29 janeiro 2008

Astrólogo morre pela boca

Escreveu ontem Olavo de Carvalho:

O sr. Janer Cristaldo jamais foi censurado no Mídia Sem Máscara. Foi expulso, a pedido de leitores judeus, por ser mais anti-semita do que poderia justificar mediante a exibição de um mero atestado de insanidade mental.

Escrevia o astrólogo em 06 janeiro 2006:

Louvando a franqueza e o vigor da minha resposta ao artigo anti-semita de Janer Cristaldo, nossos amigos do De Olho na Mídia protestam que ela não foi suficiente; que, não removido o artigo da página nem excluído o articulista do nosso quadro de colaboradores, "a nódoa ficou". Têm razão: ficou mesmo. Não tentei apagá-la; apenas admitir sua existência e chamá-la pelo nome. O Mídia Sem Máscara não é puro e inatacável como a Folha, o Globo e tantos outros monumentos de santidade jornalística. Enquanto essas publicações jamais pecam, jamais têm culpas morais, no máximo deslizes técnicos cometidos com intenções insuperavelmente éticas e elevadas, nós aqui assumimos a plena responsabilidade moral do que publicamos, e não nos sentimos isentos de culpa pelo que Janer Cristaldo escreveu.

Ao contrário, assumimos essa culpa - não por concordarmos com uma só palavra do que ele disse, mas porque, quando um homem não sente vergonha do mal que comete, não resta alternativa aos seus colegas e amigos senão senti-la em lugar dele. Por isso não procurei limpar a nódoa, mas mostrá-la aos olhos de todos. Achei que isso seria suficiente para alertar o colunista e demovê-lo da sua loucura. Não fiz isso para puni-lo, mas para avisá-lo de que entrou por um caminho errado e deve sair dele o mais que depressa.

Por isso mesmo não o excluí do quadro de nossos articulistas. Expulsá-lo seria carimbá-lo para sempre com um rótulo que, a meu ver, ele só merece a título provisório. Não posso exterminar a reputação de um colaborador quando espero ganhá-lo de volta para as boas causas. No fundo, não acredito na seriedade do anti-cristianismo nem do anti-judaísmo de Janer Cristaldo.

22 comentários:

André disse...

O que vc escreveu que ocasionou a sua expulsão (o prepúcio de Cristo) obviamente não seria considerado anti-semitismo por um judeu. Um rabino, p. ex. Um católico típico (leia-se: ignorante da história da Igreja), poderia ficar ofendido. Só que o Olavo não tem essa desculpa. Não tem caráter, mas ignorante não é e imagino que conheça essa controvérsia. Acho que o Olavo se saiu com essa do anti-semitismo porque o normal dele é vir com a desculpa da “ofensa anti-cristã”. Pra variar, ele veio com essa outra desculpa.

Do seu blog:

“Ora, nem Jeová se acreditava único, pelo menos nos primeiros livros da Bíblia, tanto que mandava destruir os altares dos demais deuses. Jeová era apenas o deus de uma pequena tribo. Mais tarde, dada a arrogância e poder de Israel, começa a se pretender único. Surgiu então um maluco que disse ser filho dele. Seu pensamento – se é que ele existiu – gerou problemas. Os deuses, até então, pertenciam a nações. Existiam os deuses gregos, os deuses persas, os deuses romanos e o deus de Israel. Cristo não era deus de nação nenhuma, fato que tinha uma implicação inusitada. Não sendo de nação alguma, era deus de todas as nações, e isto terá sido um dos fatores que o levou à morte. Se é que existiu, é bom lembrar.

“Cristo não era cristão. Era judeu e freqüentava a sinagoga. Nos dias de Cristo não havia cristianismo. A doutrina é montada por Paulo, tanto que há quem prefira falar em paulismo em vez de cristianismo. Mas Paulo, o grande perseguidor de cristãos que acabou apostando no Cristo, não teve suficiente cacife histórico para criar uma religião que acabou dominando o Ocidente. Foi preciso Constantino, que tornou o cristianismo uma religião de Estado.”

