02 abril 2008

Por que existe a pobreza?

Uma das respostas possíveis sobre a pobreza foi a de Solow, um celebrado economista neoclássico que quando entrevistado afirmou que pobreza foi a situação que ele enfrentou na sua infância e que hoje o que se chama de pobreza para ele não era pobreza.

A sabedoria popular brinca que se o sujeito não nascer rico, ele ainda tem a oportunidade de ficar rico casando. Recordo-me de um estudo americano que afirmava que grande parte da riqueza era explicada não pela educação, mas pelas escolhas de associações das pessoas. Assim, alguém que trabalha com pessoas ou em empresas bem sucedidas tem grandes possibilidades de também enriquecer. Isto contraria um pouco o consenso que tende a explicar o sucesso em decorrência da educação.

O jovem autor marxista militante Rodrigo Castelo Branco afirma que no Brasil a questão da pobreza é vista a partir da um consenso social-liberal. Na opinião dele, este consenso propõe como solução para a pobreza o aumento do foco dos gastos sociais, o que é diferente do aumento dos gastos públicos. A melhora da educação como forma de distribuição de oportunidades que permitam às pessoas ingressar no mercado de trabalho é outro ponto deste consenso.

Na sua visão marxista militante e livre do reducionismo da decadente ideologia do pensamento burguês, a pobreza se deveria a outros fatores, quais sejam: a existência da propriedade privada dos meios de produção; “condição subalternizada e passiva do trabalhador frente ao capitalista e à situação esta que se mantém pela criação de um imenso aparato político-ideológico legitimador das condições subjacentes à produção de riqueza.”

Enfim, para ele, existe a pobreza porque existe o capistalista. Todo mundo concorda que a produção de bens deve gerar excedentes, senão ela não é sustentável. Ocorre que no nível de generalização da teoria do valor do trabalho de Marx não existe tempo, nem risco, nem poder de mercado, nem sequer setores da economia, nem tecnologia, nem empreendedor: nada disto. Existe o trabalho passado na forma de capital e o trabalho presente e como o trabalho passado só contribui com depreciação, então se conclui que o excedente “mais-valia” é gerado pelo trabalhador. Para o pessoal do PSTU haveria aí um roubo do trabalhador, conforme podemos ver na lietra do Hino da Internacional, entretanto, um bom marxista sabe que o trabalhador foi remunerado pelo seu custo de renovação e que isto não é um relação de “exploração”.

Enquanto os marxistas pretendem o fim da propriedade privada e do capitalismo, os chamados social-liberais sugerem medidas como a reforma previdenciária em detrimento do servidor público, a cobrança de mensalidade em universidades públicas. É o velho debate: enquanto alguns querem reformar, outros querem revolucionar.

15 comentários:

André disse...

“quando entrevistado afirmou que pobreza foi a situação que ele enfrentou na sua infância e que hoje o que se chama de pobreza para ele não era pobreza”

Engraçado, isso é o que a minha mãe fala hoje, comparando a vida que ela teve com a de muitos pobres atuais.

“um imenso aparato político-ideológico legitimador das condições subjacentes à produção de riqueza.” Que verborrágico.

Isso de revolução é desculpa pra tomar o poder. Só alguns fanáticos acreditam mesmo que dá pra sair por aí cortando cabeças. A maioria quer é se acomodar.

Ricardo Rayol disse...

enquanto houver necessidade de legitimar os poderosos a pobreza imperará nos meios ortodoxos cristãos. Lembro que na idade média eram eles que sustentavam o clero. Em resumo, o ser humano é um baita de um escroto.

Raphael disse...

A pobreza sempre acompanhou a história do homem. Se bem que essa "pobreza" é relativa. O Aurélio Eletrônico a define como "Falta do necessário à vida; penúria, escassez". Ora, ultimamente a palavra é usada para criticar as diferenças sociais, não implicando necessariamente em sociedades que permitem que seus cidadãos morram por inanição ou não possuam vida digna.

O sujeito tem de ser livre para viver do modo que lhe apraz. Pessoalmente não acredito que essa felicidade venha da busca incessante por bens materiais, dinheiro, enfim. Mas essa é a minha opinião, outras pessoas podem ter outras e devem ser livres para seguí-las: the pursuit of happiness. Ninguém é pobre por outros serem extremamente ricos. As pessoas são ricas pelo seu esforço, competência, e, em alguns casos, por seu ciclo de amizades ou associações políticas (estas duas últimas dependem muito da geografia, do modelo de Estado ou empresa).

