30 agosto 2007

Ave Serra

O Brasil está perdendo a melhor chance de crescimento dos últimos 30 anos. Na década 80 não crescemos devido à inflação e à dívida externa. A inflação foi estabilizada pelo Plano Real, a dívida externa deixou de ser um problema com os saldos da balança comercial "turbinados" pela valorização de commodities (efeito China). Na década de 90, o Brasil cresceu menos que o mundo devido às enormes taxas de juros do Plano Real. A partir de 2001, o Federal Reserve, como reação ao choque do atentado de 11 de Setembro, promoveu uma enorme redução das taxas de juros, que foi seguida pelo Brasil. Então, por que não crescemos mais que o mundo?

O meu palpite é incapacidade do Lula e do PT em ser minimamente eficientes na gestão e absolutamente incapazes de promover as reformas necessárias para o crescimento do país. Afinal, temos um território grande, uma população relativamente jovem, abundância de recursos naturais e sobra dinheiro para investimento no mundo.

É nestas horas que eu me lembro que poderia ter votado no chato e careca do Serra. Ele não teria perdido esta chance. Ele teria sido um gestor eficiente e teria tratado das reformas que atrairiam os investimentos necessários. Mas ainda não é tarde, quem sabe o Moon-Rá não decide concorrer à presidência em 2010. Então, talvez ele retome uma agenda de reformas que possa aumentar a produtividade e competitividade brasileiras, tornando o país apto a competir pelos investimentos internacionais e crescer mais.

Uma das teorias econômicas diz que para haver crescimento tem que haver investimento em setores que tenham uma produtividade mais elevada. Infelizmente, o governo Lula usa os impostos para retirar recursos de setores de alta produtividade e dá-lo a setores de baixa produtividade, como é o caso do setor público.

No Brasil, muitos jovens sonham com um emprego público, que paga melhor que o setor privado, trabalha-se pouco e tem-se estabilidade. E se, para completar, o governo ainda gerencia mal a máquina, colocando apadrinhados políticos despreparados em cargos de chefia, então os escassos recursos dos impostos são investidos no consumo da "burguesia de Estado", sem nenhum retorno para a sociedade.

Se o país quiser crescer mais que o mundo e aspirar a se tornar um país relevante, então a sociedade precisa ter um consenso em torno do que é necessário. De minha parte, vou sugerir algumas medidas que poderiam ser implementadas por um governo Serra a partir de 2010.

1) Política Salarial dos Servidores Públicos vinculada ao poder de decisão, à complexidade da atividade e à formação requerida, ao invés do poder do sindicato da categoria ou do orçamento do órgão onde se trabalha;

2) Fim do Regime Jurídico Único, conjunto de privilégios dos servidores públicos que contribui para torná-los menos produtivos que os trabalhadores do setor privado, passando-os para os mesmos direitos dos trabalhadores do setor privado;

3) Extinção da aposentadoria integral para servidores públicos e a criação de um teto igual ao dos trabalhadores do setor privado. Não tem sentido um servidor público se aposentar com um rendimento dez vezes mais alto que o do setor privado e que vá ser financiado pelos trabalhadores desse setor, que ganham muito menos, trabalham mais e por muito mais tempo;

4) Criação de um teto de arrecadação de impostos limitado a 33% do PIB, permitindo que as empresas e as pessoas decidam como aplicar 66% da renda produzida por elas;

5) Proibição do governo de gastar mais do que arrecada, pois estes gastos terão que ser pagos com emissão da dívida, que terá que ser paga pela próxima geração, que não se beneficia com o consumo da geração atual;

6) Proteção dos investimentos por meio de agências reguladores fortes, profissionais e eficientes, e, desta forma, viabilizando os necessários investimentos em infra-estrutura;

7) Privatização das estatais para que sua administração passe a buscar a eficiência ao invés de servir de moeda política do governo e fonte de caixa 2.

Algumas medidas como essas seriam um bom começo na direção do aumento da eficiência, da produtividade e da canalização da poupança para setores que poderão ajudar o PIB do país a crescer mais. Crescendo mais arrecada-se mais e se tem mais dinheiro para o governo investir no combate a pobreza, na educação e na saúde. Portanto, vamos torcer para que o chato e impopular do Serra ganhe a eleição de 2010 e implemente um monte de medidas chatas mas que possam ajudar o país a crescer. Ave Serra.

38 comentários:

C. Mouro disse...

"vamos torcer para que o chato e impopular do Serra ganhe a eleição de 2010 e implemente um monte de medidas chatas mas que possam ajudar o país a crescer. Ave Serra"

...hehehe! Lulla e depois Serra, então quando se arrepender de ter votado em Serra passa-se para a Heloísa Helena, pois "esta sim, fará uma gestão boa para o braziu" ...hehehehe! e de pois de HH o Aécio e depois o filho do José Dirceu e depois e depois e depois.....

Um abração, grande Heitor...
Mas preciso tirar o time de campo.
C. Mouro

André disse...

Uma pequena digressão: o ateu desumano e a pena de morte.

Bom, eu nunca fui muito religioso, não dava a mínima pra ladainha padresca no Marista, não acreditava em nada com firmeza (hoje vejo q na infância apenas seguia rituais católicos, mas não acreditava pra valer em nada), e lá pelos 14, 15 anos, na companhia de alguns filósofos (leia-se: livros de...) e depois de muita reflexão, cheguei à conclusão de que a vida não tem pé nem cabeça e de que religião é uma tentação emocional resistível. E a partir daí nem posso dizer q comecei a me afastar do catolicismo, pois que já vivia bem longe dele.

Simplesmente oficializei o q já era fato, acho.

Mas por que estou falando nisso mesmo? Ah, sim, a pena de morte.

Olha, tem muita gente superultramegareligiosa que se amarra nas penas de morte disponíveis no mercado. Inclusive as individuais, como drogas (aliás, droga é uma necessidade temperamental, e como. Tem gente q não vive sem e não larga nem a pau. Às vezes podem até dar um tempo, mas cedo ou tarde voltam. Mas isso é outra história...).

Só acho q o fato de alguém ser ateu e favorável à pena de morte (poderia ser qualquer outra coisa, na verdade) não tem relação, nem passa atestado de frieza ou desumanidade. E que pares, “a maioria religiosos”, são esses que cercam o Catelli, segundo o Holy Father? Eu é que não sou.

A defesa da vida foi uma conquista do cristianismo? E a defesa da vida dos que não eram cristãos? Essa aí eu acho q ficou um pouquinho de fora, apesar do coração de mãe, cheio de amor, amantíssimo, que os cristãos dizem ter.

Religiões não buscam o amor, pelo menos não o amor pelo amor. O “amor” de que eles tanto falam tem um preço, que costuma ser alto — fora um monte de obrigações inclusas (as famosas letrinhas pequenas do contrato, que não é aquele com o Capeta, mas igualmente arriscado, a meu ver). Nem “defendem a vida”. Elas defendem seus INTERESSES, os quais, se casarem com a defesa de causas nobres, tudo bem, melhor pra elas. E, claro, buscam convertidos, pessoas dispostas a seguir seus preceitos éticos, morais e, naturalmente, religiosos/metafísicos/sobrenaturais...

Elas são um negócio, não apenas isso, mas sobremaneira isso. Em grande parte são.

Bom, a Clarissa teve bom gosto ao escolher seu avatar: a Liz Hurley é demais...

O Brasil perdeu sua melhor chance de crescimento dos últimos 30 anos... pondo o Lula no poder. Cada povo/país tem o governo que merece (bom, nem sempre, mas muitas vezes é o q acontece).

O PT é o clássico partido do saque. Puro saque. Eles nunca tiveram plano nenhum para o país, idéia nenhuma, nada.

Nem sempre se trabalha pouco no setor público, mas vc tem alguma razão. E o governo gerencia desastrosamente a máquina.

Não sei se o Serra seria essa coca-cola toda, mas qualquer coisa é melhor do que petistas.

Parabéns pelo post, Heitor.

Heitor Abranches disse...

O artigo aparentemente ataca o serviço público...

Muito pelo contrário, existem servidores públicos sérios e profissionais e a maioria deles foi concursada.

É por isso que precisamos apoiar a ação do deputado Augusto Carvalho contra a intenção do presidente da Câmara, o Arlindo Canalha de votar as emendas 54 e 55 a Constituição que visam pôr para dentro do Serviço Público cerca de 300.000 pessoas, muitas delas apaniguados do Partido dos Trabalhadores, especialmente sindicalistas emprestados, gratificados e encostados.

Heitor Abranches disse...

Falando sério,

Este Arlindo Chinaglia, é um canalha. Vem com este papinho furado de que pediram para ele a votação desta matéria no Colégio de Líderes e ele ficou sem jeito de negar.

Ele deve achar que todos são idiotas e não sabem que nunca houve tanto petista emprestado para os principais e mais bem remunerados órgãos da administração pública.

