20 janeiro 2010

Remake de Pocahontas



Lemos no excelente blog Que Treta!: "Há uns dias fui ver o remake da Pocahontas que o James Cameron realizou. Está bem divertido. Talvez para evitar problemas de copyright com a Disney, ele mudou os nomes dos personagens, usou peles-azuis em vez de peles-vermelhas e naves em vez de barcos. Mas manteve-se fiel à história. A Avó Salgueiro estava tal e qual."

Também tenho minhas comparações:

Star Wars e Os Três Mosqueteiros

O episódio IV de Star Wars, o clássico, possui muitos ingredientes análogos a Os Três Mosqueteiros de Dumas.
O aprendiz D’Artagnan (Luke Skywalker) aspira ser mosqueteiro (jedi), monta um cavalo velho amarelo (uma nave velha) e acaba recrutado para servir a rainha (Princesa Leia) com o auxílio dos inteligentes e gaiatos Athos e Aramis (Hans Solo), do bruto Portos (Chewbacca) e dos histriões porém prestativos escudeiros Bazin, Planchet, Mousqueton e Grimaud (C-3PO e R2-D2).
Luta contra Rochefort, o homem da cicatriz (Darth Vader, cujo rosto é desfigurado), braço direito do Cardeal de Richelieu (Imperador Palpatine). Rochefort torna-se amigo de D’Artagnan (na seqüência de Os Três Mosqueteiros) e expira em seus braços, como Darth Vader, que morre nos braços de Luke.
A história de Dumas não peca pelo maniqueísmo, e o protagonista acaba se vendendo para o Cardeal em troca de um posto de capitão. Isto após Richelieu autorizar (involuntariamente) Milady, a sedutora vilã, a assassinar Constance Bonacieux, adúltera amante de D’Artagnan, casada com o velhaco Sr. Bonacieux...


Rei Leão e Hamlet.

O pai é morto por um tirano que usurpa o trono. O filho foge mas o fantasma do pai conta o que aconteceu de fato e o compele a retornar para reclamar a coroa e se vingar. Possui dois amigos, Rosencrantz e Guildenstern, o facócero e o suricato.

Temos ainda AI e Pinóquio, O Patinho Feio e Sabrina, e várias outras.

O Superman (Returns) e Crônicas de Narnia aludem claramente à Paixão de Cristo. Em Matrix há referências ao Jesus da Nova Aliança (o messias Neo, novo), a João Batista (o profeta Morpheus, que reconhece o messias), à ressurreição, à predestinação, à busca pela Terra Prometida (Zion), à trindade (Trinity).

No caso do Superman, ele é flagelado pelos sequazes de Luthor, salva a humanidade e, muito fraco, abre os braços no espaço como se estivesse crucificado. É levado ao hospital e ressuscita. Quem primeiro testemunha a cama vazia (sepultura vazia) é uma mulher piedosa, que chora santas lágrimas... O leão gay de Narnia morre pelo menino pecador e ressuscita para combater o mal.

Quando o personagem tem a possibilidade de ressuscitar, como a Trinity, o Coiote do Papa-Léguas e outros clientes da ACME que caem de precipícios e engolem dinamites de pavio aceso, a coisa perde a graça. Como acontece na mitologia cristã, onde Jesus deixa-se matar sabendo que vencerá a morte, voltará a viver. Qual é a graça? Sacrificar-se assim, até eu!

Evangelhos e Branca de Neve

O melhor remake da famosa história da carochinha "A vida de Jesus" é Branca de Neve e os Sete Anões. A rainha má ordena a execução de Branca de Neve após o espelho mágico lhe informar que a inocente enteada é a mais bela de todo mundo.
O malvado Herodes ordena a execução de Jesus (matança dos inocentes) após os Reis Magos lhe informarem que o predestinado será um rei mais poderoso do que ele.

Mas há diferenças:

- Branca de Neve é salva e foge para um bosque, onde encontra sete anões e os ensina a ser justos, limpos e organizados.
- Jesus é salvo e seus pais o conduzem ao Egito. Após um tempo reúne doze apóstolos e os ensina a ser vagabundos (olhai os lírios do campo), injustos (expulsa vendilhões a chicotadas, arruína suinocultores, amaldiçoa a figueira), e desorganizados.