Pois é. Muito bem exposto.

C. Mouro disse...

"Cristo não era cristão. Era judeu e freqüentava a sinagoga. Nos dias de Cristo não havia cristianismo. A doutrina é montada por Paulo, tanto que há quem prefira falar em paulismo em vez de cristianismo. Mas Paulo, o grande perseguidor de cristãos que acabou apostando no Cristo"

1) Não havia cristianismo.
2) Não havia cristãos
3) A doutrina é montada por Paulo
...mas que raio???

"Mas Paulo, o grande perseguidor de cristãos que acabou apostando no Cristo"

Então Paulo criou o cristianismo, perseguiu os cristãos e depois acabou apostando nos cristãos.

Ah! Bom, agora entendi.

Abraços
C. Mouro

Janer disse...

A palavra cristianismo nem existe na Bíblia. Cristãos não existem nem nos Evangelhos. A palavra só vai surgir em Atos, 11:25:
"Partiu, pois, Barnabé para Tarso, em busca de Saulo;
26 e tendo-o achado, o levou para Antioquia. E durante um ano inteiro reuniram-se naquela igreja e instruíram muita gente; e em Antioquia os discípulos pela primeira vez foram chamados cristãos".

Catellius disse...

Vênus entrou em conjunção com Kriptus e o astrólogo viu-se obrigado a censurar o artigo do Janer e a "expulsá-lo" do MSM. As explicações que o astrólogo dá sobre o caso também variam de acordo com a posição dos astros, como vimos...

Anonymous disse...

Eh, tem algo de estranho nesse negocio, c. mouro. Como Paulo perseguia cristaos antes de eles existirem?

Janer disse...

Anonymous ou Ignarus?

Quando Paulo - segundo a lenda - encontrou Cristo no caminho de Damasco, os Evangelhos sequer haviam sido escritos. Aliás, só foram escritos após a morte de Paulo, após a destruição do templo de Jerusalém. Não havia o que se passou a chamar de cristãos apenas em Atos, 11:25. Ora, Atos, segundo Renan - entre outros - data de 80.

Havia alguns seguidores de um tal de nazareno. Eram judeus. Há apedeutas que ainda não se deram conta de que Cristo não era cristão, mas judeu. Foi circuncidado e freqüentava a sinagoga. Pedro e Paulo também eram judeus. Pedro defendia inclusve a necessidade de circuncisão para os cristãos. Paulo a achava dispensável. Aliás, Paulo foi denunciado aos romanos por ter levado Trófimo à sinagoga. Trófimo era incircunciso.

Não havia, na época, um corpo doutrinário que se chamasse cristianismo. Paulo perseguia os seguidores sem nome de uma seita incipiente. A palavra cristianismo sequer existe na Bíblia.

C. Mouro disse...

Será que Marx era marxista?

C. Mouro disse...

Ôpa! O de C., ou estou enganado ou ele tirou um post que estava logo acima do ~"Falando com macacos", onde se não me engano ele falavas asneiras. Se alguém o copiou, caso eu não esteja enganado, pode certificar-se da razão que o levou a isso. Caso eu não tenha me enganado e ele não o reponha igual.

Sei lá.

Agora vou dar um bom tempo.

Abraços
C. Mouro

Raphael disse...

Janer, você pretende mesmo trazer à coerência um católico? Pior, um astrólogo católico com uma vida pessoal – que não é da minha conta, por sinal, mas que é relevante nesse caso – no mínimo curiosa. A verborragia do OC é recorrente, tanto que o rapaz ranzinza mal lembra das coisas que escreve.

Raphael disse...

Quanto a isso: “Eh, tem algo de estranho nesse negocio, c. mouro. Como Paulo perseguia cristaos antes de eles existirem?” Fazer o quê? Não adianta esperar que entendam que “cristãos”, no texto, referia-se a seguidores de cristo que ainda não eram ou se autodenominavam cristãos. Alguns precisam que peguem em suas mãos e os ajudem a atravessar a rua, já que não fazer isso sozinhos.