Se isso for aprovado, vamos ter mais uma herança maldita deste governo dos petralhas, ou seja, milhares de petistas fdps sentandos do lado de servidores concursados.

Heitor Abranches disse...

Este Chinaglia fica lá só esperando o momento para pôr em votação as matérias mais imorais deste governinho do PT. Depois ele vai dizer que não tem nada com estória...

Só no gabinete dele deve ter um porrada de petistas emprestados de outros órgãos menos bem pagos e que devem estar ansiosíssimos para virarem marajás da Câmara...

Estes socialistas de merda.

André disse...

Bom, Heitor, pelo q sei das minhas fontes secretas, he, he, isso não vai passar, pq é gente demais. O que provavelmente vai acontecer é um trem da alegria bem menor, mais discreto, só pro Legislativo, Câmara e Senado. Um rolo deles, interno. O q já é o suficiente pra me deixar puto, pq isso diminui ainda mais as chances de haver concurso pra lá (coisa q já é em si raríssima).

Mas não sei, tudo é boato aqui no Jurassic Park do Brasil Central. Ainda mais dentro desses órgãos públicos.

Arlindo Chinaglia não só tem cara de jeca como é jeca. E não gosta dos funcionários da Casa, trata-os mal. Alguns (poucos) políticos são assim, nas duas Casas: não gostam dos funcionários. O problema é q são uns merdas imbecis e ignorantes que não conseguem fazer nada sem a assessoria deles.

Claro q isso é uma tentativa de efetivar um monte de petistas e quejandos.

São todos uns parasitas de sindicato.

C. Mouro disse...

Grande André,

"Nem “defendem a vida”. Elas defendem seus INTERESSES, os quais, se casarem com a defesa de causas nobres, tudo bem, melhor pra elas."

A coisa é +/- assim:
isso é bom aquilo é mau.... porém o mau é necessário para o bem maior.

Vou colocar aqui um texto "O fim supremo" sobre essa apaprente contradição das ideologias.

Não causas nobres, mas aparentemente nobres, assim numa visão apressada que pode gerar afirmações incondicionadas que, se analisadas mesmo sem maiores profundidades, se revelam um "pif". É a questão das aparências, aquilo que pode ser apreendido num primeiro momento (os 5 sentidos). O "sexto sentido" que eu digo ser a razão, pois que esta analisa as informações obtidas pelos outros e JULGA para só assim considerar a verdade apreendida; os demais sentidos captam aparências.

Veja só, os revolucionários brasileiros eram treinados em Cuba, China e até na URSS. Dos "comunas" recebiam dinheiro - até o ouro de moscou - e se esfregavam alegremente nestas ditaduras genocidas. Contudo diziam-se defensores da democracia, e a povança na maioria ainda diz que crê nisso (dizer ao menos dizem).
Os mesmos "comunas", em grande parte, também dizem-se contra a pena de morte e dizem-se ateus, alguns.

A Igreja fala mau da ambição material, o dinheiro é algo ruim, mas a ICAR é a empresa mais rica do mundo. As elites hierarquicas da igreja vivem no luxo, e cristãos que "não deviam acumular tesouros na terra" acumulam grandemente.

A coisa é muito complexa de explicar, seria preciso centenas de páginas para decifrar os mecanismos psicológicos de tais aberrações.

....."hipócritas! raça de víboras!" ...hehehe!

Um abração
C. Mouro

Catellius disse...

Ótimo post, Heitor, embora eu concorde com o Mouro que o Serra é dureza de engolir. Normalmente eu me recusaria a comer pão embolorado, mas quando a outra opção é a coprofagia... Greve de fome, ou voto nulo, nem o Garotinho dá conta, ha ha ha.

A imagem do post foi feita a partir desta fotografia do Serra. O problema é que quando tiramos a íris para dar mais aparência de estátua a figurinha perde aquela cara de camelo, de peixe morto, e deixa de ser o Serra; fica mais parecida com o Zé Carneiro do Sítio do Pica-Pau Amarelo. Se der tempo, tento esculpir uma pupila e uma íris no futuro imperador do Brasiu iu iu...

André,

O Holy Father viajou na maionese. Eu que resolvi dar destaque para o comentário do Mouro transformando-o em post, justamente para propiciar um debate que julgo importante, e já em meu primeiro comentário disse que podemos encarar a pena de morte como um risco para o facínora - nem falo do assassino eventual, daquele que perdeu a cabeça e deu trinta tiros no motoboy que arrancou a porta de seu mercedes novinho - e encará-lo como o próprio algoz. Se a sociedade for capaz de fazer a vontade do facínora - matá-lo quando ele se deixar apanhar - sem ódio mas com o sentimento de pesar com que amputamos a própria mão para que o veneno da víbora não se espalhe pelo resto do corpo, aí tudo bem. Como o Bocage, não acho que estamos preparados para implantar a pena de morte no Brasil e não acho que a oposição à pena de morte seja conseqüência da moral cristã.

Abraços

Catellius disse...

Pronto.
Esbugalhei os olhos e desenhei o contorno da íris próximo à pálpebra, para o ar de camelo. O problema é que ficou parecendo o Golum...
E agora, Heitor? Um imperador que não é estatogênico - que não sai bem em estátuas - não merece um "ave", he he.

Gostei das sete propostas, Heitor.
Você tem o meu apoio.

Ser funcionário concursado dá a um pai de família, dependendo do cargo que ocupa, uma ótima qualidade de vida, e seus filhos serão acostumados a uma vida sem privações, de boas férias, bons presentes, boa mesa, uma casa espaçosa, terão um pai tranqüilo, pouco estressado... O problema é que o filho do padeiro ao menos tem a possibilidade de herdar a padaria e o empreendedorismo do pai, o filho do arquiteto o seu escritório ou a possibilidade de administrá-lo, o filho do empresário a empresa do pai; mesmo que ele tenha outra "vocação", não pensará duas vezes em tocar a empresa da família se for lucrativa. E o filho do concursado? Será um órfão profissional, chegará a um mercado de trabalho muito mais competitivo, os concursos quase impossíveis de transpor. E para não perder qualidade de vida é que continuará na casa dos pais até os trinta e cinco, às vezes, e ainda dependerá deles por mais tempo, mesmo após ter casado. Milhões de funcionários públicos e milhões de órfãos profissionais...

Agora imaginemos um país onde TODOS querem ser funcionários públicos. Um país onde milhões passam a manhã a esperar o horário do almoço, a tarde a esperar o fim do dia, a semana a esperar o fim-de-semana, o mês a esperar o dia do salário, o ano a esperar as férias, a vida ativa a esperar a aposentadoria. E daí em diante jogarão as suas partidas de dominó a esperar a velhice avançada, quando passarão a esperar....
A PORRA DO DESCANSO ETERNO junto com os assholes angels e aquele que é - o onipotente que tem que descansar após fazer um universo porcaria como este, cheio de defeitos, he he he.

André disse...

Vou citar essa daqui só pra ter a “honra” de ser chamado de seguidor do malvado Nietzsche por algum revoltadinho anônimo:

“Não o seu amor ao próximo, mas a impotência do seu amor ao próximo é que impede os cristãos de hoje de nos... queimar.” (Nietzsche)

Esse ateísmo dos nossos esquerdistas/comunistas nunca pegou, eles sempre evitaram falar nisso, pois o Brasil é fortemente católico, claro. Não são bestas de brincar com a crença religiosa da maioria, do povão. Preferem evitar esse assunto. De qualquer forma, a grande maioria deles (esquerdistas brasileiros e latino-americanos em geral) não é descrente ou atéia, muito pelo contrário. Esse aspecto do marxismo eles deixaram de lado. Nosso esquerdismo aliás é cheio de religiosismo, no caso católico. E tudo isso se junta no populismo nacional, na demagogia, que não tem posição ideológica definida, tem pra todos os gostos (ou falta de).

O Serra é inexpressivo. Nem nessa versão “busto romano” ele fica melhor, de tão insosso. E olha q eu acho os bustos romanos o máximo. Qualquer porcaria fica legal esculpida daquele jeito.

Mas é chato mesmo o dia de votar.

A gente pensa em Lula, Garotinho, Alckmin com aquela cara de padre do interior de São Paulo, de bom-moço de família, Serra, o Tio Funério... pelo menos o Enéas dava algum colorido à campanha.

E naquela época em que ainda havia o tosco do Brizola, o nojento do Mário Covas, o inominável Orestes Quércia...

Pena de morte aqui logo viraria avacalhação. Também não acho que a oposição a ela seja conseqüência da moral cristã.

É, lembra um pouquinho Gollum, Gollum! Yesssss.... My precious!

“não pensará duas vezes em tocar a empresa da família se for lucrativa” Sem dúvida.

