12 março 2011

Astrólogo vira o cocho

Janer Cristaldo


Quando um comunista perde uma boquinha em estatais, logo pipocam os manifestos exigindo sua volta ao cargo. São assinados pelos “manifesteiros” de sempre: Marilena Chauí, Chico Buarque, Leonardo Boff, Emir Sader et caterva. Comunista acha que cargo de confiança ou mesmo emprego em empresa privada é para a eternidade. Olavo de Carvalho não perdeu os reflexos de seus dias no Partido Comunista. Quando foi afastado de suas colunas nos jornais O Globo e Zero Hora e na revista Época, o astrólogo subiu nos tamancos. Denunciou a censura das esquerdas, como se estas publicações fossem de esquerda. Pelo jeito, como velho comunista, considerava ter efetividade em empresas privadas.

O astrólogo foi acometido de recidiva nesta semana. A livraria Cultura, de São Paulo, cancelou sua parceria com seu site. Aiatolavo de novo subiu nos tamancos. “De todas as ofensas, agressões e ações discriminatórias que sofremos ao longo de muitos anos de atividade, essa foi a mais sórdida, a mais canalha, a mais intolerável. Um bom pedido de desculpas é o mínimo que vocês nos devem”. Em trocadilho besta, passou a chamar a livraria de livraria Incultura. Como se calembour fosse argumento.

Para o sedizente filósofo, parcerias são para a eternidade. Se a uma empresa não mais interessa ter seu nome associado a um astrólogo boquirroto, anátema seja. Seus acólitos já falam em censura. Esquecendo que seu guru é o grande censor que promoveu, qual um Torquemada, a maior fogueira de arquivos digitais já acendida no Brasil. Aiatolavo costuma agredir quem dele discorda com uma saraivada de palavrões. É uma técnica eficaz para evitar contestações. Pessoa que se preze não vai discutir com quem usa linguajar de lavadeiras na beira da sanga.

Convidado a colaborar no mídiasemmáscara, em dezembro de 2006 tive uma crônica censurada. Crônica na qual afirmava que Cristo nasceu em Nazaré e não em Belém. Este era o cerne do artigo. Se por isto fui censurado, os papistas do MSM estavam sendo mais ortodoxos que o Vaticano. Pois o nascimento de Cristo em Belém não é dogma. Logo, afirmar que nasceu em Nazaré não é heresia alguma. E mesmo que fosse: por que não poderia eu cometer uma heresia? Afinal não vivemos mais nos tempos da Idade Média, quando os hereges não escapavam da fogueira.

"Artigos com o perfil deste que vc enviou não serão publicados no MSM durante algum tempo - escreveu-me o editor -. Assim que possível, informarei o motivo. Adianto apenas que é uma decisão temporária". Ora, adoro escrever artigos com aquele perfil. Se aceitasse a censura daquele, teria de aceitar a dos demais. Por outro lado, alegar decisão temporária também é ridículo. Por que o artigo não poderia sair hoje, mas amanhã quem sabe?

Eu escrevia sem nada cobrar e ainda era censurado. Recusei-me a qualquer futura colaboração com o site. Outros colaboradores, por razões semelhantes, também se afastaram do MSM. Entre eles, Anselmo Heidrich e Rodrigo Constantino. Que fez Aiatolavo? Deletou todas minhas crônicas, como também as destes articulistas. É como se a Folha de São Paulo eliminasse de seu acervo todos os artigos que apoiaram o movimento militar de 64. Como se a Veja queimasse todas as reportagens em que saudava Che Guevara como libertador. Bom discípulo de Stalin, Aiatolavo utilizou o expediente de eliminar da História personagens ou pensamentos divergentes.

O MSM se tornou um site monocórdio, sambinha de uma nota só. Ou melhor, de três notas: o combate à conspiração homossexual para dominar o mundo, a denúncia obsessiva do Foro de São Paulo e do PT, partido que pretende comunizar o Brasil. Os artigos doentios de Júlio Severo demonstram uma carência que não ousa dizer seu nome. Quanto ao Foro de São Paulo – Woodstock saudosista de apparatchiks derrotados com a queda do Muro e o desmoronamento da União Soviética – não passa de um circo anódino montado para relembrar sonhos frustrados. O PT, por sua vez, se um dia teve como propósito transformar o Brasil em republiqueta soviética, embriagou-se com o poder e hoje não quer nada com revolução. Virou partido de direita, que quer apenas preservar suas boquinhas.