Diferente do que o Herald Tribune noticiou, bilionários não são depressivos por razão da affluenza – culpa em relação ao abismo entre ricos e pobres – ou ao menos não deveriam ser. A história mostra que o capitalismo – até então o sistema menos ruim, como sabemos – foi o que mais conseguiu prover liberdade e tirar pessoas da miséria. O fato de os ricos ficarem mais ricos não significa, paradoxalmente, que os pobres fiquem mais pobres. É exatamente o contrário. Mesmo porque essa palavra é inadequado em boa parte dos casos em que é usada. Hoje, em alguma favelas, os ditos "pobres", é fato, possuem geladeiras, televisões, dvds, videogames e às vezes até parabólicas. Isso mostra que se existe algo, é a diferença social, e não necessariamente a falta de recursos básicos para a sobrevivência.

Evidente que me refiro ao nosso país e cultura. África, Ásia, têm outras histórias. Muitas vezes decorrentes de legados dos regimes de esquerda do que de qualquer outra coisa. Mais do que a colonização, como muitos gostam de citar.

Raphael disse...

Sobre as razões que os socialistas apontam para essa "pobreza", falei sobre o assunto há algum tempo com uma professora de economia. Ela passou boa parte da aula explicando os interesses e objetivos de dois sistemas econômicos: sendo eles Capitalismo e Comunismo:

"O comunismo visa o bem comum. Proteger o trabalhador, os desprovidos, os que passam fome. Todo o gênero coletivo". "O capitalismo, sejamos sincero, visa o lucro. Só isso. Pudesse o empresário substituir todos os seus funcionários por máquinas, assim ele o faria. Só não faz porque então não existiria ninguém para comprar seus produtos".

No final da aula, bem inocente e com ares de confuso, me aproximei da professora e pedi que me esclarecesse uma dúvida. Disse que fiquei um tanto confuso com a explicação. Apesar de uns amigos rirem do meu cinismo mais tarde, no inicio da conversa ela achou que a dúvida era realmente sincera. Perguntei: Você falou sobre o comunismo defender o interesse do povo, a qualidade de vida do homem. Fiquei um pouco confuso quanto a isso. Seria possível que citasse um exemplo onde isso aconteceu na prática? (Alguns minutos depois, porque a resposta demorou mesmo, veio o Cuba!). Ainda fazendo ares de aluno interessado e inocente, questionei: Mas e quanto a liberdade em Cuba? Também dizem que a qualidade de vida lá não é tão boa, até pior que a nossa, ou não é? ( Nessa altura o cinismo já estava sendo detectado). A resposta foi: "Essa história de liberdade é muito bonita, uma coisa que a classe média sempre teve por preocupação. O problema é que não é tão fácil se importar com a liberdade quando se está com fome. Quanto ao resto, Cuba não tem as diferenças sociais gritantes que nós temos." Minha resposta, ainda polida, foi: Entendo. Em Cuba todos são iguais em sua miséria.


Isso serve para ter uma idéia de como os socialistas entendem a pobreza. Outros professores já seguiram essa mesma linha de pensamento. Até alguns amigos seguem, por todo lugar. É quase automático, quando sabemos de alguém que ficou rico, pensamos que foi em detrimento de outro.

C. Mouro disse...

É isso que mata! ..Todos dizem que em Cuba todos são iguais na miséria.

NÃO SÃO!

NÃO EXISTE IGUALDADE EM CUBA. Nem mesmo igulada de material exie lá. As autoridades, a "nomenclatura" cubana, os altos burocratas, vivem como ricaços. habitam mansões, inclusive, viajam e usufruem dos luxos ditos capitalistas.

A miséria é para uma grande parcela da população escravizada. É uma população de servos, os burocratas e autoridades são os senhores. Há suzeranos e vassalos na hierarquia social cubana.

Essa estórioa de que em Cuba há igualdade na miséria é falsa. Como falsa a conversa da sude em Cuba, ou da "avançada medicina". É mero mito difundido pela repetição... afinal, uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade. Assim acontece.

