21 junho 2007

Provérbios Árabes

Como estou meio sem tempo - e isso tem me deixado um tanto quanto frustrado, porque tenho acumuladas algumas coisas para escrever por aqui - por ora listo alguns provérbios árabes interessantes que selecionei, muitos deles análogos a outros que conhecemos aqui no Brasil, mas expostos de um modo diverso, por isso mesmo curioso.

Como o C. Mouro comentou no post Discutindo Marx, bons provérbios, fábulas e aforismos são excelentes para produzir reflexões e, embora possam suscitar centenas de páginas em explicações – é o caso da fábula A Raposa e as Uvas -, devem ser apreendidos instantaneamente. Para bom entendedor, meia palavra basta, reza um provérbio daqui. Mesmo assim, não me furtei de comentar a maioria deles e de procurar associá-los a algum evento conhecido, nem de soltar um ou outro petardo contra Lula e B16, os pobres coitados que mais têm apanhado aqui no Pugnacitas.

Desejo também propor aos leitores que inventem um "provérbio" cuja ilustração seja a fotografia acima, de um asno tentando levantar vôo em um aeroporto brasileiro.

****

Sejamos Realistas!

- Guarda-te de fazer com as mãos o nó que deverás desfazer com os dentes.
Obs.: É fácil abrir uma empresa aqui no Brasil; difícil é fechá-la.

- Mede o tecido antes de cortá-lo.
Obs.: “Prometo 10 milhões de empregos”... Ou: de que serve a ponte de 2,9km que a Gautama construiu sobre um vão de 3,0km?

- Encomenda teu pão ao padeiro, mesmo que ele coma a metade.
Obs. Antes um bom profissional cuja comissão é alta do que um amador. Não chame um “cadista”, contrate um arquiteto, he he.

- Come verdes os teus frutos, antes que o ladrão os roube maduros.
Obs. Se tuas ações valorizaram 10% em um dia, vende-as; não espera que valorizem 20%.

- Não gaste duas palavras se uma única basta.
Obs.: Ockham que o diga.

****

Condição Humana

- Alimenta teu cão e ele guardará tua casa; faze jejuar teu gato e ele te comerá os ratos.
Obs.: Pessoas diferentes requerem tratamentos diferentes. Do ponto de vista do PT a coisa vai um pouco além. Testemunhou sobre o que acontecia na mansão onde se reunia a República de Ribeirão Preto? Devassa na conta bancária! Traiu, corrompeu, comprou votos, suspeito de envolvimento na morte do prefeito? Tapinha nas costas e um “A luta não terminou, companheiro!”.

- Bastou elogiarmos a limpeza do gato, e ele defecou no depósito de farinha.
Obs.: A meta do gabola é impressionar; tão logo ela seja atingida é bem provável que ele relaxe e seja desmascarado.

- Quando disseram ao gato que o seu excremento era útil ele começou a enterrá-lo.
Obs.: Com os árabes, criadores destes sábios provérbios, aconteceu algo semelhante. O petróleo não significava mais do que excremento para eles; as potências européias lhes disseram que era útil e eles fizeram o embargo de 1973.

- Levaram o asno para a festa de casamento: ele começou a zurrar e pedir que o carregassem com os fardos de sempre.

- Desde quando o mendigo... impõe condições?
Obs.: Se o mendigo for o laranja de um grão-vizir ardiloso, não há limites para tanto. Aqui no Brasil, integrantes do MST, MLST, PCC, UNE, entre outros baderneiros, têm a petulância de impor as condições por terem a proteção do PT e de outros partidos de esquerda. “Cão do príncipe, é príncipe também!”, diz outro provérbio árabe. Neste caso, claro, dá a entender que a consideração que temos por uma pessoa acaba se estendendo a seus parentes e amigos.

- Enquanto fores bigorna, agüenta; quando fores o martelo, bate!

- O mar brigou com o vento e quem virou foi a barquinha.
Obs.: “Sai de perto que é briga de cachorro grande”, costumamos dizer. “Numa luta entre elefantes, o prejudicado é o capim" é um provérbio africano. Em uma fábula de Esopo a doninha e a marta se engalfinhavam no sótão. Os ratos, presas costumeiras de uma e de outra, foram saindo confiantes da toca e se puseram a assistir à luta. As duas, quando se deram conta da petulância dos roedores, cessaram a briga e atacaram os ratos, matando quase todos. O provérbio indica também que quem sempre paga o pato é o coitado que não tinha nada a ver com a história.

- Por causa da rosa, a erva daninha acaba sendo regada.
Obs.: É o caso da ajuda humanitária para a África. Tem servido mais aos celerados do que aos almejados destinatários.

- É como a peregrinação a Meca: quem diz que é fácil, blasfema; quem diz que é trabalhosa, blasfema.
Obs.: É esta justamente a função das coisas sacrossantas: produzir blasfemos.

- O óleo só se extrai com a prensa.
Obs. Ou "O incenso só exala seu perfume se queimado." Update: O Bocage escreveu: "Retira este, Catellius. É o argumento de todos os ideológicos". Caro amigo, os meus melhores projetos saem quando sou "prensado" pelos clientes. Fazer o quê? Há demanda por criatividade quando você está entre um muro de 3 metros de altura e um leão faminto.

****

Para Sartre, o inferno são os outros

- A sogra já foi nora, mas... esqueceu!
Obs.: Reinaldo Azevedo e Olavo de Carvalho já foram comunistas - comunistas bem intencionados, por certo! Mas hoje tratam seus ex-companheiros como se tivessem esquecido das intenções que outrora os motivaram e dos argumentos que corromperam suas “mentes brilhantes” juvenis. Na verdade, os dois apenas trocaram o objeto de seu fanatismo. Antes sonhavam com a igualdade a todo custo, revelada por Marx, hoje dizem que aquilo foi uma “fase”, e aderem ao discurso fácil católico em prol da mesma igualdade pela igualdade, em defesa de uma alegada civilização ocidental judaico-cristã na qual os ingratos descendentes do pensamento iluminista insistiriam em cuspir. O que as duas sogras dirão quando esta fase passar?

- Na hora de comprar uma casa, examina primeiro os futuros vizinhos.
Obs.: Pedro Álvares Cabral não possuía a bacia de Nostradamus para antever as tristes figuras de Chávez e Evo Morales. São vizinhos problemáticos. Se têm problemas com suas televisões, que não venham roubar o sinal de nossa TV a Cabo...

- Visita sem presentes é melhor do que a que te traz um carneiro.
Obs.: "Mais caro é o dado que o comprado".

- Não dá trela ao desocupado: ele fará de ti a sua ocupação.

- Quando os beduínos começam a ter abundância de manteiga, usam-na para limpar o traseiro.
Obs.: Era justamente isso que o assessor do irmão do Genoino ia fazer com o abundante dinheiro do Caixa 2 petista.

- Uma mão sozinha não bate palmas.
Obs.: A união faz a força. É verdade. Em compensação, não dá para escrever um bom livro usando as duas mãos – vide as porcarias de Chico Xavier e de Gasparetto. Como disse o C. Mouro, “a união de fracos soma as forças, mas não se pode somar inteligência”. Para fazer barulho, duas mãos são melhores do que uma.

****

Vícios e Defeitos

- Defeito que agrada o sultão, vira virtude.

- Com a mentira se consegue o almoço, mas não o jantar.
Obs.: Ou “A mentira tem perna curta”. Este provérbio entra em choque com o “uma mentira repetida mil vezes vira uma verdade”. Se tivesse perna curta, se não conseguisse o jantar, as intenções do ex-inquisidor Ratzinger, que tanto fala em tolerância e liberdade, seriam sempre postas em xeque.

- Os maiores mentirosos são o jovem emigrado e o velho cujos contemporâneos morreram.
Obs.: Os apóstolos de Jesus encaixam-se perfeitamente neste provérbio. Foram jovens emigrados (ide e pregai) e velhos cujos contemporâneos morreram – martirizados à exceção de João Evangelista, ao menos segundo os mentirosos sobreviventes... Por isso a “fabula christi” é tão legal! Para alguns, contudo, os "evangelistas" moravam em Bizâncio sob o governo de Constantino.

- O rato aconselhou o dono da casa a matar o gato... e a comprar queijo!
Obs.: Sejais humildes, não resistais ao mau, não julgueis, amai vossos inimigos...

- "Cebola é um prato nobre", diz o pobre.
Obs.: "Funk carioca é meu estilo musical preferido", diz o analfabeto musical que só consegue fazer aquilo. "O Cristo Redentor é uma das sete maravilhas do mundo", diz o pobre do brasileiro...