“E o filho do concursado? Será um órfão profissional, chegará a um mercado de trabalho muito mais competitivo, os concursos quase impossíveis de transpor. E para não perder qualidade de vida é que continuará na casa dos pais até os trinta e cinco, às vezes, e ainda dependerá deles por mais tempo, mesmo após ter casado. Milhões de funcionários públicos e milhões de órfãos profissionais...” Essa é mais ou menos a história da minha vida, que estou tentando mudar.

“Agora imaginemos um país onde TODOS querem ser funcionários públicos...” É, pior do que a Utopia do chato do Thomas More.

Conheço gente que vive à espera da aposentadoria. É deprimente.

Por falar na PORRA DO DESCANSO ETERNO, ouvi muito sobre ele ontem, numa missa de 7º dia.

Segundo o padre, esse pessoal que morreu na semana passada está feliz da vida, na felicidade suprema, ao lado de DEUS ou sei lá o q mais e, se lhes fosse dada a chance de voltar, ah, que nada, pra quê voltar, isso aqui é uma chatice... lá é q é bom. Nassau, nas Bahamas, perde feio.

E tem mais: todo e qualquer sofrimento nesse mundo é facilmente tolerável, pois segundo S. Francisco as piores coisas que podem nos acontecer aqui não são nada diante do “normal” que nos espera lá no Céu. E o normal lá é uma superfelicidade constante, algo inimaginável aqui. Waaal... quanto custa a passagem? Eu quero ir.

Me deu vontade, se isso não fosse atrair o ódio eterno da classe-média, da qual faço parte a duras penas, de me levantar e gritar: “Pára, pára tudo, que eu quero saltar. Chega, vocês vivem em mundos de certezas tão bonitinhos, tão simplezinhos, que eu não agüento.”

Há dias em que a coisa mais radical que se pode fazer é... se calar. Se declarar tecnicamente morto.

José Alberto Mostardinha disse...

Viva:

Cinco estrelas este teu artigo.

Mas a urgência maior do Brasil não são as políticas mas sim a de se encontrar alguém honesto, sério e ético para o governar.

Tenho para mim que essa insuficiencia só será suprida se for importada.

Bom fim de semana a todos.
Um abraço,

Klatuu o embuçado disse...

Não será só o Governo de Lula... não... :)

Abraço.

Klatuu o embuçado disse...

P. S. No teu País é permitido dar nome de alemão a macaco?

Anônimo disse...

nome de alemão a macaco = Ratzinger

Bocage disse...

Ótimo artigo, Heitor

Votarei em branco na próxima eleição presidential, como virou meu costume após 1989, quando havia ainda a opção de se votar em Antônio Pedreira, o "candidato oriundo da raça negra", rsrs.

Grande Catellius,

"Se a sociedade for capaz de fazer a vontade do facínora - matá-lo quando ele se deixar apanhar - sem ódio mas com o sentimento de pesar com que amputamos a própria mão para que o veneno da víbora não se espalhe pelo resto do corpo, aí tudo bem."

Já és oficialmente um adepto do desmembramento eifleriano, rsrs.

Bocage disse...

André,

"Essa é mais ou menos a história da minha vida, que estou tentando mudar."

Até uns anos atrás foi também a minha. Independente, tenho uma qualidade de vida infinitamente melhor, porque sou dono de meu nariz, ainda que, com menos acesso a bens materiais (e nenhum acesso a "benz" materiais, rsrs), não desfruto de tantas regalias quanto quando com meu pai ainda coabitava (minha mãe passou desta para lugar nenhum quando eu tinha dois anos).

Klatuu o embuçado disse...

Ratzinger? concordo inteiramente! Parece orangotango ancião de melena branca...

Mas estava mesmo me referindo àquele tipo de brasileiro racista que se acha mais branco que branco... porque descende de alemão ou holandês... :)

Catellius disse...

Olá amigos,

Atarefado como nunca, nem tempo de ler os comentários estou tendo... Aliás, meu último acesso à Internet foi ontem no final da manhã! Se tudo der certo, hoje à noite tiro o atraso e respondo ao André e aos demais, e comento melhor o texto do Heitor.

Falei ontem ao telefone com a Simone, que está viajando a trabalho, e ela mandou a costumeira beijoca a todos, he he, especialmente para a Clarissa, como não poderia deixar de ser.

Até mais!

Catellius disse...

Uma construtora quer que aprovemos um projeto de 60 mil metros quadrados em um mês. Se conseguirmos, além da comissão já acertada em contrato, ganharemos um prêmio - uma quantia em dinheiro e um jantar com a família no melhor restaurante de Brasília - e nos entregará um terreno para fazermos mais um edifício multifamiliar, desde que entreguemos o dito projeto no dito prazo, senão chamrão outro escritório. E assim meu tempo foi para o saco...

André disse...

Grande Bocage,

Vou continuar tentando esses tediosos concursos públicos, já que não tenho me saído mal, logo acho que posso conseguir alguma coisa. Talvez comece a longa e complexa preparação para o Rio Branco (diplomacia) a partir de 2008, mas ainda estou pensando. Fora do Estado, tem a iniciativa privada. Estou mandando meu currículo para alguns lugares e parece que um deles se interessou por algumas idéias que expus numa carta a eles, mas a empresa é estrangeira e trabalha no discreto e fechadíssimo ramo de geopolítica (inclusive assuntos militares e inteligência, minha paixão), então, nada é garantido. Contudo, já é um canal que se abre, uma janela.

E, como diz aquela propagandinha ordinária do nosso amado, idolatrado, salve, salve governo: “sou brasileiro e não desisto nunca”, nossa, que piegas...

Gostaria de ser financeiramente independente, mas também de viver independente do Estado.

Dinheiro nunca é demais, mas todos os ramos (privados) q eu venho analisando não levam a muitos "benz" materiais (especialmente as belas Mercedes AMG...), pouco importando o quanto vc trabalhe, a não ser que você dê muita sorte e tenha um sucesso fora do normal. Claro que isso nem de longe se aplica ao serviço público, pois nele se vive de salário. Como não tenho a menor vocação pra juiz ou procurador e sou um tantinho preguiçoso na hora de estudar (mas já fui pior), os salários de 20 mil dessas carreiras já estão fora, pelo menos pra mim. Mas há outras opções, sempre há.

Não acho que a sua mãe tenha passado desta pra lugar nenhum, mas sabe como é, Bocage, é melhor eu ficar calado, porque sejá lá o que eu disser vai dar num comentário de um Holy Father da vida dizendo assim: “Minhas suspeitas se confirmaram: ele ainda possui um resto de fé, ele acredita em algo, blá, blá, blá. Em meio a esses descrentes blasfemos, há um que ainda pode se salvar...”. Enquanto outros vão me chamar de “volúvel”, “ambíguo”, “oportunista” e sei lá mais o quê.

Klatuu, há alguns brasileiros descendentes de alemães e holandeses que se acham superiores, mas imagino que sejam poucos. Há até uns idiotas neonazistas, mas é uma minoria ridícula.

Catellius, isso é bom... 60 mil metros quadrados em um mês é coisa pra burro, e esses caras são exigentes com os prazos. Mas é assim mesmo. Bom, boa sorte, tomara que tudo dê certo, q vc consiga o contrato, aproveite bem o dinheiro da comissão e o do prêmio, engorde suas reservas financeiras e ainda jante nesse restaurante legal com sua família. Quem sabe até esse seja o primeiro de vários projetos grandes.

Eu, naturalmente, adoraria ficar sem tempo se soubesse que a contrapartida seria em dinheiro — além, é claro, da satisfação que dá um trabalho bem feito e do prazer em fazer o que... é prazeroso pra gente.

E logo mais à noite sairei com uma bela psicóloga. Ela é interessante, só espero que não me enlouqueça, rs, rs.

Bom final de semana pra todo mundo.

Bocage disse...

Klatuu,

Não é preciso ser descendente de holandeses e alemães para se vangloriar da falta de melanina, por aqui. Por aqui, filhos de pai branco e mãe negra (ou o inverso) julgam-se alemães e agem como tal quando encontram negros. E estes orgulham-se da própria negritude. Todos estúpidos no úrtimo!

Bocage disse...

Caro André,

A vida após a morte é-me ilógica, para além de eu preferir que minha mamãe não tenha ido a lugar algum, que tenha puramente cessado de existir. De qualquer jeito, já tenho um encontro com ela em lugar nenhum quando tudo isto terminar, rsrs.

As pessoas não concebem o quanto é agradável não engolir absurdidades, principalmente o conceito de vida após a morte.

Abraço

Eduardo Silva disse...

André, se é que me permite eu sugiro que você vá para à advocacia, o mercado está muito bom aqui em Brasília, oportunidades para aqueles que fizeram um bom curso e têm aptidões, não faltam. E já que você quer algo independente e é formado em direito!!!
E eu digo a você não há nada melhor que ser o dono do próprio nariz, estou há alguns poucos anos assi, e é maravilhoso!!!
Bom aqui vai uma história muito boa que pode ser interpretada conforme o texto do Heitor:

Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula, em cujo centro pôs uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas.

