19 abril 2007

"Santo Subito"

Mais de um bilhão de ouvintes e telespectadores nos quatro cantos da orbe escutaram a voz de deus a bradar “Santo Subito” por meio dos trezentos mil fiéis e curiosos apinhados na Praça de São Pedro que recomendavam aos vermes dos porões da basílica, construída com os dividendos da venda de indulgências, o corpo de Karol Wojtyla, ex-teocrata do único Estado do mundo onde não há partos (embora não seja possível conceber o número de concepções que se deram sob os olhares dos santos de pedra, bronze e têmpera que habitam os aposentos secretos).

“A voz do povo é a voz de deus”, diz o povo, ou seja, deus. Embora seja sabido que um padre polonês e membros da igreja de seu país distribuíram às pessoas os cartazes com o despacho e tenham puxado o coro popular, indicado a deus o que deveria berrar, em nome deste clamor JPII foi beatificado pouco mais de um mês após sua morte, em um discreto atropelo do Código de Direito Canônico vigente.

Para a canonização não será imprescindível procurar por um milagre, uma vez que os advogados eclesiásticos já têm à mão Marie-Simon-Pierre, uma religiosa de 46 anos que assegurou, tremendo dos pés à cabeça de emoção, ter sido curada de maneira inexplicável do mal de Parkinson graças à intercessão de JPII. De maneira inexplicável ou inexplicada? Quando se tem muita fé nos médicos, como é o caso dos religiosos, tão afeitos a ter fé, se os doutures não explicam algo ele passa automaticamente a ser “inexplicável”. Segundo Carlos Esperança, a Igreja Católica se dá ao luxo de esconder milagres provados: "a impunidade do homicídio do chefe da Guarda Suiça, da mulher e de um soldado. O Vaticano atribuiu o assassínio do casal ao último, que se suicidou com a mesma pistola e uma bala de calibre diferente. Milagre!"

Mais de vinte anos antes, deus já se esforçara em transformar JPII em “Santo Subito” através do martírio - o que reduziria sobremaneira a burocracia para sua canonização. Preparou tudo para que o instante glorioso se desse logo após a bem sucedida morte de John Lennon, que o havia ofendido ao dizer que sua banda de rock era mais famosa que seu filho, mas na hora H, em uma grave ingerência celestial, a Senhora de Fátima desviou os projéteis disparados por Ali Agca, os quais acertariam a cabeça do Papa, para outras partes do corpo. Bem que lhe ocorrera desviar totalmente de JPII as balas, mas lembrou-se que ainda não havia um padroeiro para o mal de Parkinson, e assim achou por bem fazer a coisa ao seu modo. Revelaram-me (ao que não acreditar cabe desmenti-lo) que a Virgem de Guadalupe, que no momento do atentado estava em Cancun ajudando um porto-riquenho a vencer uma partida de arremesso de dardos, zombou da pontaria da portuguesa, e desde então as duas não se falam. Nossa Senhora Aparecida, que segundo os preconceituosos entrou para o panteão romano pelo mesmo sistema de cotas que beneficiou São Benedito, tentou ser a mediatrice, mas as duas não lhe deram ouvidos.

Os percalços foram superados. Karol será mais um semideus da religião que é, na verdade, o próprio politeísmo do Império Romano travestido na heresia judaica chamada cristianismo, cuja sede nunca deixou de ser a Cidade Eterna. “Por que semideus?” – pergunta o católico indignado – “O santo é tão somente um exemplo. Se um parente pode rezar por mim, por que um santo não pode fazê-lo?” Ora, ele ganha poderes especiais após a morte, passa a ser onipresente, já que de qualquer canto do universo poderá ser acionado por meio de preces, ainda que feitas de maneiras diversas por um bilhão de pessoas ao mesmo tempo; passa a ser praticamente onisciente, já que desmascara aquele que mente, o que pensa mal de si, terá presciência; e passa a ser quase onipotente, já que os fiéis, cansados da burocracia de terem de pedir por intercessão, pedincham as coisas diretamente ao semideus, sem delongas, chamando-o de poderoso, conferindo-lhe especializações, invocando-o como casamenteiro, protetor de viajantes, de doentes, etc. Se fossem meros intercessores, por que motivo Júpiter, oops, deus deixaria de atender a um pedido de São Paulo - que no Novo Testamento manifestou-se contra o casamento - para que uma beata encontrasse um varão para chamar de seu, mas atenderia o mesmo pedido feito pelo mesmo créu a Santo Antônio, o casamenteiro oficial?

E qual seria a especialidade de Bento XVI, que acabou de entrar na casa dos 80 e já trilha o caminho da santidade, antevista nas conciliadoras palavras da palestra de Regensburg, no legítimo combate ao secularismo? Padroeiro das raposas? Dos criadores de Rottweilers? Padroeiro do justo conclave? O tempo dirá...

93 comentários:

André disse...

Essas fotos de abertura de post q vcs usam já são a marca registrada do site. Legal...

Sabia q dentro do Vaticano, o “país” mesmo, há um hospital para tratar freiras e padres com aids? Ou, se não fica lá, é claro q deve ter algum em algum outro lugar na Itália. A população é pequena, mas quem trabalha lá ou, enfim, tem a tal cidadania, compra de tudo sem impostos. E há uma senhora free shop lá dentro (essa é confirmada).

Uma free shop divina! Quando eu morrer quero ir pra lá.

Pois é, né? O processo de beatiicação e o de canonização são lentos como lesmas. E com ele foi bem diferente.

A medicina realmente não explica certas coisas, como a rara mas possível regressão rápida de tumores e doenças degenerativas, mas isso não é motivo pra desacreditar ou descartar o médico. E quando a religião se mete no meio, com uma pílula de Frei Galvão ou coisa do tipo, já era. O povo (DEUS) dá sua sentença, já era...

Aquela história do guarda suíço (e eles são soldados letais, não se engane com aqueles uniformes bonitinhos, afinal, os padres sabem q precisam de uma segurança decente e estão certíssimos nisso) foi muito mal contada.

Ali Agca foi usado pela KGB, acho. Os russos detestavam a atuação de JP no degelo da Europa Oriental. Mas a coisa toda é de conhecimento de uma meia dúzia lá dentro, uns já devem ter morrido, e a KGB tem círculos mais profundos do q os do Inferno de Dante. Acontece lá, morre lá.

Certo, o santo é um semideus, raspada a conversa fiada.

Eu fico com as minhas Fúrias, as Erínias greco-romanas. Elas são mais confiáveis.

E Bento XVI vem aí, o Padroeiro das Waffen SS!

Brincadeirinha, pessoal...

C. Mouro disse...

Grande Catellius! ...hehehe!
Excelente artigo, com aquele bom humor genial.
Clap! clap! clap!
.
Queria destacar todos os trechos do brilhante e bem humorado artigo, mas aí destacaria praticamente todo o texto.
.
"O Vaticano atribuiu o assassínio do casal ao último, que se suicidou com a mesma pistola e uma bala de calibre diferente. Milagre!"

...hehehe! um diamante!
.
"Revelaram-me (...) que a Virgem de Guadalupe, que no momento do atentado estava em Cancun ajudando um porto-riquenho a vencer uma partida de arremesso de dardos, zombou da pontaria da portuguesa, e desde então as duas não se falam. Nossa Senhora Aparecida, que segundo os preconceituosos entrou para o panteão romano pelo mesmo sistema de cotas que beneficiou São Benedito, tentou ser a mediatrice, mas as duas não lhe deram ouvidos."
.
...hehehe! ouro puro!
A diversão faz os problemas um tanto insignificantes.
.
Grato pelo delicioso texto,
um forte abraço
C. Mouro

Heitor Abranches disse...

Queria propor a canonização antecipada do Lula. Afinal, a estória dele é quase mitológica. Já vejo o seriado na Grobo estilo JK mostrando a trajetória de vida ao com uma música sertaneja ao fundo.

Take 1: Eles no sertão passando fome com a mãe;
Take 2: A falta de notícia do pai que está em São Paulo;
Take 3: Todo mundo em cima do caminhão com a mãe;
Take 4: O sofrimento da viagem...poucos diálogos;
Take 5: O impacto de Sum Paulo;
Take 6: A fome e o desconforto;
Take 7: O encontro com o pai com outra mulher;
Take 8: A vida num quartinho em cima de um bar;
Take 9: A força moral da mãe;
Take 10: Lula sendo obrigado pelo irmão a vender amendoim;
Take 11: Lula se formando como torneiro mecânico;
Take 12: Lula trabalhando (cena única no filme);
Take 13: Lula se casando e sua mulher ficando grávida;
Take 14: Lula perdendo o filho, a esposa e o dedo (ponto baixo da vida); (virada)
Take 15: Lula começando no sindicato e sendo eleito diretor;
Take 16: o encontro com d. Marise, um recomeço;
Take 17: Ele sendo preso pelo regime militar;
Take 18: Ele pedindo para ao delegado para visitar o leito de morte da sua mãe
Take 19: Ele se elegendo presidente do sindicato;
Take 20: Sua liderança na greve de 80 e sua fuga para o sítio;
Take 21: A fundação do PT;
Take 22: A derrota para o Collor em 89 e tomando um uísque com a Globo;
Take 23: O fim da URSS e as derrotas para FHC
Take 24: o reshape do PT com Zé Dirceu e o marketing de Duda Mendonça;
Take 25: a vitória na candidatura presidencial;
Take 26: O Mensalão
Take 27: A salvação de milhões de pobres;
Take 28: A morte do grande Lula aos 101 anos e sua canonização como o grande líder brasileiro do século XXI e curandeiro...

Heitor Abranches disse...

Após passar 30 anos no poder no melhor estilo africano.

André disse...

Take 12: Lula trabalhando vai exigir CGI, computação gráfica pesada, pq é muito irreal.

Trilha sonora: não só breganeja, mas também muita MPB "de conscientização social", "cabeça".

Na verdade ele deve morrer de tanto tomar "mé", como diria Kid Mumu da Mangueira, o grande Mussum, Suíço, Fumê... Mas é claro q vão inventar outra causa mortis.

Ah, sim, e ele ainda vai ressuscitar e fazer o sertão virar mar...

...e o mar virar sertão.

Zé Dirceu terminará administrando a Fundação Luis Inácio, substituta da Perseu Abramo.

Lula deve ter um retrato de Mobutu Sese Seko, outro de Olosegun Obasanjo, presidente da Nigéria q esteve aqui num 7 de setembro, e mais um do seu grande amigo sei lá quem, o presidente vitalício do Gabão. Só gente fina.

C. Mouro disse...

E será o santo padroeiro dos cafetões, gigolôs e rufiões.
Afinal, até hoje, ainda não consegui perceber a diferença entre um rufião e um sindicalista. Talvez apenas pelo sindicalista ser um rufião oficializado.

Pô, só no feudo bananéio um sujeito que trabalhou por 6 anos (o resto foi sindicato) tornou-se o maior representante dos trabalhadores ...hehehe!
braziuuuuuuuu uiuiuiuiuiuiuuuuu! tchan tchan tchan!
.
...hehehe!
C. Mouro

André disse...

O rufião pelo menos ainda tem um código de conduta. Uma pontinha de ética profissional.

André disse...

O rufião pelo menos ainda tem um código de conduta. Uma pontinha de ética profissional.

Heitor Abranches disse...

Como a estória ainda anda pela metade...

Hj enquanto a Dilma administra ele planeja o seu futuro político.

Dizem que ele tem dois planos, o A e o B.

No A, ele vai de novo para ficar mais 5 anos em 2010 com o fim da reeleição.

No B, ele vai de novo em 2014 para ficar até 2022 e comemorar os 200 anos da independência do Brasil.

fdp

André disse...

Fdp, totalmente

Ou ele tenta voltar logo ou deixa pra mais tarde. Enquanto isso, sua gente vai parasitando o q dá. E os outros partidos são todos formados por uns mariolas de rabo preso, com uns poucos decentes, porém impotentes, e todo o resto conivente.

André disse...

E vai tentar tirar casquinha dos 200 anos da Independência, dizendo q "nunca antes na história destepaiz"... o resto a gente já sabe.

Vou indo. Até amanhâ.

Bocage disse...

Artigo HILARIANTE, Catellius. E hilariante foi o bem estruturado esboço de roteiro preparado pelo Heitor. Rir é sempre o melhor remédio!

Bocage disse...

Catellius,

Parabéns mais uma vez pelo teu texto, a Blasfémia é a melhor defesa contra o estado geral de bovinidade

e para rir um pouco mais:

Os Fósseis São Artefactos do Diabo

Ricardo Rayol disse...

Tudo muito suspeito isso sim.

Heitor Abranches disse...

Aqueles que planejam revoltas populares ou chegar ao poder agem de acordo com uma regra: comece pelos futuros fanaticos, prossiga com os tibios mas suscetiveis, esqueca seus inimigos ate que voce (seu projeto) se torne inevitavel...e, entao, cumule os pagaos com bondade e lhes de boas vindas por sua chegada tardia ao rebanho.

Tom Peters

C. Mouro disse...

Yehhh!

