24 maio 2010

Coitadinhos dos ateus!

Janer Cristaldo


O ateísmo é a condição natural do ser humano, costumo afirmar. Todos nascemos ateus. Ninguém nasce com a idéia de deus ou deuses na cabeça. Esta idéia é decorrente da educação. Surge na família, na escola, na igreja, na sociedade. Crianças, não temos mecanismos de defesa contra o que nos é enfiado a machado na cabeça. Nos tornamos então crentes. Passamos a temer a morte e deste temor surge a crença na imortalidade, em castigos ou recompensas após o fim do prazo de garantia. Sem a morte, não existiriam religiões.

Uma vez adulto, você tem duas opções. Ou continua ingerindo placebos, ou deles se liberta. A maior parte das gentes prefere os placebos e inclusive vive bem com eles. Outros, mais audazes – ou lúcidos, se quisermos – consideram uma fuga viver dependendo de ilusões post-mortem. Estes somos nós, os ateus. É decisão adulta de quem não suporta viver embalado por mentiras. Nada a ver com aquele ateísmo de infância. Na infância, do mundo nada sabemos.

Ser crente é fácil. Basta crer e estamos conversados. Ser ateu é mais complexo. Além de negar a crença em um ser superior, precisamos nos libertar das decorrências dessa crença. Para isso, precisamos conhecer religião melhor do que o crente. Ele não está preocupado em libertar-se de nada. Nós estamos. Em nada espanta que um ateu conheça melhor a Bíblia que um católico. O católico vai atrás do que o padre disse. Nós vamos aos textos. O fato é que hoje nem os padres conhecem a Bíblia. Têm apenas vagas noções do catecismo aprendido nos seminários. Na verdade, nem os papas conhecem muito os textos sacros. Bento XVI, sem ir mais longe, quando fala de religião dá a impressão de não ter lido sequer os Evangelhos.

Ao contrário do que pretendem certos meninos que fazem do ateísmo uma religião, em minha seis décadas de vida jamais me senti discriminado por ser ateu. Há alguns anos, fui violentamente atacado por outros meninos que, se pretendendo católicos, do catolicismo não conheciam sequer os dogmas. Eu, ateu, tive de introduzi-los pacientemente nos meandros do catolicismo. Não por acaso, eram todos discípulos do astrólogo aquele que se pretende cristão, como se cristianismo fosse compatível com astrologia. Diz Isaías, entre outros: “"Já estás cansada com a multidão das tuas consultas! Levantem-se pois, agora os que dissecam os céus e fitam os astros, os que em cada lua nova te predizem o que há de vir sobre ti. Eis que serão como restolho, o fogo os queimará; não poderão livrar-se do poder das chamas; nenhuma brasa restará para se aquentarem, nem fogo para que diante dele se assentem".

Mas não era disto que pretendia falar. Ser atacado por defender determinadas convicções faz parte da vida. Quem quer que pense terá de confrontar-se com quem pensa o contrário. Desde meus primeiros artigos, lá pelos quinze anos, em um modesto jornalzinho do interior, fui atacado por meus adversários. Inclusive por um de meus professores. Quando fazia jornalismo em Porto Alegre, as cartas me xingando – e também as me defendendo – eram tantas, que a coluna dos leitores tornou-se mais interessante que a minha.

Ao longo de meu trabalho, fui chamado, mais ou menos pela ordem, de:

- comunista
- anarquista
- devasso
- imoral
- pachá dos pampas
- porco chauvinista (insulto dos anos Simone de Beauvoir)
- machão
- bicha
- agente do Dops
- agente do SNI (promoção nacional)
- agente da CIA (promoção internacional)
- porco sujo imperialista
- reacionário (disto até hoje me chamam)
- sionista (quando condenei o terrorismo de Arafat)
- anti-semita (quando comentei as prescrições absurdas de Maimônides)
- Robin Hood às avessas: rouba de todos e não dá nada a ninguém
- Savonarola às avessas: nos condena por não pecarmos

E certamente mais algumas gentilezas, que agora não recordo. Nos dias de universidade, enquanto eu depunha no DOPS tentando provar que não era comunista, na universidade era pichado como agente do DOPS. A mais curiosa acusação surgiu há uns três ou quatro anos. Uma leitora, judia ortodoxa, me apodou de católico fanático. Essa conseguiu surpreender-me. Jamais imaginaria que era católico e muito menos fanático.

Perdi amigos e namoradas por tais acusações. Também faz parte da vida. Quem não tem inimigos, não tem amigos. Jamais lamentei tais perdas. Considerei-as normais e segui tranqüilamente meus rumos. Insultos e agressões são rotina na vida de quem escreve. Há dois ou três anos, consegui reunir uma curiosa comunidade de desafetos, a dos ornitólogos. Em função de um singelo artigo que escrevi – “A periculosidade social dos ornitólogos” – fiquei recebendo bicadas dos defensores de pássaros por mais de ano. Paciência.

Recebi, nos últimos dias, uma revoada de mails indignados de um setor que me espanta até mais que a leitora judia. Dos ateus. Todos me xingando, porque afirmei não ter visto discriminação contra ateus no Brasil. Eu, o ateu, o inimigo figadal dos religiosos, tornei-me de repente alvo dos ateus. Perdoem-me os leitores minha falta de modéstia: isso exige algum talento.