Quando um macaco subia a escada para apanhar as bananas, os cientistas lançavam um jato de água fria nos que estavam no chão.

Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada, os outros o enchiam de pancada.
Passado mais algum tempo, mais nenhum macaco subia a escada, apesar da tentação das bananas.

Então, os cientistas substituíram um dos cinco macacos.

A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo rapidamente retirado pelos outros, que lhe bateram. Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não subia mais a escada. Um segundo foi substituído, e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado, com entusiasmo, na surra ao novato.

Um terceiro foi trocado, e repetiu-se o fato. Um quarto e, finalmente, o último dos veteranos foi substituído.

Os cientistas ficaram, então, com um grupo de cinco macacos que, mesmonunca tendo tomado um banho frio, continuavam a bater naquele que tentasse chegar às bananas.
Se fosse possível perguntar a algum deles por que batiam em quem tentasse subir a escada, com certeza a resposta seria:

" Não sei, as coisas sempre foram assim por aqui... "

André disse...

Caro Eduardo Silva, não sei se daria um bom advogado, se teria jeito para aquela rotina de escritório, mas numa coisa vc tem razão: é uma forma independente de se ganhar a vida.

“Por aqui, filhos de pai branco e mãe negra (ou o inverso) julgam-se alemães e agem como tal quando encontram negros. E estes orgulham-se da própria negritude.”

O Bocage está certíssimo. Isso é muito comum no Brasil.

E tem outra coisa: já conheci alguns negros de classe média alta, e estes costumam se cobrar muito, o tempo todo. É como se tivessem que provar o tempo todo pra sociedade que são bons, que são muito bons, que realmente merecem estar onde estão. O grau desse complexo varia de leve a extremo, mas é quase sempre perceptível. A pessoa sempre está algo preocupada com o que o restante (branco, naturalmente) de sua classe acha deles, como eles os observam, etc e tal. Claro q nem todos os negros que subiram na vida são assim, mas muitos o são.

E claro q isso aqui não são os EUA, onde há um passado de violência sistemática contra os negros — apesar dos nossos escravos, q nunca tiveram vida fácil, não tivemos coisas como a KKK, linchamentos e fogueiras, enfim, toda essa brutalidade. Mas aqui houve mistura racial, lá esta ainda está em andamento. Aqui o racismo é mais dissimulado, não tão declarado como nos EUA, e nunca houve segregação barra pesada como lá ou na África do Sul.

Nos EUA, o pau quebrou MESMO por conta de questões raciais nos anos 60. Se não tivessem passado aquelas leis, se tivessem ignorado o movimento pelos direitos civis, poderia ter havido uma cisão, secessão, grave nos EUA. O risco disso era real, e o governo foi muito sábio ao levar a coisa a sério.

Aqui, o pau nunca quebrou, mas também nem houve clima para isso, a situação sempre foi outra. Aliás, o pau que deveria ter quebrado no Brasil, por conta de outros assuntos, nunca quebrou, pois o brasileiro é indolente por natureza. Gosta de uma desordenzinha de vez em quando, mas porrada organizada, pau generalizado, direcionado, nem pensar. Devagar e sempre, e para trás, é o que deveria estar escrito na nossa bandeira. "Ordem e Progresso" é mais batido e furado do que a filosofia de onde saiu, o Positivismo.

Aqui, em muitos aspectos, e muito além dessa questão de raça, ainda temos aquela mentalidade “Nhô Nhô manda, caboclo faz”. De vez em quando aparece um “profeta”, um desses tipos raros que consegue ler o inconsciente das massas, dando a estas alguma direção, um alvo para descarregarem sua raiva e frustração (vide Antônio Conselheiro, que, apesar de já ter ido para as calendas gregas, permanece um bom exemplo), mas isso é raro. Uns acham que Lula seria o mais novo espécime dessa vertente, o que não é o caso: nosso pobre Lampião e cangaço não chegam a tanto. Ele é um manipulador hábil das massas, mas tem amor demais à própria pele para correr riscos (entre outras diferenças). Conselheiro não estava nem aí e foi até o fim. Um doido, mas tinha coragem.

Talvez isso aqui te interesse, Klaatu:

http://execout.blogspot.com/2007/05/origem-de-nosso-presente-autoritrio-all.html

E isso aqui também:

“Lewis Namier escreveu q muito acontece na História por processos inconscientes que não conseguimos captar e de que não podemos fazer sentido, porque inexiste. Palavras profundas, de que talvez todos nós sintamos a verdade parcial, mas que paralisam o analista ou o burocrata. As elites dirigentes certamente são mais sensíveis a esses fenômenos, já que tentam ordená-los com esse ou aquele objetivo, mas admitir essa realidade de imprevisto, do inconsciente, seria confessar limitações que lhes subtrairia parte da mágica da autoridade, da mística do poder. Nem pensar. As elites, no Brasil, não acreditam, no íntimo, na soberania do povo. As diferenças entre elas e o populacho é de tal ordem que a sabem intransponível e insuperável, a não ser naquele prazo tão longo que, na frase de Keynes, estaremos todos mortos. Não é crível que algum dos ouvintes seletos do relatório do EMFA (Estado-Maior das Forças-Armadas) se imagine um dia, em competição de oportunidade sequer, com os pobres “relativos” ou “absolutos” do relatório. Na Inglaterra, em q se cunhou a palavra esnobe, se diz que o sotaque das pessoas imediatamente as situa na escala social. No Brasil, basta olharmos uns aos outros. (...) As elites respeitam tabus que equivalem à autocensura. É difícil encontrar alguém bem educado e melhor informado que leve as coisas intelectualmente a sério. Não é que alguém “entregue a rapadura” ou a distribua à massa ignara. Nada disso, antes muito pelo contrário, privilégios são ciosamente preservados, com a violência que a ocasião e a contestação exigirem. O que há, intramuros, na intimidade, é a percepção de que os arranjos sociais não são para valer, que podem ser arbitrariamente modificados e postos pelo avesso pela força, e que esta sempre prevalece, não importa o que for determinado pelos ritos da democracia política, ou quaisquer que sejam as regras estabelecidas. Ninguém discute o assunto em público. Em particular, é abordado de leve, porque não se quer aprofundá-lo, o que obrigaria a uma autocrítica jamais feita.”

(Paulo Francis)

Heitor Abranches disse...

Deputado entra com mandado de segurança contra PECs do “trem da alegria”

Karina Cardoso
Do CorreioWeb

Na tentativa de barrar as Propostas de Emenda a Constituição (PECs) 54/1999 e 02/2003, que prevêem a efetivação de servidores terceirizados e de requisitados por órgãos diferentes dos de origem, o deputado federal Augusto Carvalho (PPS-DF) entrou, nesta sexta-feira (31), com um mandado de segurança preventivo. Na medida, impetrada no Supremo Tribunal Federal (STF), o parlamentar pede liminar para impedir a tramitação das matérias no Congresso Nacional.

Segundo o documento, as duas propostas estão em desacordo com as normas, uma vez que o presidente da Mesa Diretora da Casa teria despachado as proposições à Comissão Permanente sem analisar o requisito que trata da constitucionalidade da matéria, necessário para a apreciação da mesma. O artigo 137 do Regimento Interno da Câmara destaca que será devolvida ao autor qualquer proposição que versar sobre matéria “evidentemente inconstitucional”.

Para Augusto de Carvalho, as PECs atingem o princípio da isonomia e o direito individual do cidadão de buscar uma vaga no serviço público, segundo consta no artigo 37 da Constituição: “a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração”.

Na última quarta-feira (29), cerca de 2 mil concurseiros protestaram contra as duas propostas em frente ao Congresso Nacional. Na ocasião, o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), garantiu que a PEC 02/2003 não irá à votação. Segundo ele, o Colégio de Líderes já teria sido informado sobre a decisão. A medida trouxe esperança para alguns, mas não ainda não tranqüilizou os concurseiros. “Isso é melhor que nada, mas só vamos ficar tranqüilos de verdade quando tudo estiver resolvido”, disse uma das líderes do protesto, Maria Clotilde Prado.

PECs
A PEC 02/2003, de autoria do deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE), pretende permitir aos servidores requisitados há mais de três anos pelos Estados, Municípios, Distrito Federal e União a opção de se tornarem efetivos. A proposta quer atingir todos os aprovados em concurso público realizado após a Constituição de 1988. O autor acredita que a demanda por funcionários tem ocasionado contínuo deslocamento de servidores para órgãos diversos, que necessitam de amparo constitucional por não estarem desempenhando a função do órgão cedente.