"comece pelos futuros fanaticos, prossiga com os tibios mas suscetiveis, esqueca seus inimigos ate que voce (seu projeto) se torne inevitavel...e, entao, cumule os pagaos com bondade e lhes de boas vindas por sua chegada tardia ao rebanho."

...primeiro o mais fácil para fazer volume; evite confronto onde a derrota é certa; conquiste simpatias dentre a tropa inimiga, é bom para desestimular reações, pois gera alguma discórdia; abra as portas para os dissidentes alheios, isso abaixa o moral alheio e ainda faz volume com descartáveis.
...bem ao estilo "arte da guerra".

Essa regra é norma para embusteiros em geral.
Brilhante observação, caro Heitor!

Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Ah!

- (...)evite confronto enquanto a derrota é certa(...)
.
è importante atentar para as infiltrações, abrindo as portas mas sem entregar a "chave", procurando não ser usado.
.
Abraços
C. Mouro

Catellius disse...

Amigos,

Estou de mudança para o prédio em frente, e dei uma ligada no computador antes dos "homi" o encaixotarem.

A propósito, como odeio livros... Compramos de um em um mas na hora de transportar o conjunto é um parto, he he E aparece cada coisa... "Quem comprou este dicionário quechua-espanhol?" he he

Amanhã quero entrar aqui e participar do debate.
Abraços a todos

André disse...

Mudanças são sempre um saco, por mais curta q seja a distância.

Encaixotar livros, então... uma vez tive q dar e vender alguns, antes q fosse expulso de casa por papel.

Mas depois q vc se estabelece no lugar novo, até esquece de como era o antigo.

Boa mudança pra vc

Heitor Abranches disse...

PÔR FIM AO GOVERNO LULA
ROBERTO MANGABEIRA UNGER

(Publicado na Folha de S. Paulo em 15 de novembro de 2005)
AFIRMO que o governo Lula é o mais corrupto de nossa história nacional. Corrupção tanto mais nefasta por servir à compra de congressistas, à politização da Polícia Federal e das agências reguladoras, ao achincalhamento dos partidos políticos e à tentativa de dobrar qualquer instituição do Estado capaz de se contrapor a seus desmandos.
Afirmo ser obrigação do Congresso Nacional declarar prontamente o impedimento do presidente. As provas acumuladas de seu envolvimento em crimes de responsabilidade podem ainda não bastar para assegurar sua condenação em juízo. Já são, porém, mais do que suficientes para atender ao critério constitucional do impedimento. Desde o primeiro dia de seu mandato o presidente desrespeitou as instituições republicanas.
Imiscuiu-se, e deixou que seus mais próximos se imiscuíssem,em disputas e negócios privados. E comandou, com um olho fechado e outro aberto , um aparato político que trocou dinheiro por poder e poder por dinheiro e que depois tentou comprar, com a liberação de recursos orçamentários, apoio para interromper a investigação de seus abusos.
Afirmo que a aproximação do fim de seu mandato não é motivo para deixar de declarar o impedimento do presidente, dados a gravidade dos crimes de responsabilidade que ele cometeu e o perigo de que a repetição desses crimes contamine a eleição vindoura. Quem diz que só aos eleitores cabe julgar não compreende as premissas do presidencialismo e não leva a Constituição a sério.
Afirmo que descumpririam seu juramento constitucional e demonstrariam deslealdade para com a República os mandatários que, em nome de lealdade ao presidente, deixassem de exigir seu impedimento. No regime republicano a lealdade às leis se sobrepõe à lealdade aos homens.
Afirmo que o governo Lula fraudou a vontade dos brasileiros ao radicalizar o projeto que foi eleito para substituir, ameaçando a democracia com o veneno do cinismo. Ao transformar o Brasil no país continental em desenvolvimento que menos cresce, esse projeto impôs mediocridade aos que querem pujança.
Afirmo que o presidente, avesso ao trabalho e ao estudo, desatento aos negócios do Estado, fugidio de tudo o que lhe traga dificuldade ou dissabor e orgulhoso de sua própria ignorância, mostrou-se inapto para o cargo sagrado que o povo brasileiro lhe confiou.
Afirmo que a oposição praticada pelo PSDB é impostura. Acumpliciados nos mesmos crimes e aderentes ao mesmo projeto, o PT e o PSDB são hoje as duas cabeças do mesmo monstro que sufoca o Brasil. As duas cabeças precisam ser esmagadas juntas.
Afirmo que as bases sociais do governo Lula são os rentistas, a quem se transferem os recursos pilhados do trabalho e da produção, e os desesperados, de quem se aproveitam, cruelmente, a subjugação econômica e a desinformação política. E que seu inimigo principal são as classes médias, de cuja capacidade para esclarecer a massa popular depende, mais do que nunca, o futuro da República.
Afirmo que a repetição perseverante dessas verdades em todo o país acabará por acender, nos corações dos brasileiros, uma chama que reduzirá a cinzas um sistema que hoje se julga intocável e perpétuo.
Afirmo que, nesse 15 de novembro, o dever de todos os cidadãos é negar o direito de presidir as comemorações da proclamação da República aos que corromperam e esvaziaram as instituições republicanas.

André disse...

Pois é, Heitor. Belo texto. Só não gosto de quem o escreveu. O q segue abaixo não é meu, é do Reinaldo Azevedo:

Autoria

O texto acima (esse q vc, Heitor, reproduziu) não é meu. É de Roberto Mangabeira Unger, que vai ocupar, no governo Lula, a Secretaria Especial de Ações de Longo Prazo. O nome da estrovenga parece uma piada (ver abaixo), mas não é. Quer dizer, é. Mas se trata de piada involuntária.

Depois de ter escrito o que vai acima, aceitar um cargo no governo demonstra que Mangabeira é mesmo o homem certo para integrar a equipe de Lula. Não sei se fui claro. Digo num post abaixo qual é a dele. Ele havia se afastado do presidente e de Ciro Gomes, que chegou a ser uma espécie de pupilo seu. Ciro, como sabemos, é muito sabido para ser pupilo de qualquer um. Os dois se afastaram, mas também já se reaproximaram. O texto acima, em que Unger, tomado de ira santa, cobra uma decisão do Congresso contra Lula, é de15 de novembro de 2005. Menos de seis meses depois, ele já estava engajado na campanha da reeleição. E assume agora uma secretaria.

O homem de US$ 2 milhões
No dia 15 de janeiro de 2006, escrevia Guilherme Barros na própria Folha, de que Mangabeira é colunista:

"A Brasil Telecom vai entrar nos próximos dias com ações na Justiça e com uma representação na CVM (Comissão de Valores Mobiliários) contra os ex-administradores da empresa (leia-se grupo Opportunity) questionando a contratação e atuação do advogado Roberto Mangabeira Unger, além das quantias pagas a ele na defesa dos interesses da tele. A BrT também prepara ações contra o próprio Mangabeira Unger.

A Folha obteve documentos mostrando que Mangabeira Unger atuava em duas frentes na Brasil Telecom. Foi consultor da empresa e atuou como "trustee" da companhia, recebendo cerca de US$ 2 milhões pelas funções.

O "trustee" é uma figura jurídica que existe nos EUA mas não é reconhecida no Brasil e trabalha para um beneficiário com um determinado fim. O objetivo desse contrato de "trustee", ainda em vigor, era o gerenciamento, por Mangabeira, das ações judiciais da Brasil Telecom contra a Telecom Italia e os fundos de pensão Previ, Petros e Telos.

Nessa função de "trustee", Mangabeira Unger participou de algumas reuniões com a Kroll, que foi contratada pela Brasil Telecom em 2002 para investigar supostas ações irregulares cometidas pela Telecom Italia que teriam causado prejuízos à companhia.

Mangabeira Unger confirmou à Folha as reuniões, mas disse que nunca, nos encontros, se falou de investigações sobre pessoas do governo (leia texto nesta página). Procurado, o grupo Opportunity disse que não irá se pronunciar."

**********

A jornalista Renata Lo Prete informou no Painel, da Folha, nesta quarta, que Lula vai convidar o professor Roberto Mangabeira Unger para a Secretaria Especial de Ações de Longo Prazo. Ele é filiado ao PRB partido do “bispo” Edir Macedo, da seita neopentecostal Igreja Universal do Reino de Deus, e também do vice-presidente da República, José Alencar.

O nome da pasta é uma delícia. Já morei em Brasília. Há lá uma localidade chamada “Setor de Áreas Isoladas”. Sugiro que a sede da secretaria de Mangabeira fique à esquerda da Área Isolada de quem entra... Uma das características dos neopentecostais é atribuir grande valor aos chamados carismas, inspirados pelo Espírito Santo. Um deles é a GLOSSOLALIA, que permite ao crente falar “línguas estranhas”. Mangabeira está na legenda certa. Quase ninguém entende nem o que ele fala nem o que ele escreve.

Neto do udenista Otávio Mangabeira — aquele que disse que a democracia brasileira era uma plantinha tenra —, ele é formado em direito e fez carreira meteórica na Universidade Harvard, tendo morado boa parte da vida nos EUA, daí aquele seu sotaque, digamos, universal. Já emprestou suas teses ao PDT de Brizola, sem sucesso, e a Ciro Gomes, idem. Ex-crítico severo do PT, de seu corporativismo e de seu mercadismo, nunca ninguém entendeu direito que diabos ele quer para o Brasil. Quando era candidato a cardeal Richelieu de Ciro, volta e meia, fazia uma pregação que cheirava a um by pass na democracia representativa. Mais de uma vez, defendeu que o Príncipe falasse com o povo sem a mediação “conservadora” dos partidos ou das entidades de classe. Ciro, claro, adorava.

Unger entra naquela categoria chamada “intelectuais”. Ora, para que servem os intelectuais? Para pensar o longo prazo — quando estaremos todos mortos, já disse certo lorde. Melhor assim. O risco é quando os intelectuais ameaçam interferir no cotidiano dos vivos.

André disse...

Secretaria Especial de Ações de Longo Prazo = SEALOPRA...

Bocage disse...

Catellius, boa mudança para ti.
Prefiro livros emprestados de amigos como tu, retirados de bibliotecas, que sumam com um ALT+F4 de meu Pocket PC, preferencialmente em um café cujo ar esteja saturado de ondas wi-fi. Melhor hotspot não há, rsrs

Marcos Vinícius Ferrari disse...

Vade Retro seu blasfemo, kkkk
Cara, que texto da hora!
Apesar de tudo, torço para que B16 não vire Santo Súbito aqui em Sampa. Que vire Santo Súbito em outro lugar, kkkk. Iria prejudicar o turismo, que já é uma porcaria, kkkk

André disse...

Mangabeira Unger pensava uma coisa de Lula em 15 de novembro de 2005. Logo depois, ele já apoiava a reeleição. Interessante! Não consegue manter uma opinião por seis meses, mas será o homem do longo prazo...

Roberto Eifler disse...

Catellius, muito bom o texto! A ironia expressa muito mais coisas do que as mais sábias proposições diretas. Porque as proposições dependem da razão, enquanto a ironia mexe com os demais componentes da subjetividade. Mais ou menos assim: a verdade o é, mas não o é toda.
Quanto ao papa, eu só quero dizer que não tenho nada a ver com o que ele pensa, mas que tenho tudo a ver quando ele se intromete no mundo não-católico. Cada um crê no que quer, e eu não me vejo escrevendo um texto contra o pensamento umbandista. O problema com o papa é que a mídia dá muita trela a ele. E, se dá, deve ser porque o Gabinete de Imprensa do Vaticano é poderoso. Acontece uma coisa no mundo, lá está a opinião do papa estampada nos jornais. Ele poderia continuar dizendo tudo o que diz para o público dele. O primeiro erro: ele pensa que tem uma importância que não tem. O segundo erro: a grande imprensa não sabe/não quer resistir ao lobby do Vaticano.
Um abraço.

André disse...

Sim, meu caro Eifler, o Gabinete de Imprensa do Vaticano é poderoso. E olha q o público dele já é grande pra burro.

Ele tem certeza q tem uma importância que não tem.

Daí o perigo.

Heitor Abranches disse...

Roberto,

Jornalista e um bicho preguicoso e um generalista. Logo, se alguem conhecido publica um press-release que reflita conhecimento, alguma credibilidade ou como no caso do Lula, pode ser a maior abobrinha, mas como foi o presidente que falou da para fazer uma capa. Eles nao resistem ao vacuo, sao superficiais e morrem de medo da concorrencia falar antes deles. Com a entrada da TV do Lula este relacionamento com a imprensa pode mudar na medida em que a TV presidencial deve passar a ter um privilegio sobre as noticiais do governo que os demais orgaos de comunicacao nao terao.

André disse...

A imprensa cria mitos em cima de coisas e pessoas banais, dependendo somente da posição dessa pessoa ou do q a moda dita. E idiotas vivem na moda. Claro q há coisas boas na moda, mas são poucas.

Estou um pouco curioso pra ver no q vai dar essa tv do PT. O que vai mudar entre ele (Lula) e a imprensa, digamos, séria, e como esse canal vai se relacionar com a imprensa.

Roberto Eifler disse...

Veja, então temos que questionar mais o papel da imprensa do que a opinião do papa. Hoje mesmo assisti no noticiário da TV ao “São” Bento dando seus pitacos sobre nem me lembro o quê. Não me recordo de terem noticiado a opinião do papa ortodoxo nem do arcebispo de Cantuária.

