriedades. Abra os olhos para a realidade que o cerca, e enxergue a justiça injusta para com os que pouco ou nada tem. Que cristão é você que não percebe a dor de quem não está ao seu lado?

Antes de dizer ao MST ou a mim NÃO FURTARÄS, deverias descobrir que o crime maior de todos é acumular bens. Que o pecado maior é se empanturrar de bens, enquanto outros passam fome.

Isso é roubo!

No ato dos apóstolos para ser cristão era necessário a divisão de bens (Ap 2,44-45). Hoje a miséria é tão coletiva, causada pelas estruturas injustas que não basta dividir entre os pobres a fortuna de uma família, é preciso criar novas estruturas sociais. Ou seja, uma nova sociedade onde ninguém precise ser muito rico, nem pobre demais. Aquele que tem bens, deve colocá-lo a serviço da causa da libertação dos oprimidos, a começar pelo maior bem que possuímos: a vida.

Assim estaremos ajudando a construir a socialização pedida por João XXIII, de modo que, todos vivam, na sociedade como numa mesma família, com iguais direitos e oportunidades.

Quanto ao décimo mandamento que você deveria redirecioná-lo para quem tudo tem, e lança-se como urubu à carniça na terra dos pequenos. Para se observar esse mandamento com você o propõe, é preciso olhar para os Direitos Humanos Artigo XXV, que diz que “Todo homem e toda mulher tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família, saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços especiais indispensáveis...”.

É preciso pôr tal artigo em prática, pois trata-se, hoje, de destinguir direito e privilégio. Não é justo um proprietário possuir quilômetros de terras improdutivas, enquanto milhões de agricultores passam fome na estrada. Por respeito aos direitos da maioria, é nosso dever lutar contra os privilégios da microminoria que acumula a riqueza em suas mãos.

Agora peço para reler o e-mail que te enviei; nele não afirma que Deus era comunista. A afirmação diz ser Deus, um optante por um sistema de produção NÃO CAPITALISTA. Afirma a opção de Deus pelos pobres tanto explorada pelos profetas e proferidos, e por Jesus no sermão da montanha (Lc 6,20-26).

Aliás, aqui, Cristo nos mostra e nos põe diante das escolhas fundamentais e decisivas. Convida a uma conversão, ensina que a verdadeira vida nele, não está nas riquezas, na glória ou no poder, nem em qualquer obra humana. Quando você busca uma contextualização dos relatos bíblicos, torna interessante notar que só faz naquilo que o interessa. Por exemplo em (Mt 5,18-19), fala-se de insurreição do reino e não do legalismo que ele combatia. Já percebeu que o decálogo fora escrito numa situação conflituosa e particular? Já tentou encontrar a verdadeira razão que levou Deus a castigar Acab?

Ele tomou a terra de quem quase não a tinha e não ao contrário. Além do mais, o pecado de Acab foi a infidelidade com a aliança (“Serás meu povo e eu serei o teu Deus”) Acab permitiu que se instalasse em seu reino o culto à deuses pagãos. Basta lembrar-te que o povo de Deus, teve início com a promessa da terra. A aliança se deu nesse contexto. E o hoje estamos neste contexto...

Ainda em relação ao e-mail eu disse-lhe que Deus optou por um não capitalismo e tenho certeza que ele não anda feliz com o capitalismo que mata, degenera, e exclui nosso povo...

Eu particularmente defendo um comunismo alternativo em que “Não existam mais explorados nem exploradores”(Mark). O comunismo, o MST e eu propomos, fazer com que os meios de produção possam ser de todos. Que se garanta o sustento básico, ou seja, casa, comida, instrução, saúde, etc; O que proponho não é o regime como o tal, pois este já provou que não dá certo, mas, são valores de solidariedade que o cristão é convidado a realizar no mundo.

Caro Orlando, seu critério de liberdade me assusta. ;é preciso estar atento que o cristão só é livre de fato, quando está a serviço do outro, veja Maria como exemplo (Lc 1,38-39). Não são os bens que libertam o homem, ao contrário estes são como cadeias. Liberdade é a capacidade de fazer surgir VIDA.

A escravidão não é um fato admirável, mas isso é um fato moderno. O povo de Israel era livre no Egito, na Babilônia, porque a liberdade está no agir para se libertar, ou seja, a vocação humana é torna-se livre, torna-se alguém, uma pessoa mediante a uma luta, um trabalho, uma atividade que consiste em libertar. Ser livre é criar sua própria personalidade, algo novo, único, realizar-se por meio de atividades corporais neste mundo material.