Em linha semelhante está a PEC 54/1999, de autoria do ex-deputado Celso Giglio (PTB-SP), que garante estabilidade a servidores da administração direta e indireta admitidos sem concurso público antes da Constituição de 1988. Como argumento, o autor destaca existir numerosos contingentes de funcionários contratados temporariamente, mas cujo vínculo jurídico ficou à margem da Constituição Federal de 1988, sendo necessário fazer tal correção.

Heitor Abranches disse...

GONZAGA PATRIOTA - PSB/PE
Luiz Gonzaga Patriota
Nascimento: 26/04/1946
Profissões: Advogado, Administrador de Empresas e Contador
Filiação: Sebastião Alves Freire e Eliza Alves Patriota
Legislaturas: 1987-1991, 1995-1999, 1999-2003, 2003-2007 e 2007-2011.
Gabinete: 430, Anexo 4, Fone: 3215-5430, Fax: 3215-2430 Email:dep.gonzagapatriota@camara.gov.br

Mandatos Eletivos:
Deputado Estadual, 1983-1987, PE, PMDB; Deputado Federal (Constituinte), 1987-1991, PE, PMDB. Dt. Posse: 01/02/1987; Deputado Federal, 1995-1999, PE, PSB. Dt. Posse: 01/02/1995; Deputado Federal, 1999-2003, PE, PSB. Dt. Posse: 01/02/1999; Deputado Federal, 2003-2007, PE, PSB. Dt. Posse: 01/02/2003; Deputado Federal, 2007-2011, PE, PSB. Dt. Posse: 01/02/2007.
Filiações Partidárias:
MDB, 1968-1980; PMDB, 1980-1988; PDT, 1988-1994; PSB, 1994-.
Atividades Partidárias:
Presidente, Diretório Municipal do MDB, Salgueiro, PE, 1968-1978; Vice-Presidente, Diretório Regional do PMDB, PE, 1983-1987; Vice-Líder do PMDB, 1984-1986; Membro do Bloco Suprapartidário Nordeste-Norte-Centro-Oeste do PMDB, 1987-1988; Membro, Diretório Nacional do PDT, 1988-1994.
Atividades Profissionais e Cargos Públicos:
Telegrafista, RFFSA, Recife, PE, 1963-1971; Professor, Col. Comercial Dom Malan, Salgueiro, PE, 1971-1975; Escritório de Advocacia, Petrolina, PE, 1978-1982; Secretário Nacional de Trânsito, Ministério da Justiça, Brasília, DF, 1993-1994.
Estudos e Graus Universitários:
Bacharelado em Ciências Contábeis, UECE, Fortaleza, 1969-1972; Bacharelado em Direito, UECE, Fortaleza, 1974-1978; Atualização Criminológica da Sociedade Brasileira de Direito Criminal, São Paulo, SP, 1975; Administração de Empresas, Fac. de Administração, Petrolina, PE, 1978-1981; Pós-Graduação em Ciência Política, AEUDF, Brasília, 1987-1989; Mestrado em Ciência Política, UnB, Brasília, DF, 1990-1991; Comunicação Social, CEUB, Brasília, DF, 1996-2002; Mestrado em Políticas Públicas e Governo, UFRJ, 1999-2000.
Seminários, Conferências e Congressos:
Participante: Seminário de Direito Comunitário OAB, Crato, CE, 1974; Congresso Internacional de Direito do Trabalho, Academia Ibero-Americana, Madri, Espanha, 1979.
Atividades Parlamentares:
CÂMARAS MUNICIPAIS, ASSEMBLÉIAS LEGISLATIVAS E CÂMARA LEGISLATIVA DO DF: ALEPE: Comissão de Justiça: Vice-Presidente; CPI Atividades sobre BANDEPE: Relator; CPI Violência Urbana: Relator. ASSEMBLÉIA NACIONAL CONSTITUINTE: Subcomissão dos Direitos Políticos, dos Direitos Coletivos e Garantias, da Comissão da Soberania e dos Direitos e Garantias do Homem e da Mulher: Titular; Subcomissão dos Estados, da Comissão da Organização do Estado: Suplente. CONGRESSO NACIONAL: Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização: Relator, Titular e Suplente; Comissão Mista Normas para Licitação e Contratos da Administração Pública: Titular; Comissão Mista Recursos para Companhia de Trens Urbanos: Titular; Comissão Parlamentar Mista de Inquérito Roubo de Cargas: Suplente; Comissão Representativa do Congresso Nacional: Titular -3/05 e Suplente; Levantar as Causas e Efeitos da Violência:Titular. CÂMARA DOS DEPUTADOS: MESA: Primeiro-Suplente de Secretário, 2003-2005; Quarto-Suplente de Secretário, 1999-2000. COMISSÕES PERMANENTES: Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática: Suplente; Constituição e Justiça e de Cidadania: Titular, -3/2005-6/2005 e 8/2005-9/2005, 9/2005-3/2006, e Suplente, 14/2/2007-; Constituição e Justiça e de Redação: Titular e Suplente; Desenvolvimento Urbano e Interior: Titular; Economia, Indústria e Comércio: Suplente; Educação, Cultura e Desporto: Suplente; Finanças e Tributação: Suplente; Justiça: Titular; Relações Exteriores: Titular; Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado: Suplente, 3/2006-; Viação e Transportes: Terceiro Vice-Presidente, 4/2006-, Titular, 3/2006, 14/2/2007-, e Suplente, -3/2005, 3/2005-3/2006. COMISSÕES ESPECIAIS: Aplicação da Lei nº 9.503/97 (Código de Trânsito Brasileiro): Titular; Bacias Hidrográficas Semi-Árido: Titular-; Cassinos no Brasil: Suplente; Código Aduaneiro do MERCOSUL: Suplente; PEC nº 2/03, Lotação Servidor Público: Titular-; PEC nº 6/95, Monopólio do Petróleo: Titular; PEC nº 34/95, Imunidade Parlamentar: Suplente; PEC nº 40/03, Reforma da Previdência: Suplente-; PEC nº 41/03, Reforma Tributária: Suplente-; PEC nº 43/95, Alistamento Eleitoral: Titular; PEC nº 46/91, Modificação da Estrutura Policial: Titular; PEC nº 48/95, Acrescenta ao Inciso II do Art. 192 a Expressão "Resseguro": Titular; PEC nº 54/99, Quadro Temporário Servidor Público: Titular; PEC nº 96/92, Modificações na Estrutura do Poder Judiciário: Suplente; PEC nº 128/95, Acumulação de Cargos - Odontólogo: Suplente; PEC nº 151/95, Segurança Pública: Titular; PEC nº 201/95, Inelegibilidade de Parentes: Titular; PEC nº 222/00, Iluminação Pública: Suplente; PEC nº 228/04, Reforma Tributária: Suplente-; PEC nº 254/00, Recursos Destinados à Irrigação: Titular; PEC nº 289/00, Incorporação dos Policiais Militares de RO: Titular; PEC nº 338/96, Regime Constitucional dos Militares: Titular; PEC nº 383/96, Censor Federal: Titular; PEC nº 353/01, Número de Vereadores: Titular-; PEC nº 449/97, Fundo de Estabilização Fiscal: Suplente; PEC nº 472/97, Altera Arts. 48, 62 e 84, Edição de Medida Provisória: Suplente; PEC nº 471/05, Serviços Notariais: Titular, 3/8/2007-; PEC nº 504/02, Iluminação Pública: Suplente; PEC nº 524/02, Revitalização Bacia do São Francisco: Titular-; PEC nº 534/02, Guardas Municipais: Titular- e Suplente; PL 20/07, Parcelamento do Solo para Fins Urbanos: Suplente, 1/6/2007-; PL 146/03, Licitações e Contratos: Titular-; PL nº 203/91, Política Nacional dos Resíduos: Suplente, 8/2005-; PL nº 1.210/95, Política Nacional do Petróleo: Suplente; PL nº 1.673/96, Doação de Açudes pelo DNOCS: Suplente; PL nº 2.546/03, Parceria Público-Privada: Suplente-; PL nº 3.710/93, Código de Trânsito Brasileiro: Primeiro-Vice-Presidente, e Titular; PL nº 3.846/00, Agência Nacional de Aviação Civil: Suplente; PL nº 4.425/94 do Senado Federal, Planos e Seguros de Saúde: Suplente; PLP nº 10/99, Regime de Previdência Complementar: Suplente; Questão do Desemprego: Titular; Segurança Pública: Titular; PEC nº 200/03, Servidores de Rondônia: Titular, 6/2005-. COMISSÕES EXTERNAS: Centenário de Petrolina, PE, e Inauguração do Memorial Nilo Coelho: Titular; Conflitos de Terra no Pontal do Paranapanema, SP: Suplente; Enchentes no Nordeste: Titular-; Situação das Famílias na Fazenda Safra: Coordenador, e Titular. CPI: Corrupção no IPC: Titular; FINOR: Titular; Obras Inacabadas: Suplente; Tráfico de Armas: Suplente, -04/2005. CONSELHOS, FRENTES E GRUPOS PARLAMENTARES: Frente Parlamentar em Defesa da Segurança Pública Nacional: Coordenador-Geral; Grupo de Trabalho Transposição do Rio São Francisco: Titular.
Atividades Sindicais, Representativas de Classe e Associativas:
Presidente, Diretório Acadêmico, UECE, Crato, CE, 1975-1977.
Condecorações:
Honras: ao Mérito do DIAP, 1988; ao Mérito, FENEN, 1988; ao Mérito, AJUCLA, Rio de Janeiro, RJ, 1989. Comendas: ABDETRAN, 1993.
Obras Publicadas:
PATRIOTA, Luiz Gonzaga. Ação de alimentos. [S.I.: s.n.], 1980. ____. Em defesa da alimentação, educação e saúde. Recife: Companhia Editora de Pernambuco, 1984. ____. Denúncias. Recife: Companhia Editora de Pernambuco, 1986. ____. Epopéia da seca. 2. ed. Recife: GCL, 1986. 102 p.
Missões Oficiais:
Missão à América Latina, Panamá, 1988. Missão à Ásia, Coréia do Norte, 1996. Representante da Câmara dos Deputados: em viagem à República Democrática da Coréia, 1996; em viagem à Ucrânia,1997; na II Assembléia Mundial sobre Envelhecimento, Madri, Espanha, 2002 . Viagem, a convite da Embaixada da República do Iraque, para assistir como observador as eleições para a Assembléia Nacional, Iraque, 2000.
Documento produzido em 31/08/2007 22:24 (SILEG - Módulo Deputad