André disse...

O pior seria um mundo onde a gente fosse forçado a ver esses canais que ninguém vê. P. ex., TV Câmara, TV Senado (mas esses até tem certa utilidade, eu mesmo, q não sou viciado em política, já acompanhei os trabalhos de certas comissões das duas casas e às vezes é interessante). Pior são os canais religiosos, como TV Canção Nova e Rede Vida. E esse canal do PT q vem aí vai ser todo vermelho, aposto. Como a TeleSur, a rede do Chavez. Um dos canais "de apoio" pra quem tem Net aqui em Brasília passa a TeleSur...

Pelo menos a gente ainda pode mudar de canal.

Simone Weber disse...

Viva Catellius!

Delicioso texto. Estou rindo até agora, como se fosse cúmplice de uma traquinagem contra algum tio aborrecido e pertinaz.
Imagino o que tramarás sobre a abolição do Limbo. Se Agostinho de Hipona, o desbravador do local, canonizara Platão e ainda assim este amargou até uns dias atrás a falta de Deus (Cosimo de'Medici propôs que Platão fosse canonizado de fato), bem como Aristóteles, canonizado por Tomás de Aquino, aonde foram levados, conjuntamente àqueles que, bondosos, o foram antes do evangelho? Se para o paraíso, deduz-se que Jesus apenas surgiu para condenar a maior parte dos bons, posto que aos maus já era reservado o inferno; se para o inferno, Deus é infinitamente injusto, uma vez que criou homens sem o calhamaço de embustes - o manual de instruções, ou sacras escrituras -, e os condenou por não tomarem a doutrina que ainda não lhes fora revelada. Se medito muito nestes troços fico mareada. É bom parar por aqui!

Beijocas a todos
p.s. Como foi a mudança? A filhota divertiu-se muito com a bagunça?

Bocage disse...

Era uma vez o Limbo..., por Helder Sanches.

Catellius disse...

Salve amigos!
De volta, após um longo e tenebroso inverno. Três dias sem computador... no limbo...
Vou trabalhar um pouco e aí pelo meio-dia e meia tento comentar um pouco. Tenho que ser rápido pois já tem um texto do Heitor na fila, he he.
Abraços

p.s. Simone, colei seu texto na caixa de comentários do artigo do Helder Sanches indicado pelo Bocage.

Realmente, Simone, se os bons que nasceram antes da Bíblia ser escrita, antes do messias chegar, foram para o céu, deduzo que Jesus veio única e exclusivamente para mandar pessoas boas para o inferno. Qual a palavra grega para "condenador"? Acho que "salvador" não é a mais apropriada...

André disse...

A Simone tem razão. Que destino estava reservado pra quem veio antes dos Evangelhos e de toda a Revelação? Céu, Inferno e Purgatório ainda estavam em obras?

Pois é, sem a síntese filosófica de Aquino e Agostinho, acho q a Igreja não teria se sustentado por muito tempo. Até q fizeram um bom trabalho. Mas poderiam ter escrito menos. Tomo I, II, III... XXXIV... haja filosofia. Haja pontas a serem amarradas.

Catellius disse...

Gostaria de perguntar a um católico que acreditava em limbo: e agora, amigo, não acredita mais?
Bento XVI deve achar que o catolicismo evoluiu após esta constatação óbvia. De fato evoluiu. Quando abolir o purgatório, o inferno e o paraíso, quem sabe não volto a ser católico...

Catellius disse...

Vamos lá:

André,

"Essas fotos de abertura de post q vcs usam já são a marca registrada do site."


Peguei a foto do site Dean's World, onde perguntam, em um fórum, se ela é "real or photoshop?". Acrescentei o céu e os tracejados cômicos, para dar o ar onividente, he he.

"Sabia q dentro do Vaticano, o “país” mesmo, há um hospital para tratar freiras e padres com aids?"

Por que o Vaticano não elimina a AIDS do universo como fez com o limbo, por decreto? (sei, sei, nunca consideraram sua existência, era um exercício teológico... Acredite quem quiser). Não foi por decreto que anencéfalos passaram a pensar e o virus da AIDS passou a atravessar camisinhas?

"A população é pequena, mas quem trabalha lá ou, enfim, tem a tal cidadania, compra de tudo sem impostos. E há uma senhora free shop lá dentro (essa é confirmada)."

Vi no Almanaque Abril que 98% do Vaticano são de católicos. E os 2% restantes? Calculei uns 16 protestantes infiltrados por lá, he he. Devem ser remanescentes do CVII.

"A medicina realmente não explica certas coisas, como a rara mas possível regressão rápida de tumores e doenças degenerativas, mas isso não é motivo pra desacreditar ou descartar o médico. E quando a religião se mete no meio, com uma pílula de Frei Galvão ou coisa do tipo, já era."

Deus só não cura amputados.
E não é que criaram o maldito feriado de Frei Galvão? Este país não vale nada. Vou me mudar para a nova Zelândia.

"Ali Agca foi usado pela KGB, acho. Os russos detestavam a atuação de JP no degelo da Europa Oriental."

JPII era um inimigo dos comunistas mas amiguinho íntimo de Pinochet, a quem louvava por ser um "católico exemplar". O que um católico não tem que fazer para receber tal elogio de um Papa... São Belarmino, o gourmet que inventou o prato "churrasquinho de Giordano Bruno" que o diga!

Abraços

Catellius disse...

C. Mouro,

Obrigado pela apreciação, he he. Até situações consideradas muito sérias pelos religiosos (não só por eles, assumo), como a morte, podem perder a importância após uma boa risada. Não sei se foi exatamente assim: Voltaire teria, à beira da morte, visto as pessoas rezarem ao seu redor esconjurando o demônio, ao que o sardônico iluminista teria dito: "deixem disso, não é hora de arranjar um novo inimigo".

Heitor,

Se Lula for canonizado, como você sugeriu em seu mais do que inspirado resumo de roteiro, ou storyline (sei lá), será que o deus dos cristãos não passará, enfim, a curar amputados através de um padroeiro especializado? Ou Lula será padroeiro dos trabalhadores? São José já ocupa o cargo? Hum... Acho que após quatro pleitos o Lula acaba com ele.

Roberto Eifler,

Muito bem dito! Eles deviam opinar apenas sobre a elasticidade do hímen de sua deusa, sobre o sagrado prepúcio de seu homem-deus, sobre limbo e purgatório, mas se metem em questões de saúde pública, em profilaxia da AIDS, sugerindo abstinência como prevenção, entre outros desserviços. Dão palpite sobre laicismo, islamismo, universo, ciência evolucionista, paramécios, Daniela Mercury, segundo casamento. E ainda são uma nação, têm um chefe de estado, apresentam-se ora como religiosos ora como núncios, embaixadores, importam charutos sem pagar impostos (como lembrou o André), têm isenções fiscais, são uma multinacional de escolas e hospitais, têm até ações da Beretta, ao que consta... E ainda reclamam que o islamismo avança porque a Europa não quer mais saber do cristianismo. São uns velhacos, isso sim!

Bocage,

Obrigado pelos links! Ri muito.

Abraços a todos

André disse...

Essa história de sugerir abstinência como prevenção é demais. Se o pessoal quer se prevenir, é pq o pessoal vai fazer, vai transar. Eles não querem uma prevenção se não vão fazer nada. É como ficar trancado dentro de casa pq na rua vc pode morrer: é uma prevenção, mas daí vc não faz nada...

Na verdade, a free shop dentro do Vaticano é grande como um minimercado desses de entrequadra (pro pessoal q não é de Brasília e não conhece, entrequadra é um espaço, geralmente comercial, entre as denominadas “quadras”, q são habitacionais. Eu, p. ex, moro em uma quadra). Quando estive em Roma conheci uma guia turística suíça q tinha amigos trabalhando no Vaticano. Se não me engano, naquela época (2000), o Papa já estava muito mal, e um dos médicos dele era amigo dela. Eles escondiam coisas bestas como o coquetel com morfina q ele tomava regularmente pra suportar as dores.

O Vaticano tem ações da Beretta? Sei q tem da FIAT, q tem uma divisão de armas (blindados leves e pesados) e minas antipessoais, aquelas feitas de plástico q mutilam gente pobre em países mais pobres ainda, anos depois das guerras terminarem. Dizem também q a Igreja é uma das maiores proprietárias de terras do mundo, o q, cá entre nós, não é nenhuma surpresa. Só o fato de escolas particulares (as da Igreja e as outras) e igrejas terem isenções de imposto aqui no Brasil já me revolta...

Suíça, Suécia e Noruega, três paraísos de hipocrisia (mas pelo menos a última lutou na II Guerra), vivem falando em paz e neutraliade, mas fabricam mais armamentos leves do q qualquer United States da vida... Fuzis, metralhadoras, granadas, balas de canhão, minas, veículos anti-minas, e por aí vai. As armas de mão suíças estão entre as melhores.

A Igreja faz o maior draminha com esse papo de avanço do islamismo pq eles sabem q isso (a Europa ser tomada pelo Islâ e “convertida” à força) nunca vai acontecer mesmo.

Há pouquíssimos protestantes (é verdade) em Roma. Talvez no Vaticano também. Deve ter também um budista, um hindu, um monte de muçulmanos e ateus também, mas esses últimos não-declarados. Ah, deve ter um montão de ateus...
Criaram mesmo o feriado do Frei Galvão? Eu vou pra Austrália.

Diz a lenda q Pinochet ficou mais cruel na repressão depois q sua mãe deu uma entrevista dizendo q seu filho era “muito leniente com os comunistas”. Não podia ter sido pior: querendo agradar a senhora que lhe deu à luz, o zelo do homem extrapolou.

E Constantino IX, o último imperador bizantino, q virou santo só pq resisitiu ao cerco otomano em 1453? Bom, pelo menos ele fez alguma coisa, lutou, não se acovardou e fugiu, mas ficou ali com o povo da cidade. E era um sujeito decente, sem fanatismos, ao menos para o padrão da época. Acho q ele só virou santo pq morreu, sumiu no meio dos mortos e nunca mais foi encontrado.

Catellius disse...

Um detalhe:
Constantino IX reinou na época do cisma ortodoxo, ocorrido no ano de 1054, quando os cristãos orientais e ocidentais excomungaram-se mutuamente, quatrocentos anos antes da queda de Constantinopla. Aí percebo a troca de "pauzinho", rs, pois o Imperador da época era Constantino XI. Mesmo assim, por causa do cisma ortodoxo ele não poderia ter sido um santo do catolicismo romano.
Abraços

Bocage disse...

Ações da Beretta?
Faz todo sentido, já que JPII canonizou Gianna Beretta Molla por gostar mais de morrer do que de abortar. Esses modelos femininos que a ICAR me arranja, que têm filhos sem sexo, que mantêm o hímen intacto após o parto...
Modelos femininos? Para mim, até as esquálidas das passarelas estão à frente dessas daí.
E onde viste sobre a Beretta, Catellius?

Catellius disse...

Boa pergunta, Bocage e André,

Realmente, não sei onde "consta" isso. O Vaticano tem ações da Beretta? O idiota aqui repetiu o que alguém lhe disse, e o pior é que nem sabe quem foi (Stolto!! e tu il credesti? - Otello de Verdi, Atto Quarto).
Retiro aqui o que disse, então, até que apareçam provas (La prova io voglio! Voglio la certezza! - Otello de Verdi, Atto Secondo), he he.

Anônimo disse...

Sinto-me mal com esta acusação leviana. As pedras, quando se atiram ao ar, não se sabe bem onde caem! É pena que assim aconteça.

André disse...

Bom, é claro q o Vaticano tem muita grana aplicada em ações, e provavelmente não são da Polenguinho nem da Biscoitos Mabel. Eles tem contas, investimentos, muitas despesas (q obviamente se pagam e ainda sobra, e como sobra), interesses aqui e ali e um excelente serviço de inteligência, discreto e de alto nível. É uma empresa multinacional complexa, q opera em vários níveis. Não é uma GE ou Boeing. Afinal, eles lidam com as aspirações mais altas do ser humano, as espirituais, pelo menos na teoria e na doutrina. Mas aqui, nesse mundo material, o dinheiro é o dinheiro, e ele consegue tudo sem precisar falar mais alto. Investir em armas é imoral? É, mas dá muito lucro. E não suja a reputação de ninguém como, p. ex., traficar drogas ou coisas piores. Mais ou menos como o tabaco: mata, mas é aceitável. Tolerado. Basta fazê-lo e ficar quieto.

André disse...

Ah, sim, errei nos pauzinhos. Era o XI!!!

Catellius disse...

"Polenguinho nem da Biscoitos Mabel"

Ha ha ha ha! Impagável!

Isso, mas mesmo o XI não pode ser um santo do catolicismo romano devido ao cisma entre Roma e Constantinopla ter ocorrido 400 anos antes. Agora, não sei se ele é ou não um santo das denominações Ortodoxas.

André disse...

Ah, mais essa, tem razão... ele deve ser um santo das denominações Ortodoxas, claro. Só sei q é santo. Me esqueci completamente desse detalhe do Grande Cisma.