Catellius disse...

Disclaimer: eu não acredito na "fabula christi".

Dito isso,

É interessante esta discussão. Não há a palavra "cristãos" nos evangelhos, mas a palavra "Igreja", por outro lado, só aparece no Novo Testamento, sempre se referindo à seita judaica que chamamos de cristianismo, independentemente de na época ela ter esse nome.

Em Mateus, 16, 15 - 20 (grifos meus):
15. Disse-lhes Jesus: E vós quem dizeis que eu sou?
16. Simão Pedro respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!
17. Jesus então lhe disse: Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus.
18. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela.
19. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.
20. Depois, ordenou aos seus discípulos que não dissessem a ninguém que ele era o Cristo.

É a primeira vez que a palavra "Cristo" é usada em discurso direto. É a primeira vez que a palavra "Igreja" aparece na Bíblia. Levando-se em consideração que, "nos dias de Cristo", havia seguidores que estavam batizados, que comeram de seu corpo e beberam de seu sangue, na Última Ceia, que consideravam seu mestre o Salvador, um com o pai, o próprio Deus - o que já configura uma separação do judaísmo, pois em nenhum lugar do VT se afirma que o messias seria o próprio Deus - , para além de Jesus ter estendido (ainda em vida, obviamente, he he) o "banquete" ao povo não eleito, ao gentio - o que também seria inadmissível para os judeus -, não vejo problemas em afirmar que os apóstolos eram cristãos, ainda que não recebessem esse nome. Se os membros da seita judaica posteriormente recebessem o nome de soterianos (soteros = salvador), he he, os apóstolos, obviamente, não teriam sido cristãos mas soterianos, Saulo teria perseguido soterianos, etc.

"Cristão" é um nome. O que ele designa não passa a existir apenas quando recebe este nome, como o Raphael escreveu. Do mesmo modo, algumas pinturas de Monet anteriores ao nome inicialmente pejorativo "Impressionismo", dado por um crítico (acho que ao seu "Ilusão de pôr-do-sol"), devem ser classificadas como impressionistas, pertencem ao impressionismo.

"A doutrina é montada por Paulo"

Porém, considerando-se os evangelhos como verídicos, o essencial já existia antes de Paulo. E A doutrina cristã foi evoluindo após Paulo, sofreu modificações nos concílios, incorporou muito da Tradição, e hoje temos a infalibilidade papal, a assunção de Maria, a transubstanciação, o purgatório, a Imaculada Conceição, etc. Tal doutrina não é comum a todas as denominações cristãs, claro, mas algumas coisas são anteriores ao cisma protestante.

Posso dizer que alguém que hoje não crê na Imaculada Conceição não é católico, porque estamos falando de um dogma de fé. Mas posso dizer que alguém que não acreditava na Imaculada Conceição antes do dogma, promulgado por Pio IX há menos de 200 anos, era católico. Do mesmo jeito, mesmo que a doutrina não estivesse consolidada, mesmo que não existisse um nome (como no caso do Impressionismo), julgo que os apóstolos eram cristãos, à época da crucifixão de Jesus. Certamente não eram cristãos quando começaram a seguir Jesus.

Quem não crê na Imaculada Conceição está excomungado do catolicismo. O judeu que se proclama o próprio Deus e estende a salvação aos gentios está excomungado também. Não pode se considerar um judeu, ainda que diga que veio para dar pleno cumprimento às escrituras. Jesus revoga parte da lei mosaica, cancela o divórcio, a Lei de Talião, etc. Fala em "minha igreja", fala que não se pode ir ao pai senão por ele, desce o pau nos sacerdotes do judaísmo, desautoriza o descanso no sábado, etc. Ora, para mim, Jesus - o personagem - rompeu com o judaísmo, deixou de fazer parte dele. Se não pertencia mais ao judaísmo, o que ele era? Mandava as pessoas fazerem tudo o que ele fazia. Veio dar um exemplo... Ora, digamos que ele não era cristão porque não adorava Cristo, ele próprio, mas em todo o resto ele foi um cristão. Até fez autofagia, he he, comendo o próprio corpo na Última Ceia... foi batizado, etc.