- Os anões trabalham arduamente no ramo da mineração.
- Os apóstolos são vagabundos, vivem de esmolas, confiam na providência, aquela mesma que nos deu Mussolini (palavras de Pio XI) e Stalin (Palavras do Patriarca George).

- A bruxa mata Branca de Neve e os anões arriscam a vida para salvá-la.
- Os fariseus matam Jesus e os apóstolos fogem com a cauda peluda metida entre as pernas.

- Branca de Neve ressuscita ao ser beijada por um príncipe encantado.
- O corpo roxo e inchado de Jesus é subtraído do sepulcro pelos apóstolos enquanto as sentinelas romanas contam a propina.

7 comentários:

Anônimo disse...

Como você é previsível e infantil. Aliás, o blog inteiro...

Anonimous disse...

Pocahontas é infantil mesmo. Assim como Branca de Neve, a historinha de Jesus, Papai Noel, Deus (Papai Noel dos adultos), etc.

E, a propósito, nada mais infantil do que seu comentário afetadinho, hehehe.

O+Cioso disse...

Catequitus!!!!!!!!!!!!!

Carlos Rafael disse...

Lamentável. Era pra ser engraçado?

Catellius disse...

Anônimo e Carlos Rafael,

Leiam o seguinte texto, escrito pouco após as controversas charges de Maomé que deixaram muçulmanos em polvorosa.

O direito de ridicularizar
Ronald Dworkin
Universidade de Nova Iorque

A imprensa britânica e americana fizeram bem, no cômputo geral, em não reproduzir as caricaturas dinamarquesas que foram objecto do protesto de milhões de muçulmanos furiosos, recorrendo à destruição violenta e terrível um pouco por todo o mundo. Reproduzir as caricaturas teria muito provavelmente como resultado — e pode ainda ter esse resultado — que mais pessoas seriam mortas e mais propriedade seria destruída. Teria causado muito sofrimento a muitos muçulmanos britânicos e americanos porque os outros muçulmanos lhes teriam dito que a publicação das caricaturas tinha por objectivo mostrar desprezo pela sua religião, e ainda que tal impressão tivesse sido, na maior parte dos casos, incorrecta e injustificada, o sofrimento seria, contudo, genuíno. É verdade que os leitores e telespectadores que têm seguido esta história podem muito bem ter desejado ajuizar por si o impacto, humor e grau de ofensa das caricaturas, pelo que a imprensa pode ter sentido que tinha o dever de lhes dar essa oportunidade. Mas o público não tem o direito de ler ou ver o que quer independentemente do preço a pagar, e as caricaturas, em qualquer caso, estão facilmente disponíveis na Internet.

continua...

Catellius disse...

continuando...

Por vezes, a autocensura da imprensa significa uma perda de informação, argumento, literatura ou arte de valor, mas isso não aconteceu neste caso. Não publicar as caricaturas pode dar uma vitória aos fanáticos e às autoridades que instigaram os protestos violentos e, portanto, pode incitá-los a adoptar tácticas semelhantes no futuro. Mas há fortes indícios de que a onda de tumultos e destruição — subitamente, quatro meses depois de as caricaturas terem sido publicadas — foi orquestrada por líderes muçulmanos da Dinamarca e do médio oriente que têm razões políticas mais abrangentes. Se esta análise estiver correcta, manter o tema na ordem do dia, voltando a reproduzir as caricaturas, estaria de facto a servir os interesses dos responsáveis pela violência e a recompensar as suas estratégias de encorajar a violência.
Há um perigo real, contudo, de que a decisão da imprensa britânica e americana de não reproduzir as caricaturas, apesar de sábia, será erradamente tomada como uma aceitação da opinião largamente partilhada de que a liberdade de expressão tem limites, que tem de se conter face às virtudes do "multiculturalismo", e que o governo de Blair tinha afinal razão ao propor que seja um crime publicar algo que seja visto como "abusivo ou insultuoso" por qualquer grupo religioso.