Aliás, já está mais do que na hora desse pessoal fazer as pazes.

André disse...

Catellius, legal as referências operísticas

Catellius disse...

Este texto foi censurado nos Blogs Coligados. Leiam a justificativa, abaixo:

Aos amigos colunistas dos Blogs Coligados,

Comunico que, após refletir ponderadamente, tomei a recisão de apagar o artigo "Santo Subito", pelo que peço a compreensão de todos, inclusive de seu próprio autor.

Como sempre tenho dito, não há editoração de textos nos Blogs Coligados, nem dirigismo por parte dos seu administrador. Todavia, à liberdade de escrever deve corresponder o bom senso, o respeito mútuo e o próprio instinto de sobrevivência do nosso blog.

Sabemos todos que entre nós há escritores ateus, e entre os religiosos, há católicos, evangélicos e espíritas. Dentro de um espírito de emulação do que seria uma própria sociedade liberal, precisamos todos entender que o respeito às crenças e convicções de cada um é parte inerente à manutenção da ordem e da paz continuada, um dos pilares do Estado Mínimo. Quando as ações de um grupo tendem justamente a ofender o campo de liberdade do outro, aí sim, vem a necessidade do uso de uma autoridade, que seja reconhecida como legítima por todos.

No caso em tela, a presença de uma espirituosidade extremamente ácida contida no artigo, contra a Religião em si e contra as crenças e dogmas dos católicos denunciou a ocorrência de uma pura agressão gratuita a um grupo que não faz mal a ninguém por existir, desconsiderando-se aqui totalmente os méritos de tais convicções, não por eu fazer ou não parte delas, mas por simplesmente fugirem ao objeto a ser julgado.

Assim sendo, peço a todos que doravante evitem tais agressões que, além de serem sem sentido para a existência deste blog, trabalham para o seu empobrecimento e extinção. Ao autor do texto, que já nos brindou com excelentes artigos, digo que continua a ser benvindo, desde que observe as boas regras de convivência.

Agradecidamente,

Klauber Cristofen Pires
Administrador dos Blogs Coligados

André disse...

Hummm... e se o problema é esse, ser ácido demais, imagino o que os censores achariam se lessem outros posts do Pugnacitas, muito mais "ácidos" do que o Santo Subito. Cairiam pra trás? Ligariam para os jesuítas? Opus Dei? A Inqusição Espanhola, na versão do Monty Python, viria bem agora.

C. Mouro disse...

"Quando as ações de um grupo tendem justamente a ofender o campo de liberdade do outro, aí sim, vem a necessidade do uso de uma autoridade, que seja reconhecida como legítima por todos."
.
O Sr. Klauber é um bom sujeito, ao que parece, mas certamente não conseguirá ser imparcial.
Há que se ponderar sobre as pressões que deve sofrer, inclusive de si mesmo.
Ocorre que ele terá que proibir TODAS as manifestações que desrespeitem qualquer um, para ser coerente, mas sua crença não o permitirá. Sua crença o faz (des)ententer que o simples fato de alguém se incomodar com algo torna esse algo nocivo ao incomodado, e por tal deve ser proibido ou censurado.
Ora, há cultos que fazem barulho, até os sinos das igrejas, e incomodam. Será que um ateu incomodado com as gritarias de evangélicos teriam o apoio do sr. Klauber para proibi-las?
.
A coisa rola sempre assim, começa censurando levemente sob pretexto de ser ofensivo e depois tudo se torna ofensivo.
ORA A QUEM INCOMODA UM TEXTO, BASTA NÃO LER!
.
Mas usam o pretexto para proibir, tudo os magoa, mas quando têm Poder então.... ...nunca lhes faltará pretextos para censurar, proibir e até prender e..... é uma questão de terem o Poder.
Não justifica censurar um texto: quem se incomodar com ele, basta não o ler.
O que religiosos dizem sobre religião pode incomodar, sobretudo quando querem impor sua moral hipócrita feita apenas para "os outros", praticando uma outra para si.
Se religiosos se incomodam, por exemplo, com a visão da nudez alheia, dizendo-a imoral, será que os ateus também poderiam se incomodar com a visão dos templos religiosos? ...poderiam se incomodar com artigos falando de religião?
Ideológicos não mudam, a ideologia sempre é mais forte.
Lamento pelas pressões que o Sr. Klauber sofreria por deixar um texto desses exposto. Talvez nem ele suportasse. ...Tal comportamento é padrão... pretextos se arranja, se finge.
Já pensou se ateus considerassem os livros sagrados como manuais de maníacos, repletos de atrocidades que resultam na insuflação de uns contra outros, e pleiteassem proibi-los? ...o que diriam os religiosos? ...que tudo bem, que estes livros devem ser proibidos por insuflarem discordia e atrocidades?
.
Abraços
C. Mouro

Catellius disse...

Muito bem, C. Mouro,

Concordo com tudo.

Respondi a todos do B.C. e comentei algo parecido no blog do Constantino:

Caros Ex-colegas,

A liberdade de expressão é de fato um valor inabalável na Dinamarca, onde foram publicados os cartoons que ensandeceram os muçulmanos, assim como deveria ser em todo o mundo dito civilizado.
Um jornal dinamarquês - o Information - publicou seis dos cartoons sobre o Holocausto que estiveram em exibição na capital iraniana, Teerã. O jornal classificou as charges como "de mau gosto mas previsíveis", e o editor do jornal, Palle Weis disse que "Os nossos leitores ficariam desapontados se não publicássemos os cartoons".

Enquanto isso, no Brasil, um inofensivo texto cáustico que apenas expõe algumas contradições do catolicismo, como a divindade dos santos, o politeísmo disfarçado, onde criei uma espécie de anedota não mais agressiva do que são os episódios de "South Park", exibidos na TV aberta brasileira (MTV, sinal UHF), é apagado após os protestos de um certo Edson Carlos de Oliveira, autor do blog "Sou Conservador Sim, e Daí?", que ameaçou deixar o Blogs Coligados se eu continuasse por lá a publicar esse tipo de artigo (li isto na caixa de mensagens do post, antes de ser apagado). Após entrar no blog do Edson, onde se vê em destaque o título em letras góticas, um retrato de Jacques Cathelineau, "herói na luta contra a Revolução Francesa", e um "award" com as inscrições "The Anti-Communist Awards Category: Best non-US blog Winner 2006!", resolvi antecipar minha saída do B.C. e deixar o Edson em companhia de outros que, como ele, não sejam capazes de ignorar um texto que os faz corar e fazer um sinal da cruz atrás de outro.

Acho pertinente o argumento de Klauber de que tem de zelar pelo "instinto de sobrevivência do blog". Cada um dá a linha editorial que bem entende, é lógico. Liberdade de censurar é isso aí!

Meu post, para quem ainda não o leu (Cliquem aqui).

Nunca fui censurado antes e fiquei bem animado com a coisa! Será que posso pleitear uma indenização junto ao governo? rs

Abraços a todos

André disse...

Parece que por lá só entra polêmica pasteurizada. Tipo: “cristã enfrenta Richard Dawkins, que ficou sem resposta”, “o liberalismo-ateu quer forçar um estado laico” e outras bobagens bem ao estilo do Mídia Sem Máscara, aquela vitrine reacionária tosca do Olavo de Carvalho e quejandos. Enfim, briguinha de sala de aula.

Uma imbecilidade como essa pode:

“Toda a esta discussão sobre o Estado Laico, aquela abstração pretendida pelos liberais-ateus na qual qualquer aspecto religioso, ou que pareça religioso, tem de ser eliminado da vida cultural da sociedade - de modo a permitir uma verdadeira "liberdade" dos indivíduos - tem vários problemas congênitos. O Estado Laico como pregam é uma fantasia, uma reinterpretação da velha encarnação de Estado Laico – o comunismo. No seu afã de eliminar a religião como aspecto culturar na sociedade, acabam igualando-se aos marxistas e comunistas que consideravam a religião o 'ópio do povo'. É impossível negar que o liberalismo como ideologia se iguala ao comunismo em sua auto-imagem totalitária e elitista de uma 'vanguarda revolucionária', que tem por missão destruir ou minimizar qualquer aspecto cultural - religiões, especialmente as judaico-cristãs - que impeçam o seu avanço.”

E não sofre nenhuma censura. Nem deve sofrer. Mas deve ficar ali, exposta, pra que alguém desça o pau nela. Só uma pessoa o fez, Anselmo Heidrich, do blog A Casa de Fenrir:

... Imagine o que seria o MSM se este site se dispusesse a confrontar sistematicamente toda notícia (falaciosa ou não) do mainstream com opiniões alternativas? A questão do aquecimento global com um debate entre aquecimentistas e céticos; a guerra em Israel com pontos de vista dos dois contendores; a celeuma entre religiões com moderados e extremistas; o campo jurídico com diferentes opiniões de constitucionalistas; a criminalidade com psicólogos, sociólogos, economistas...; o liberalismo com seus diversos representantes que, não raro, discordam entre si; e, como se viu neste XX Fórum da Liberdade, ocasionalmente, chamar os principais opositores do liberalismo para o debate (por que não?). Não vale a desculpa de que "por que eles não fazem assim, nós também não fazemos". O MSM se igualou a um pasquim como a Hora do Povo e similares, só que "do outro lado" que não é "tão outro assim".

Boa. Por quê não fazer o mesmo com o Santo Subito, certo? Por quê não deixá-lo aberto a discussões?

Quanto primitivismo, quanta infantilidade. Isso é típico de quem não cresceu.

Catellius,

o tal Edson escreveu, num post endereçado a vc, "dispenço-me". Esse cara é um CONSERVADOR. Uma ignorância bem conservada.

Catellius disse...

Debate via e-mail:

Bom, só pra constar, gostaria de dizer que não vi nada de tão ofensivo assim no post "Santo Súbito". Por outro lado, acato a decisão do site Blogs Coligados, ainda que dela discorde. Acho que certos estilos não agradam a todo mundo. O Pugnacitas ("vontade de lutar") é um velho conhecido, e realmente as coisas volta e meia esquentam por lá. Muita gente entrou, gostou e ficou, enquanto outros entraram, detestaram e foram embora para nunca mais voltar. O importante é que a temperatura e o nível intelectual nunca caem. Eu mesmo já disse coisas por lá que incomodaram gregos e troianos, assim como no meu blog. E fiz meus mea culpa em seguida, mas sem drama. Talvez seja apenas eu, que estou acostumado com (e gosto de) discussões ácidas. Talvez esse post tenha sido mesmo excessivo para certos gostos --- não para o meu. Mas tudo bem, cada um com as suas regras. Eu só não podia deixar isso passar em branco.
André Balsalobre, C.E.O. do Executive Outcomes

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Eu pensei em me pronunciar a respeito do acontecido, havia desistido
para não criar polêmica em torno do tema, e agora, graças ao email do
Catellius, voltei atrás.

Como muitos devem saber, sou católico
(http://lpereira.freehostia.com/blog/about/) romano, e havia me
passado despercebido o artigo "Santo Subito". A notícia da "censura"
(prefiro chamar de decisão editorial) fez-me lê-lo. E creio que isso
aconteceu com muitos dos outros. Mas retomo.

Em primeiro lugar, o artigo é, de fato, ofensivo, mas não me ofendeu.
O autor não tomou certos cuidados e meteu o pé pelas mãos e, qualquer
pessoa mais versada no catolicismo, pode enxergar nele mui vezes
falácias e ignorâncias. Qualquer pessoa que leia meus artigos também
achará neles falácias e ignorâncias, não espero que ninguém seja
senhor de tudo, e se falasse só daquilo que entendo com precisão, meu
blog teria 0 bytes.

Não achei necessária, do ponto de vista do pudor dos leitores, a
decisão editorial de removê-lo. Contudo, eu entendo plenamente a
decisão. Escrevi o primeiro editorial do BC (hábito que infelizmente
perdemos, talvez fosse bom escrevermos editoriais mensais ou
bimestrais, mas com certa regularidade), e nesse editorial destaquei o
caráter liberal E conservador do BC. E falei: abrigamos desde Rodrigo
Constantino (liberal em todos os sentidos do termo) até o Edson Carlos
de Oliveira, reacionário auto-denominado conservador (tática que
também uso).

Contudo, se eu escrevesse um artigo frontalmente contrário à economia
liberal (defendendo um Estado grande), acharia natural ser "censurado"
(no sentido de "receber censuras verbais", não ter o artigo retirado),
como o Edson fez com seu artigo. Se a prática legítima do ivs
esperniandi do Edson cativou nosso editor e líder Klauber (por quem
tenho uma admiração ímpar) a tomar uma decisão editorial radical,
também é um direito legítimo dele.

Veja que há vários artigos do Anselmo Heidrich e do Rodrigo
Constantino no blogue, algumas vezes contestando a religião cristã e
fazendo severas censuras a ela (a insistência no termo é proposital),
e nenhum deles motivou semelhante decisão a que foi tomada no caso do
Catellius. E, se essa decisão foi tomada, foi antes pelo caráter de
"escândalo" (no sentido bíblico-evangélico do termo) do artigo que
pelos seus ataques a determinada religião.