Claro que os evangelhos são conto da carochinha. Estou avaliando as ações dos personagens, como se estivéssemos discutindo sobre o Quixote, que é muito melhor do que a vida de Cristo, diga-se de passagem, he he.

Abraços

Janer disse...

Bem, Mouro,

que me conste, Marx nunca se disse marxista. Ele se definia como "hegeliano de esquerda". Inicialmente, quando a palavra marxista ainda não existia, falava-se em Diamat (materialismo dialético). Falou-se também, na época, em Histmat (materialismo histórico), mas esta expressão não vingou.

Quanto a levar católicos à coerência, Raphael, nunca foi minha intenção. Gosto, isto sim, de divertir-me às custas deles. De modo geral, desconhecem totalmente a Bíblia e a doutrina da Igreja.

Mas o fato é que não conheço nenhum texto em que o Aiatolavo se defina como católico. Ele sabe muito bem que a Igreja não aceita a astrologia. Fica então enrolando com um cristianismo indefinido que, por ser indefinido, não pode nem mesmo ser contestado.

O espantoso é constatar que, em pleno século XXI, ainda exista uma caterva de jovens que levam a sério ... um astrólogo.

André disse...

“Posso dizer que alguém que hoje não crê na Imaculada Conceição não é católico, porque estamos falando de um dogma de fé. Mas posso dizer que alguém que não acreditava na Imaculada Conceição antes do dogma, promulgado por Pio IX há
menos de 200 anos, era católico.”

É, pra ver como as coisas mudam, meu amigo.

Os primeiros cristãos provavelmente se chamavam jesuãos.

Se Jesus existiu, a história real foi bem diferente da oficial — e acho que muito mais interessante.

Quem não crê na Imaculada Conceição está excomungado do catolicismo? Waaal. Então eu já fui excomungado e não sabia. Bom, o prejuízo é pequeno: só fui batizado, já q não podia recusar, não tinha poder de escolha. Nunca levei a sério o catolicismo na escola, tirando o lado histórico, a História, enfim. Mas a religião em si nunca fez o menor sentido. A Imaculda Conceição era só mais uma das coisas em q eu não acreditava.
Só o protestantismo conseguia ser mais chato, me lembro bem disso na infância, conheci vários ramos do protestantismo. Muito chato mesmo... Mas que bom que a minha família nunca foi católica praticante: não tive que fazer 1ª comunhão e outros, p. ex.

Não tenho muito interesse por religião, mas gostei de Jesus e Javé, de Harold Bloom. O livro é um tour de force, mas também por isso ótimo. Ele acredita, simplificando um pouco, que, se Deus existe, Ele se ausentou, foi embora. Não acredito nisso, mas acho interessante mesmo assim. Ele é provocativo e diz algumas verdades incômodas, como a bobagem q é falar em tradição judaico-cristã, já q essas duas tradições não tem muito a ver e jamais se deram bem. Não tem nada a ver, na verdade. Gosto também das maluquices, das viagens dele, como a teoria da Autora J, a mulher que teria vivido na época de Salomão e escrito vários textos bíblicos (ou isso ou a Tanak inteira, a "parte antiga", mas não me lembro agora).

André disse...

Mas... sou suspeito para elogiar Bloom, pois sou fã dele. É um livro pra quem gosta de crítica literária, pq esse é o estilo (e a área) dele. Os outros livros dele eu só recomendo pra quem é tarado por Shakespeare (meu caso) ou por crítica literária/literatura.

Raphael Piaia disse...

