16 fevereiro 2008

Bugres podem matar

Ao comentar a defesa da adoção de certos aspectos da sharia no Reino Unido, feita pelo o líder espiritual da Igreja anglicana, afirmei que o Brasil estava fazendo escola. Pois neste país insólito, desde há muito há diferentes legislações para diferentes grupos sociais. Para espanto de alguns leitores, afirmei que índio tem carteirinha de 007, aquela que dá o direito de matar.

Enquanto a Igreja Católica luta contra o aborto por considerá-lo um assassinato, os indígenas brasileiros se reservam o direito de matar filhos de mães solteiras, os recém-nascidos portadores de deficiências físicas ou mentais. Gêmeos também podem ser sacrificados. Algumas etnias acreditam que um representa o bem e o outro o mal e, assim, por não saber quem é quem, eliminam os dois. Outras crêem que só os bichos podem ter mais de um filho de uma só vez. Há motivos mais fúteis, como casos de índios que mataram os que nasceram com simples manchas na pele – essas crianças, segundo eles, podem trazer maldição à tribo. Os rituais de execução consistem em enterrar vivos, afogar ou enforcar os bebês. Geralmente é a própria mãe quem deve executar a criança, embora haja casos em que pode ser auxiliada pelo pajé. É o que nos conta reportagem da recente edição da Istoé.

Em meu livro Ianoblefe, citei as denúncias do antropólogo americano Napoleon Chagnon sobre as práticas ianomâmis, em cujas tribos a criança não desejada é morta após o parto. Ao tornar público este segredo de polichinelo, Chagnon foi excluído do universo da antropologia. Segundo a Istoé, a prática do infanticídio já foi detectada em pelo menos 13 etnias, como os ianomâmis, os tapirapés e os madihas. Só os ianomâmis, em 2004, mataram 98 crianças. Os kamaiurás, a tribo de Amalé e Kamiru, matam entre 20 e 30 por ano. Mas entre os sacerdotes que vociferam contra o aborto, você não encontra um só que denuncie estes assassinatos. E tudo isto sob os olhares complacentes da Funai, que considera que os brancos não devem interferir nas culturas indígenas. Dessa mesma Funai que quer proibir a adoção de crianças indígenas pelos brancos. “Índio sofre muito fora da tribo”, dizem os antropólogos. Na tribo, conforme o caso, nem sofre: é enterrado vivo ao nascer. Ou afogado. Ou enforcado.

A reportagem narra a história de Amalé, indiozinho de quatro anos, que sobreviveu a um enterramento. Logo que nasceu, foi enterrado vivo pela própria mãe, que seguia um ritual determinado pelo código cultural dos kamaiurás, que manda enterrar vivo aqueles que são gerados por mães solteiras. Para assegurar que o destino de Amalé não fosse mudado, seus avós ainda pisotearam a cova. Duas horas depois, em um gesto que constituiu um desafio a toda aldeia, uma tia apiedou-se do menino e o desenterrou. Estava ainda vivo. Amalé só teria escapado da morte porque naquele dia a terra da cova estava misturada a muitas folhas e gravetos, o que pode ter formado uma pequena bolha de ar.

“Antes de desenterrar o Amalé, eu já tinha ouvido os gritos de três crianças debaixo da terra”, relata Kamiru, a tia que o salvou. “Tentei desenterrar todos eles, mas Amalé foi o único que não gritou e que escapou com vida”.

5 comentários:

Ricardo Rayol disse...

caralho

Raphael disse...

Esse comentário é sobre o texto “DOM PEDRITO: O PÂNTANO COMO FUGA”. Desculpe colocá-lo aqui, mas só agora pude ler o conto. Conto ou poesia? Não sei bem como chamar. Parece mais com poesia, uma poesia triste.

Você disse que foi obrigado a deixar a cidade devido às reações do povo de lá. E quanto a ela? Os odiosos de sua cidade também não se voltaram contra ela?

Janer disse...

Quando o conto foi publicado, ela já estava em Porto Alegre. Mas o tempo absorve - e absolve - tudo. Hoje sou recebido na cidade com carinho e homenagens.

Morena Flor disse...

Janer,

Gostei muito do seu artigo, parabéns!

Isso demonstra q os "bugres" não são os "bons selvagens" isolados no meio da floresta, muito pelo contrário, podem ser cruéis mesmo!

Esses "cânons" de "índio-selvagem-da floresta" e do "relativismo cultural"(argh!) devem ser banidos da antropologia, pôxa, é de entristecer q vários estudiosos tirem o direito de evolução dessas culturas por acharem q costumes tribais são "imutáveis" e inquebráveis, eles precisam entender q culturas evoluem, e assim como a nossa, de certa forma, evoluiu - e continua a evoluir - a dos índios e muitas outras tb têm o mesmo direito de evoluir e mudar p/ melhor!

Abraços!

;)

Anônimo disse...

Tenho 04 filhos,sendo 03 homens e 01 mulher.Me arrependo imensamente por todos eles;se soubesse o que seria, se não podesse abortar,teria matado, a menina no primeiro banho de banheira,e hoje não teria de maldize_la todos os dias da minha vida!
Maldita seja por toda eternidade a filha que pari; e maldito seja o fruto do seu ventre! Sou a favor do aborto.Mate-o,antes que ele mate vc!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...