14 outubro 2009

Ministro não pode?

A prisão do cineasta Roman Polanski na Suíça, 31 anos após ter admitido ter relações sexuais com uma menina de13 anos nos Estados, acabou sobrando para o atual ministro da Cultura e Comunicação francês, Frédéric Mitterrand - sobrinho do titio -, acusado por declarações feitas em um livro há quatro anos. (Sobrinho do titio, porque François Mitterrand era popularmente conhecido como Tonton, Titio). La Mauvaise Vie, publicado em 2005, no qual Frédèric fala de suas experiências sexuais com rapazes na Tailândia, foi bem aceito pelo público, com cerca de 190 mil exemplares vendidos.

Em um momento de sinceridade inusitada em um homem público, escreveu Frédéric Mitterrand : "Eu paguei por meninos. (...) Evidentemente, eu li o que foi escrito sobre o comércio de meninos aqui. (...) A miséria ambiente, a cafetinagem generalizada, as montanhas de dólares que isso produz quando os meninos não ganham senão migalhas, a droga que faz devastações, as doenças, os detalhes sórdidos de todo este tráfico. Mas isto não me impede de lá voltar. Todos esses rituais de feira de efebos, de mercado de escravos, me excitam enormemente. Não se pode julgar tal espetáculo de um ponto de vista moral, mas isto me agrada além do razoável. A profusão de jovens muito atraentes e ao mesmo tempo disponíveis me põe em um estado de desejo que não tenho mais necessidade de refrear nem de ocultar. O dinheiro e o sexo – estou no centro de meu sistema – aquele que funciona porque sei que não serei recusado".

Mitterrand, diga-se lá o que dele se quiser dizer, bem que merecia o Nobel de honestidade, se tal prêmio existisse. Admitiu fazer o que milhares de franceses e tantos outros europeus fazem na Tailândia. Seu crime foi tomar a defesa de Roman Polanski. Marine le Pen, na televisão France 2, o acusa de ter descrito – há quatro anos – a forma de que faz turismo sexual e o prazer que tem em pagar meninos tailandeses.

É a nova hipocrisia que toma conta da Europa e mesmo do Brasil. Se as pessoas fazem turismo gastronômico, porque não turismo sexual? Viajamos em busca de prazeres. Se alguém viaja em busca de boa comida, por que não viajar em busca de mulheres? Ou meninos? Ou, neste século XXI, alguém no Ocidente tem algo contra a homossexualidade? Homossexualismo, hoje, só crime em alguns países muçulmanos, onde quase todos os crentes são homossexuais mas não admitem que o sejam.

Mitterrand é acusado pelo porta-voz do Partido Socialista, Benoît Hamon, que considerou chocante este episódio de seu livro : "No momento em que a França se une à Tailândia para lutar contra este flagelo que é o turismo sexual, eis que um ministro do governo explica que ele próprio é um consumidor".

E daí? Não se pode mais viajar em busca de sexo? Nos anos 70, o grande atrativo dos países escandinavos era a oferta sexual. Alguém denunciou Suécia ou Dinamarca por tais chamamentos? Nada disso. A Escandinávia, na época, entronizou as prostitutas na condição de assistentes sociais beneméritas. Porque demonizar a Tailândia?

O argumento é associar homossexualismo à pedofilia. Em que consiste a pedofilia? No caso da denúncia do Partido Socialista, é ter relações com alguém que tenha menos cinco anos que o acusado. É a estúpida filosofia ianque. Relações com adolescentes é mercado reservado para adolescentes. Não se está falando, no caso, de relações com criancinhas. Mas de relações de um homem adulto que faz sexo com meninos de quatorze ou quinze anos. Os franceses parecem esquecer que na vizinha Espanha, a idade de consenso sexual é treze anos.

Ministro de Estado não pode ser consumidor de sexo? Pelo jeito, o que é permissível a cidadãos comuns, não o é a homens públicos. Em meus dias de jovem, quando optei por viver na Suécia, tenho de admitir que fui em busca de sexo. Não era exatamente turismo, era uma opção de vida. E daí? Sou por acaso um criminoso por gostar daquilo que todo mundo gosta?

Considero de uma franqueza extraordinária a confissão de Frédéric Mitterrand. Fugiu à hipocrisia de seu tio, o François, que além de seu passado nazista, manteve vida dupla, tripla ou quádrupla, com suas amantes. Ou mesmo Giscard d’Estaing, que hoje insinua, em uma ficção inusitada, relações com a vaca louca britânica.