O debate amplo, com abertura a todos as possiveis posições, dentro de
um espectro pré-definido (no nosso caso, o conservadorismo, o
liberalismo e até o reacionarismo) qualifica um veículo de mídia. O
escândalo o detrata. Perceba que o "Comedy Central", que ridiculariza
os republicanos, não é feito durante o telejornal nem tem o mesmo
intuito. Nem o "South Park", citado pelo Catellius, se mistura com
"programas sérios". Isso não quer dizer que, nos BCs, o sarcasmo e a
ironia estão proibidos, mas que o uso excessivo deles, de maneira
destrutiva, contra uma das posições defendidas naquele veículo, são
maléficas para sua imagem e para seus leitores.

Destarte reitero: em nenhum momento o Klauber agiu contra a liberdade
(que tanto defendemos), ou contra o debate de idéias, mas sim para
proteger a imagem e a penetração do veículo de mídia que ele gerencia.
E não posso, de forma alguma, censurar sua atitude, mesmo que eu possa
achá-la desnecessária ou exagerada. Tudo que posso fazer é
parabenizá-lo pela sua preocupação com todos nós, que nos expressamos
através deste veículo. Ressalto que tenho muito a agradecer, dado que
cerca de metade de minhas visitas advém de cliques dos Blogs
Coligados, e isso se deve ao zêlo com que o Klauber leva este projeto.

Peço desculpas pela intromissão em vossos emails, e espero que
saiamos, se não ilesos, sem cicatrizes desse acontecimento.

Abraços cordiais,

Eng. Luís Guilherme Fernandes Pereira
http://www.students.ic.unicamp.br/~ra009206

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Catellius:
Sinceramente não achei grande coisa teu texto para servir para este imbroglio.
Não me interessa o que outros pensem sobre a Igreja católica , que eu mesmo já não tenha criticado antes.

De verdade, fiquei mais impressionado com o seu e-mail abaixo do que com o texto original.

O que o prêmio de "best anti-communist blog" te incomodou? Trata-se de uma criação de um grupo de blogger contra Fidel. Vai chamar o quê? Contra o "socialismo"?
"Comunismo não existe". Ok. Avise ao Fidel. Neste ano completaram quatro anos que Castro prendeu 75 jornalistas, assassinando alguns..

Tu és um anti-anti-comunista, como os democratas americanos?

Abs,

LA

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Não
Em praticamente todos os posts de meu blog se ataca o comunismo. Achei o "award" encabeçando a página, com todo aquele destaque, um tanto quanto patético, apenas isto.
Catellius

Catellius disse...

Continuando:

Caros autores

Depois de ler o artigo em questão, e o provável reboliço que isso iria criar, só queria deixar algumas pouca considerações aqui.

Sou católico, mas não me incomodou nem um pouco o texto do Catellius. Como bem disse Luís Guilherme, é um texto raso, bobo. Desde o início da "cruzada" anti-cristã do Rodrigo Constantino, notei que vários blogs liberais enveredaram pelo mesmo caminho, e todos da mesma forma: sem conhecimento de causa.

Não vejo razão alguma para excluir textos críticos contra a religião, desde que bem escritos. A questão toda se resume na qualidade do artigo, se é ou não ético ao abordar determinado assunto. Se é ou não eficaz ao fazer anedotas ou brincadeiras.

O texto do Catellius não foi feliz, como já disse. Uma bobagem apressada, ouso dizer. Com um pouco mais de senso crítico, o próprio Catellius poderia ter evitado essa situação, ou não publicando o texto no BC, ou escrevendo algo mais inteligente. Fazendo uma analogia, seria o mesmo que usar o argumento "Comunista come criancinha" para justificar minha antipatia contra a utopia marxista.

Acharia bom deixar clara a diferença para não perdemos oportunidades de ler bons artigos, até mesmo aqueles que criticam a religião. Como a Igreja é uma instituição dos homens, ela é também imperfeita, buscando sempre formas de melhorar.

Parece que o Klauber, resumindo, resolveu excluir o artigo não por ser anti-católico, mas por ser ruim mesmo. Se assim for, eu dou meu apoio à decisão. Só espero que haja algum aprendizado em toda essa situação.

Abraços
Lefebvre de Saboya

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

"é um texto raso, bobo"

Muito bem! Alguém suficientemente inteligente conseguiu comprender isso!

"Não vejo razão alguma para excluir textos críticos contra a religião, desde que bem escritos"

E textos mal escritos sobre política, pró-religião ou que vão ao encontro de suas crenças, merecem ser excluídos?

"Se é ou não eficaz ao fazer anedotas ou brincadeiras"

O que esperar de leitores de um calhamaço de embustes que não contém uma única tirada humorística, ditado por um deus psicopata que envia ursos para destroçar 42 rapazes que cometeram o "crime" de rir da calvície do sisudo Eliseu (II Reis 2,24)?
Entre as pessoas livres, ri-se de tudo, de Darwin, da ciência, biólogos zombam da própria profissão em cartazes humorísticos pregados nas paredes dos laboratórios, engenheiros, arquitetos deixam que os chamem de gays, etc. Religiosos, ao contrário, sempre a tratar de coisas "muito sérias" como o Santo Prepúcio de Cristo, que se prostram perante as relíquias de Joana D'Arc, na verdade um fêmur de gato e um trapo de múmia (http://www.lemonde.fr/web/article/0,1-0,36-892217,0.html)*, não admitem uma historieta sarcástica envolvendo seus deuses e semideuses, embora achem um absurdo a quebradeira que os islâmicos promoveram após as charges dinamarquesas, embora riam das divindades indianas, das catarses dos evangélicos, etc. Exigem que a anedota seja "bem escrita", tentam afunilar um pouco, até que reste um "se Richard Dawkins quiser publicar algo no B.C. até que abrimos uma exceção".
Catellius
p.s. e anexei outros trechos de posts anteriores e de comentários

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Sou católico apostólico romano. Achei uma bobagem o texto do Catellius, no entanto, não veria motivos fortes para exclui-lo do site, sobretudo por se tratar de um site político e não religioso. Do ponto de vista religioso, claro que rejeito a asneira, mas no caso em tela não acharia relevante. De toda forma, reitero meu apoio a decisão do Clauber, que com maestria vem administrando a casa.

Abraço!
Lucas (Mendes)

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Sinceramente,

Besteira mesmo é o falecido Papa virar santo assim, "do nada", por ser carismático. Isso é que deveria incomodar os crentes, não um artigo que aponta esse absurdo.

No mais, tenho evitado publicar meus artigos nos Blogs Coligados. Reconheço que tem muita gente de qualidade, mas uns artigos com cunho fortemente religioso e ANTI-LIBERAL me afastaram definitivamente. Não dá para aturar conservadores "olavetes" chamando liberais ateus de comunistas. É algo pra lá de patético. Aliás, o próprio Olavo tem escrito muita coisa anti-liberal recentemente. É bom deixar claro que essa turma, no fundo, despreza Mill, Humboldt, Thomas Paine, Milton Friedman, Hayek, Mises, Ayn Rand etc. Para eles, o Iluminsmo é uma desgraça, e a Idade Média era o mundo ideal. Não gosto do meu nome associado a este tipo de mentalidade. Deixei de escrever no MSM por isso. Faço o mesmo em relação aos Blogs Coligados, ainda que a generalização seja sempre injusta. Tem muita gente boa, mesmo religiosa, o que inclui o próprio Klauber.

Boa sorte a todos,

Rodrigo (Constantino)

Catellius disse...

Rodrigo,

A generalização que você faz é injusta. Sua idéia de cristianismo é exatamente a mesma que se esforçaram por divulgar os expoentes da Escola de Frankfurt e demais esquerdistas. Quando fala de cristianismo, você se alinha a esses. Essa é a bronca de quem é conservador. Quer malhar o cristianismo, malhe, mas pelo menos use outros parâmetros e se informe direito antes.

Agora, era só o que faltava aproveitar essa discussão para meter malho no que chama de "conservadores olavetes". Essa e outras atitudes apenas aprofundam a divisão que não deveria existir entre liberais e conservadores - da qual você se queixa agora, mas que não faz nada para atenuar.

Desculpem o desabafo, mas achei o fim o Constantino usar esse espaço para falar essas coisas.

No mais, prefiro não me pronunciar sobre o episódio, pois não pude ler o texto excluído.

Abraço aos colegas do Blogs Coligados,

Norma Braga


////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Norma,

Não sei se me fiz entender direito, só que acho fundamental essa separação entre conservadores e liberais. Para liberais verdadeiros, os conservadores são tão perigosos para a liberdade quanto os socialistas. Ou quase. Está certo que Olavo não fala nem pelos conservadores, e muitos deixaram isso claro para mim. Mas a cruzada anti-liberal dele deixou claro como esse tipo de conservador é inimigo do liberalismo também. Não é à toa que Ayn Rand, Rothbard e outros compraram uma briga tão feia com os conservadores como com os socialistas.

Rodrigo

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Olá. Não quero falar muito. Eu acho que quase todos aqui já leram o "Por que eu não sou um conservador", de Hayek. Ponto final. Isto não tornou Hayek um pária (se tornou, desculpe-me, mas o pária é o intérprete) entre os conservadores ou entre os liberais. Há diferenças e sempre existirão. Vocês, conservadores, se quiserem andar lado a lado com os liberais, terão de fazer concessões. E eu não me importo de andar com gente que acredita em Deus (exceto se me explodirem com um homem-bomba). Há alguns pontos de discórdia importantes e tudo o mais. Mas fica a pergunta: Quem ganha com tanta briga? Meu palpite: só quem não é liberal e nem conservador.

Pensem nisto.

Abraços

Claudio

Catellius disse...

Cláudio, um dos artigos que escrevi mas deixei de publicar no Blogs Coligados foi justamente sobre o texto de Hayek, no apêndice de The Constitution of Liberty. Segue o artigo. Tem um novo sobre Esquerda e Direita, o livrinho de Rothbard, já no meu blog.
Liberais e Conservadores
Rodrigo Constantino

The liberal today must more positively oppose some of the basic conceptions which most conservatives share with the socialists." (Hayek)

Não são poucos os que confundem liberais e conservadores, colocando tudo no mesmo saco. Tamanha é a confusão, que Hayek, em seu clássico The Constitution of Liberty, acabou escrevendo um capítulo extra apenas para explicar porque não era um conservador, levantando as principais diferenças entre estes e os liberais – lembrando sempre que não se trata dos liberais americanos, mas sim dos clássicos.

Isso não o impediu de reconhecer o conservadorismo como legítimo e provavelmente necessário em oposição às mudanças drásticas. Tampouco impede que seja reconhecido o valor das tradições, ainda que estas sejam passadas de geração em geração sem argumento. As tradições são importantes para sustentar as leis e a liberdade, mas nem por isso devem ficar blindadas contra questionamentos. Liberais acreditam na liberdade de pensamento contra aqueles que pretendem impor crenças pela força. Creio que H. B. Acton resumiu bem a coisa quando disse que o tradicionalista quer poder seguir seus caminhos transmitidos, enquanto o liberal quer poder seguir novos caminhos também, sem coerção dos demais.

O liberal deveria perguntar, acima de tudo, para onde devemos nos mover, e não quão rápida deve ser a mudança. Hayek propõe um triângulo como diagrama para separar conservadores, liberais e socialistas, em vez de uma linha reta, que gera mais confusão. Em cada canto estaria um grupo diferente, o que parece mais correto do que colocar liberais no meio entre conservadores e socialistas.

A admiração dos conservadores pelo crescimento livre geralmente aplica-se somente ao passado. Falta-lhes normalmente a coragem para aceitar as mesmas mudanças não programadas pelas quais novas ferramentas para conquistas humanas irão emergir. Uma das características mais comuns na atitude conservadora é o medo da mudança, uma descrença no novo, enquanto a posição liberal é baseada na coragem e confiança, aceitando que as mudanças sigam seus cursos mesmo que não possamos prever aonde isso irá levar. Os conservadores estão inclinados a usar a força do governo para evitar mudanças, pois não possuem confiança nas forças espontâneas de ajuste que fazem o liberal aceitar as mudanças com menos apreensão, mesmo que não saiba ainda como as necessárias adaptações irão surgir. Como um exemplo que vem à cabeça, pode-se citar as pesquisas científicas com células-tronco.

O conservador sente-se seguro somente quando existe alguma forma de sabedoria superior que observa e supervisa a mudança, apenas quando ele sabe que alguma autoridade está a cargo de manter as mudanças "ordenadas". Em geral, pode-se provavelmente dizer que o conservador não é contra a coerção em si ou o poder arbitrário, contanto que ele seja usado para aquilo que o conservador considera um propósito adequado. Ele acredita que se o governo estiver em mãos de homens decentes, então não é preciso ser muito reduzido por regras rígidas. Assim como o socialista, ele está menos preocupado com o problema de como se deve limitar o poder do governo do que com quem ocupa o poder. E ainda como o socialista, ele sente-se no direito de impor seus próprios valores aos demais pela força. Já para o liberal, a importância que ele pessoalmente deposita em objetivos específicos não é uma suficiente justificativa para forçar os outros a atender tais metas.