A partir de sua categoria de libertação/escravidão somos um povo altamente escravo. A globalização não é outra senão a conquista do mundo econômico e cultural graças a superioridade militar e política dos Estados Unidos. O pior, somos responsáveis por essa 4escravidão. Espontaneamente nos submetemos e reverenciamos a toda autoridade, a do vigário, a do prefeito, a do patrão, a do rico...

O padre Marcelo Rosai apresenta adesão a esse conformismo ou colonialismo atual. Alienando comporta-se em prol da propaganda neoliberal corruptiva da solidarização da humanidade.

Orlando, a fidelidade ao reino nos conduz a luta contra esse sistema sócio opressor que mata milhões por ano. E você preocupado com o MST porque ocupou terras ociosas? Você que se diz cristão deveria ouvir o clamor de mais de 33 milhões de brasileiros sem teto, sem trabalho, sem nome, sem rosto...

Isso é PECADO: permitir a morte e compactuar com ela, infringe todos os mandamentos de Deus.

O seu Senhor Jesus Cristo, diferentemente do meu, é muito legalista. O meu senhor optou pelo amor, desrespeitou a lei do sábado. Erra livre até para morrer como blasfemo, guerrilheiro e herege; você não! Não percebes que estás te submetendo ao sistema de catas, oprimindo e excluindo milhões de seres humanos como tu?

Diserto sabeis que o MST surgiu na CPT (Comissão Pastoral da Terra), ou seja dentro dos movimentos da Igreja Católica? Pois é, o MST se formou no curso dos anos (1979-1985), primeiro em alguns estados do Brasil, depois estendeu-se por todo pais. E hoje o MST é o maior e o mais importante movimento da América Latrina.

Além do mais, o MST se preocupa também com VOCÊ, pois propõe a construção de uma sociedade onde o trabalho tenha supremacia sobre o capital; lute para que a terra, que é um bem de todos, esteja a serviço de toda sociedade; garantir para todos um trabalho com justa distribuição de terra, renda e riquezas. Busca permanentemente a justiça social e igualdade de direitos econômicos, políticos, sociais e culturais. Difundir valores humanistas e socialistas nas relações; combater todas as formas de discriminação social; busca a participação igualitária da mulher.

Caríssimo, a virtude do cristão é o martírio, e isso o MST tem dado. São centenas de mártires que pelo seu direito a terra, no exercício da sua liberdade batiza a terra com seu suor e sangue.

O batismo em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo, nos conduz a algumas condições práticas o que lhe permite ser mais humano, estando além da instrumentalização do outro, que exclui degenera e abusa.

Faz o homem viver a liberdade querida e assumida por Deus em toda a sua plenitude para que podássemos ser felizes.

É tarefa nossa lutar por uma sociedade onde não se morra mais de fome, de abandono, de doenças já controlada pela ciência. A vida é o maior Dom que Deus deu a todos que lutam “para que todos tenham vida em abundância” (Jó 10,10) participam do projeto de Deus na história. O respeito a vida coloca os direitos dos pobres acima de qualquer outro interesse ( inclusive religioso)

Respeitar a dignidade humana, é não usar o próprio corpo para destruir a si próprio e aos outros. Daí ao homem e a mulher os mesmos direitos e oportunidades, lutando contra o machismo, o racismo e demais formas de discriminação.

Dentro da nossa luta estamos sempre em defesa da vida e não do sistema econômico virtual, porque ”ninguém pode servir a dois senhores, pois ou amará um e odiará o outro ou será dedicado a um e desprezará o outro.(Mt 6,24)”.

Faz-se necessária uma articulação política na perspectiva de uma nova sociedade cujo projeto histórico exige a primazia da vida e da pessoa sobre qualquer poder e riqueza; da ética sobre a técnica, do trabalho sobre o capital, do comunitário sobre o particular. Considerar a pessoa humana do seu todo a partir de suas necessidades físicas, sociais e psicológicas , afetivas e espirituais, é liberar a pessoa humana de suas “escravidões sociais” tendo o povo como sujeito desse processo histórico através de uma prática democrática.

Espero que você agora esqueça o dizer dos papas que capitalistas ainda governam a igreja como senhores feudais.

Sair do MST para mim, seria como matar Jesus Cristo que se revela no irmão que morre, seria negar a dimensão profética do meu batismo, seria pecar contra a lei fundamental do cristão: O serviço. Estaria negando a oração do pai nosso; negaria a oração de Jesus em (Lc 10,21) Seria negar a salvação em Jesus Cristo. Ao invés de criticar-me, julgar-me, e condenar-me ao inferno (inexistente ), deverias lutar pele sua própria libertação, se queres estar ao lado de Cisto. Apreenda a AMAR e VER o outro que sofre ao seu lado. Não é um prato de sopa que ele precisa, é de vida, de vida em abundância... Pecado não é tomar de volta aquilo que nos foi roubado. Pecado é Ter tudo e nos deixar sem nada, e matar nossos filhos de fome nas estradas.