Milhares de europeus vão à Tailândia em busca de sexo. Por que um ministro não pode? Fréderic penitencia-se do aspecto turismo sexual e, a meu ver, penitencia-se à toa, já que lei alguma pode, em sã consciência, condenar um turista por relacionar-se com pessoas dos países que visita. Quanto ao aspecto pedofilia, o “indigitado réu” afirma que falou de rapazes genericamente. Que não se relacionou com nenhuma criança, mas com pessoas adultas. Só o que faltava, em pleno século XXI, em um França que teve como expressão de sua cultura homens como André Gide, Marcel Jouhandeau, Jean Genet, condenar o homossexualismo de alguém. E inclusive Simone de Beauvoir, que nunca se privou do bom esporte com suas discípulas.

Thomas Mann, em Morte em Veneza, cria uma versão masculina da adolescência erótica, com Tadzio. Tadzio tem quatorze anos e espicaça o desejo do senil Aschenbach. O barão Wilhelm von Gloeden, em Taormina, fotografa adolescentes nus com um realismo que Visconti jamais ousaria. Segundo as más línguas, a fama dos meninos de von Gloeden teria feito até mesmo Nietzsche rumar à Sicília. A título de ilustração, segue uma rápida mostra dos meninos do fotógrafo alemão: http://tinyurl.com/yjhte3l

Em 1920, Gide publicou Corydon, livro que defende abertamente a legitimidade e dignidade do homossexualismo. Em Os Frutos da Terra, canta abertamente o amor à Nathanael. Alertado certa vez por amigos de que se expunha excessivamente buscando meninos em mictórios públicos, declarou tranqüilamente: “meu Nobel me dá cobertura”. Jouhandeau, em suas obras, nunca escondeu suas preferências por efebos. Genet, que foi expulso do exército por ser flagrado em atos homossexuais, fez a apologia do homossexualismo em Diário de um Ladrão, Nossa Senhora das Flores, Querelle.

No que de dependesse de Benoît Hamon, porta-voz do Partido Socialista, que considerou chocantes as confidências de Mitterrand em seu livro, e de Marine le Pen, que denunciou o ministro, Oscar Wilde seria queimado em efígie por suas relações com o jovem Bosie. Artistas como Clark Gable, Cary Grant, Gary Cooper e até mesmo o insuspeito Humphrey Bogart, deveriam ser jogados ao fogo do Hades. E mesmo divas como Greta Garbo, Marlene Dietrich e Edith Piaf, que não foram indiferentes ao chamado amor sáfico. Que dizer então da poetisa americana Mercedes Acosta, que teve a suprema ventura de participar da cama destas três musas? O Banquete, de Platão, onde vemos as investidas do jovem Alcibíades em cima de Sócrates, deveria ser queimado na Praça da Bastilha.

Bernard-Henri Lévy, no Libération, fala de “uma nova ordem moral que, há quinze dias, parece virar as cabeças que acreditávamos imunizadas contra o moralmente correto tão caro a nossos Pais e Mães do Pudor. (...) A nova Brigada dos costumes vigia. Triste época”.

Triste mesmo. Na arte e no universo dos artistas, pode. O que não pode é no mundo dos políticos e nos preciosos instrumentos de Estado. É espantoso que nesta França de 2009 políticos empunhem bandeiras da Idade Média.

9 comentários:

Catellius disse...

Engraçado, Janer, eu li há muito tempo um livro chamado Os Frutos da Terra, prêmio Nobel de literatura, mas de Knut Hamsum.

Catellius disse...

Janer,

Concordo que o homossexualismo é algo normal, tão antigo quanto o homem, e que há muita hipocrisia em torno a ele. Li em algum lugar, não me recordo onde, que a porcentagem varia um pouco de acordo com a época e o país, mas gira em torno a 10% da população, até mesmo no Irã, onde, segundo Ahmadinejad, não existem gays. A porcentagem no meio artístico é maior, de fato. Talvez porque não haja tantas amarras sociais quanto em outros meios. Ou porque os gays tenham mais pendores artísticos... No mundo das sotainas é certo que a porcentagem de homossexuais é bem maior. Nos EUA, segundo estimativas, passa dos 20%. No exército também é maior, ao que parece. Essas instituições com cheiro de cueca atraem viados – simples assim.