- Quando perguntaram à mula "Quem é teu pai?", ela respondeu: "O cavalo é meu tio!"
Obs.: Quem é teu pai? - perguntaram ao filho do Vavá...

- Nunca o mercador diz: "Meu azeite está rançoso".
Obs.: Na República do Marketing o mercador, ou marqueteiro, ao invés de se calar, de se omitir, diz que o azeite rançoso será o melhor que o cliente jamais provará.

- "Que frio!", comentou o avaro quando o filho viu o sorveteiro...
Obs.: Comentário idiota: Se eu fosse filho do avaro lhe responderia: 'Mesmo no frio, tomar sorvete esquenta, papai, por causa das calorias.'

- Não te esforces por saber do luar ou do boato: ambos acabarão por chegar até ti.

- "Podem ficar tranqüilos: a raposa me garantiu que não vai mais pegar galinhas".
Obs.: B16 fala em tolerância e reza voltado para Meca em mesquita turca poucos dias após a inocente palestra de Resenburg.

- Aperta-lhe a mão, mas confere os dedos depois.
Obs.: Eu juro que vi, durante os debates de 1989 entre os presidenciáveis, o Maluf apertar a mão do Lula. Se este soubesse contar, o torno mecânico não teria sido tão difamado.

- A parede queixou-se ao prego: "Por que me perfuras?" Ele respondeu: "Pergunte ao martelo!"
Obs.: Assim pensa o indivíduo cujos valores morais lhes foram revelados, não atravessaram os neurônios antes de influenciar suas ações.

- O que é mais doce do que o mel? Vinagre grátis.
Obs.: Temos o “De graça até injeção na testa”. O povo adora embarcar em um “compre este suporte para televisão por apenas nove mil novecentos e noventa e nove reais e leve este televisor de LCD grátis”.

- Antes inimigo do príncipe do que do guardinha.

- "Desembainhou, use!"
Obs.: Ajoelhou, tem que rezar! Ou “acusou, prove”.

- Não será a bondade a recompensa da própria bondade?
Obs.: Há um outro provérbio árabe cujo significado é semelhante: “Quem comete o mal, comete-o contra si mesmo.”


52 comentários:

André disse...

Sobre a foto: o controlador do jegue é sindicalizado, está impedindo o bichinho de trabalhar! Operação tartaruga!

Essa foi a foto de q mais gostei até agora.

O pessoal que gosta de entrar aqui sob anonimato, o pessoal revoltado com os posts, só o faz pq aqui a discussão é permitida. Não entram em outros sites, muito mais agressivos, mas fechados, com área de comentários aberta mas vazia, pois não há conversa nem respostas. O fato é q eles se divertem entrando em blogs como esse.

Conhecia alguns desses provérbios. Excelentes...

“É esta justamente a função das coisas sacrossantas: produzir blasfemos.” Boa

“O que as duas sogras dirão quando esta fase passar?” O pior é q não haverá outra fase. Eles vão até o fim de suas vidas defendendo com muito bom-mocismo esse catolicismo de boas intenções e, em última análise, irrelevante. E é chato, chato.

Não dá trela ao desocupado: ele fará de ti a sua ocupação. Aplica-se aos anônimos e quejandos.

Dos Gasparetto, a pior é a Zíbia. Deve ser a leitura de cabeceira da Dona Marisa, mas duvido mesmo q ela seja capaz de ler qualquer coisa além das letras dos “dois filhos de Francisco”. Literatura psicografada ou inspirada pelos espíritos, dizem. Quanto ao Chico Xavier, sabem como é, os espíritas tem uma pequena vantagem, q pra mim faz toda a diferença: não fazem proselitismo, não torram. Pelo menos nunca tentaram me converter. O problema é q eles logo vem com aquela conversa: “eu sou sensitivo, vejo algo amarrando a sua vida, espíritos obsessores à sua volta, é por isso q vc ainda não conseguiu tudo o q quer” ou “vc é um espírito antigo, já viveu muitas vidas, já reencarnou muitas vezes, é muito evoluído espiritualmente, já foi longe nesse aprendizado...” Aí eu pergunto: “e o q é q está faltando se eu sou tão evoluído assim?” “Ah, vc tem q se dedicar aos estudos, ler os livros da doutrina espírita.” Aí a coisa empaca, pq Allan Kardec é um porre. Parece programação neurolinguística, “doutor” Lair Ribeiro. Fora q o cara escreveu trocentos livros, um mais tedioso q o outro. Ou a pessoa o lê e acha aquilo tudo revelador e maravilhoso ou vai achar um saco, puro maniqueísmo, de tão explicadinho q é o Além e sua interação com este “plano”. Outra chatice são os livros do espírito “Emmanuel”, q eles insistem em pronunciar “Emânuel” e não o simples Emanuel, por pedantismo mesmo. Esse espírito acho q já está no andar dos CEOs, dos executivos, não precisa mais voltar para este mundo sórdido pq já “completou sua jornada”. Passa a vida lá em cima mandando textos educativos pra gente aqui embaixo, afinal, ele já foi, já fez e já viu tudo. É o cara...

Eu faço concessões mentais, reservas mentais. Desconverso e faço de conta q não ouvi nada. Agora, quando um evangélico pegajoso põe a mão no seu ombro e pergunta se vc quer ser um “guerreiro de Cristo”... aí o cara está pedindo o confronto.

“Quem busca o espírito não tem espírito.” Nietzsche

- "Cebola é um prato nobre", diz o pobre. O q é “elitismo” no Brasil: não ir ao cinema ver a vida de Zezé Di Camargo e Luciano, dizer q Big Brother faz sucesso pq o povo gosta de baixaria (não por ser um “estudo psicológico comportamental sobre o ser humano “enquanto” pessoa – o que não quer dizer nada, claro), etc.

“...a diferença entre as abordagens econômicas do Oriente Médio e do Ocidente pode ser vista até em suas formas características de corrupção, coisa de que nenhuma sociedade está isenta. No Ocidente, as pessoas ganham dinheiro no mercado e o usam para comprar poder ou influenciá-lo. No Oriente, elas se apossam do poder e o usam para ganhar dinheiro. Moralmente não há difenreça entre os dois, mas seu impacto na economia e na sociedade organizada é muito diferente.” O que Deu Errado no Oriente Médio, pg. 75., Bernard Lewis, autor de A Crise do Islã e From Babel to Dragomans – Interpreting the Middle East.

Bocage disse...

Ótimo, Catellius!

Proposta para a fotografia:

Os três poderes brasileiros: Incompetência, parvoíce e megalomania.

"É esta justamente a função das coisas sacrossantas: produzir blasfemos."

Genial, Catellius. Antônio Vieira disse que a Inquisição era uma fábrica de judeus. As leis brasileiras são uma fábrica de contraventores; a inatingível proposta cristã uma fábrica de pecadores.

"O óleo só se extrai com a prensa."
Obs. Ou "O incenso só exala seu perfume se queimado."

Retira este, Catellius. É o argumento de todos os ideológicos.

"Antes inimigo do príncipe do que do guardinha."

Quanto menor o coração, mais ódio abriga. De Victor Hugo, se não me falha a memória.

Heitor Abranches disse...

Muito boa a foto como sempre.

Os provérbios estão proverbiais....hehehe.

Catellius,

O que vc acha de uma identidade visual para o blog. Proponho d. Quixote, o que acha?

Heitor Abranches disse...

Pessoal,

recebi pela internet. Vale a pena ler, ... e repassar. precisamos de conscientizar-nos.

Sds,
Sergio.


Carta aberta ao Senador Renan Calheiros

“Vida de gado. Povo marcado. Povo feliz”.

As vacas de Renan dão cria 24 h por dia.