Fidel e sua corja e mais os burocratas privilegiados NÃO VIVEM EM IGUALDADE MATERIAL COM O RESTANTE DA POPULAÇÃO. ALÉM DE SEREM AINDA DESIGUAIS PERANTE A LEI OFICIAL E OFICIOSA.

tal como em todos os paises socialistas, onde o Estado se faz uma máfia de bandidos que passam a EFETIVAMENTE EXPLORAR A POPULAÇÃO. TOMANDO PARA SI TODOS OS MEIOS DE PRODUÇÃO E PROIBINDO A POPULAÇÃO DE POSSUI-LOS. NOS PAISES SOCIALISTAS A MÁFIA ESTATAL FAZEM-SE OS EXPROPRIADORES DA POPULAÇÃO, OS DONOS DO CAPITAL E ÚNICOS NA PROPRIEDADE DOS MEIOS DE PRODUÇÃO.

Oiu seja, dialeticamente o que Marx descreveu, apenas descreveu em supostos resultados horrorizantes, como capitalismo, é exatamente o que acontece quando se instala o socialismo.

Vejamos:
Forma-se um grupo hierarquizado como classe governante que toma para si a propriedade de TODOS OS MEIOS DE PRUÇÃO, ainda proibindo os trabalhadores de possui-los. De forma que a tais trabalhadores só resta trabalhar para os donos dos meios de produção sem possibilidade de mudarem de patrão. Assim, são eefetivamente EXPROPRIADOS de sua força de trabalho bem como expropriados nos frutos de seu trabalho. Não podem possuir nem meios de produção e nem mesmo qualquer coisa. TUDO TORNA-SE PROPRIEDADE DA CLASSE GOVERNATE, da hoierarquia estatal que atua como máfia ou classe efetivamente organizada: a classe governante. Essa é realmente a exploração do homem pelo homem.

Pode-se perceber na teoria e confirmar na observação da "praxis hitórica". ...hehehe!

Abraços
C. Mouro

Raphael disse...

É exatamente isso, C. Mouro. No comunismo troca-se uma suposta elite capitalista, supostamente insensível, supostamente conspiratório (e tantas outros “supostos”) por uma nomenklatura ainda mais sanguinária e perniciosa (não que as “elites” precisem necessariamente ser também ). Isso estava subentendido no que falei. Em todo caso, o “todos são iguais em sua miséria” soa como ofensa para os comunistas assim como soou naquela situação que descrevi. Essa foi a real intenção, foi quando notaram o cinismo e a ironia.

O povo cubano, sem dúvida, é igual em sua miséria, e isso não é chavão que você ouvirá de comunistas. Você os lançará contra eles. Mas nisso fica subentendido tudo que você descreveu sobre a nova classe dominante pós-revolução. As novas farsas, como o Janer mostrou num dos seus últimos artigos, servem para iludir acenando com uma liberdade inexistente, como agora que o Raúl Castro está liberando a compra de produtos eletrônicos e estadias em hotéis. Na prática nada muda, porque cubano mal paga suas necessidades básicas, quanto mais algum conforto. No entanto, a liberdade para isso “existe”. É só mais um meio de maquiar.

Raphael disse...

Soa como ofensa porque comunistas não admitem que o povo de Cuba vive na miséria. Quando muito,cedem culpando os EUA e o “bloqueio”. *

C. Mouro disse...

"troca-se uma suposta elite capitalista, supostamente insensível, supostamente conspiratório (e tantas outros “supostos”) por uma nomenklatura ainda mais sanguinária e perniciosa"

Show de bola! Captou perfeitamente!

A "classe burguesa" que Marx fazia crer uma classe prática ou grupo corporativo era apenas uma suposição idiota, já que era apenas uma classe teórica sem qualquer "espirito de corpo". Não era uma classe organizada, nem hierarquizada e nem mesmo guiada por uma ideologia corporativa. UMA MERA SUPOSIÇÃO PARA FAZER INTRIGA, INVENTANDO INOIMIGOS PARA FAZER AMOIGOS. Aliás, um emprestador de capital que cobra o, oh! que horror!, juro, precisa que o tomador faça sucesso para que possa paga-lo, este é o negócio dele. Pô, se capitalistas emprestavam a juros também a capitalistas, então um capitalista explorava outro. Marx concordava com a Lei da Usura, e ampliava ainda para qualquer renda sobre capital.