O pecado é justamente dizer NÃO a Deus e ao plano de fraternidade entre os homens. É bastante fácil saber se hoje estamos dizendo não a Deus, basta olhar ao redor...

Estive nesses últimos dias com muitas tarefas por isso só agora lhe respondo. reflita antes de me responder (já que aposto que o fará com algum desaforos), primeiro leia pelo menos 2 dessas obras:

De Leonardo Boff

Jesus Cristo Libertador
Águia e a Galinha
O despertar da Águia
Igreja: Carisma e Poder
Vida Para Além da Morte
De Frei Betto

Batismo de Sangue
Entre Todos os Homens
De Cmblim

Vocação Para Liberdade
De Dom Sobrino

Jesus Cristo O Libertador(Textos Oficiais)
Madelim, Puebla e São Domingo- Vaticano II
Meu abraço fraterno e até a próxima! Esperando contar com sua oração intercessora em favor do povo do Brasil, para que possamos traçar um novos rumos em nosso caminhar lutador... "

Bocage disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bocage disse...

Rsrsrsrs

A lealdade cega a alguma religião (ou ideologia) e seu conjunto de crenças embota o senso crítico, desliga-o, arranca-o da tomada. Os fiéis possuem portanto um ponto vulnerável em sua racionalidade e o que desejar que executem algo sem questionamentos aliar-se-á a seus líderes religiosos e falará aos parvos bovinos em nome de deus citando trechos de seu livro sagrado. Como justificar para os ignorantes membros do MST a arruaça e o desrespeito à propriedade privada? Com o socialismo? Não. É mais fácil fazê-lo evocando Jezuis.

Bocage disse...

Orlando Fedeli responde ao católico do MST:

A um comunista confesso, pseudo católico,e pretendente a profeta:

Não vá protestar que eu o chame de comunista. Nem venha com a desculpa esfarrapada de que você é socialista e não comunista, porque você mesmo confessou: "Eu particularmente defendo um comunismo alternativo em que "não existam mais explorados nem exploradores"(Marx). O comunismo, o MST e eu propomos, fazer com que os meios de produção possam ser de todos."

Agradeço-lhe a tripla confissão:
1a. A de que você é comunista mesmo.
2a. A de que o MST propõe uma instalar o comunismo no Brasil.
3a. A de que o que você pensa -- ou pensa que pensa -- provém de Frei Betto e de Frei Boff.

A árvore se conhece pelos frutos.

Lê o resto aqui.

Catellius disse...

Acaso o Olavo levaria em conta o argumento de que 99,999% dos assassinatos dos últimos 5000 anos foram cometidos por crentes em algum tipo de divindade? Matavam por vendeta, por sede de poder, ciúmes, etc. Stalin não matou em nome do ateísmo e sim em nome do comunismo. Mas matou pelo poder, no fim das contas.

A máxima do Nobel de física Steven Weinberg aplica-se bem à questão: Com ou sem religião teríamos gente boa fazendo coisas boas e gente má fazendo coisas más. Mas para que pessoas boas façam coisas más, é necessário a religião.

A dita "vontade de Deus" serve para desligar o senso crítico dos crentes, para legitimar injustiças. Crianças de uma escola israelense foram submetidas a um teste em que lhes era lido o massacre de Canaã descrito em Josué, na Bíblia, e lhes era exigido um juízo moral sobre a atitude do paladino de Javé. A maioria absoluta apoiou a atitude do "herói" e o restante criticou-o por ter matado também animais, posto que poderiam ser aproveitados pelos israelitas. A outro grupo de crianças de uma escola vizinha foi submetido um teste semelhante em que o nome Josué era substituído por General Li (ou Lang ou Shang), um fictício chinês de três mil anos atrás, bem como o nome das vítimas e do cenário e da divindade. Desta vez mais de 90% das crianças condenaram a atitude do "chinês".

Quando líderes religiosos exigem que os crentes aceitem calados, em nome da fé, dogmas absurdos, sem quaisquer bases racionais, e colocam a obediência subserviente como uma grande virtude, ajudam a diminuir o senso crítico da população em relação a tudo e principalmente em relação aos interesses dos líderes religiosos, suas atitudes e admoestações. Quando estes estão associados aos governantes então o estrago pode ser grande.

Fernando Silva escreveu: "Será que não seria melhor ter a moral das religiões que não ter nenhuma? Sim, mas isto equivale a ser melhor comer porcarias que morrer de fome. As religiões certamente incorporam alguns valores universais, mas os corrompem com imposições e dogmas absurdos, como a exigência do não questionamento."

Catellius disse...