Haja capim e gente besta em Murici e em Alagoas!
Uma qualidade eu admiro em você: o conhecimento da alma humana.
Você sabe manipular as pessoas, as ambições, os pecados e as fraquezas.
Do menino ingênuo que fui buscar em Murici para ser deputado estadual em 1978, que acreditava na pureza necessária de uma política de oposição dentro da ditadura militar, você, Renan Calheiros, construiu uma trajetória de causar inveja a todos os homens de bem que se acovardam e não aprendem nunca a ousar como os bandidos.
Você é um homem ousado. Compreendeu, num determinado momento, que a vitória não pertence aos homens de bem, desarmados desta fúria do desatino que é vencer a qualquer preço.
E resolveu armar-se. Fosse qual fosse o preço, Renan Calheiros nunca mais seria o filho do Olavo, a digladiar-se com os poderosos Omena, na Usina São Simeão, em desigualdade de forças e de dinheiros.
Decidiu que não iria combatê-los de peito aberto, descobriria um atalho, um ou mil artifícios para vence-los, e, quem sabe um dia, derrotaria a todos eles, os emplumados almofadinhas que tinham empregados, cujo serviço exclusivo era abanar , por horas, um leque imenso, sobre a mesa dos usineiros para que os mosquitos de Murici (em Murici até os mosquitos são vorazes) não mordessem a tez rósea de seus donos: Quem sabe um dia, com a alavanca da política, não seria Renan Calheiros, o dono único, coronel de porteira fechada, das terras e do engenho, onde seu pai, humilde, costumava ir buscar o dinheiro da cana, para pagar a educação de seus filhos, e tirava o chapéu para os Omena, poderosos e perigosos.
Renan sonhava ser um big shot, a qualquer preço. Vendeu a alma, como o Fausto de Goethe, e pediu fama e riqueza, em troca.
Quando você e o então deputado Geraldo Bulhões, colegas de bancada de Fernando Collor, aproximaram-se dele, aliaram-se, começou a ser parido o novo Renan.
Há quem diga que você é um analfabeto de raro polimento, um intuitivo. Que nunca leu nenhum autor de economia, sociologia ou direito. Os seus colegas de Universidade diziam isto. Longe de ser um demérito, esta sua espessa ignorância literária, faz sobressair, ainda mais, seu talento de vencedor.
Creio que foi a casa pobre, numa rua descalça de Murici, que forneceu a você o combustível do ódio à pobreza e a ser pobre. E Renan Calheiros decidiu que se a sua política não serviria ao povo em nada, a ele próprio serviria, em tudo. Haveria de ser recebido em Palácios, em mansões de milionários, em congressos estrangeiros, como um príncipe, e quando chegasse a esse ponto, todos os seus traumas banhados no rio Mundaú, seria rebatizados em fausto e opulência.; Lá terei a mulher que quero, na cama que escolherei. Serei amigo do Rei.
Machado de Assis, por ingênuo, disse na boca de um dos seus personagens: A alma terá, como a terra, uma túnica incorruptível. Mais adiante, porém, diante da inexorabilidade do destino do desonesto, ele advertia: Suje-se gordo! Quer sujar-se? Suje-se gordo!
Renan Calheiros, em 1986, foi eleito deputado federal pela segunda vez. Neste mandato nascia o Renan globalizado, gerente de resultados, ambição à larga, enterrando, pouco a pouco, todos os escrúpulos da consciência. No seu caso nada sobrou do naufrágio das ilusões de moço! Nem a vergonha na cara. O usineiro João Lyra patrocinou esta sua campanha com US 1.000.000. O dinheiro era entregue, em parcelas, ao seu motorista Milton, enquanto você esperava bebericando, no antigo Hotel Luxor, av. Assis Chateaubriand, hoje Tribunal do Trabalho.
E fez uma campanha rica e impressionante, porque entre seus eleitores havia pobres universitários comunistas e usineiros deslumbrados, a segui-los nas estradas poeirentas das Alagoas, extasiados com a sua intrepidez em ganhar a qualquer preço.
O destemor do alpinista, que ou chega ao topo da montanha, e é tudo seu, montanha e glória, ou morre. Ou como o jogador de pôquer, que blefa e não treme, que blefa rindo e cujos olhos indecifráveis intimidam o adversário. E joga tudo. E vence. No blefe.
Você, Renan não tem alma, só apetites, dizem. E quem na política brasileira a tem? Quem neste Planalto, centro das grandes picaretagens nacionais; atende no seu comportamento a razões e objetivos de interesse público? ACM, que na iminência de ser cassado, escorregou pela porta da renúncia e foi reeleito como o grande coronel de uma Bahia paradoxal, que exibe talentos com a mesma sem cerimônia com que cultiva corruptos? José Sarney, que tomou carona com Carlos Lacerda, com Juscelino, e, agora, depois de ter apanhado uma tunda de você, virou seu; pai velho, passando-lhe a alquimia de 50 anos de malandragem?
Quem tem autoridade moral para lhe cobrar coerência de princípios? O presidente Lula, que deu o; golpe do operário, no dizer de Brizola, e hoje hospeda no seu Ministério um office boy do próprio Brizola? Que taxou os aposentados, que não o eram, nem no Governo de Collor, e dobrou o Supremo Tribunal Federal?
No velho dizer dos canalhas, todos fazem isto, mentem, roubam, traem. Assim, senador, você é apenas o mais esperto de todos, que, mesmo com fatos gritantes de improbidade, de desvio de conduta, pública e privada, tem a quase unanimidade deste Senado de Quasimodos morais para blinda-lo.
E um moço de aparência simplória, com um nome de pé de serra, Siba, é o camareiro de seu salvo conduto para a impunidade, e fará de tudo, para que a sua bandeira, absolver Renan no Conselho de Ética, consagre a sua carreira.
Não sei se este Siba é prefixo de sibarita, mas, como seu advogado in pectore, vida de rico ele terá garantida. Cabra bom de tarefa, olhem o jeito sestroso com que ele defende o chefe.
É mais realista que o Rei.
E do outro lado, o xerife da ditadura militar, que, desde logo, previne: quero absolver Renan. Que Corregedor! Que Senado!

Vou reproduzir aqui o que você declarou possuir de bens em 2002 ao TRE. Confira, tem a sua assinatura:
1) Casa em Brasília, Lago Sul, R$ 800 mil, 2) Apartamento no edifício Tartana, Ponta Verde, R$ 700 mil, 3) Apartamento no Flat Alvorada, DF, de R$ 100 mil, 4) Casa na Barra de S Miguel de R$ 350 mil E SÒ. Você não declarou nenhuma fazenda nem uma cabeça de gado!! Sem levar em conta que seu apartamento no Edifício Tartana vale, na realidade, mais de R$ 1 milhão e sua casa na Barra de São Miguel, comprada de um comerciante farmacêutico, vale R$ 3.000.000.
Só aí, Renan, você DECLARA POSSUIR UM PATRIMONIO DE CERCA DE R$ 5.000.000. Se você, em 24 anos de mandato, ganhou BRUTOS, R$ 2 milhoes, como comprou o resto? E as fazendas, e as rádios, tudo em nome de laranja? Que herança moral você deixa para seus descendentes.
Você vai entrar na história de Alagoas como um político desonesto, sem escrúpulos e que trai até a família. Tem certeza de que vale a pena?
Uma vez, há poucos anos, perguntei a você como estava o maior latifundiário de Murici. E você respondeu: Não tenho uma tarefa de terra. A vocação de agricultor da família é o Olavinho. É verdade, especialmente no verde das mesas de pôquer!
O Brasil inteiro, em sua maioria, pede a sua cassação. Dificilmente você será condenado. Em Brasília, são quase todos cúmplices. Mas olhe no rosto das pessoas na rua, leia direito o que elas pensam, sinta o desprezo que os alagoanos de bem sentem por você e seu comportamento desonesto e mentiroso. Hoje, perguntado, o povo fecharia o Congresso. Por causa de gente como você!

Mendonça Neto – JORNAL EXTRA

Anonymous disse...

"Reinaldo Azevedo e Olavo de Carvalho já foram comunistas - comunistas bem intencionados, por certo! Mas hoje tratam seus ex-companheiros como se tivessem esquecido das intenções que outrora os motivaram e dos argumentos que corromperam suas “mentes brilhantes” juvenis."

E vc, Catellius, eh a sogra ateia q ja foi nora catolica. Trata elas como se tivesse esquecido das intencoes q outrora o motivaram. Nao foi o seu santo Nietzsche quem disse q nao morreria por suas opinioes mas pelo direito de te-las e de abandona-las quando quisesse?

C. Mouro disse...

Grande Catellius!
Clap clap clap!
Magnifico post. Fica dificil comentar sem repetir.

Gostei dessa:
- A parede queixou-se ao prego: "Por que me perfuras?" Ele respondeu: "Pergunte ao martelo!"
Obs.: Assim pensa o indivíduo cujos valores morais lhes foram revelados, não atravessaram os neurônios antes de influenciar suas ações.

- Muitos se abstem de julgar ao justificarem-se no lugar comum ou em ordens superiores. Uns por conveniência e outros por estupidez mesmo.