Catellius disse...

Grande André,

“e depois de muita reflexão, cheguei à conclusão de que a vida não tem pé nem cabeça e de que religião é uma tentação emocional resistível.”


Isso mesmo; a vida não tem nem pé nem cabeça e tudo o que importa é vivê-la, em harmonia, e seguir a própria natureza. A natureza do escorpião é matar, a da ovelha é de pastar e não gemer quando é imolada, e a natureza do homem é ser vítima do tamanho do próprio cérebro, este rabo de pavão estupidamente maior do que seria suficiente para reinar sobre as outras espécies, é conhecer, desvendar, desbravar, superar-se. Quanto à religião, até que é saudável quando representa uma nação, quando determinado deus é o deus de um povo, um mero modelo de virtude. Esse deus débil mental, de todos os povos, é uma das piores invenções da humanidade.

“Só acho q o fato de alguém ser ateu e favorável à pena de morte (poderia ser qualquer outra coisa, na verdade) não tem relação, nem passa atestado de frieza ou desumanidade.”

Para o religioso, se o ateu é bom é porque ainda não esqueceu-se de como é ser religioso, embora negue sua fé, é porque segue a centelha divina que existe nele. Se é mau é porque é ateu. Se o religioso é bom é porque é religioso, se é mau é porque é homem, falho, pecador. A lógica estúpida dos religiosos é sempre essa. Se algo de bom acontece na vida do ateu ele é um ingrato com deus por não agradecer o que ele lhe tem dado, se algo ruim acontece na sua vida é por punição por ele ser ateu, se algo de bom acontece na vida do religioso é porque ele tem “oração forte”, é chegado na chefia, se algo de ruim acontece na vida do religioso é uma provação divina para ele se fortalecer na fé, ainda que a porra do deus tenha sacrificado o bebê de um mês de idade para isso, para provar os pais...

“E que pares, ‘a maioria religiosos’, são esses que cercam o Catelli, segundo o Holy Father? Eu é que não sou.”

Ele deve estar falando das pessoas no “real world”, raramente atéias, o que é um absurdo, pois não perco mais meu tempo discutindo temas muito polêmicos com crentes de carne e osso.

“E a defesa da vida dos que não eram cristãos? Essa aí eu acho q ficou um pouquinho de fora, apesar do coração de mãe, cheio de amor, amantíssimo, que os cristãos dizem ter.”

He he he. O cristianismo é uma ideologia contra a vida, que nega a realidade para vender uma irrealidade, usando algo como a “razão prática”, inventada pelo “teólogo” Kant para tentar subverter a razão.

“Elas são um negócio (religiões), não apenas isso, mas sobremaneira isso. Em grande parte são.”

Não são um negócio. São normalmente organizações de estelionatários que vendem caro algo que nunca entregarão, NUNCA. Vendem um carro anfíbio que voa e que vai de Mercúrio a Plutão em um segundo, e de cujo painel sai sorvete de baunilha, ao custo da liberdade do comprador e de uns bons trocados, e quando este entra em depressão, é acometido pelo medo, dão-lhe uns desenhos malfeitos do tal carro, para ele sonhar, e dizem que daqui a pouco ele será contemplado no consórcio...

“Bom, a Clarissa teve bom gosto ao escolher seu avatar: a Liz Hurley é demais...”

Prefiro mil vezes a Clarissa à tonta da Liz Hurley.

“Não o seu amor ao próximo, mas a impotência do seu amor ao próximo é que impede os cristãos de hoje de nos... queimar.” (Nietzsche)

Ha ha ha! O bigodudo era um GÊNIO! Enquanto o homem-deus dizia “bem-aventurados os que crêem sem ver” – o que é um estímulo à estupidez, uma negação do que há de melhor no homem, Nietzsche, embora falível como todos nós mortais, fala com a razão, é outra máquina de dizer a verdade, he he.

“Esse ateísmo dos nossos esquerdistas/comunistas nunca pegou, eles sempre evitaram falar nisso, pois o Brasil é fortemente católico, claro.”

Os comunistas e os cristãos têm tudo em comum. E aqui no Brasil até tiveram filhos juntos: Comunidades Eclesiais de Base, Teologia da Libertação, Frei Betto, Leonardo Boff, etc. Católicos socialistas é o que mais há por aqui.

“E olha q eu acho os bustos romanos o máximo. Qualquer porcaria fica legal esculpida daquele jeito.”

Putz! Alguns tentam desmerecer os romanos classificando-os como meros plagiadores do mundo helênico, mas acho os romanos artisticamente superiores aos gregos em algumas áreas, como a pintura, a escultura e a arquitetura. O que dizer dos bustos dos imperadores? Parecem vivos! Deixam Michelangelo no chinelo.

“Enéas dava algum colorido à campanha.”

Só se fosse com aquela cara verde dele.

“E naquela época em que ainda havia o tosco do Brizola, o nojento do Mário Covas, o inominável Orestes Quércia... “

Caiado, Ulisses, Marronzinho, Afif, Pedreira (ha ha ha, Bocage), Aureliano... Aquilo não foi eleição, foi um espetáculo de circo de dar inveja ao Orlando Orfei.

“Essa é mais ou menos a história da minha vida, que estou tentando mudar.”

Que mané independência, he he. Depois de arranjar um bom trabalho, continue MUITO tempo na casa dos pais, parasitando-os e juntando dinheiro, he he. Você não acredita na quantidade de contas que chegam na casa de alguém que tem celular, tv a cabo, Internet banda larga, sem falar no condomínio, aluguel, luz, etc. É uma loucura! E a comida piora muito! Quando comecei a ganhar dinheiro fiquei ainda uns quatro anos morando com meus pais. Só saí da casa deles aos trinta, he he, e arrastado pela minha esposa!

“Por falar na PORRA DO DESCANSO ETERNO, ouvi muito sobre ele ontem, numa missa de 7º dia.”

Um deus que é onipotente mas não é capaz de criar um universo instantaneamente, e ainda fica cansado e só por isso exige que ninguém mais trabalhe no dia da semana em que ele descansou é um bostão que não merece ser adorado.

“Segundo o padre, esse pessoal que morreu na semana passada está feliz da vida...”

Correção: feliz do além-vida. Ou melhor: os vermes estão felizes da vida. É por isso que desejo ser cremado – desde que eu já tenha morrido, he he.

“..., na felicidade suprema, ao lado de DEUS ou sei lá o q mais e, se lhes fosse dada a chance de voltar, ah, que nada, pra quê voltar, isso aqui é uma chatice... lá é q é bom. Nassau, nas Bahamas, perde feio.”

Se os eleitos conseguem ser felizes enquanto muitos de seus parentes padecem eternamente sofrimentos indizíveis no reino das trevas, suponho que todos devam se submeter a uma lobotomia às portas do paraíso (nem seria preciso, he he), ou recebem algo para que deixem de ser quem são de fato, percam sua essência e sejam “iluminados” para aceitar o sofrimento alheio sem compaixão; viram “seguidores” de Nietzsche, he he he.

“E o normal lá é uma superfelicidade constante, algo inimaginável aqui. Waaal... quanto custa a passagem? Eu quero ir.”