Bom , se o sexo for consensual e entre adultos, tudo bem. Por outro lado, acho que para a sociedade não há alternativa a não ser arbitrar o ponto em que a prática deve ser permitida e considerada consensual.

Incomoda-me, confesso, que marmanjos satisfaçam suas fantasias e necessidades sexuais com garotos de menos de 15 anos. Acho que garotos abaixo dos 15 são mais propensos a topar coisas das quais poderão vir a se arrepender, apenas para não dizer "não", porque também têm uma necessidade de transgredir, sei lá. Bom, arrependimentos acontecem em qualquer idade...

Catellius disse...

Reportagem de 13/10/2009

Italia sufre una oleada de ataques de tinte neofascista contra los gais


EUSEBIO VAL | Roma.

Ser identificado como homosexual comienza a suponer un riesgo en las calles de las ciudades italianas. De nuevo una pareja gay fue agredida el pasado domingo en Roma, un episodio que ya no es un hecho aislado sino el último caso de una oleada de ataques homófobos –y de regusto neofascista– durante los últimos meses.

Las últimas víctimas fueron Francesco, de 25 años, y Massimo, de 50. Caminaban cerca de vía del Corso, a un paso del Panteón, en pleno centro de la capital italiana. Eran las 2 de la tarde. "Habrán visto que nos cogíamos la mano y que intercambiábamos efusiones –explicó Massimo, profesor universitario, a la prensa–. Nos siguieron con los ciclomotores". En efecto, un grupo de seis adolescentes, entre los 16 y 18 años –según testigos– se fijaron en la pareja homosexual y fueron a por ellos. Primero, a modo de provocación, les hicieron el saludo fascista con la mano y les llamaron "camaradas". Luego la emprendieron a golpes de casco y patadas contra Francesco, mientras que su compañero huía.

Lo ocurrido el domingo sigue la pauta de otros ataques que se suceden desde la primavera. Las denuncias por agresiones homófobas suman ya más de cincuenta este año. Además, se han producido al menos siete actos vandálicos contra locales gais. Entre los hechos más graves figuran el acuchillamiento de una pareja en Roma, el pasado 22 de agosto. Un mes después hubo un ataque incendiario contra la discoteca Qube, frecuentada por homosexuales. Bolonia, Florencia y Nápoles también han sido escenario de ataques similares. La agresión del domingo en la capital se produjo sólo un día después de manifestaciones a nivel nacional de colectivos homosexuales italianos, bajo el lema de "Simplemente iguales", para denunciar la oleada de ataques y pedir a los políticos que tomen medidas. Justo ayer empezó a discutirse en la Cámara de Diputados un proyecto de ley que introduciría el agravante de la "discriminación sexual" en los delitos contra las personas.

En los hechos del domingo quizá pudo influir la indumentaria skin de los agredidos. Massimo es presidente de la asociación Leather Club Roma, fundada en en 1999 y, como dice su página web, no está abierta a menores porque es un sitio de "gais apasionados de los objetos de piel, de goma, fetiches, skinheads y prácticas sexuales fuertes".

La principal organización italiana de homosexuales, Arcigay, expresó su "desconcierto y rabia" por el postrer episodio en Roma, y su preocupación por la extrema juventud de los agresores y sus consignas fascistas. "Hay una degradación moral en quien comete estos actos de homofobia –declaró Fabrizio Marrazzo, presidente de Arcigay–. Es indigno actuar con violencia contra una pareja que se ama y que se coge de la mano". Marrazzo instó a que se aplique un plan cultural y formativo contra la homofobia que empiece en las escuelas.

El alcalde de Roma, Gianni Alemanno –del partido de Berlusconi– condenó en términos inequívocos la acción del domingo y la calificó de "inaceptable e intolerable, sobre todo por la edad jovencísima de los agresores". Roberto Morassut, secretario del opositor Partido Demócrata en la región de Lazio, cuya capital es Roma, reprochó al alcalde pasividad ante los actos de violencia e intolerancia en una Roma "cada vez más fuera de control".

André disse...

É normal, claro, e deve ficar nisso aí mesmo, uns 10 a 15%.