Quanto a tal "mais valia" é a coisa mais estúpida possível, um mero jogo de palavras seguido de caretas de horror, mas que nada acrescenta a coisa alguma; é o lucro. Ocorre que qualquer indivíduo que trabalhe para obter renda, realiza lucro. Mesmo uma parte do salário é lucro. Um marceneiro auitônomo que compra materia prima e vende sua produção realiza lucro. Porém no caso da idiotíssima "mais valia" Marx desconsidera quando o investimento dá prejuízo.

Vejamos, se um empresário compra blocos de granitoo e contrata operários para dele fazerem bolotas, pretende ele vende-las com lucro. Porém, se não as vende por valor que cubra os custos nem mesmo da matéria prima, o quê Marx diria? que os operários estariam esplorando o capitalista? que os operários não realizaram trabalho algum? que realizaram trabalho negativo? diria ele que o trabalho pode ter valor negativo? ...ora, os operários realizaram o trabalho a eles solicitado, logo, foram positivos para quem os contratou. Se um sujeito contrata uma cozinheira e a manda fazer algo que ele não gosta e não consegue comer, não é a cozinheira que está dando prejuizo, nem não trabalhando e nem trabalhabndo negativamente.

Enfim, Marx não explicou as regras do que safadamente chamou de "capitalismo" ou "sistemavoltado para a acumulação de capital" a fim de aproveitar-se da idéia do "não acumular tesouros na terra", Marx apenas fez profecias aterrorizantes descreveu o tal "sistema" em suas consequências e não em suas regras/filosofia.

Ou seja, Marx inventou um mundo e passou a criticar tal mundo inventado como se o mundo real assim fosse. Restringiu-se a apenas os casos que lhe interessavam, por exemplo quando o investimento realiza lucro. E, cá entre nós, a idéia da tal "mais valia" é um mero jogo de palavras que embaralhando uma mal formulada questão de forma absolutamente falaciosa, leva a um desentendimento da questão.

Que porra de sistema controlado por uma "classe perversa e organizada" permite que qualquer um adentre nesta classe sem dar a menor bola para seus integrantes, bem como permite que dela saiam integrantes sem qualquer participação dos demais?

Ora, um agiota só fará sucesso em seu negócio se os tomadores puderem pagar. Assim, que empresta a um empreendedor interessa-se por seu sucesso.
Ah! e quanto a idiotice de que o valor do produto está na QUANTIDADE de trabalho é algo absuradamente imbecil. Se um sujeito compra uma tábua e a corta em cotocos, tema mais trabalho do que se a preparasse para ser uma bela prateleira. Mas com isso sua maisor quantoidade de trabalho não adiciona valor ao produto. Marx se viu apertado com sua teoria e então descambou para outra idiotice, aquela em que pretendia que clarividentes tabelassem, padronizazem, o valor dos produtos - os profetas são advinhões das verdades ocultas aos comuns. Claro, ou o imbecil estaria dizendo que um competente marceneiro que faz uma mesa e 3 horas, por exemplo, merece ganhar menos que outro que leva 7 horas para fazer uma mesa idêntica. ...hohoho! que imbecil esse Marx.

Ocorre que Marx, como sempre, não explicou quais criterios usaria para estabelecer o valor padrão. Seria estatística ...hummm poderia ser fraudada pelos operários. seria jogando dados? receberia comunicados do além? ou chamaria um garotinho de 5 anos para arbitrar? Mas mesmo assim seria complicado ante inúmeros modelos criados dinamicamente de inúmeros produtos que surgem e desaparecem também dinamicamente. ...e uma mesa manca teria o mesmo valor de uma mesa perfeita, uma mais feia o mesmo que uma bela? ...enfim, idiotice prá mais de metro e meio.

Todo valor decorre da plicação do trabalho, eu concordo. Porém, nem todo trabalho possui o mesmo valor. O valor é subjetivo, não existe um "valor verdadeiro". Cada pessoa valoriza subjetivamente. Pela mesma razão não existe a cor mais bonita, essa é também uma questão subjetiva para qual não existe uma verdade, é subjetivo.

Costumo usar o seguinte exemplo: pegar uma pedra no chão é trabalho? tipo achar um diamante na porta de casa ao sair para plantar batatas. Quem disser que não, vale analisar se abaixar para pegar uma pedrinha no chão é ou não trabalho através da multiplicação: Se um sujeito contrata outro para passar os dias pegando pedrinhas no chão, se isso é ou não um trabalho. Imagine alguém dizer que não, que abaixar e pegar pedras no chão e leva-las para outro lugar não é trabalho. As riquezas só se realizam como tal pela aplicação do trabalho: opetróleo e os minérios, por exemplo, só têm valor depois do trabalho de retira-los da origem, e mesmo depois do trabalho de prepara-los para uso.