Cada um tem um paraíso. O paraíso de São Francisco tem que estar cheio de animaizinhos, como nas pinturas bregas onde ele, viadinho, está cercado de oncinhas pintadas, zebrinhas listradas e coelhinhos peludos, nunca de bichos escrotos, ainda que também sejam criaturas de deus, criadas à sua imagem e semelhança. O paraíso de Ratzinger (embora este seja o único representante de deus na terra, foi criado à imagem e semelhança do cão) deve ter um monte de hereges e livros para queimar, discussões teológicas, etc.

“Vou continuar tentando esses tediosos concursos públicos, já que não tenho me saído mal, logo acho que posso conseguir alguma coisa.”

Eu não sou contra ser funcionário público; meu pai e minha esposa são, a maioria dos meus amigos é. O funcionalismo público é fundamental, mas não com o tamanho que temos, que consome os nossos recursos, não com tanta gente a bater cabeça, sem fazer PN. Outra coisa que mata é a porcaria da estabilidade; quando o sujeito ganha o “direito” de ser funcionário público só larga o osso morto, e olhe lá!

“E, como diz aquela propagandinha ordinária do nosso amado, idolatrado, salve, salve governo: ‘sou brasileiro e não desisto nunca’, nossa, que piegas...”

A propaganda diz que o brasileiro é um fracassado, um “loser” esforçado, he he.

“Klatuu, há alguns brasileiros descendentes de alemães e holandeses que se acham superiores, mas imagino que sejam poucos. Há até uns idiotas neonazistas, mas é uma minoria ridícula.”

Muitos parentes meus têm o maior orgulho de serem “branquinhos”. Quando alguém se orgulha de ser branco certamente não tem mais muita coisa do que se orgulhar.

“Bom, boa sorte, tomara que tudo dê certo, q vc consiga o contrato, aproveite bem o dinheiro da comissão e o do prêmio, engorde suas reservas financeiras e ainda jante nesse restaurante legal com sua família.”

Obrigado! Este ano está sendo bom para os negócios na medida em que o ano passado foi uma desgraça. Eu, dono de meu negócio, odeio ano de eleições... Claro, porque onde as instituições ainda não são muito fortes, onde o governo é gigantesco, ano de eleição é ano de indefinição, e poucas construtoras se arriscam a se comprometer a lançar um produto sem saber qual será a política do próximo governo.

“E logo mais à noite sairei com uma bela psicóloga. Ela é interessante, só espero que não me enlouqueça, rs, rs.”

Opa!!!! Fale mal de Freud e Jung e veja qual a reação dela. Se não der um soco na sua cara é porque pode acabar em casamento, he he. Brincadeira! Boa sorte com a gata!

Abração!

Catellius disse...

E faltou isso:

“E tem outra coisa: já conheci alguns negros de classe média alta, e estes costumam se cobrar muito, o tempo todo. É como se tivessem que provar o tempo todo pra sociedade que são bons, que são muito bons, que realmente merecem estar onde estão.”

Não posso criticá-los por isso, he he. Deve ser muito triste ser discriminado, ou sentir-se discriminado – o que dá no mesmo.

Catellius disse...

Grande Heitor,

“Estes socialistas de merda.”


Cara, essa é a frase do dia! Dá gosto de falar isso: SOCIALISTAS DE MERDA!!!!

--//--

Viva Mostardinha!

“Mas a urgência maior do Brasil não são as políticas mas sim a de se encontrar alguém honesto, sério e ético para o governar.
Tenho para mim que essa insuficiencia só será suprida se for importada.”


É, você está a par de nossa realidade, amigo português. Vamos terceirizar o nosso governo para uns japoneses alucinados por eficiência.
Tenho medo do aspecto que telão nossos aelopoltos, tenho medo dos tlens-bala a cluzar o Blasil de nolte a sul, dos deputados fazendo haraquiri dentlo do plenálio... Que malavilha!
He he he!

Abraços

--//--

Grande Bocage,

“Já és oficialmente um adepto do desmembramento eifleriano, rsrs.”


Não tenho como negar que dá para extrair muito humor negro disso, a começar pela lembrança daquele cavaleiro negro do Monty Python que tenta barrar a passagem de Lancelot e, na luta que se segue, perde primeiro um braço, depois o outro, depois as duas pernas e ainda assim, como o brasileiro que não desiste nunca, diz: “foi só um arranhão! volta aqui que te morderei todo”! Ha ha ha.

“...minha mãe passou desta para lugar nenhum quando eu tinha dois anos”

Meus pêsames! Deve ser doloroso perder a mãe tão cedo.

“As pessoas não concebem o quanto é agradável não engolir absurdidades, principalmente o conceito de vida após a morte.”

Concordo em gênero, número e grau.

Abraço

--//--

Caro Eduardo,

" Não sei, as coisas sempre foram assim por aqui... "


Parece que isto não é apenas uma história. Foi feita realmente tal experiência, mas com ratos. Meu pai já me mostrou isso em algum livro de psicologia.
Abração

André disse...

Comércio:

Visitar os lugares santos do mundo, para muita gente, é uma forma de enriquecimento interior. Imagine-se só, no caso dos católicos, peregrinar a bordo de um avião que foi abençoado pelo próprio papa Bento XVI. E que tal, durante o vôo, refletir sobre os salmos religiosos estampados no encosto das poltronas, como "Cerco il Tuo Volto, Signore!" (Procuro o teu rosto, Senhor!)? Essa é a experiência que promete a agência de viagens Opera Romana Pellegrinaggi, ligada ao Vaticano. Na semana passada, a agência realizou a primeira viagem desse tipo, em direção a Lourdes, na França, com o Boeing 737-300 especialmente fretado para os seis roteiros católicos que serão oferecidos inicialmente (veja o quadro). O vôo inaugural transportou apenas religiosos, jornalistas e convidados. Até o fim do ano, estão previstas outras saídas de teste para Israel e França. Os vôos regulares têm início em abril do ano que vem, quando o Boeing já estará pintado com as cores do Vaticano. Até lá, os comissários de bordo, exclusivos dessa linha, terão na ponta da língua todas as informações sobre os destinos das excursões, para orientar os passageiros. No futuro, o serviço oferecerá viagens a outras localidades, como o santuário de Nossa Senhora de Guadalupe, no México, onde os fiéis reverenciam a Virgem, padroeira do país.
Não é de admirar que o Vaticano invista em empreendimentos turísticos. O turismo moderno nasceu com viagens de cunho religioso. Em suas origens estão as romarias, que se popularizaram na Europa principalmente a partir da Idade Média. Numa época em que rodar o mundo atrás de aventura e conhecimento não figurava entre os sonhos de consumo de nenhum dos povos, a religião era a motivação mais freqüente para que as pessoas atravessassem grandes distâncias voluntariamente. Os muçulmanos são incentivados pelo Corão a peregrinar – ao menos uma vez na vida devem refazer o caminho entre Medina e Meca, percorrido pelo profeta Maomé no século VII. Nas excursões promovidas pelo Vaticano a santuários cristãos, tem-se a garantia de viajar com quem conhece o destino.

André disse...

“A lógica estúpida dos religiosos é sempre essa.” E sempre distorcida, muito maleável...

“se algo de bom acontece na vida do religioso é porque ele tem “oração forte”, é chegado na chefia” Chegado na chefia, há, há, há...

“pois não perco mais meu tempo discutindo temas muito polêmicos com crentes de carne e osso”

E eu evito, no mundo real, sobretudo falar de religião e política. Não dá certo. Hoje foi até engraçado, estava no Martinica Café, na 303 norte, q é bom, exceto pela clientela: universitários de esquerda, muitos com cara de Renato Russo (óculos finos, caras de mau, “sujinhos” e as calças com a barra por fazer) e comunistas/sindicalistas q eu reconheci da TV: um jornalista débil mental q trabalha na TV Câmara e na do Senado, q só faz perguntas cretinas; um outro q apresenta o Espaço Sindical (uma pérola...), num desses canais vagos, de “apoio”, na tv a cabo, etc, é até engraçado ver essas figuras ao vivo e a cores, pq na tv parece q eles não existem. Parecem caricaturas.

Bom, pessoalmente não são melhores.

Kant pegava qualquer conceito e começava com essas subdivisões: a razão prática, a razão disso, a razão daquilo... Blah... Como ele era um chato anódino, inofensivo, não só é chique citá-lo, como perfeitamente seguro. Ninguém ataca pra valer Kant, pq nem há muito o q atacar. Está na cara q 99% desse pessoal q o adora nunca leu nem conseguiria ler Kant. Primeiro pq é um saco. Segundo pq mesmo fazendo muito esforço e sendo inteligente ele é ilegível (dizem q dá pra salvar as primeiras obras, antes dele aderir ao cientifiquês). Terceiro pq ele não era um radical nem um tipo q buscava o confronto. Não há risco em citá-lo, pq ele não ofende nada nem ninguém.