E dessa:
Levaram o asno para a festa de casamento: ele começou a zurrar e pedir que o carregassem com os fardos de sempre.

- A massa gosta de senhores fortes, já dizia o alemão e o bem o fazia o italiano, eram adorados. Muitos abominam a liberdade, temem-na por duvidarem de si. Então se agarram a pretextos para nega-la.

E essa é cruel em sua realidade:
Por causa da rosa, a erva daninha acaba sendo regada.

E essa...:
É como a peregrinação a Meca: quem diz que é fácil, blasfema; quem diz que é trabalhosa, blasfema.
Obs.: É esta justamente a função das coisas sacrossantas: produzir blasfemos.

- Moral da estória: Cale-se infiel! O objetivo é patrulhar o pensamento. Proibir que se fale ésobre algo afasta os pensamentos sobre algo.

E ESSA atingiu a perfeição, suprema!
O rato aconselhou o dono da casa a matar o gato... e a comprar queijo!
Obs.: Sejais humildes, não resistais ao mau, não julgueis, amai vossos inimigos...

É aquilo de sempre:
"Cebola é um prato nobre", diz o pobre.
Obs.: "Funk carioca é meu estilo musical preferido", diz o analfabeto musical que só consegue fazer aquilo.

- Como é evidente, a "moral do escravo" se multiplica segundo as conveniências.

E essa, ....hehehe!
Nunca o mercador diz: "Meu azeite está rançoso".
Obs.: Na República do Marketing o mercador, ou marqueteiro, ao invés de se calar, de se omitir, diz que o azeite rançoso será o melhor que o cliente jamais provará.

-...o bom marqueteiro também tentará convencer de que a maioria gosta de azeite rançoso, ou pelo menos as "melhores pessoas". Assim, "poperianamente" a profecia influencia na própria realização.

EXCELENTE POST, primoroso, como seria de esperar, pela fonte.

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Ah! sobre o "ex" trotskista que agora é militante tucano-serrista, e que posa de pretenso "capitalista" (seja lá o que isso possa ser), ele esquece que Serra, ainda fervoroso totalitário que se curva contrariado à realidade, ainda é o mesmo lixo que sempre foi. Além do que, o devotado serrista ainda não consegue se conter , e vez ou outra deixa escapar aquilo que lhe está cravado na essencia: um totalitário.
Como sempre, um totalitário marxista encontra abrigo confortável para suas manias totalitárias e simpatia por mitos hierarquizantes (senhor forte), na religião e no Estado autoritário conservador.

Lá pelo inicio da internet, numa lista de discussão eu escrevi um texto durante os debates dissertando sobre o fato de que um maníaco ideológico precisa de uma ideologia para viver, e ele a quer. Assim, a tendência destes tipos animalescos e coletivistas em essência, é trocar uma ideologia por outra a fim de persistirem sendo aquilo que são mesmo ao se desiludirem.

É fácil perceber como estes tipos continuam a se comportar exatamente com em suas "juvendudes bem intencionadas" - se é que passando dos 30 ainda se pode por a culpa na juventude. O vezo autoritário persiste nestes tipos, e como sempre foram, PERSISTEM CONTRADITÓRIOS, incoerentes, SOFISTAS, FALACIOSOS, MENTIROSOS, DETURPADORES E ETC. Não podem mudar isso, pois está na essência.

Quanto ao embusteiro filodoxo ou farósofo, é o mais descarado em seus embustes, um perfeito seguidor da moral leninista ou trotskista: o fim justifica e louva qualquer meio em seu nome utilizado. A idéia de certo e errado depende da conveniência do momento. É capaz das mais estapafúrdias mentiras e das escapadas mais indignificantes. Devia ser político. Talvez sua troca de ideologia se deva a frustração em não ter obtido o reconhecimento intelectual desejado dentre a elite marxista. ...hehehe! eles já tinham o Emir Sader, não precisavam de um Olavo. E este então investiu na ideologia vizinha que bancou-lhe o prestigio. Mas ainda é o mesmo de sempre.
Aliás, é fácil de percebermos como as religiões dos deuses antropomorficos se dão bem com a ideologia pobrista e marxista. Afinal, o deus Estado também é mágico, também é capaz de milagres, bastando que tenha os intercessores certos para que distribua seus milagres - o governo é a igreja do deus-Estado, as ordens os partidos e por aí vai....
...mas o filodoxo embusteiro, capaz do surpreendente descaramento em suas alegações levianas, em suas deturpações e afirmações falsas é atraente para os sedentos de lideres fortes, como o alemão bem o explicou em seu livro.

Quando a coisa tá na essência, muda-se o glacê, mas o bolo é o mesmo. Apenas contrariam o dito sobre "mudam apenas as moscas", produzindo um "muda apenas o cocô, mas as moscas são as mesmas".

Abraços
C. Mouro

André disse...

Nietzsche disse q não morreria por suas opiniões, mas sim pelo direito de tê-las e de abandoná-las quando quisesse.

E estava muito certo.

O intelectual deve ser imprevisível. Mudar de opinião não é falta de caráter, é uma forma de evolução. Claro q muitas vezes é puro mau-caratismo irrefletido, é ser maria-vai-com-as-outras. Mas muitas vezes não é. E quando não passa de falta de caráter, a gente descobre rápido.

Acho q eu teria me dado bem com o Catellius nora católica tanto quanto quanto me dou com o Catellius sogra atéia, ha, ha.

André disse...

C. Mouro, será q Serra não evoluiu nem um pouco? Continua um socialista fabiano ou um católico de esquerda da Ação Católica?

Eu acho q ele evoluiu, mas vc pode estar certo.

Ainda assim, é político de centro. Liberalismo econômico pra valer e uma postura direitista geral não são com ele. Nem acho q ele faria um governo melhor q o do Fernando Henrique, q teve coisas boas.

Acho q o Olavo tomou o rumo q tomou por fanatismo, filosófico e religioso, e um pouco de oportunismo. Ele sabe das coisas, mas desperdiça o próprio potencial. Reinaldo Azevedo ainda não chegou nesse nível, mas está a caminho. Já Emir Sader nem formação filosófica/cultural/intelectual tem, ele nem mesmo sabe escrever direito. Passa por intelectual para esses radicais de classe-média q lêem Caros Amigos.

“ideologia pobrista” é isso mesmo!

Jorge Sobesta disse...

Catellius,

É meio obvio , mas é o que pude pensar, originado deste :

Se Deus quisesse que os homens voassem, ter-lhes-ia dado asas

saiu esse :

Se o governo quisesse que os brasileiros voassem não os faziam de bestas hehe.

Grande abraço.

Catellius disse...

Anonymnous,

"E vc, Catellius, eh a sogra ateia q ja foi nora catolica."

e André,

"Acho q eu teria me dado bem com o Catellius nora católica tanto quanto quanto me dou com o Catellius sogra atéia, ha, ha."


Há uma grande diferença. Alguém que abandonou o comunismo na URSS e passou a criticá-lo (imaginando que não corresse perigo de vida; não corro em ser ateu) é algo mais próximo da situação de um ateu ex-religioso. Um e outro nasceram em meio a uma forte ideologia que lhe foi bombardeada em casa, na escola, nas ruas e pela mídia. No caso do Olavo e do Reinaldo, sabemos que tipos eram os comunistas brazucas. Ser comunistinha quando está na moda e abrir mão quando sai de moda é totalmente diferente de minha situação. Claro que eu sei que você, André, só está brincando. Já o anonymous é de uma estreiteza mental que dá pena, he he.

Já volto para responder ao Mouro e ao Heitor.

Hasta la vista!

Catellius disse...

Genial, Jorge!

Ha ha ha! Obrigado pela participação.

ROÇA COISA É OUTRA LIMPA disse...

Grato, Catellius, pelos esclarecimentos lá no VACA.Gostei.
Meu velho costumava dizer diante de grandes dificuldades:É mais fácil um burro voar do que...
O Jégasus aí, tá decolando ou pousando? Acho que tenta decolar, mas o "Peso" não deixa...
Coitado dos burros(os dois)he!
Vistes que lá na roça costumamos colher o que outros plantaram, não?
pois lá vai:
"O invisível e o inexistente se parecem muito."

Grande abraço

BellaMafia disse...

Óptimo, Roça! 'Jégasus', hihihi

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Catellius:

É sempre com muita satisfação que aqui te visito.
Aprende-se sempre qualquer coisa.