Você tem razão, Janer. Big O nunca afirmou ser católico, eu sabia antes de escrever o comentário. Mesmo assim, tudo leva a crer que o astrólogo ou é católico ou nutre simpatia pela religião. Fundou o MSM, jornal católico (alguém discorda?), nas vezes que escutei seu programa de rádio, falava do papa quase como se falasse de um guia espiritual. Por ai vai. Quando mencionei a vida pessoal dele, me referi tanto à astrologia quanto aos, se não me engano, divórcios pelos quais já passou. Se pudesse, acho que OC seria católico, mas ele sabe que não pode declarar isso sem se expor.

Sobre se divertir com cristãos, concordo plenamente. Há algum tempo eu escrevi algo que resume bem esse sentimento: Enfim, peço desculpas ao leitor, preciso me corrigir. Cristianismo é mesmo uma coisa chata, mas chata só para os cristãos. É divertido se divertir com cristãos. Como disse o Janer, ateus não acreditam em pecados, logo, não podemos pecar. Somos santos. Melhor ainda, somos santos livres!


Catellius, excelente análise!

Raphael Piaia disse...

A propósito, Big O e O Chiuso são bastante parecidos, repararam? Quando comentei sobre maniqueísmo, naquele artigo do Chiuso, foi por lembrar do depoimento que o sujeito havia deixado no Orkut do Janer – e outros textos que tinha escrito sobre ele – em contraste com o artigo pueril que escreveu atacando o antigo amigo. Da mesma forma, ver o que o astrólogo escrevia “Não posso exterminar a reputação de um colaborador quando espero ganhá-lo de volta para as boas causas. No fundo, não acredito na seriedade do anti-cristianismo nem do anti-judaísmo de Janer Cristaldo.” em contraste com o que escreve hoje sobre o Janer é interessante. Quem disse que fundamentalistas precisam ser sectários? Ser volúvel também está na moda.

Angel disse...

"Vênus entrou em conjunção com Kriptus e o astrólogo viu-se obrigado a censurar o artigo do Janer e a "expulsá-lo" do MSM. As explicações que o astrólogo dá sobre o caso também variam de acordo com a posição dos astros, como vimos..."

Rsrs...

- - -

Janer, mon chéri...

Mas que felicidade a tua ter escapado daquele inferno astral permanente...

Que bom te ver aqui...

Catellius disse...

O OC usa de retórica e de capacidade argumentativa para tentar respaldar suas posições movidas pela emoção - daí tanta volubilidade.

Em artigo recente escreveu que os monstros da história são facilmente reconhecíveis. Difícil é distinguir os santos, os heróis.

Mas em artigo de janeiro de 2007 ele afirma algo diferente. Os monstros são dificílimos de ser reconhecidos porque estão por todo o lugar há pelo menos 600 anos!

Tenta explicar as evidentes semelhanças e a comunhão entre marxismo e cristianismo dizendo que o marxismo na Igreja é obra de Gramsci e que houve uma infiltração planejada desde o século XIV, fruto de um movimento revolucionário messiânico hoje comandado por bilionários iluministas, gays, ateus, narcotraficantes, satanistas e pelo Sasquatch, sem falar nos Illuminati, no Foro de São Paulo, nas FARC, na USP, na Nova Era, na ONU e na Ciência... A organização é tão grande que dizem que poucas pessoas no mundo hoje não fazem parte dela, he he.

Em determinado momento ele escreve:

"...mas basta pesquisar um pouco as fontes para descobrir que se trata de uma iniciativa unitária, organizada e bilionariamente financiada pelas mesmas forças auto-incumbidas de transformar a ONU em governo mundial até no máximo o fim da próxima década."

Ho ho!
Ele conclui o texto desta maneira:

"Na verdade o inimigo é um só. Não se pode combatê-lo eficazmente sem apreender sua unidade por trás da variedade alucinante das suas versões, encarnações e aparências. Algumas décadas atrás, essa unidade era difícil de enxergar, pois não havia documentação suficiente para prová-la. Hoje suas provas são tão abundantes, que continuar a ignorá-la começa a se tornar uma espécie de cumplicidade criminosa."