A liberdade de expressão não é apenas um emblema especial da cultura ocidental, que a distingue das outras, e que se pode generosamente limitar ou qualificar como medida de respeito por outras culturas que a rejeitam, do mesmo modo que se pode adicionar um crescente islâmico ou uma estrela judaica a um estandarte religioso cristão. A liberdade de expressão é uma condição do governo legítimo. As leis e as políticas não são legítimas a menos que tenham sido adoptadas através de um processo democrático, e um processo não é democrático se o governo impediu qualquer pessoa de expressar as suas convicções sobre o que tais leis e políticas devem ser.
Ridicularizar é uma forma característica de expressão; a sua substância não pode ser traduzida numa forma retórica menos ofensiva sem expressar algo muito diferente do que se pretendia. É por isso que as caricaturas e outras formas de ridicularizar têm estado, ao longo dos séculos, mesmo quando era ilegal, entre as mais importantes armas tanto de movimentos políticos nobres como corruptos.
Assim, numa democracia, seja poderoso ou impotente, ninguém pode ter o direito de não ser insultado ou ofendido. Este princípio é de particular importância numa nação que procura arduamente a justiça racial e étnica. Se as minorias fracas ou impopulares querem ser protegidas por lei contra a discriminação económica ou legal — se querem leis que proíbam que sejam discriminados no que respeita ao emprego, por exemplo — têm de estar dispostos a tolerar sejam quais forem os insultos ou as ridicularizações que as pessoas que se opõem a tal legislação oferecem aos eleitores, porque só uma comunidade que permite tal insulto como parte do debate público pode ter a legitimidade para adoptar tais leis. Se queremos que os fanáticos aceitem o veredicto da maioria depois de esta o declarar, então temos de permitir que exprimam o seu fanatismo no processo cujo veredicto lhes pedimos que aceitem. Seja o que for que o multiculturalismo signifique — seja o que for que signifique um maior "respeito" por todos os cidadãos e grupos — estas virtudes anular-se-iam a si mesmas se as concebêssemos de modo a justificar a censura oficial.

continua...

Catellius disse...

continuando...

Os muçulmanos que ficaram indignados com as caricaturas dinamarquesas sublinham que em muitos países europeus é um crime negar publicamente, como fez o presidente do Irão, a existência do Holocausto. Dizem que a preocupação do ocidente com a liberdade de expressão é apenas uma hipocrisia interesseira, e têm razão. Mas é claro que o remédio não é comprometer ainda mais a legitimidade democrática, mas encontrar uma nova compreensão da Convenção Europeia sobre os Direitos Humanos que veja a lei contra a negação do Holocausto, e outras semelhantes, em toda a Europa, como o que realmente são: violações da liberdade de expressão que essa convenção exige.

Diz-se muitas vezes que a religião é especial porque as convicções religiosas das pessoas são tão centrais para as suas personalidades que não se deve pedir-lhes que tolerem quem ridiculariza as suas crenças, e porque podem sentir que têm o dever religioso de contra-atacar perante o que tomam como sacrílego. O Reino Unido aceitou aparentemente essa perspectiva, pois continua a considerar a blasfémia como um crime, ainda que apenas no caso de insultos ao cristianismo. Mas não podemos abrir uma excepção para o insulto religioso se quisermos usar a lei para proteger outros aspectos do livre exercício da religião. Se queremos proibir a polícia de, ao fazer buscas especiais, se concentrar nas pessoas que parecem muçulmanas ou se vestem como tal, por exemplo, não podemos ao mesmo tempo proibir as pessoas de se opor a essa política invocando, em caricaturas ou por outros meios, que o islamismo é sinónimo de terrorismo, por mais disparatada consideremos tal opinião. Devemos certamente criticar o juízo e o bom-gosto de tais pessoas. Mas é a religião que tem de observar os princípios da democracia — e não o contrário. Não se pode permitir que religião alguma faça leis para todas as pessoas sobre o que se pode ou não desenhar, tal como não se pode permitir que possa fazer leis para toda a gente sobre o que se pode ou não comer. Nenhumas convicções religiosas podem sobrepor-se à liberdade que torna a democracia possível.

Ronald Dworkin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...