Vou ver se ao longo deste pequeno comentário me lembro de um qualquer provérbio... a ver vamos.

Entretanto, e a propósito de inúmeras preocupações da sociedade brasileira sobre a sua organização socio-económica permite-me que te diga que a melhor maneira do Brasil se libertar definitivamente de pseudo-políticos é apostar definitivamente na internacionalização da sua economia a todos os níveis.

Cabe á sociedade civil defender com "unhas e dentes" esta transformação económica.

Quanto mais força tiver o investimento, particularmente o investimento estrangeiro, menos influência política existe quanlquer que seja a área a referir.

Dou como exemplo a TV de que falas... se o cabo, ou a recente televisão digital terrestre, estiver em mãos privadas de investidores estrangeiros muito dificilmente esses políticos corruptos terão "tomates" para se meterem com ela.

"No Brasil é mais fácil uma mula levantar vôo com um simples arroto... do que avião levantar vôo num aeroporto."

Básico mas... foi o que deu... lol...

Um abraço,

André disse...

Jégasus, essa foi muito boa...

Marcos Vinícius Ferrari disse...

Do caramba, meu!
A foto ficou massa!
Provérbios são foda, pena que na hora h nunca me lembro de nenhum, hehe.
Um frase?

Antes o burro de peso do que o levemente burro, que nem para tração serve.

C. Mouro disse...

André,
estes tipos que fazem da política um meio de vida jamais evoluem. Eles escolhem a política como líderes ou militantes profissionais exatamente por não valerem nada. É do "sangue".
Veja bem, o, argh!, J. Serra é o sujeito que, tão baixo é, tão reles, que fez com que os planos de saúde subissem estrondosamente. O "@#$%$" sendo o lixo que é, e sem capacidade e nem disposição para fazer algo decente pela saúde, mesmo sem nada falar da adição do IPMF/CPMF desviada, valeu-se da baixeza ardilosa com a demagogia sobre os planos de saúde: lembra-se da questão da AIDS entre outras? ...pois é, o tipo fazendo-se passar por "bonznho valente", cretinamente veio com o papo safado sobre os planos, e eles tiveram que subir. Mas também o crápula fez com que planos emergentes ficassem pouco confiáveis ou iniaveis.
Mas além disso, ainda adicionou tributo aos planos e ainda veio com aquela estória de quem tivesse plano de saude e fosse atendido em hospital público, o plano teria que pagar a despesa. Tudo "em nome do bem" como sempre. Teve a pirataria, sobretudo para labs "mui amigos" e outras cositas que me vieram de terceiros, logo, não comento.

O crápula não questionou os desvios do CPMF e foi atacar os planos, na verdade fazendo viável mesmo só os grandes e caros, além de induzir a subida.

Ou seja, um tipo que ciente da situação abominável dos serviços públicos de saúde, que ele EM NADA MELHOROU, ladina e canalhosíssimamente através de ardis politiqueiros e fofocas, sabendo do mal que vai causar, ataca um paliativo para a situação, fazendo-o mais caro a fim de beneficiar a politicagem estatal; sugando recursos dos planos e adicionando-lhes custos para usufruir verba e indispor a população com os planos e ainda faze-la mais dependente dos asquerosos çirvissos púbricos de çaúde... ...um desgraçado que faz isso é o pior dos crápulas! É de uma perversidade inominável. Fora isso é sonso, não respeita nada, na minha opinião é dos mais rasteiros.
Inominável a canalhice que fez no trato com a saúde, perverso, baixo, covarde, fofoqueiro, cruel ao extremo.

Como pode um sujeito vendo a situação da çaúdi no brasiu, nada fazer de bom e ainda prejudicar aqueles que ainda se valiam razoavelmente dos planos?
Imagine alguém que, em nome do bem do consumidor, obrigiue que todos os carros devam ter os mesmos recursos de um BMW, Mercedes, Cadilac, Honda Accord e por aí! ...estaria proibindo os Unos, Celtas, Fiestas e etc.. Seria bom??? ...esse tipo seria um farsante canalha, que estaria destruindo aquisições satisfatórias, mas "em nome do bem" ...e no final, o que deu como obra do pérfido comuna sonso, que foge para o Chile antes da ameaça e ganha diploma sem estudar??? ...restou os grandes planos caros, os pequenos inviáveis e o caos na çaúdi púbrica. ...e verbas para campanhas doadas pelos beneficiados ...argh! cuisp! ...o bolchevique não muda, mas apenas se curva convenientemente à realidade, até que tenha o Poder para impor suas manias pérfidas.

C. Mouro

André disse...

C. Mouro, alguns evoluem, mas eu tenho as mesmas reservas q vc quanto ao Serra, mas muito mais quanto a outros por aí. A lista é longa e desnecessária, a gente sabe quem são os caras...

Sonso ele é mesmo! Conheço gente q trabalhou na campanha dele pra presidente, em SP, não conseguiram fazer a campanha dele decolar nem a pau, ficaram revoltados. Totalmente inexpressivo. E pessoalmente muito antipático. Tiveram problemas sérios com isso quando ele disputou a prefeitura de SP, ainda q tenha dado certo.

Simone Weber disse...

Ótimo e descontraído post, querido Catellius! Às vezes é saudável fugir um pouco da rotina.

Achei a imagem ótima!

C. Mouro, escreveste, a respeito do provérbio "Levaram o asno para a festa de casamento: ele começou a zurrar e pedir que o carregassem com os fardos de sempre":

"A massa gosta de senhores fortes (...). Muitos abominam a liberdade, temem-na por duvidarem de si. Então se agarram a pretextos para negá-la."

Como já disse Bernard Shaw, liberdade significa responsabilidade.
É esta que os covardes temem em primeiro lugar, mas terminam por temer a própria liberdade, como bem lembraste.

Beijocas a todos

Ricardo Rayol disse...

Vou usar esses provérbios para abastecer o mago esotérico oportunista Heitor Caolho, a quem tenho a honra de psicografar, de novas abordagens dicotômicas dialéticas nirvânicas.

Não esqueça da mãe de todas as blogagens. Dia 23/06 vamos enterrar com honras de Estado o Movimento Evolução. Pegue o banner aqui http://indignatus.blogspot.com/2007/06/o-enterro-do-ano-o-banner.html

André disse...

"...a quem tenho a honra de psicografar, de novas abordagens dicotômicas dialéticas nirvânicas"

Engraçada essa...

Génio Louro disse...

Um provérbio para a foto... talvez "Vozes de burro não chegam ao céu... mesmo que sejam burros que foram elevados a postos altos.."

Bocage disse...

Temamos os burros alados. O problema não está na feiúra dos "jegasus", nos zurros pela manhã e ao final da tarde, nos raros choques aéreos, mas o tamanho da merda é que deve nos preocupar.

Génio louro, as vozes dos burros podem não chegar ao céu, mas quando estão em postos altos - como é o caso de nossa classe política -, se não mata pelo cheiro acre, a chuva de excrementos pesados mata pelo impacto.

"se correr o bicho pega, se ficar o bicho come"

Lula é um asno bem mais cagão do que o Serra, mas os excrementos deste já romperam várias clarabóias de hospitais e espalharam infecção e doença, moscas e mau cheiro. Antes de louvar este pelo prejuízo do primeiro ser maior, devemos pensar se não seria melhor aparar as pontas das asas dos Equus asinus que voam por aí, ou de meter-lhes rolhas nos rabos, ou de diminuir drasticamente o capim, sempre tendo em vistas minimizar os estragos...

Bocage disse...

Porque asnos eles nunca deixarão de ser

Catellius disse...

Excelentes todos os comentários e frases! Vou ver se hoje à tarde consigo comentar alguns deles.

Bocage,

E quanto mais alto voa, pior. Um vereadorzinho lá de onde o Zé Dirceu perdeu as botas é tão fedorento quanto o Lula. Mas o primeiro voa baixo, dá para vê-lo e até derrubá-lo com uma vara de bambu. A merda ainda cai quentinha e mole, com poucas moscas, e não chega a desenvolver muita velocidade. O segundo está acima das nuvens e ao seu redor sempre há uma densa revoada de jégasus* de barriga cheia. As merdas cadentes endurecem ao contato com o ar à medida que desenvolvem grande velocidade. Sob a chuva de leis, digo, excrementos, não há nada a fazer senão viver escondido em alguma toca. Dizem que um caseiro que resolveu abandoná-la foi atingido por uma merda dura que lhe arrancou metade do rosto, uns dois ou três asnos que voavam baixo também morreram, mas os de cima disseram que foi devido a fortuitas pauladas vindas de baixo, apesar dos corpos terem sido encontrados sob uma pilha de fezes.