O MSM passou a lutar contra moinhos de vento. Inventa bandeiras para fingir que tem causa. Tornou-se tão monótono quanto os jornais de esquerda pós-64, nos quais bastava ler apenas um artigo para deduzir os demais. Desesperado, o astrólogo escreveu:

"O artigo 208 do Código Penal pune com detenção e multa os atos de ‘escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa’ e ‘vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso’. Os srs. Rodrigo Constantino, Janer Cristaldo e Anselmo Heydrich já cometeram esse crime tantas vezes, que o simples fato de eu me contentar em xingar esses bandidinhos, em vez de denunciá-los à polícia, deveria ser considerado um exagero de caridade. Com bandido não se discute. Lugar de criminoso é na cadeia. Admito, porém, que não é a caridade, e sim a mera distância geográfica, que me impede de tomar contra os referidos as providências judiciais cabíveis".

Além de censor, fanfarrão. De colaboradores convidados ao site, passamos à condição de criminosos. Em 2008, Rodrigo Constantino escreveu:

“Fico constrangido e ao mesmo tempo com muita pena do "filósofo". Ele deve estar mesmo em pânico para ter de apelar desse jeito. Logo ele, que xinga tudo e todos, que não respeita a crença de ninguém. Mas fica a pergunta: os não-crentes podem processar os crentes quando estes chamam de idiotas todos os ateus? Quando um crente jura que o ateu vai passar a eternidade no inferno, ele pode ser processado por danos morais? Se Olavo "vilipendiar publicamente objeto de culto religioso" de uma seita diferente, como a cientologia, ele vai se entregar à polícia? Olavo quer me colocar na cadeia por questionar a sua crença religiosa. Para ele, sou um bandido, um criminoso, pois questiono suas crenças. Como eu disse, o sonho dele era viver na Idade Média, e me mandar para a roda ou fogueira. Ainda bem que tivemos o Iluminismo para colocar uma focinheira em tipos como este. Conservadores fanáticos não odeiam o Estado coisa alguma, nem querem reduzir seu poder. Querem apenas se apossar dele, e ai de quem divergir de suas crenças!”

Confuso, o astrólogo não gosta que o chamem de astrólogo:

"Quanto à insistência obsessiva desses canalhas em me chamar de ‘astrólogo’, com a ênfase que a palavra tem quando associada a tipos como Walter Mercado, é fácil notar que nenhum dos três jamais examinou criticamente e nem mesmo citou de passagem qualquer escrito meu sobre a questão da astrologia. [...] O intuito deliberado de falsificar para melhor difamar não poderia ser mais evidente, e a eventual desculpa de que foi ofensa proferida impensadamente no calor da discussão já está impugnada antecipadamente pelo número de vezes que a ofensa se repetiu".

Constantino constata:

- Mas vejamos o que o próprio Olavo disse numa entrevista, quando Roberta Tórtora perguntou como a astrologia contribuiu para sua formação:

"Muito. Não existe possibilidade alguma de entendimento de qualquer civilização antiga sem o conhecimento da Astrologia. O modelo de visão do mundo baseado nos ciclos planetários e nas esferas esteve em vigor durante milênios e isto continua a estar, de certo modo, no ‘inconsciente’ das pessoas. Apesar de algumas deficiências no modelo astrológico, foi ele quem estruturou a humanidade pelo menos a partir do império egípcio-babilônico, o que significa, no mínimo, cinco mil anos de história. A Astrologia é um elemento obrigatório, por isto quem não a estudou, não estudou nada, é um analfabeto, um estúpido."

O astrólogo que se ofende quando o chamam de astrólogo, considera analfabeto quem não conhece astrologia. Quando comecei a escrever no MSM, não sabia que o astrólogo era astrólogo. Se soubesse, ficaria com um pé atrás. Fui saber mais tarde, quando comentei o projeto do senador Artur da Távola, que visava regulamentar a vigarice. Recebi mail furioso de um leitor: como é que você critica a astrologia, logo num site dirigido por um astrólogo e mestre-astrólogo, que já escreveu quatro livros sobre astrologia?

Se escreveu, os livros sumiram da História. Aiatolavo, ao que tudo indica, censurou a si mesmo. O astrólogo vive hoje na Virgínia, EUA, sabe-se lá como. De suas croniquetas no Diário do Comércio – jornal ligado a Afif Domingos – não há de ser. Muito menos de mapas astrais. Furioso, o astrólogo ex-muçulmano e ex-comunista - lança agora seus insultos a uma livraria que patrocinava seu panfleto. Se ontem a livraria era um órgão difusor de cultura, de repente virou autora de agressão “sórdida, a mais canalha, a mais intolerável”.

Se as trajetórias dos astros são previsíveis, o mesmo não se pode dizer da dos astrólogos. Mudam conforme os patrocínios. Aiatolavo virou o cocho.

6 comentários:

Anônimo disse...

Se for assim qualquer escrita do Janer sobre o Olavo pode ser entendida como choro de comunista, não é sr ex midia sem mascara?

consegue manter o fornecimento de informações sem perder a capacidade de dar tiros pela culatra.
Mesmo assim vc é meu preferido. Soa sempre o mais sincero possível.