Seria por esta razão que o liberal não considera ideais morais ou religiosos como objetos adequados para a coerção, enquanto tanto os conservadores como os socialistas não reconhecem tais limites. Crenças morais que dizem respeito apenas à conduta individual que não interfere diretamente na esfera protegida das outras pessoas não justificam coerção. Pode-se pensar em alguns exemplos como a prostituição entre adultos responsáveis ou mesmo algo mais extremo, como a venda de um rim, que podem ser atitudes moralmente condenáveis para muitos, mas que impactam apenas as vidas dos envolvidos. O liberal, diferente do conservador e do socialista, não é autoritário. Isso pode explicar porque parece tão mais fácil para um socialista arrependido achar uma nova casa espiritual no conservadorismo que no liberalismo.

Diferente do liberalismo, cuja crença fundamental reside no poder de longo prazo das idéias, o conservadorismo está atrelado a um estoque de idéias herdadas num determinado momento. E como o conservador não acredita realmente no poder do argumento, seu último recurso é geralmente alegar uma sabedoria superior, baseada em alguma qualidade superior auto-arrogada. Hayek considera a característica mais condenável da atitude do conservador a propensão a rejeitar conhecimento bastante embasado porque ele não gosta de algumas das conseqüências que podem se seguir dali. Ora, se ficasse provado que nossas crenças morais realmente são dependentes de premissas que se mostram incorretas, seria moral defendê-las recusando-se a reconhecer os fatos?

O viés nacionalista é outro elo que freqüentemente liga conservadores ao coletivismo. Pensar em termos de "nossa" indústria ou "nosso" recurso natural é um pequeno passo de distância para começar a demandar que tais ativos nacionais sejam direcionados para o "interesse nacional". Protecionismo, reservas de mercado, subsídios agrícolas, são algumas das medidas que podem colocar conservadores lado a lado com socialistas, ambos contra os liberais.

Por fim, Hayek escreveu algo que resume bem a diferença básica entre liberais e conservadores: "O liberal difere do conservador em sua disposição para encarar sua ignorância e admitir o quão pouco sabemos, sem alegar autoridade de fontes sobrenaturais de conhecimento onde sua razão falha".

http://rodrigoconstantino.blogspot.com

Abraços,
Rodrigo

Catellius disse...

Ué, Rodrigo, então agora você se fez entender menos ainda. Se você acha que "os conservadores são tão perigosos para a liberdade quanto os socialistas", por que reclama quando os conservadores comparam você a um comunista?

Cada um para seu lado, então. Por mim...

Abraços,

Norma

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Não entendi, Norma. O fato de eu considerar os conservadores perigosos me torna um comunista??? Quer dizer: se nazistas e comunistas disputam o poder e brigam, então quer dizer que um deles é liberal? O mundo é tão binário assim para vc? Se eu sou anti-conservador, por defender a liberdade, quer dizer que sou comunista, que também é contra a liberdade? Não entendi nada!

A comparação que os conservadores (alguns) fazem é estúpida. Pelo simples fato de ser ateu, esses seres de mente binária colocam tudo que é ateu no mesmo saco, ignorando que ateísmo não é doutrina assim como careca não é cor de cabelo. Não há nada em comum entre liberais e comunistas que possa misturá-los no mesmo saco. Mas se vc ler o último artigo do Luís Afonso, verá que ele não "pensa" assim. O Nivaldo Cordeiro é outro que vive misturando liberais ateus com comunistas. Uau! Ayn Rand virou comunista agora!!! Citei dois exemplos de dois "olavetes". Entendo que nem todos os conservadores são assim. Mas dos que conheço, muitos são. E há poucas coisas tão anti-liberais quanto Olavo de Carvalho.

Rodrigo

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Catellius disse...

Continuando:


Senhores Colunistas dos Blogs Coligados,

Parodiando meus tempos de marinha mercante, com relação ao acontecido, vi-me diante da necessidade de tomar uma decisão, e que foi, de fato, mas eis que até o momento ainda sofro com a possibilidade de ter sido injusto. Por isto mesmo rogo ao grupo, que minimize o fato, como forma de aliviar o peso que sinto pela decisão tomada. Por favor, não tenham isto como um raio de Zeus, caindo por sobre as cabeças dos mortais. Não se trata disto.

Peço especialmente ao escritor Cattellius, que certamente, sentiu mais o peso da decisão, e compreensivelmente há de estar magoado comigo. Digo isto especialmente quando, sem sequer ter havido qualquer pronunciamento de minha parte, tu mesmo, Catellius, já se adiantara ao Edson dizendo-lhe que sairia do blog de "bom grado" caso eu te pedisse, ou seja, já tinhas te antecipado com relação a mim de forma preventivamente agressiva.

Nosso blog tem uma proposta liberal-conservadora, e estamos aqui em busca do bom combate, isto é, contra as idéias coletivistas e socialistas. Para tanto, se propôs, como uma forma de alcançar um público fiel, uma boa rotatividade dos artigos, daí sermos hoje 41 colunistas, e uma ampla variedade de temas, como forma de alcançar uma amostra maior possível dentro do universo de leitores.

Por isto, é que cada escritor deve ter em conta que sua liberdade de escrever depende de uma dose de bom senso. Não podemos, por exemplo, exibir pornografia aqui, mesmo considerando que exibir pornografia não é algo proibido em si, e mesmo que eu nunca tenha me pronunciado a respeito disso antes. No caso, entendi que aquele artigo compunha-se de um puro ataque a uma religião, sem ter nenhum objetivo que não fosse o próprio desejo de destrui-la. Fazer as críticas que ali foram feitas não é proibido em si, mas é absurdamente inconveniente, para alguém que aceitou compartilhar seu espaço com escritores - e leitores - religiosos.

O escritor Reinaldo Azevedo nos dá em seu blog uma lição muito clara de como rápido se perde a confiança: diz ele que costumava pedir a seu filho que pulasse na piscina, e que ele o agarraria. Mas foi só uma vez que ele não fez isto, e o moleque deu com a cara e a barriga na água, para que ele nunca mais topasse o convite.

Assim será com os nossos leitores. Eles já aprenderam a identificar nosso blog como uma associação de escritores liberais-conservadores, unidos em torno de um fim comum, e pouco a pouco, de boca em boca, vamos ganhando a atenção de um público cada vez maior. Como haverão de pensar, caso leiam um artigo que se posiciona justamente contra o blog e muitos dos próprios leitores? Somente poderão achar que nosso blog não lhes merece a seriedade e a confiança depositadas!

Portanto, peço ao Catellius que compreenda a decisão tomada, que de modo algum, reitero, se coloca contra a sua pessoa ou contra seus artigos, mas somente se relaciona com uma atitude específica. Compreendam que temos uma derrota traçada e uma bússola. Vamos seguir nosso rumo juntos, sem remar pra trás, por favor.

Agradeço a todos.

Klauber Cristofen Pires

////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Caro Klauber,

Sinto discordar de sua visão. O artigo de Catellius é bem menos agressivo que o de Luís Afonso, por exemplo, no qual joga liberais e comunistas no mesmo saco, por causa do "Estado Laico". Outro falou de aborto com viés religioso também. Quero saber: posso postar o meu sobre aborto, defendendo sua legalização? O último artigo publicado fala de Dawkins, novamente de Luís Afonso. Quero então publicar o meu defendendo Dawkins! Mas o blog vai virar um blog religioso, pelo visto. Afinal, os religiosos mais fanáticos não conseguem evitar o assunto, e ateus como eu sentem-se na obrigação de reagir. Foi assim na Rede Liberal. O Nivaldo insistia com artigos religiosos, colocando liberais ateus no mesmo saco que comunistas, e hoje a rede conta com inúmeras mensagens sobre religião, para o desespero de Meira Penna.

Rodrigo

André disse...

Esse texto do Constantino sobre Liberias e Conservadore é muito bom.

“Não me interessa o que outros pensem sobre a Igreja católica , que eu mesmo já não tenha criticado antes.” Nossa, o cara q disse isso é bem seguro de si, não?

O prêmio de "best anti-communist blog" te incomodou é apenas uma bobagem. É como um prêmio "o melhor site monarquista" ou "o melhor site que não sabe pra onde vai" --- muitos blogs mercem esse.

Só textos “ bem escritos” devem ser mantidos? E quem vai decidir isso? O mesmo cara q escreve “dispenço-me” em seu blog “conservador”?

Olavo de Carvalho é um ultraliberal democrata. Para o contexto do ano 1000 A.D.

Se certas pessoas tentassem ser liberais em economia e costumes, mas conservadoras em política (e com moderação), se tivessem essa elasticidade, algumas tem, mas é difícil. Mas esse pessoal que adora um extremo é complicado. Falta de nuances é algo complicado. Acho q o Blogs Coligados desponta para o anonimato, só isso.

andré disse...

correção: liberais e conservadores

André disse...

O conservador que não sabe escrever acha q o liberalismo "prepara o terreno para o comunismo, através da dissolução dos valores, blá, blá, blá..." Isso me faz sentir tão TFP!

Catellius disse...

continuando:

Rodrigo,

De onde você tirou essa idéia de que os comunistas ou socialistas são contra a liberdade total? vou denfendê-los aqui nesse ponto - não que concorde com eles, longe disso. Mas é injusto afirmar isso deles. Para quem estuda a doutrina comunista é fácil perceber que se é uma coisa que eles mais anseiam é a liberdade absoluta; mas uma liberdade que não gere desigualdades.

O escritor socialista francês Laurent Joffrin assinala satisfeito: “Certas correntes do neoliberalismo se situam nas antípodas desta ressurreição da ordem moral, pregando um liberalismo integral que proíbe a coletividade de intrometer-se em qualquer das preferências pessoais dos cidadãos por muito contrárias que possam parecer à moral corrente. O movimento libertário, uma das facções mais ativas do neoliberalismo, fala por exemplo em nome dos direitos do indivíduo para que se permita a venda livre de narcóticos. (...)
“O esquerdismo se dissolveu na crise. Hoje em dia, é o liberalismo o que tem seus extremistas, (...) os anarco-capitalistas. (...) O partido libertário, principal organização desta nebulosa anarco-capitalista, aumenta cada ano sua influência. (...)Os libertários já não querem o Estado, (...) querem suprimir as leis e os regulamentos. (...) Os libertários pedem, assim mesmo, a supressão pura e simples da justiça, da polícia e do exército. Os queixantes recorreram a juízes particulares, (...) os cidadãos à milícia privada para lutar contra os crimes”. (La Gauche en voie de disparition – Comment changer sans trahir?, pp. 44, 52-53)

Sobre este mesmo tema, Laurent Joffrin enumera com bibliografia fundamental: Henri Arvon, Les libertariens américains, PUF, Paris, 1983; David Friedman, The Machinery of Freedom, Harper na Row, New York, 1973; Pierre Lemieux, Du libéralisme à l´anarcho-capitalisme, PUF, Paris, 1983; Robert Nozick, Anarchy, State and Utopia, Basic Books, New York, 1974. (Idem. Op.Cit. pp. 44, 53-54)

A primeira vista, a ditadura do proletariado cujo fim é a instauração da igualdade social, pareceria o contrário do que pretende o liberalismo. Pois, como os homens podem ser livres debaixo de uma ditadura férrea?

Deixo a resposta com o professor Plínio Corrêa de Oliveira: “É bem verdade que uma ordem de coisas igualitárias suporia o dirigismo, pois a liberdade produz naturalmente a desigualdade. (...) Para eles [os comunistas], o dirigismo total inerente à ditadura do proletariado deve estabelecer de uma vez por todas a igualdade entre os homens. Isto alcançado, o poder político deverá desaparecer, cedendo lugar à ordem de coisas inteiramente anárquica (no sentido etimológico da palavra), na qual a plena liberdade já não engendrará desigualdades. Para os comunistas, não há senão uma incompatibilidade transitória entre a igualdade e a liberdade. Sob a ditadura do proletariado, sacrifica-se provisoriamente a liberdade para instaurar a igualdade total. Esta operação, entretanto, prepara a era anárquica em que a plena igualdade e a inteira liberdade conviverão. De sorte que em seu espírito e em sua meta o dirigismo comunista é ultraliberal. Além disso, em pleno regime capitalista, o liberalismo prepara o terreno para o comunismo no que diz respeito à família e aos bons costumes. À medida que o liberalismo moral vai abrindo campo ao divórcio, ao adultério, à revolta dos filhos e dos empregados domésticos, dissolve-se, com efeito, o lar. E com isto as mentalidades se vão habituando cada vez mais a uma ordem de coisas em que não existe família. Em outros termos, vão caminhando para o amor livre, inerente ao comunismo”. (Baldeação ideológica inadvertida e diálogo, Vera Cruz, 3ª Edição, São Paulo, p. 11)

Em outro livro, Plínio Corrêa de Oliveira resume o assunto: “a efervescência das paixões desregradas, se desperta de um lado o ódio a qualquer freio e qualquer lei, de outro lado provoca o ódio contra qualquer desigualdade. Tal efervescência conduz assim à concepção utópica do ‘anarquismo’ marxista, segundo a qual uma humanidade evoluída, vivendo numa sociedade sem classes nem governo, poderia gozar da ordem perfeita e da mais inteira liberdade, sem que desta se originasse qualquer desigualdade. Como se vê, o ideal simultaneamente mais liberal e mais igualitário que se possa imaginar.