Abraços a todos!

*bravo, Roça

C. Mouro disse...

Cara, e rara Simone,
foste perfeita, brilhante no seu comentário:

"a liberdade significa responsabilidade.
É esta que os covardes temem em primeiro lugar, mas terminam por temer a própria liberdade"

Efetivamente o que se teme não é a liberdade, mas a responsabilidade; brilhante!

E esse temor se vale de todos os artificios para camuflar-se. Muitos praticam coisas escondendo-se da responsabilidade ao convencerem-se de que "estão apenas cumprindo ordens", e por isso não são responsáveis pelo que fazem, não devem ser julgados, da mesma forma que não julgam as ordens que recebem.
Outros se escondem na anuência com uma pretensa opinião divina: deuses não são julgáveis, suas vontades são a verdade e a virtude. Portanto, não podem ser julgados por acreditarem em deuses e fazer-lhes as vontades.
Outros apenas seguem o senso comum, justificam-se no lugar comum, e por tal também não se responsabilizam por "seguirem o seu tempo", os costumes e lá mais o raio.
Outros seguem o que dizem crer ser o certo, e por tal também não se responsabilizam por se enganarem movidos "pelas melhores intenções".
E outros e os mesmo tentam esconder até de si, muitas vezes, a responsabilidade das desgraças que causam, mesmo quando alertados. Sempre escolhem uma desculpa para se perdoarem e exigir perdão, até mesmo anuem com a moral que faz do perdão uma virtude, pois se querem indefinidamente perdoados, tanto quanto não se querem julgados e repudiados por suas canalhices, e anuem com o "não julgueis" e repetem na expectativa de serem simiescamente imitados "quem sou eu para julgar alguém?" ou "não que eu queira julgar alguém, mas...".
É mais que claro que tal virtude consensual ou moral, por consenso, há de aliciar os que temem a responsabilidade. Assim, quando imaginam um Estado provedor reinando absoluto sobre o tal de povo, logo imaginam-se diante da visão paradisíaca: nada depende de si, há um ente provedor a quem atendendo e submetendo-se tudo garantirá.

...Emfim, foste magnífica ao tocar num ponto esclarecedor, de onde muitas das desgraças têm origem, mas que fica demasiado camufludo, ninguém gosta de falar dele, é politicamente incorreto ou blasfemo tocar em certos assuntos que possam dar origem a reflexões e questionamentos. Portanto a idéia é criar tabus, é tornar profano os assuntos para recomendar o silêncio que dificulta reflexões. ...é um virtuoso "CALE-SE!" ...mas eu mesmo me afastei desse "cale-se!" sem pedir ajuda, como tantos também o fizeram.

Forte abraço
C. Mouro

Marcos Vinícius Ferrari disse...

Não podemos esquecer do ditado do Holy Father: Água mole em pedra dura tanto bate até que fura. Um dia ele converterá todos nós, kkkkkk

Marcos Vinícius Ferrari disse...

Ou

miolos moles em argumentos sólidos tanto batem até que furam

hihihihi

C. Mouro disse...

É árabe também:

"Quem tolera o mal, combate o bem"

Para a foto:
...Ao carregar a carroça que o burro vai puxar, pode ser que ele sinta-se mais leve e seus pés saiam do chão, mas, assado este momento, será ele mesmo quem terá que puxa-la; e com os pés bem fincados no chão.

Abraços
C. Mouro

Anonymous disse...

"- Mede o tecido antes de cortá-lo.
Obs.: “Prometo 10 milhões de empregos”... Ou: de que serve a ponte de 2,9km que a Gautama construiu sobre um vão de 3,0km?"

A história de uma ponte símbolo de corrupção

Vejam a ponte que a Gautama construiu no meio do mato, la no Maranhao, sem nem haver estradas para conectar...

"a empreiteira apresentou um projeto para construção da dita cuja. Recebeu a verba para tocar a obra. Só que o projeto seria totalmente falso, forjado apenas para que fosse feita uma partilha de recursos públicos, segundo investigação da Polícia Federal.
Aí, surgiu uma pedra no caminho. Fizeram uma denúncia de que a empreiteira estaria recebendo recursos por obras fantasmas. Corre daqui, corre dali, a solução para fugir de uma investigação foi: "Vamos construir a ponte". Como o projeto era totalmente fajuto, não houve outra saída. Ergueu-se a ponte que liga nada a lugar nenhum."

Lamentavel!!!!

Parabens por este excelente blogue.
Outros proverbios arabes:

Soh atiram pedras nas arvores frutiferas

Um dia do sabio vale mais que a vida do ignorante.

Nao perca tempo com justificativas. Os amigos nao precisam delas e os inimigos nao acreditarao em nada que disser.

Catellius disse...

André,

“Não dá trela ao desocupado: ele fará de ti a sua ocupação. Aplica-se aos anônimos e quejandos.”


Alguns acusam os anônimos de serem falsos, dissimulados, por não assumirem um pseudônimo – que dá na mesma, aliás – ou por não terem uma conta no blogger, enquanto eu acho que muitas dessas pessoas apenas mostram sua essência no anonimato, quando não estão preocupadas com as convenções, em impressionar, em representar o papel de costume.

--//--

Bocage,

“Retira este, Catellius. É o argumento de todos os ideológicos.”


Deixe de ser autoritário, Bocage, he he he. “Retira este...” Ha ha ha!

--//--

Heitor,

“O que vc acha de uma identidade visual para o blog. Proponho d. Quixote, o que acha? “


Putz! Já é a identidade visual do Aqui Não Genésio, do David, do blog do Janer Cristaldo e de uma penca de outros. A pena está muito ruim? Ela indica que a “pugna” não será com espadas mas com penas, pela escrita, com grande derramamento de tinta virtual. E nós combatemos gigantes de verdade, não moinhos, he he he.

Catellius disse...

C. Mouro,

Você realmente está inspirado. Tenho que começar a salvar seus comentários.

“Muitos se abstêm de julgar ao justificarem-se no lugar comum ou em ordens superiores. Uns por conveniência e outros por estupidez mesmo.”

Quando entra em vigor uma lei contrária aos seus interesses, a ICAR impõe, sob pena de excomunhão, que a pessoa se recuse a agir dentro da lei alegando “objeção da consciência”. Assim, muitos pregos só recusam ter suas cabecinhas acertadas por um martelo quando podem ficar mal com a marreta...

“estes tipos que fazem da política um meio de vida jamais evoluem.”

O quê?????? Os políticos que temos gastam milhões nas campanhas para ganhar alguns milhares de reais por mês durante quatro anos. Ou seja: qualquer um vê que eles (e os financiadores) pagam para trabalhar. São santos! Ha ha ha...

“Imagine alguém que, em nome do bem do consumidor, obrigue que todos os carros devam ter os mesmos recursos de um BMW, Mercedes, Cadilac, Honda Accord e por aí! ...estaria proibindo os Unos, Celtas, Fiestas e etc.. Seria bom??? “

Putz. Na mosca mais uma vez, Mouro. É o mesmo que se faz em licitações fraudulentas. Fazem exigências estapafúrdias que apenas a empresa que lhes molhou a mão consegue atender.

--//--

Viva Mostardinha,

“a melhor maneira do Brasil se libertar definitivamente de pseudo-políticos é apostar definitivamente na internacionalização da sua economia a todos os níveis. (...) Quanto mais força tiver o investimento, particularmente o investimento estrangeiro, menos influência política existe qualquer que seja a área a referir.”


Bravo! Concordo inteiramente. A solução, para mim, não é termos bons políticos, porque nunca aparecerão no círculo vicioso em que estamos. Eles não serão causa de qualquer coisa boa mas conseqüência. Os bons políticos apenas aparecerão quando as coisas não dependerem tanto deles para funcionar.

"No Brasil é mais fácil uma mula levantar vôo com um simples arroto... do que avião levantar vôo num aeroporto."

E com rima, ainda por cima! E não foi entre verbos da mesma conjugação no infinitivo, como fazem 99,99% de nossos “poetas” roqueiros/sambistas/sertanojos/etc.

--//--

Marcos,

Vi outro dia em uma página esportiva um tal Marcos Vinícius Ferrari Oliveira, nadador. É você?

Catellius disse...