Angelica Guimaraes disse...

"Para o sedizente filósofo, parcerias são para a eternidade."

Parcerias são eternas apenas enquanto há interesses envolvidos, Janer. Quem finge não saber disso é ingênuo.

"E mesmo que fosse: por que não poderia eu cometer uma heresia?"

Evidentemente ! Para ser franca eu acho que esse motivo foi muito banal para ter provocado a sua saída. Tenho uma teoria de que o fato de ser ateu ( aliás, como o Anselmo e o Rodrigo ) possa ter motivado o desligamento de vocês.

Esse incidente só mostra o quanto a religião estava acima da ideologia política do MSM.

A máscara realmente caiu.

Um abraço.

...

Janer disse...

Comentei sexta-feira passada o acesso de ira sagrada que acometeu o astrólogo, ao perder a parceria da Livraria Cultura com o Mídiasemmáscara. Em trocadilho besta, passou a chamar a livraria de livraria Incultura. Como se trocadilho fosse argumento. Como já dizia Balzac: "le calembourg c'est la fiente de l'esprit".

Aiatolavo de novo subiu nos tamancos. “De todas as ofensas, agressões e ações discriminatórias que sofremos ao longo de muitos anos de atividade, essa foi a mais sórdida, a mais canalha, a mais intolerável. Um bom pedido de desculpas é o mínimo que vocês nos devem”.

A livraria Incultura reestabeleceu o link e, do dia para a noite, voltou a ser Cultura. Censor implacável, que já deleteu de seu site todos os artigos dos colaboradores com os quais discordava, o astrólogo não hesitou um segundo em censurar a si mesmo: em sua fúria censória, deletou seu próprio artigo.

Blog and Roll disse...

Caro ex-colunista do MSM, tomei ciência deste texto e achei que seriam pertinentes algumas comensiderações, se me permite.

Antes de mais nada, sou obrigado a concordar com seu artigo no que tange à demissão de qualquer colaborador - remunerado ou não - de qualquer publicação.

Direitistas que somos, acredito que compartilhamos o pensamento de que até mesmo em uma empresa pública a estabilidade "ad eternum" é inimiga da eficiência e, portanto, deveria ser abolida. Mas isso não vem ao caso.

Contudo, quanto á demissão do professor Olavo de Carvalho de algumas mídias nacionais, eu sou obrigado a discordar do nobre colunista: evidentemente houve um patrulhamento ideológico, senão por parte dos editores e "colegas", com certeza por parte dos leitores ligados ao PT 'et caterva".

Também não posso concordar que mídias que publiquem artigos de Mercadante, Zé Dirceu, Veríssimo, Chico Alencar, Cristovam Buarque etc, mesmo que não possam ser classificadas como "esquerdistas" como a Carta Capital, por exemplo, sejam considerados "de direita" tampouco.

Para finalizar este meu primeiro comentário, gostaria de perguntar ao senhor,já que que não acredita em astrolgia, se o senhor ao menos acredita em ato falho freudiano. Pois é isso que o seu artigo deixa transparecer: um baita ato falho, no qual o senhor já "entregou a rapadura" logo de cara ao atacar quem o dispensou de uma publicação que em nada poderia ser comparada a uma empresa pública, muito pelo contrário. Reflita sobre isso.

Anônimo disse...

Textozinho de amador do caramba, rsrsrsrs

Pra tu virar direitista tem de comer muito arroz com feijão!

Vê se cresce.

André Barros disse...

Acho que depois que o Olavo morrer essa direita ultraconservadora católica ficará um bom tempo sem um guru. Pois ele realment é muito culto, ainda que dado a umas sandices, e pra essa gente que o segue ele é quase uma divindade, um novo Aristóteles ou Platão. Olavo gosta de ser um totem pra esse pessoal. Sabe que está cercado de imbecis, de iletrados, de jecas. O MSM só tem idiotas. Alguns bem fanáticos, mas a maioria mansa, só latem, não morderiam mesmo que pudessem. Mas parece que ele vive bem e que seus livros e o curso de filosofia rendem um bom dinheiro. Olavo era bom até o primeiro Imbecil Coletivo. Até parte do segundo Imbecil Coletivo. Depois desandou. Ou resolveu se revelar. A última dele foi um livro (que na verdade é um capítulo de um livro maior), em que Maquiavel é apresentado como um monstro e praticamente um agente do Diabo na Terra. Ele o cita fora de contexto e tira as conclusões mais malucas, é inacreditável. Talvez Maquiavel vire o novo Gramsci dele, o novo capeta-mor. Afinal, acho que até o Olavo já está se cansando dessa história de revolução silenciosa gramsciana.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...