Os argumentos são basicamente dois. O primeiro, de pessoas que perderam empregos por se professarem ateus. Confesso que jamais vi isso em minha vida, e meus interlocutores não me apresentam casos concretos. Se você vai a um hospital, é sempre interrogado sobre sua religião. É cuidado que o hospital tem, inclusive para tratar de sua alimentação. Judeu não come porco nem moluscos. Muçulmano come moluscos mas não porco. E por aí vai. Mas jamais tive notícia de empresa que perguntasse pela religião de um candidato a emprego. Se perguntar, tanto faz como tanto fez. Você não responde e pronto. A uma empresa deve interessar a eficiência e não a fé do funcionário. Se prevalece a fé, tome distância dessa empresa.

Verdade que, em décadas passadas – e talvez até hoje – havia universidades e jornais onde você não entrava se não fosse marxista. Mas aqui a religião era outra e implicava você ser ateu. Eram épocas em que as águas eram divididas. Hoje, o mundo está cheio de católicos comunistas.

O segundo argumento é o mais divertido. Recebi não poucos mails de meninos que sentiram discriminados ao perderem uma namorada por se revelarem ateus. Coitadinhos! Como se perder uma namorada fosse critério de discriminação. Quando investimos em uma mulher, estamos fazendo uma aposta. Podemos perder ou ganhar. Ora a moça nos considera feios, ou incompetentes, ou chatos, ou baixinhos, ou altos demais. Pode até não gostar de nós porque somos petistas. Ou não gosta porque não somos petistas. Ou porque somos ateus. Ou porque somos religiosos.

Só o que faltava uma mulher ter a obrigação de gostar do primeiro candidato que se apresenta. Perdi não poucas mulheres em minha vida e nunca me senti discriminado. Não gostou de mim? Ok, é direito dela. Acontece que o mundo está cheio de mulheres. Uma mais amável que a outra. Se uma não nos quer, outra nos adora. E é claro que esta outra está deixando de lado – ou discriminando, como diriam os aprendizes de ateus – dezenas de outros homens.

Pode até acontecer que a musa eleita o considere feio e desinteressante. Para não magoá-lo, a moça alega que você é ateu. Ora, está sendo apenas gentil.

5 comentários:

Anônimo disse...

"A ignorância é a condição natural do ser humano. Todos nascemos ignorantes.
(...)
Nos tornamos então seres pensantes.
Passamos a temer a morte, cremos em castigos e recompensas.
Sem a morte, não existiriam religiões."

"Uma vez adulto, você tem duas opções: usa seu pensamento e analisa o que de fato é placebo, pois as coisas nunca são tão simples quanto parecem, ao menos para um ser pensante.
Mas a maior parte das gentes, são, segundo eu, Janer, iludidas por si e por outros.
Eu sou um dos poucos não alienados. Sou audaz, forte, corajoso, inteligente.
Decidi que o que não sigo é mentira, percebi, graças a luz da minha qualidade humana, que sigo a verdade. Mas os outros, a maioria, infelizmente, não percebeu isso.
Por isso escrevo esse texto, numa tentativa de auto-afirmação, e também num desabafo.
Sou adulto, acreditem. Os iludidos são crianças.
Nada a ver com aquela estupidez da infância, agora, eu decido, eu quero.
Ser ateu também é fácil, muitas vezes dissemos: onde estão as evidências científicas? Basta crer e estamos conversados.
Precisamos também conhecer a religião melhor que o crente, e por isso, no meu profundo conhecimento religioso, disse acima que sem morte não haveria religião. Por mais que a morte seja algo natural, biológico, e as divindades não, a morte é o elemento essencial da religião, e não uma divindade, isso pelo fato de que a verdadeira ilusão é a morte.
Conheço tanto a bíblia, que consigo até corrigir papas, mas quando faço isso, claro, desconsidero a religião do papa, e o mesmo faço quando corrijo um pastor de qualquer outra denominação.
Pareço já ter capacidade suficiente para fundar minha própria religião, visto que entendo melhor da bíblia que qualquer crente."

Cansei de parodiar.
Texto enfadonho hein Janer.
Auto-afirmação no úrtimo!!

Ateu disse...

"Pode até acontecer que a musa eleita o considere feio e desinteressante. Para não magoá-lo, a moça alega que você é ateu. Ora, está sendo apenas gentil."

Genial!

Minha mãe chorou quando descobriu que eu era ateu. Até hoje reza para eu me reconverter. Só se for por desespero, na hora da morte. Enquanto eu estiver são, de mente e de corpo, não acredito no mais famoso conto do vigário de que se tem notícia.

Anônimo disse...

Auto-afirmação
Auto-ajuda

E já teve até gente que se identificou com o desabafo do Janer.

"Coitadinhos dos ateus!" [2]

repensando o cristianismo disse...

Sou teísta e gosto do que Janer escreve.não ofende o teísta mas o faz pensar... Me faz pensar em muitas questões interessantes. um abraço.

repensando o cristianismo disse...

Sr. Janes, por favor... honre-nos com sua visita.

Um abraço

http://rv.cnt.br/viewtopic.php?f=1&t=21265&start=25

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...