Simone,

“liberdade significa responsabilidade.
É esta que os covardes temem em primeiro lugar, mas terminam por temer a própria liberdade”


Faço coro com o C. Mouro. Falando em provérbios, o ócio é a oficina do diabo; a preguiça, o comodismo, a irresponsabilidade de muitos permitem que poucos mal-intencionados ajam livremente.
Alguns escravos ainda sonham com a liberdade, alguns a desejam com tanto ardor que escapam para o mato, para um universo desconhecido, inseguro, e outros se contentam com as rocinhas que os Senhores de Engenho lhes dão para que plantem suas batatinhas e se sintam sócios da grande fazenda. Que lhes importa os vergões nas costas? São sócios do Rubem de Falco, do Leôncio, ha ha ha.

--//--

Ricardo Indignatus,

Meus pêsames pelo fim do movimento evolução. Aposto que o próximo movimento será uma evolução em relação a ele. Como este é um post de provérbios, lembro que às vezes é necessário dar um passo para trás para tomar impulso para o grande salto – isto é bem batido mas verdadeiro.

--//--

Anonymous,

Não é nada do que parece. A Gautama constrói as pontes para Terabithia. Embora não haja nada do outro lado, basta que você imagine um reino mágico onde o “Sir Ney” é um sábio sultão, sua filha uma linda princesa cujo marido, Jorge Murad, é o onipresente e justo grão-vizir Lunus, que possui 1,3 milhão de qualidades.

Abraços a todos!!!

ielpo disse...

Catellius

É uma honra receber sua visita e seu convite. Tentarei contribuir de alguma forma com um post que está excepcional!

Este provérbio é um pouco agressivo, mas cai bem, no meu entendimento, para a situação ilustrada no post:

Um povo sem gente grosseira está perdido

Ou como se diz aqui nas Gerais, numa correspondência meio jeca: "Enquanto existir cavalo no mundo, São Jorge não anda a pé"

A preguiça e leniência típicas do povo brasileiro são como a Transamazônica, não leva ninguém a lugar algum. Mansamente aceitamos todas as mazelas impostas por um governo descarado e imoral, que nós mesmos elegemos, e não temos força para confrontar.

Não acho que um povo composto apenas por gente grosseira também seja a solução, mas uma pitada de reatividade e ousadia são capazes de mudar muita coisa.

Mas, aqui no país tropical, abençoado por deus e bonito por natureza, parece que o esporte nacional é reclamar sempre, desde que a cerveja no boteco esteja garantida... agir? pede a saideira que é mais negócio...

Abraço, e parabéns a todos pelo blog... altíssimo nível!

Ielpo

C. Mopuro disse...

Não é provérbio, mas tá valendo:

"Até quando as pessoas de bem ficarão à mercê dos canalhas?
Até o dia em que as pessoas de bem tiverem a mesma ousadia dos canalhas."

E vai agora um:

"Quem muito se abaixa, o furico aparece"
...hehehe! o do tal de povo está já exposto à sanha estatal.

"Quem tem por hábito usar a força para conseguir o que quer, tem por habito querer sempre mais"

"Povo que se corrompe ambicionando o Poder, permanece sempre *fudido, enganado até morrer."

"Faz mais o bem um honesto malvado do que um bonzinho safado."

Abraços
C. Mouro

Roberto Eifler disse...

Caro Catellius:
Mudei o nome de meu blog de "Enfim, um Blog Conservador!" para "Ideologia e Biologia". Meu objetivo era desenvolver as bases de um pensamento conservador, mas as coisas foram recuando, recuando, já estou tentando explicar a base do próprio pensamento, depois de 70 posts ainda estou no recém-nascido, achei melhor usar um título mais genérico.

Não tenho participado muito dos comentários do Pugnacitas, mas sempre venho lendo-os com muito prazer, assim como a seus textos.
Um abraço.

Glênio Gangorra disse...

Como militante esquerdista engajado comemoro, em nome de todos os jegues vermelhos e dos guerreiros da liberdade social nacional-democrata bolivariana, o encerramento de mais um blog imperialista. Um ajuntamento de liberticidas reacionários com o intuito de prevaricar e deturpar o grande trabalho que nosso amado Lula, nosso amado Hugo Chávez, o absoluto Fidel, o impagável Evo e tantos outros representantes do real desenvolvimento econômico mundial.

Saudamos a morte tardia. Viva a revolução bolivariana.

José Rodolfo disse...

Que bom que esse cara foi o último a postar. Me deu a chance de escrever (quase) qualquer coisa aqui que não vai parecer tão ruim quanto ao comentário dele.

Mas vamos aos burros.

Se Santos Dumont se suicidou por causa dos aviões em guerra, será que ele ressucita com essa guerra pelos aviões?

Não é provérbio, porém é um começo. Até mais, e ótimo blog.

Ricardo Rayol disse...

Catellius, sua análise das coisas sob a ótica proverbial é de uma acertividade genial. Por esse ponto de vista estamos é ferrados.

Bocage disse...

Rodolfo,

"Se Santos Dumont se suicidou por causa dos aviões em guerra"

É o pueril motivo alegado pelos que não conseguem separar o personagem histórico, o herói, do homem falível, limitado. Não é possível imaginar alguém se matando por causa disso, é inverossímil, ainda mais que os aviões usados na 1ª guerra mundial não eram evoluções de algo que Santos Dumont produzira mas pertenciam a um outro ramo independente. O avião teria aparecido com o brasileiro ou sem ele. Ele não é o pai da aviação. É um tio que morreu sem deixar filhos.

André disse...

Acho q Dumont foi UM dos pais da aviação, ela teve vários pais. Será q teve alguma mãe?

Se ele realmente se matou por ver os aviões sendo utilizados na I Guerra, acho infantil.

Dizem q se matou por desilusão amorosa (homossexual). Ele era bem viadinho (nada contra os gays), todo, todo... Excêntrico, também. Mas parecia ser o maior viadinho. Evitava investidas femininas, isso se sabe.

C. Mouro disse...

pô! Dumont, uma biba?
...quanto mais vivo mais me decepciono.
O brasiu não tem salvação mesmo, até os ídolos da massa pisam na bola de alguma forma - tb nada tenho contra, já que nenhum mal fazem a ninguém por isso, digo apenas por ser culturalmente é mau visto.

...vi ontem na TV, num desses canais obscuros, um bosta com o discurso sindical do sec IXX. O pretenso rufião de assalariados reclamava da possível flexibilização das leis trabalhiostas. Parecia defender a estabilidade no emprego, e demissões só se a empresa tivesse em dificuldade financeira comprovada. Claro que tudo sob o vigilante olhar-cafetão de um sindicalista, embora tais parasitas absolutamente inútil aos assalariados:
Se o sujeito está desempregado e passando necessidade, o sindicalista NADA FAZ E NEM É CAPAZ DE FAZER por ele, mas aí, um gananciuoso empreendedor cria uma empresa, investido, e dá emprego para o desgraçado ...PRONTO! ...o0 RUFIÃO SAFADO logo aperece para fazer galanteios, como um gigolô brocha, e indispor o assalariado com o patrão atraves de suas fofocas safadas. E assim, ao mostrar o quanto o patrão é ganacioso e malvado, e por ele odiado, conquista o assalariado fazendo-se grande amigo e protetor deste assalariado cafetizado por um gigolô sindical.
....assim, já que o sujeito está empregado e ganahando seu salário, o rufião quer a sua parete por "protegê-lo" do malvado patrão.

Puta que pariu! ...esse merda de assalariado não percebe que o rufião não lhe serve de nada, apenas se locupleta, amparado nas leis dos cafetões da miséria, e ainda se faz autoridade sobre o tal assalariado, servido apenas para enterrar na cabeça estúpida dos assalariados que o governo é um bem em si, devendo apenas ser ocupado pelos (inúteis rufiões) que se dizem defensores dos oprimidos.

PQP! e os tais de assalariados ainda abanam o rabo para estes inúteis que servem apenas à politica estatal, ao Poder, e por isso o Poder lhes garante o custeio, para fazerem-se pregadores da ideologia que dá suporte ao Poder estatal, que explora apopulação como se um rebanho.

...essa é a verdadeira luta de um grupo (o Poder) contra os que produzem (o trabalho).
Sindicalistas são meros rufiões, são parasitas, vagabundo que não querem viver do trabalho, e então passama viver como os antigos rufiões e gigolôs. ...PQP! nem as prostitutas caem no papo dos rufiões mais, ...mas os assalariados sem vergonha na cara ainda se apaixonam por estes parasitas vagabundos! ..exploradores, strictu senso, de trabalhadores, pois que absolutamente inúteis à estes. aparecem apenas depois que um empreendedor cria o emprego produtivo para sugar-lhes o sangue: dos patrões e assalariados.
...CUISP!