Abraços
C. Mouro

Anônimo disse...

Pobreza existe porque Deus permite. Quando as almas estão para encarnar, lá no céu, Deus manda algumas para os países desenvolvidos e outras para a África. Motivo? Só Deus sabe. Possivelmente para os ricos darem valor para o que têm e para fortalecer as almas pobres. Lá no céu é uma briga dos infernos. Todos querem nascer como pobres fodidos, porque sabem que será algo passageiro e que depois gozarão de benesses eternas no paraíso, mais do que os que nasceram ricos. E as almas ficam com medo de nascerem ricas e depois não passarem pelo buraco da agulha.

Raphael disse...

pursuit of happyness*

Anônimo disse...

--------essa desigualdade e a mais pura identidade de deus e do diabo---------------

pois deus diz
--E Deus os abençou,e lhes disse crescei e multiplicai-vos--
não me venha me dizer que e culpa do homem pois na biblia estar escrito que o homem era um ser perfeito.
uma criança entra dentro de um onibus e derrepente explode em dezenas de pedaços,então o terrorista foi perfeito? claro que não,foi iludido pelo diabo,dizendo:deus lhe dara o reino do ceus.e a criança?---a resposta e essa "livre arbitro" ou criança no pecado

então se temos livre arbitro porque as pessoas não consegue ficar fora da miseria?,ja que pra deus o "livre arbitro" e uma dignidade humana?

a resposta e essa,quando uma pessoa ora e pede a deus alguma coisa automaticalmente estar pedindo para deus afastar o diabo.

(voce e um vencedor,mas as forças espirituais não deixam)
isso explica porque tanta gente trabalha muinto e não consegue nada---isso e com o pobre e o rico.

quem tira proveito da desigualdade social?

são todos os que estão no poder,voce pensa que politico gosta de ser amado?claro que não,eles quer que voce o odeiem assim eles fazem o errado sabendo que o povo não terar mais forças para lutar,a mesma coisa o diabo,

voce nasce perfeito mas deus manda o diabo endurecer seu coração
depois lhe coloca em uma situação de total desgraça para que voce volte a ser uma pessoa de coração manso,deus tira proveito da fraqueza e da pobresa humana


resumindo:para mim politico deus e o diabo são todos iguais

todos se merecem

nunca vi deus se importa com uma greve de trabalhadores e la resolver,tão pouco politico,pior ainda o capeta.

ja jesus:e o unico que e humano e espirito ao mesmo tempo,o unico que compadece com a fraqueza e sofrimento humano.

Anônimo disse...

--------essa desigualdade e a mais pura identidade de deus e do diabo---------------

pois deus diz
--E Deus os abençou,e lhes disse crescei e multiplicai-vos--
não me venha me dizer que e culpa do homem pois na biblia estar escrito que o homem era um ser perfeito.
uma criança entra dentro de um onibus e derrepente explode em dezenas de pedaços,então o terrorista foi perfeito? claro que não,foi iludido pelo diabo,dizendo:deus lhe dara o reino do ceus.e a criança?---a resposta e essa "livre arbitro" ou criança no pecado

então se temos livre arbitro porque as pessoas não consegue ficar fora da miseria?,ja que pra deus o "livre arbitro" e uma dignidade humana?

a resposta e essa,quando uma pessoa ora e pede a deus alguma coisa automaticalmente estar pedindo para deus afastar o diabo.

(voce e um vencedor,mas as forças espirituais não deixam)
isso explica porque tanta gente trabalha muinto e não consegue nada---isso e com o pobre e o rico.

quem tira proveito da desigualdade social?

são todos os que estão no poder,voce pensa que politico gosta de ser amado?claro que não,eles quer que voce o odeiem assim eles fazem o errado sabendo que o povo não terar mais forças para lutar,a mesma coisa o diabo,

voce nasce perfeito mas deus manda o diabo endurecer seu coração
depois lhe coloca em uma situação de total desgraça para que voce volte a ser uma pessoa de coração manso,deus tira proveito da fraqueza e da pobresa humana


resumindo:para mim politico deus e o diabo são todos iguais

todos se merecem

nunca vi deus se importa com uma greve de trabalhadores e la resolver,tão pouco politico,pior ainda o capeta.

ja jesus:e o unico que e humano e espirito ao mesmo tempo,o unico que compadece com a fraqueza e sofrimento humano.