Daqui a pouco passo por aqui para comentar algumas coisas que o André escreveu e o texto colado pelo Bocage.

Abraços

Catellius disse...

E hoje à noite o Heitor deve publicar um novo texto.

André disse...

Correçãozinha: Moniz Bandeira havia dito certa vez q preferia o Exército Brasileiro aos norte-americanos no Haiti. Mas o entrevistador, ao lembrá-lo disso, não falou em norte-americanos, mas em “marines”. E foi aí q o Bandeira tropeçou... claudicou, he, he.

Gostei dessa citação de Marx q o Bocage mandou.

O ateísmo era mais um acessório do comunismo (Stalin, etc).

Olha lá o q vc vai falar do meu comentário, Catellius!, he, he. Que nada, manda ver.

André disse...

Ah, esse pessoal "fino"...

A Igreja Universal do Reino de Deus foi condenada a pagar indenização por danos morais de R$ 1 milhão, devidamente corrigidos, aos pais de João Lucas Terra, de 14 anos. O garoto foi assassinado em março de 2001 pelo pastor auxiliar Sílvio Roberto Santos Galiza, em Salvador, segundo o Superior Tribunal de Justiça (STJ). A Terceira Turma do STJ não acatou o pedido da instituição para reformular uma decisão do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) que reconheceu o pastor como representante da Igreja Universal.

Segundo informações do site do STJ, em primeira instância, o juiz de Direito da 3ª vara Cível da Comarca de Salvador julgou improcedente o pedido de indenização dos pais do garoto. Na segunda instância, a sentença foi reformada pela 2ª Câmara Cível do TJ-BA, que condenou a Igreja Universal ao pagamento de indenização por danos morais no valor de R$ 500 mil para cada um dos pais do garoto.

A Igreja alegou que não teve responsabilidade no caso pois o crime não foi praticado no exercício do trabalho nem em razão dele. Conforme a decisão do TJ, o crime só foi possível devido a negligência da instituição religiosa, não só pela má escolha de um de seus membros pregadores - o pastor auxiliar Sílvio Roberto Santos Galiza - como também pela não vigilância do pastor.

O garoto João Lucas Terra era obreiro da igreja e, segundo dados do processo, chegava a permanecer durante três turnos no período de férias na Igreja de Santa Cruz, em Salvador. Para os pais dele, não poderia haver lugar mais seguro para o menino do que o local onde professava sua religião.

Catellius disse...

Calma, André, he he, não é nada de mais. É algo que achei legal, obviamente.

Já tinha lido sobre esse caso tenebroso em Salvador. É lógico que a IURD tem responsabilidade, porque obriga, como qualquer confissão religiosa, os fiéis a baixar totalmente a guarda e confiar cegamente em tudo o que lhe mandar confiar. Obriga-os a desligar o desconfiômetro, o senso crítico, a quase abrir mão da própria humanidade, porque o que coloca o homem acima dos outros animais é a razão, o cérebro, e MAIS NADA. E os fiéis rastejam de joelhos perante bonecos de barro, uivam em línguas (de pitecantropo de Java), gritam como neandertais. Têm superstições que envergonhariam sábios gregos de mais de dois mil anos atrás.

Os pais confiam cegamente no pastor porque lhes dizem diariamente para confiar cegamente no pastor. E agora a IURD quer lavar as mãos... Bom, pelo menos terá 10% de desconto, por conta do dízimo, he he. Será que os pais do jovem assassinado darão R$ 100 mil para o Mr Deity?

André disse...

Eu sei, estava só te enchendo um pouco.

Eu não sabia ainda desse caso da Universal. Vi por acaso e pus aqui.

Ainda tenho q tirar um tempo pra ver esses vídeos do Mr. Deity.

Catellius disse...

Mr Deity?
Veja agora, he he. São MUITO engraçados. Gostei especialmente do episódio 2: "you punked me", he he...

Anônimo disse...

In it something is also to me it seems it is good idea. I agree with you. [url=http://cgi1.ebay.fr/eBayISAPI.dll?ViewUserPage&userid=acheter_levitra_ici_1euro&achat-levitra]achat levitra[/url] I am sorry, that has interfered... I understand this question. It is possible to discuss. Write here or in PM.

Anônimo disse...

Entre nous en parlant. viagra sur le net viagra sur le net [url=http://lettresdudroit.com]viagra en ligne[/url]

Anônimo disse...

vous ne vous ГЄtes pas trompГ©s, tout exactement http://lettresdudroit.com achat viagra [url=http://lettresdudroit.com]viagra[/url]

Anônimo disse...

C'est l'idГ©e simplement magnifique cialis en ligne cialis sur le net [url=http://www.ci2s.org]acheter cialis en ligne[/url]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...