"Acho que garotos abaixo dos 15 são mais propensos a topar coisas das quais poderão vir a se arrepender, apenas para não dizer "não", porque também têm uma necessidade de transgredir, sei lá. Bom, arrependimentos acontecem em qualquer idade..."

Isso deve acontecer demais

Janer disse...

Duas observações: o título original do livro de Gide é "Nourritures Terrestres". Em português, foi traduzido como "Os Frutos da Terra".

Segunda: menino de menos de 15 anos não tem sexualidade? Se tem, tem de satisfazê-la apenas com meninos de sua idade? Por que um adulto não pode usufruir de sua juventude?

Catellius disse...

Meninos de 12, 13 e 14 anos também têm sexualidade. É normal que na convivência com meninas (ou meninos) de mesma idade, ou mais ou menos próxima, a sexualidade se desenvolva por meio de descobertas. Dos dois lados. Considero normal que muitos procurem parceiros mais velhos, de 15, 17, 18 anos, os quais amiúde ainda estão, digamos, em uma fase de descobertas.

Personagens bíblicas como Maria e Salomé estavam prontas para casar após a primeira menstruação, por volta dos 13 anos. Onestaldo de Pennafort (ótimo tradutor de Shakespeare para o português) compilou textos de Fagundes Varela e Flaubert sobre o festim de Herodes, a dança de Salomé e a degolação de João Batista, e expôs algumas análises interessantes desses autores. Um deles, não me lembro qual, compara o sangue da degolação com o da primeira menstruação, a dança com o despertar da sexualidade.

Então, longe de ser um atraso, um tabu histórico, religioso, um ranço bíblico ou do Corão, acho que esse incômodo é próprio de sociedades mais evoluídas.

Acho que nos dias de hoje a mulher não é uma parideira, como nos tempos de Jesus (digamos que tenha existido). Espera-se que ela estude, que esteja apta a aproveitar o grande leque de oportunidades que a vida oferece. E a adolescência é um período crucial nesse processo.

Incomoda-me, como disse, ver predadores experientes de 30, 40, 50 anos cujo hobby é comer molequinhos de 14, ainda que eles já tenham ejaculações, ainda que elas já menstruem. Do mesmo modo, me incomoda que pais levem moleques de 13 anos a um puteiro – prática dos tempos em que as pessoas eram muito mais piedosas, religiosas, preconceituosas, e que é mais raro, creio, entre pessoas mais esclarecidas.

Por mais racional e livre de tabus que seja uma pessoa, duvido que achará tolerável saber que um marmanjo tem como hobby comer seu filho que ainda ontem brincava de carrinho. A rigor, o marmanjo comedor de efebos poderia almoçar junto com toda a família e trocar beijos ardentes com o menino em frente de seus pais. Que mal haveria nisso? Hipocrisia da sociedade? Que seja!

Admito que o incômodo não seja apenas fruto da razão, do debruçar-se sobre o problema sem quaisquer preconceitos. Acho que é uma convenção social. E, no momento, eu a aceito.

Anônimo disse...

Roman Polanski 'usufruiu da juventude' da menina de 13 anos apos alcooliza-la e droga-la. Parabens para os EUA e para a Suica pela prisao do pedofilo.

C.A.

André disse...

"Admito que o incômodo não seja apenas fruto da razão, do debruçar-se sobre o problema sem quaisquer preconceitos. Acho que é uma convenção social. E, no momento, eu a aceito."

Nesse assunto também sou pelas convenções sociais e pelo moralismo.

"Roman Polanski usufruiu da 'juventude' da menina de 13 anos apos alcooliza-la e droga-la. Parabens para os EUA e para a Suica pela prisao do pedofilo."

Claro. Polanski era, é, um canalha, um safado que escapou dessa, por enquanto. Vamos ver o que vai acontecer quando ele chegar nos EUA. Talvez não dê em grande coisa. Além de ter feito o que fez, ele também teria comprado o silêncio da garota por um tempo. Ou algo como um "perdão" dela.

E é um cineasta banal superestimado.

Morena Flor disse...

Roman Polanski 'usufruiu da juventude' da menina de 13 anos apos alcooliza-la e droga-la. Parabens para os EUA e para a Suica pela prisao do pedofilo.[x2]

Pois é!

E concordo q esses predadores de efebos e ninfetas sejam barrados já. Liberdade e libertinagem têm(e devem ter!) limites.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...