Abraços
C. Mouro

Bocage disse...

Bem lembrado, André,

Os aviões que tiravam o sono de Santos Dumont eram angulosos, de seda e bambu. Eu prefiro os cheios de curvas feitos de carne e osso.
Tanta gente morreu sem abandonar o armário... Mazzaroppi mesmo; segundo o ator David Cardoso, em um intervalo de filmagens o caipira teria metido a mão nas suas partes pudendas, para seu assombro.

Anonymous disse...

Parece que no Cairo ha o mesmo problema de jegues voadores:

http://www.youtube.com/watch?v=Orh-Z0Ytk4U

André disse...

Eu gosto do símbolo do D. Quixote, o problema é q há centenas de sites com ele. Sites bons, porcarias, não importa.

Nossa, Catellius, Rubem de Falco, ele era bom. Sua cultura trash é maior do q a minha. Daqui a pouco Odair José vai aparecer por aqui.

O Jegue Vermelho voltou... ele é engraçado.

Exatamente Bocage, Santos Dumont gostava de exibições excêntricas em Paris (não só as de aviação, teve aquela do restaurante onde todas as mesas e cadeiras tinham 2m ou lago assim, todo mundo ficava lá no alto, o maior incômodo, parecia quadro do Salvador Dalí...) e muitas gatinhas flertavam com ele, mas ele era todo pudico. Sabe-se q ele era ou neutro, assexuado, ou sei lá, uma bicha não realizada, uma bicha virgem. Mas que havia algo ali, havia. Ele tinha dezenas de amigas, mas sabe como é, não avançava o sinal. Acho q gostava mesmo era de tocar papel de carta com as mademoiselles... Já com os monsieurs, prefiro não saber o que acontecia.

Mazzaroppi era gay? Essa é novidade pra mim. Dizem q entre esses atores “famosos” dos anos 70 pra cá, esses todos aí q hoje fazem papéis de pais e avós nas novelas da Globo (os mais decadentes eles desenterram pra trabalhar em Malhação), um monte deles é gay. Não duvido. E o q deve haver de ex-viciados ou viciados ocasionais. Essa gente é toda da época em q a cocaína era a “coqueluche” (porra, q palavra brega q acabei de usar...), em que whisky era Natu Nobilis e Odete/Odeio-te (Old Eight) e carro era Opalão “poçante” (devidos às poças de óleo q ele deixava), Landau, Galaxy e Maverick V8. Carros de macho (até parece...)

Por falar nisso, nosso cinema anda muito comportadinho, querendo ser moderninho, descolado, copiando sitcoms americanas ou querendo dar uma de “cinema de arte”, cabeça e derivados. Uma parte da produção é daqueles Salles, a família de esquerdistas q adora puxar o saco do Zé Dirceu e fazer documentários mostrando miséria, miséria, miséria. Eu acho q eles tiram proveito de todos aqueles pobres q alimentam suas películas, a pretexto de “mostrar o que a sociedade não quer ver”.
Todo ano, vejam aí, saem documentários ressuscitando algum episódio dos “anos de chumbo” (outro termo jeca, ai, ai) e exaltando os nossos heróis da resistência, q hoje resistem bravamente sentados na cadeira de alguma diretoria de estatal.

Depois tem os “baseados em fatos reais”, com aqueles jovens sujinhos, de barba, gritando puerilidades como “é proibido proibir” e falando palavrão enquanto lutam contra o sistema assaltando bancos pra "financiar a revolução". É sempre a mesma coisa, que saco! Um é sempre frio, com olhos de Lênin, outro, um idiota q só está naquela pra matar aulas, e não pode faltar a jovem idealista q sonha em ir pra Paris em 68, o inocente útil q é colhido pelas circunstâncias, os pais, “caretas” (sempre tem uma tia velha da UDN, na Marcha com Deus pela Família e Liberdade, há, há), o policial do DOI-CODI ou o militar sádico repetindo bobagens de manual de torturador (tudo bem, a gente sabe q essas coisas aconteceram, mas eles representam de um jeito q parece reconstituição de crime do Linha Direta, é muito tosco!), o torturador com crise de consciência, e por aí vai...

Lembram do cinema nacional dos anos 70 para os 80? Acho aquilo um lixo, e era, mas pelo menos era mais divertido. Os caras pareciam não ter compromisso com nada. As histórias eram ridículas, os diálogos, forçados, e se vc tirasse o sexo, o filme não passava de 10 min. De duração. Uma porcaria, mas os caras ao menos eram autênticos. Dizem q era por causa da ditadura, não sei. O regime proibia tudo, então eles apelavam pro sexo. Duvido, eles queriam era fazer aquilo mesmo. Em tempos pré-Aids o negócio era beeeem mais embaixo...

E os atores? E ator é a palavra certa? Havia os bons, mas a maioria... lembram do Antonio Pitanga? É o atual da Benedita da Silva. A vi uma vez num shopping aqui em Brasília. Dantesco. Me senti diante do Mussum, Kid Mumu da Mangueira, quando este se vestia de mulher. Olha o racismo, André, crime inafiançável!!!

Um sem fim de nojentos de óculos Ray Ban movidos a álcool e alucinógenos.

Mas ainda prefiro os filmes do Walter Hugo Khouri ao q se tem hoje, tirando um ou outro.

André disse...

errata: Dumont TROCAVA papel de carta com as mocinhas...

Catellius disse...

Olá amigos!
Obrigado pelos comentários, Eifler, Ielpo, Glênio (ha ha ha) e José Rodolfo.

Parece que Santos Dumont tinha um affair com um amigo íntimo. Já havia rumores sobre sua viadagem naquela época mesmo. O escândalo que envolveu o revelado homossexualismo de Oscar Wilde e sua humilhante prisão ainda metiam medo nos bibas célebres, que tinham medo de ver suas carreiras arruinadas por revelarem algo que poderia muito bem continuar entre quatro paredes, literalmente. Por isso mesmo o baixinho destruiu todos os seus diários e anotações pessoais quando retornou ao Brasil. O motivo de seu suicídio não foi a depressão, agravada por anos de conflitos internos, nem o uso de aviões em guerras. Talvez quando ficou sabendo que nascera o senhor da guerra, Donald Rumsfeld, Santos Dumont tenha dado cabo da própria vida, poucos dias depois...
Bom, dizem que ele militou para que aviões não fossem utilizados militarmente, mas é claro que ninguém lhe deu ouvidos.

Abraços a todos

David disse...

- Enquanto fores bigorna, agüenta; quando fores o martelo, bate!

Eu conheço esse como um ditado da Cosa Nostra...

Será que eles já andaram pelas Arábias? Explicaria muita coisa.

Anônimo disse...

- Enquanto fores bigorna, agüenta; quando fores o martelo, bate!

a mesma coisa que o

- Alimenta teu cão e ele guardará tua casa; faze jejuar teu gato e ele te comerá os ratos.

cada um com sua capacidade, cada um com sua função. muita coisa boa só pode ser feita assim, com bigorna e martelo, não dá certo com dois martelos ou duas bigornas.

André disse...

Historinhas!

Em 1825, já completamente surdo, Beethoven foi assistir a um ensaio fechado de um grupo que iria executar o seu Quarteto em mi bemol maior op. 127. Um dos violinistas, Joseph Böhm, registrou o episódio: "O infeliz estava tão surdo que não podia ouvir o som celestial das suas próprias composições". Para espanto de todos, porém, Beethoven chamou a atenção do grupo para os menores erros de execução. "Seus olhos seguiam os arcos, e assim ele era capaz de notar as menores flutuações no tempo ou no ritmo, e corrigi-las na hora", anotou Böhn.

Conta-se que um dia Beethoven foi visitar o irmão mais novo, Johann, que a essa altura era um homem rico. Na entrada da mansão, um criado ofereceu-lhe, numa salva de prata, um cartão de visitas onde estava escrito: "Johann van Beethoven, proprietário de terras". O compositor pegou o cartão e, instantes depois, devolveu-o ao criado, após escrever no verso do papel a seguinte anotação: "Ludwig van Beethoven, proprietário de um cérebro".

Anônimo disse...

Vc é um "arabezinho de merda"
ou um "judeuzinho de merda"
Se não tá feliz com a pátria que acolheu teus antepassado, volta para a merda de onde eles vieram

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...