Cumplicidade criminosa.... O inimigo é um só....
Assim sendo, segundo a lógica do sedizente filósofo, que deveria usar papel higiênico no lugar de guardanapo, só quem não ignora o complô não é cúmplice, ho ho ho!!!! Ou seja: é um complô de todos que tiveram a sorte de não nascer Olavo de Carvalho, he he he.

Raphael disse...

"Tenta explicar as evidentes semelhanças e a comunhão entre marxismo e cristianismo dizendo que o marxismo na Igreja é obra de Gramsci e que houve uma infiltração planejada desde o século XIV, fruto de um movimento revolucionário messiânico hoje comandado por bilionários iluministas, gays, ateus, narcotraficantes, satanistas e pelo Sasquatch, sem falar nos Illuminati, no Foro de São Paulo, nas FARC, na USP, na Nova Era, na ONU e na Ciência... " rs

Catellius disse...

Raphael, não é brincadeira não. Fora o Sasquatch e (talvez) os illuminati, todo o resto que eu citei realmente tira o sono do pobre Olavo. Inclusive os herdeiros de um suposto movimento messiânico revolucionário iniciado no século XIV...

Leia o texto para conferir: O Inimigo é um só

Raphael Piaia disse...

Lembro desse artigo, Catellius.

Se quisesse, o Big O seria competição difícil para o tal Dan Brown.

Augusto Ariente disse...

Essas coisas na internet ficam por décadas XD. Mas o Olavo diz coisas interessantes na Geopolítica. Sobre o Foro de São Paulo, os dois vídeos de inauguração da entidade estão disponíveis no youtube e confirmam a denúncia. Também procede o que ele fala sobre gramscismo no PT. Eu fui do PT e Gramsci é realmente um dos gurus das principais correntes, incluindo Articulação de Esquerda. A própria Marxilena Chaui cita ele a cada 5 minutos.
O que o desabona é a tentativa forçada de meter a religião no meio de tudo, ou fazer tudo girar em torno da perseguição e destruição da Igreja, etc.
Há alguns caras que escrevem em sua linha sem que sejam cristãos.
Eu acompanhei por alto a treta do Janer Cristaldo e li alguns de seus artigos que resultaram no alvoroço. O problema é que ele realmente provoca os caras, e pesado! Vídeos de Yuri Grecco ou Pirulla são inocentes perto daqueles artigos. É claro que o cara não ia aceitar pela própria linha editorial do site - destinada a defender os ditos "valores judaico-cristãos".
Isso mostra que também existe um certo "rabo preso" dele com essas comunidades, ao que leva o Janer a perguntar: "quem financia o astrólogo?"
Rabo preso pode não significa coisa errada, mas algum apoio recebido e hoje tratado como "dívida de gratidão", digamos assim.
É preciso separar a neura que
mistura algumas coisa até geopoliticamente factuais com sentimento de perseguição apocalíptica.
E foi graças a essa última coisa, a ideia de perseguição final com um fantasma assombrando todos os lares, que ele arregimentou religiosos pelo Brasil todo e hoje vende cursos, palestras, livros, etc.
Isso acontece muito nos EUA, e aqui o cara virou pop graças aos religiosos comuns que, sem ver uma liderança religiosa que os aglutinasse, se apegou ao Olavão, com seu "guarda-chuva ecumênico", como salvação de suas ideias.
Para mim, que vejo-o friamente, ele carrega os acertos e erros (alguns graves) de muitos outros autores.
E, pessoalmente, já vi coisas que o desabonam muito. Certa feita meu primo contou que ele esculachou um aluno de curso dele por conta de uma simples objeção usando uma palavra infeliz.
Outro que foi vítima de sua vaidade foi o fanático religioso Julio Severo, mas parece que ele resolveu ignorar Severo.
Enfim, por lá, se você não dançar na música dos astros, você dança também! hehehe

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...