Bom, a Liz Hurley com cérebro seria o ideal, mas não se pode ter tudo. E a Clarissa é 10, sem dúvida.

Sim, eu cansei de ouvir isso aí de q os romanos foram meros plagiadores do mundo helênico. Bobagem.

Ah, mas mesmo se já tivesse um bom emprego eu continuaria parasitando minha família ao máximo. Afinal, aqui tenho casa, comida, roupa lavada, todas as contas pagas e mais um monte de mordomias. Já tive uma namorada q, eu tinha certeza, me pressionaria muito pra sair de casa e morar com ela, caso eu já tivesse um emprego. Mas ela sabia q minha intenção, mesmo com um bom salário, era essa, de continuar na vida mansa e com esse plus, q é a grana. Ela detestava isso. Eu gostava muito dela, enquanto ela achava q eu a estava “enrolando”. Não, não estava, é q sou assim mesmo. Não fazia por mal. Além disso, sempre gostei muito mais de namorar, sem ficar fazendo planos. As garotas q tive até hoje, com raras exceções, adoravam fazer planos, de casamento, principalmente.

Mas é da natureza delas, nada contra.

É exatamente o q eu faria: “depois de arranjar um bom trabalho, continue MUITO tempo na casa dos pais, parasitando-os e juntando dinheiro, he he.”

Só sairia se tivesse uma namorada por quem estivesse apaixonado, aí nesse caso a gente faz loucuras (leia-se: burrices). Mas no momento não é o caso.

“E a comida piora muito!” Imagino. E minha mãe cozinha bem demais. Daí vc já vê q eu sou um mal acostumado.

Faço 31 anos no dia 30 de setembro. E tenho certeza de q só sairei daqui arrastado pela minha (futura) esposa...

Também prefiro cremação. Nunca gostei de enterros e caixões.

“O paraíso de São Francisco tem que estar cheio de animaizinhos, como nas pinturas bregas onde ele, viadinho...” Quando eu era criança, lá no Marista, eles passaram aquele filme italiano chato sobre o cara. Eu achava idiota a opção dele por largar aquela vida de nobre e repudiar a guerra. Mas não falei nada pra ninguém.

Só tive problemas lá pelos meus 10 anos, também no Marista, por outra bobagem: na Semana da Asa, um coronel da FAB e um oficical da USAF passaram um vídeo pra gente. Todo em inglês, não entendi nada, ainda estava começando a estudar a língua. Bom, o filme era legal (e totalmente inapropriado para crianças, he, he): táticas de combate da força-aérea da Marinha.

Era um vídeo de uso interno, friamente profissional (hoje conheço vários desses, são usados pra treinar os caras, por isso são muito objetivos).

O ponto alto eram os F-14 e F-18 atacando alvos costeiros, um barato.Saturavam a costa com bombas de fragmentação e de precisão (essas de laser, q naquela época eram novidade).

De volta à sala de aula, o dever era escrever uma redação condenando, se me lembro bem, adivinhe... sim, a guerra...

Acontece q eu me recusei a fazer isso. Não sei se levei zero ou o quê. Acho até q ganhei algum apelido idiota por conta disso e passei um tempo sendo discriminado pelos meus “coleguinhas”. Well, fuck them all. Mas até hoje me lembro do filme inteirinho. Isso é o q importa.

O paraíso de Ratzinger eu conheço: ele é o Imperador Palpatine de Star Wars, ele é a cara do homem. O Paraíso dele é a Estrela da Morte.

“Outra coisa que mata é a porcaria da estabilidade..." É, é um problema sério.

Estava brincando: a psicóloga existe, mas é só uma amiga, só que daquelas sem chance de algo a mais. Ah, sim: eu gosto de Freud, ela de Jung.

Estou sem sono nenhum. Agora vou comer e tentar induzir um sono com um dvd. E já é sábado, que bom...

Até qualquer hora dessas!

O+cioso disse...

Catéquitus disse: essa é a frase do dia! Dá gosto de falar isso: SOCIALISTAS DE MERDA!!!!


Isso não é frase. kd o verbo? kkkkk

C. Mouro disse...

Ideologia, hipocrisia e safadeza. (2004)

As idéias socialistas floresceram e prosperaram não pelas verdades que pudessem possuir, e que nunca possuíram, nem pela lógica que pudessem ter, mas que não têm, e muito menos pela sinceridade que pudessem expressar, pois são falsas. Elas prosperaram porque até seus críticos tentaram parasitar a aura consagradora que hipocritamente reivindicavam em sua fraseologia emplumada, excitante e demagógica.
Foi o "valor consensual" de que a bondade é superior a honestidade que induziu ao parasitismo do requentado discurso socialista, todos desejosos de enfiarem-se num arquétipo falso e demagógico do "faça o que digo, não faça o que eu faço".
Este comportamento induzido por uma 'quinta coluna' ideológica é o responsável pelo sucesso dos totalitarismos, ou da idéia de governos messiânicos, que semeiam a inveja, o ódio, a desconfiança, a cobiça e a miséria, para elevar lideres e agregados ao luxo e ao Poder absoluto.
.
Até críticos, seduzidos pela imagem consagradora, queriam dizer que o socialismo seria uma vontade idealista equivocada, como se tivessem a apoia-lo na forma de "Utopia". Para assim usufruírem da simpatia grupal dos devotos que o propunham como panacéia, a disposição de canalhas e imbecis, ainda em certa conformidade com o senso moral predominante.

Foi esta vaidade desmesurada que fez com que aqueles que, no íntimo, sabiam ser o socialismo, tecnicamente, um embuste mal formulado, o elogiassem como sistema para uma nova Utopia. Buscando nisso a "aura consagradora", deixando mesmo transparecer um certo lamento por reconhecer nos socialismos o erro "intelectual" que o faria promover o oposto de suas "intenções" apregoadas hipocritamente. Pois cretinamente as idéias socialistas e marxistas sempre se fizeram acompanhar pela louvação entre seus adeptos, numa apoteótica troca de mesuras dentre a elite partidária. Seguida de um manifesto desprezo acusatório contra os não alinhados ("hereges" do credo estatal). Quase uma repetição do comportamento da nobreza, que se atribuiu uma "superioridade" concedida por deus, e por tal devendo ser custeada pelos servos da terra a ela submissos. De forma que até estes se pretendiam "superiores" aos hereges e pagãos, ao se porem a serviço de um "ideal supremo". Tal e qual qualquer socialista de boteco, que se pretende moralmente superior aos "gananciosos" e "despolitizados", mesmo que não consigam sequer definir o que seja Socialismo ou "Capitalismo", em seus princípios, forma e medidas propostas. Quando muito afirmando supostas e vagas intenções apregoadas, para cada um, repetindo uma fraseologia raivosa ou piegas, numa agitação de patéticos tolos e espertalhões beneficiários do Estado e seus feudos.

Socialistas são apenas slogans, bandeiras, ídolos, mesuras mútuas, frases de efeito, mitos e nada mais, além da histeria verbosa que os toma quando instados a pensar. Só aceitam o debate se antes forem aceitas todas as afirmativas que aprenderam a repetir como papagaios bem adestrados, também "rosnando" e "mostrando os dentes" ante qualquer contestação feita a seus dogmas. Arrepiam-se ante uma maiêutica e dissimulam para fugir de tal embate.
.
Infelizmente, mesmo os críticos do Socialismo não resistiram aos artifícios da lisonja ideológica, almejando parasitar os valores da moral proposta, por mais que a percebessem leviana, injusta e nociva. Pois que tanto as pegajosas idéias socialistas pré-marxismo, irmanadas ao Mercantilismo "altruísta" ou "desenvolvimentista" vigente, quanto as idéias "social-assistencialistas" e marxistas, visavam unicamente "justificar" a manutenção e ampliação do poder estatal, com suas oligarquias parasitárias. Esta sim, a VERDADEIRA EXPLORAÇÃO DO HOMEM PELO HOMEM. Digo, do homem que recebe impostos sobre o homem que paga impostos. Este ameaçado pelos primeiros, coagido a pagar e se resignar ante as arbitrariedades daqueles que controlam o Poder coercitivo do Estado, que os beneficia e desiguala ...covardemente.

Abs
C. Mouro

Catellius disse...

Clap clap clap!

Genial!

"...mesmo os críticos do Socialismo não resistiram aos artifícios da lisonja ideológica, almejando parasitar os valores da moral proposta..."

Excelente, para variar!

Ricardo Rayol disse...

Bom, sonhar não custa nada, ainda.

Heitor Abranches disse...

Tudo bem.

Devo admitir que cai na tentacao de desejar mais um salvador da Patria...

Esta busca do equilibrio entre a comunidade e o individuo ainda vai dar muito pano para manga nesta nossa terrinha...

Lord of Erewhon disse...

Lhe asseguro que a Clarissa é 100... :)

Lord of Erewhon disse...

P. S. E mais bonita que o seu avatar.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...