“Com efeito, a utopia anárquica do marxismo consiste em um estado de coisas em que a personalidade humana teria alcançado um alto grau de progresso, de tal maneira que lhe seria possível desenvolver-se livremente numa sociedade sem Estado nem governo.

“Nessa sociedade - que, apesar de não ter governo, viveria em plena ordem - a produção econômica estaria organizada e muito desenvolvida, e a distinção entre trabalho intelectual e manual estaria superada. Um processo seletivo ainda não determinado levaria à direção da economia os mais capazes, sem que daí decorresse a formação de classes”. (Revolução e Contra-Revolução, ArtPress, 4ª Edição, São Paulo, pp. 68-69).

Friederich Engels descreveu com estas palavras a sociedade tribal dos índios iroqueses: "Admirável constituição dessas pessoas, em toda a sua juventude e com toda sua simplicidade! Sem soldados (polícia, nobreza, reis, governadores, prefeitos, juízes) sem prisioneiros nem processos, tudo anda com regularidade. Todas as querelas e todos os conflitos são resolvidos pela coletividade a quem concernem, a pessoa ou a tribo, ou as diversas pessoas entre elas. (...) Não faz falta nosso estorvo de aparato administrativo, tão vasto e tão complicado. (...) econômia doméstica é comum para um série de famílias e é comunista; o sólo é propriedade da tribo e, só a princípio, tem as casas pequenas hortas. (...) Todos são iguais e livres".

Com base nesta descrição, explica em seguita a etapa final da revolução comunista: "Assim, pois, o Estado não existe desde toda a eternidade. Houve sociedades que se passaram sem ele, que não tiveram nenhuma noção de Estado e da autoridade do Estado. Em certo grau de desenvolvimento econômico, necessariamente unido a separação da sociedade em classes, esta divisão fez do Estado um necessidade. Agora nos aproximamos, a passo de gigante, a um grau de desenvolvimento da produção em que, não só deixou de ser uma necessidade a existência destas classes, senão que chegou a ser um obstáculo positivo para a produção. As classes desapareceram tão fatalmente como surguiram. (Com o desaparecimento das classes, desaparecerá inevitavelmente o Estado). A sociedade que organizará de novo a produção sob as bases de uma associação livre e igualitária de produtores, transportará toda a máquina do Estado para onde, desde então, o corresponde ter seu posto: o museu de antiguidades".(Cfr. Frederich ENGELS, Origem da Família - A propriedade e o Estado, pp. 122, 216-217). [Esta tradução, feita pela Academia de Ciências da URSS, retirou ou omitiu em certos trechos o texto de Engels por razões por razões políticas. Entre parenteses temos posto as frases omitidas que figuram em outras traduções.]

Fontes: http://conservadoredai.blogspot.com/2006/12/rumo-um-paraso-revolucionrio-utpico.html
http://conservadoredai.blogspot.com/2006/10/conexo-entre-liberalismo-e.html

Catellius disse...

continuando:

Rodrigo e Amigos,

Certamente, sua ausência não passou despercebida, e, da mesma forma como já tinha pedido ao próprio LA para que retornasse também a postar nos Blogs Coligados, também peço que retorne, eis que sua presença, pelo menos pra mim, é muito estimada, independentemente das nossas concepções, que sabes serem em alguns casos, diferentes.

Agora, voltando ao assunto, entendo que existe uma diferença entre discutir a questão do aborto e atacar a Igreja Católica - ou qualquer outra - ou mesmo os ateus, de uma forma, como digo, "pura", isto é, pelo só fato de alguém adotá-la.

Por exemplo: entre eu, tu e o Luís Afonso, por exemplo, mantém-se três posicionamentos diferentes quanto à matéria: tu dizes (salvo engano) que o aborto é lícito, até pelo menos um certo estágio; o Luís Afonso diz que é ilícito porque é contra as Leis de Deus; e eu digo que é ilícito porque é contra a doutrina liberal (já escrevi um artigo sobre isto). Entendo que todos estes posicionamentos são apresentáveis nos Blogs Coligados, e talvez outros, se existirem, e enriquecem nosso blog.

Lembrando Ludwig von Mises, ele nos ensina que os nossos valores morais não podem ser transmitidos geneticamente. Eles precisam ser repassados a cada geração, que os ouve, processa, e sobre eles forma uma nova convicção (ainda que permaneça a mesma). É por isto que é necessária a vigência de uma separação entre Estado e Igreja. Neste sentido, é que discordo do posicionamento de OdeC, e por extensão, dos conservadores, quando imaginam construir uma sociedade baseada puramente em termos de tradição. Por isto mesmo, é que admito a presença de todos estes posicionamentos nos Blogs Coligados. Justamente porque a responsabilidade de processar a informação não nos pertence, mas sim aos próprios leitores.

Assim, repito, mesmo ainda sem ter lido o artigo de LA: por favor, evitem o ataque que eu chamo de "puro", se me entendem. Todas as pessoas são muito complexas. Eu afirmo, aqui com muita certeza, que já vi provas de extrema religiosidade em ateus e de vacilo da fé entre religiosos. Nem sempre somos quem pensamos ser. As atribulações e provações de nossas existências, somadas às nossas fraquezas pessoais, pedem de nós uma constante vigília e uma dose extrema de tolerância.

É isto. Bastam nossas adversidades naturais. Espero que possamos retornar aos Blogs Coligados todos, fortalecidos a partir daqui ( Não me esqueci de ti, Catellius).

Um grande abraço a todos,

Klauber

André disse...

Essa também é boa: "com o marxismo, a efervescência das paixões desregradas conduz..."

Eu não sei não, mas acho q esse negócio aí de paixões desregradas deve ser muito bom... Vai uma permissividade também?

Catellius disse...

Eu mesmo:


O que se depura de meu texto:

- A Basílica de São Pedro foi construída com a ajuda da venda de indulgências. - Verdadeiro

- Não há maternidade no Vaticano. - Verdadeiro

- Mulheres não religiosas já freqüentaram secretamente os aposentos papais, ao longo da história. - Yes, eles têm bananas...

- Um padre polonês e outros fiéis de seu país distribuíram cartazes com os dizeres "Santo Subito": - Verdadeiro

- A "súbita" beatificação representou um discreto atropelo do Código de Direito Canônico - falso; o atropelo não foi nada discreto.

- A medicina não explicar algo o torna inexplicável ou inexplicado? - Segunda Alternativa

- Jogou-se fumaça sobre o episódio envolvendo a Guarda Suíça? - verdadeiro

- Nossa Senhora é "de Fátima" apenas quando está saltitando sobre azinheiras ou mesmo quando estava invisível no local do atentado? Aí não deveria ser apenas Nossa Senhora? Por isso a Virgem de Guadalupe entrou na roda. Pareceu-me engraçado ela estar ocupada naquele momento. E se N. Srª de Fátima desviou as balas, por que não as desviou totalmente? Sei, desígnios divinos... Então já era desígnio divino desde o começo, ora bolas. Por isso escrevi "ingerência celestial".

- Santos são meros intercessores? - Só para o catecismo. Se analisarmos a capacidade que têm de ouvir e despachar preces para o alto, de milhões de fiéis ao mesmo tempo, fica fácil classificá-los como semideuses.

- O conclave que elegeu B16 foi inspirado pelo Espírito Santo? Não, segundo um cardeal que deu com a língua nos dentes.

O resto é piadinha, meninos. Não contem para o papai, ok?

André disse...

Catellius, vc ainda persiste na heresia: nem verdadeiro nem falso, NÃO PASSÍVEL DE DISCUSSÃO, isso sim, pois santificado.

Não só mocinhas laicas, como também muitas freirinhas freqüentam aposentos. E não só os papais. Cardinalícios também. E não só os aposentos.

Ah, palavras: Conventilho quer dizer lupanar, prostíbulo, casa de tolerância... E dizem que veio da palavra Convento. Já pensou um post falando sobre isso, o q não levaria em cima?

As balas foram desviadas por N. Sa. De La Beretta. Mas não deu muito certo porque a pistola era de fabricação russa (pagã).

O guarda suíço estava metido com outro guarda, com um padre ou com uma freira? E de q forma ele estava metido? E havia um(a) terceiro(a), pra variar, não havia?

Não há maternidade no Vaticano. Mas o hospital fica logo ali ao lado.

Bocage disse...

Ho ho ho, que imbróglio típico de religiosos esquizofrênicos!

André disse...

Isso mesmo: um caso clássico de esquizofrenia religiosa. Tudo para eles é profundamente ofensivo...

C. Mouro disse...

Eu li o artigo do LA, e se não me engano (faz muito tempo) é o mesmo da Rede liberal, que no meu debate com o Heitor achou que eu seria da área da informática e logo saiu-se dizendo que em tal área se é desonesto, dando o exemplo de seus ex-sócios. Isso porque eu defendi a tese de que honestidade nada tem com religião, e que a ética é devido a inteligência e não à crença em deuses contraditórios, que ditam o mandamento "não matarás" e em seguida manda matar homens, mulheres e crianças até de peito, e até manda violar mulheres dos povos derrotados e ficar com aquelas que ainda não se deitarm com outros homens. ...essa é a tal moral de Javé. ...cuisp! ...
...eu achei isso tão estúpido que nem respondi ao abestalhado.
.
Aliás, a esteriteza mental do sujeito faz associações imbecis: Marx dizia-se ateu e criou o comunismo, logo um religioso não é comunista... ...francamente, que estupidez essa "lógica" chinfrim.
Os tipos esquecem que muito antes de Marx o lunático cristão Thomas More, fervoroso católico, santo, escreveu sua "Utopia" como apologia a um dirigismo totalitário que nem Marx ousou esclarecer.
T. More era um lunático que escreveu atrocidades para defender seu "mundo melhor". A diferença para Marx é que sendo um lunático não teve vergonha de explicar o funcionamento de sua Utopia. Já Marx, um embusteiro profissional que anuia perfeitamente com a "Lei da Usura" católica, espertamente não explicou o seu "comunismo" e nem mesmo o funcionamento do seu "socialismo científico", deixando apenas a palavra para que cada um fantasiasse o fim sem pensar no meio. Essa foi a razão do sucesso de Marx, e não se pode negar que seu "comunismo" ou o seu "socialismo científico" estava impregnado da moral cristã que os cristãos desprezavam, preferindo a racionalidade da ética estóica, filosófica e não ideológica, racional e não emocional. Enfim, Marx foi muito mais cristão que os cristãos, que também inventaram uma idiotice impossível de ser seguida à risca: imagine-se seguir uma moral que diz que se alguém te fere uma face, oferece-lhe a outra; ou se "alguém roubar o que é teu, não lho reclames"; ou ainda "dá a todo que te pedir", "não acumules tesouros na terra", ou ainda, algo dizendo que os pobres serão recompensados, "mas ai daqueles que são ricos" pois sofrerão horrores. E o pior, "ama o teu inimigo, ´pois não há mérito em amar os amigos, pois assim até os maus procedem"; e ainda manda perdoar sempre aos perversos criando uma moral para valorizar tais absurdos.

Imagine-se o mundo sob a moral cristã!!! ...seria o Paraíso dos Paraísos para toda sorte de canalhas, que escravizariam absolutamente os cristãos que seguissem a moral cristã, estupida, capitulacionista, uma aberração. Ou seja, uma idiotice, uma fantasia impossível justamente para se ficar sempre nos meios, já que os apregoados fins são inatingíveis. EXATAMENTE O QUE FEZ K. MARX, inventou um fim inatingível para perpetuar os meios.
Ademais, defendo a tese de que K. Marx foi o salvador da Igreja, pois sendo criticada por seu totalitarismo aproveitou o "bode na sala" e se fez a oposição ao totalitarismo "comunista" ou socialista (=Poder para autoridades, ou Poder para o Estado e seus agregados). Com isso, diante do "bode", mais fedorento, ante uma igreja desejada mais branda, certamente muitos minoraram suas críticas aos maníacos religiosos para tentar unir-se a eles contra o marxismo, ou idéias estatais totalitárias.

...deu no que deu! ...tão logo a igreja recebeu um "ar fresco" salvador, passou-se a enrabichar-se com o próprio "bode" (não sentia o fedor deste, pois já habituada com o próprio).
Assim, as missas e as autoridades religiosas deitavam pregação onde mesmo quando criticavam o ateísmo marxista lhes louvava as intenções. Com isso as críticas ao marxismo eram mais ao ateísmo que a seu ideal político.
Enfim, ideologias são podres e se enrabicham cedo ou tarde. Observe-se o atual enrabichamento dos socialistas com os islamicos, a maioria extremamaente simpática aos "Bin Ladens", mesmo os marxistas descarados não conseguem deter a simpatia por estes totalitários religiosos.

O que sucedeu da entrega da causa aos religiosos conservadores foi a fixação do valores socialistas, que aliás precedem Marx. Difícil combater os socialistas louvando-lhes a moral um tanto ascética, totalmente oposta a filosofia estóica.