Anônimo disse...

--------essa desigualdade e a mais pura identidade de deus e do diabo---------------

pois deus diz
--E Deus os abençou,e lhes disse crescei e multiplicai-vos--
não me venha me dizer que e culpa do homem pois na biblia estar escrito que o homem era um ser perfeito.
uma criança entra dentro de um onibus e derrepente explode em dezenas de pedaços,então o terrorista foi perfeito? claro que não,foi iludido pelo diabo,dizendo:deus lhe dara o reino do ceus.e a criança?---a resposta e essa "livre arbitro" ou criança no pecado

então se temos livre arbitro porque as pessoas não consegue ficar fora da miseria?,ja que pra deus o "livre arbitro" e uma dignidade humana?

a resposta e essa,quando uma pessoa ora e pede a deus alguma coisa automaticalmente estar pedindo para deus afastar o diabo.

(voce e um vencedor,mas as forças espirituais não deixam)
isso explica porque tanta gente trabalha muinto e não consegue nada---isso e com o pobre e o rico.

quem tira proveito da desigualdade social?

são todos os que estão no poder,voce pensa que politico gosta de ser amado?claro que não,eles quer que voce o odeiem assim eles fazem o errado sabendo que o povo não terar mais forças para lutar,a mesma coisa o diabo,

voce nasce perfeito mas deus manda o diabo endurecer seu coração
depois lhe coloca em uma situação de total desgraça para que voce volte a ser uma pessoa de coração manso,deus tira proveito da fraqueza e da pobresa humana


resumindo:para mim politico deus e o diabo são todos iguais

todos se merecem

nunca vi deus se importa com uma greve de trabalhadores e la resolver,tão pouco politico,pior ainda o capeta.

ja jesus:e o unico que e humano e espirito ao mesmo tempo,o unico que compadece com a fraqueza e sofrimento humano.

Anônimo disse...

--------essa desigualdade e a mais pura identidade de deus e do diabo---------------

pois deus diz
--E Deus os abençou,e lhes disse crescei e multiplicai-vos--
não me venha me dizer que e culpa do homem pois na biblia estar escrito que o homem era um ser perfeito.
uma criança entra dentro de um onibus e derrepente explode em dezenas de pedaços,então o terrorista foi perfeito? claro que não,foi iludido pelo diabo,dizendo:deus lhe dara o reino do ceus.e a criança?---a resposta e essa "livre arbitro" ou criança no pecado

então se temos livre arbitro porque as pessoas não consegue ficar fora da miseria?,ja que pra deus o "livre arbitro" e uma dignidade humana?

a resposta e essa,quando uma pessoa ora e pede a deus alguma coisa automaticalmente estar pedindo para deus afastar o diabo.

(voce e um vencedor,mas as forças espirituais não deixam)
isso explica porque tanta gente trabalha muinto e não consegue nada---isso e com o pobre e o rico.

quem tira proveito da desigualdade social?

são todos os que estão no poder,voce pensa que politico gosta de ser amado?claro que não,eles quer que voce o odeiem assim eles fazem o errado sabendo que o povo não terar mais forças para lutar,a mesma coisa o diabo,

voce nasce perfeito mas deus manda o diabo endurecer seu coração
depois lhe coloca em uma situação de total desgraça para que voce volte a ser uma pessoa de coração manso,deus tira proveito da fraqueza e da pobresa humana


resumindo:para mim politico deus e o diabo são todos iguais

todos se merecem

nunca vi deus se importa com uma greve de trabalhadores e la resolver,tão pouco politico,pior ainda o capeta.

ja jesus:e o unico que e humano e espirito ao mesmo tempo,o unico que compadece com a fraqueza e sofrimento humano.

Anônimo disse...

Em primeiro lugar,Deus nunca disse nada,nem para Moisés,nem para ninguém,porque Deus não existe.Quanto à situação de Cuba,é verdade que o comunismo não funciona,mas o bloqueio internacional também é o fator preponderante para que ele não funcione.Desde quando se pune um país inteiro pela teimosia de um líder qualquer?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...