Ora, o "homem novo" de Marx seria um tanto ascético, apartado dos valores materiais, um verdadeiro cupim ou zumbi.
.
Mas o tal de LA esqcreve as asneiras que escreveu apenas para fazer coro aos demais maníacos religiosos que têm plena consciência que a repetição de uma mentira pode faze-la "verdade". Não se coram ante os absurdos que difundem, mesmo que desmoraçlizados para os que sabem alguma coisa, se amparam na idéia de que enganarão muitos com suas mentiras, e é isso que lhes interessa.
...hehehe! Thomas More é o maior inimigo do tal de LA....
.
Abraços
C. Mouro

C. Mouro disse...

Os cristãos têm como seu melhor argumento o "coitadismo": "Cristo sofreu para nos salvar" e ios cristãos foram perseguidos, ou ainda dizem que o são, ms por outros religiosos e não por ateus. Mas fazem questão de omitir essa ultima parte; essa é a moral deles. Também confundem "comunistas" com ateus para dizerem que foram perseguidos por ateus; essa é a qualidade moral deles. Pois "comunistas" perseguiam ou perseguem os não comunistas, sobretudo os libertários, e se entre estes estão cristãos, vão no embalo. ...mas os cristãos se fazem de coitadinhos perseguidos por "ateus comunistas", e choram e choram pitangas, esquecendo que as perseguições brutais foram ensinadas pelas ideologias. Afinal, impedir a difusão de críticas é o objetivo das ideologias, mesmo que seus adeptos se fazendo de donzelas ofendidas com as críticas, chorosas e magoadinhas.... esquecem que quando tinham o Poder não faziam críticas, mas queimavam os hereges e divergentes.
Mas a confrontação crítica, a contestação a suas maluquices foi exatamente a focinheira que lhe puseram. Pois através delas não conseguiam dar continuidade a suas manias (a critica provoca GPFs mentais - conflitos com o restop de razão). Se todos se calam eles se livram da angústia amparados pelo silencio tomado como anuência, e assim se escoram na "consciência externa" para combater qualquer rebeldia da interna, anulando-a sob o "argumento da quantidade".

É isso que almejam copm "religião não se discute" pois que magoa os coitadinhos
...mas eu pergunto: pelo mesmo motivo os socialistas podem choramingar contra as críticas à sua alegada crença?????

....Bem os socialistas também gostasm de choramingar e se dizerem perseguidos pela "direita" capitalista - e a dizem o nazismo e o fascismo, que eram também socialistas. Mas a repetição da "lógica" chinfrim que considera que se o comando vermelho entra em confroto com o terceiro comando, então um deles é da polícia, já que polícia opõe-se (deveria) à bandidagem ...logo.....

E essa repetição fez sucesso, e com ela os tais "comunistas" se faziam de vítimas bondosas perseguidas pelos "malvados capitalistas" por almejarem o bem do povo e chuif chuif chuif ...covardes sem vergonha na cara!
...Como os bandidos, ops, hoje autoridades, depois de derrotados passaram a dizer que defendiam a democracia e a liberdade. ...esses canalhas covardes usam as palavras sem qualquer nexo, saem falando sem preocuparem-se com o nexo ...como fez e faz os tais de conservadores.

...são muiiitoooo parecidos, muitíssimo parecidos na baixeza, embora hjam exceções, ´poucas mas há.
São chorões, metirosos, desavergonhados, dissimulados e obstinados.
...Também, o socialismo precedeu Marx, e Marx era convicto na verdade da "Lei da Usura" católica.
.
Abraços
C. Mouro

Catellius disse...

C. Mouro,

Simplesmente brilhante. Estou envergonhado, he he. Os seus comentários deveriam estar no lugar dos meus posts, he he.
Já tento fazer algum comentário, também às excelentes linhas do André.

Vou continuar com a choradeira via e-mail:

///////////////////////////////////////////

Catellius e amigos,

Reiteradamente, vou responder que aqui não se trata de uma análise de mérito das observações de Catellius, mas uma análise do OBJETIVO, que foi o de - unicamente - defenestrar os católicos, pura e simplesmente.

Quer eles creiam na Virgem Maria ou na Mula-Sem-Cabeça, isto é irrelevante. Eles acreditam, e isto, de nossa parte, é tudo. O que quero que entendas é que os Blogs Coligados não podem ser o forum adequado para este tratamento.

Há um filme que recomendo a todos, que se chama "Sunshine". Nele o protagonista é uma sequência de várias gerações de uma família judia, "Soneshine". E ele (o último descendente) nos reporta, ao fim, alguns bons conselhos, entre os quais, o de adotar uma religião. Importante é ele mesmo salientar que não existe nenhuma religião perfeita, mas que, mesmo assim, é melhor do que não ter nenhuma.

Por isto, Cattlellius, saiba que muitos católicos estão bem conscientes dos erros humanos cometidos dentro da Instituição humana que se denomina Igreja Católica. Coisa diferente, todavia, é fazer como tu fizeste, querendo destruir a fé das pessoas por apontando erros humanos que se verificaram na história.

Deixem-me fazer um testemunho pessoal: quando conheci a mulher que hoje é minha esposa, há vinte anos atrás, sua cunhada de criação começou a ser vítima de incorporação de espíritos. Vocês talvez não adivinhem o que todos passamos. Passados os anos, temos aprendido sobre estes eventos. Ainda há um ano atrás, conversei com a avó de minha esposa, falecida há vários anos, por meio de sua tia, que também era médium (faleceu ano passado). Por que eu acredito nestes eventos? Porque, reunidas as condições e as particularidades, entendi que não se tratava de um fenômeno paranormal (aquelas explicações sem pé nem cabeça, tais como transpsições do pensamento, ou a manifestação do pensamento coletivo, ou raio que o parta), nem sequer uma fraude, até porque faltava o principal (o motivo). E por quê te digo isto, Catellius? Para que compreendas que existe mais - muito mais - entre o Céu e a Terra do que supõe a nossa vã filosofia, citando, pobremente, mas verdadeiramente, Shakespeare. E para que compreendas que, por detrás de tantos erros humanos na tentativa de encontrar Deus, como te sói ocorrer com os católicos, alguma coisa há lá, de fato, e é isto o que realmente os liga.

Bom, isto me aconteceu e disso dou meu testemunho. Acreditares ou não é problema teu. Todavia, não pensas que a mera possibilidade de acontecer já não é digna de respeito? Afinal, tua sabedoria de não crença não é sabedoria, mas negação da sabedoria alheia, ainda que possa ser falha ou falsa.

É isto. Obrigado a todos.

Klauber

//////////////////////////////////////

Caro Klauber,

Vou comentar alguns trechos:

"...mas uma análise do OBJETIVO, que foi o de - unicamente - defenestrar os católicos, pura e simplesmente."

Não falei dos católicos mas das coisas estapafúrdias que envolvem a canonização de JPII. Não poderia "jogar pela janela" católicos, caso contrário ficaria sem mãe, pai, esposa e irmãos.

"Por isto, Cattlellius, saiba que muitos católicos estão bem conscientes dos erros humanos cometidos dentro da Instituição humana que se denomina Igreja Católica."

Segundo a doutrina oficial, a Igreja Católica é o corpo místico de Cristo, santa, embora os homens sejam pecadores, seja lá o que isto signifique. Então você, ao classificá-la como instituição humana, tento sido, oficialmente, instituída por Jesus, incorre em grave heresia. O que interessa, para mim, é que a ICAR se mete em questões de saúde pública, em política, ciência, e tudo o mais - não se restringe à sua fé na Mula-sem-cabeça (não falo de João Batista) - mas quando alguém inventa de expor as contradições de sua fé, a hipocrisia de seus dirigentes, os fiéis urram indignados, ávidos por martírio e vitimização, eles que são a esmagadora maioria deste país subdesenvolvido.

"Coisa diferente, todavia, é fazer como tu fizeste, querendo destruir a fé das pessoas por apontando erros humanos que se verificaram na história. "

Já apontei erros divinos, como os massacres de Canaã, os massacres dos garotos que riram de Eliseu, etc. mas aí vocês virão com mistérios insondáveis, credo quia absurdum, com linguagem simbólica, hermenêutica, exegese, "dureza dos vossos corações", etc.

Se um cristão não se envergonha de ter destruído a fé de um muçulmano convertendo-o à heresia judaica da qual faz parte, por que não posso tentar converter cristãos ao lado racional da força? rs Só religiosos podem ser proselitistas? Como o cristianismo tornou-se religião oficial do Império Romano? Respeitando as crenças da maioria?

Sobre os testemunhos, fico com Hume. Se a falsidade de um ou de vários testemunhos é mais maravilhosa do que a maravilha que tentam estabelecer, tudo bem. Se para alguns vocês estarem enganados a respeito de espíritos malignos e incorporações é mais maravilhoso do que espíritos malignos incorporarem seus conhecidos, tudo bem. para mim não funciona assim.

Uma pessoa acertar na Mega-Sena é maravilhoso! Seis dezenas! Mas sempre alguém ganhará, afinal são milhões de tentativas... Quando o seu deus maravilhoso curar amputados, regenerar um mindinho que seja, posso rever meus conceitos. Mas deuses não curam amputados, não é mesmo? Fazem anencéfalos discutir filosofia, mulheres gestarem na bexiga, e é tudo... Quanto mais a ciência avança, menos milagres são comprovados em Lourdes, por exemplo. O último foi na década de 70. Por isso os bispos de lá querem relaxar os critérios, diminuir um pouco o poder do Lourdes Medical Bureau. A coisa é mais ou menos assim: as canonizações em massa que JPII promoveu demandaram milagres em massa - e isto, ao meu ver, emburrece as populações, promove a superstição, a bovinidade (desculpem o termo).

"Afinal, tua sabedoria de não crença não é sabedoria, mas negação da sabedoria alheia, ainda que possa ser falha ou falsa."

Sabedoria falsa? Vixi...

Se existe sobrenatural, ele é natural. O conceito está errado. Penso assim. Se aparecer algum corvo branco, os errados são os dicionários, obviamente, não o corvo. Se quando um corpo (humano) morre sempre se desprende uma alma, classificaria este evento como natural. Mas até hoje não vi motivos para crer nisso. Reforço comunitário não é o bastante para mim. Outras pessoas acreditarem e reforçarem as crenças que me foram passadas pelos meus pais já foi importante, até meus 18 anos, ler testemunhos como os seus nunca foram o bastante.

Abraços

Catellius

Catellius disse...

"E textos mal escritos sobre política, pró-religião ou que vão ao encontro de suas crenças, merecem ser excluídos?"

Caro Catellius

Deixei isso bem claro. Se for ruim, mesmo que seja sobre algo que gosto, rasga fora, apaga, não estou nem aí.

Além do mais, UMA PESSOA reagiu como se tivesse sido ofendido pelo seu texto. Eu só achei ruim. Não é um assunto religioso, no meu caso. É questão de estilo, gramática, literatura, argumentação. Seu texto não teve qualquer efeito. Fazer o quê?

Ainda por cima, qualquer bom site de conteúdo tem uma editoria definida, exigem que "até uma anedota" seja "bem escrita". Faz parte do jogo. Não estou falando de ponto-de-vista, mas de capacidade de redação mesmo. Os liberais sabem muito bem disso. Vence quem é capaz, se estabelece aquilo que tem demanda, etc.

Se você quer liberdade absoluta, uma respeito à pluralidade de opiniões, juntou-se à turma errada. Não são os liberais que proporcionam isso, mas algumas áreas da esquerda.

Você escreveu um texto ruim, alguém reclamou e chamou a atenção do Klauber. Não precisava de tanto estardalhaço. É impossível para uma só pessoa filtrar todo o conteúdo do BC. Agora você quer transformar isso numa tragédia grega. Nem leu minha mensagem até o fim. Parece que o vírus Rodrigo Constantino anda se espalhando entre os liberais. Responder coisas que nem estão em pauta.


Eu reclamei da qualidade do seu texto, e não do posicionamento. Reescreve a coisa toda e, se sair um escrito inteligente, serei o primeiro a defender sua publicação, não importa o quê.

Abraço

Lefebvre

///////////////////////////////////////

Ao Lefebvre

Caro poeta maldito (no sentido byroniano),

Perdi meia hora de meu precioso dia visitando seu blog.

Em meados de fevereiro você publicou seu último texto (ou "análise") no B.C. Pareceu-me um abutre que tenta fisgar uma carniça aqui outra acolá do debate entre Constantino e o Olavo. Claro que de lá para cá não deve ter produzido nada que julgasse digno de figurar no B.C, afinal textos sobre como o Rio de Janeiro acabou após 1960 não interessam tanto assim, não é mesmo? Muito bem, quatro pessoas se dignaram a comentar sua "análise", e a uma delas você respondeu: "Pelo visto minha análise mais discreta não faz tanto sucesso como quanto a briga dos dois." E depois reconhece: "Ou o meu texto é realmente um lixo. Vai saber. Valeu pelo comentário."
Obs. "como quanto"? Sugiro a expulsão de Saboya do B.C.

Em alta cotação entre plagiadores universitários:

"Para os universitários mais aéreos, não recomendo usar nada em trabalhos, principalmente as resenhas de livros. Sabem como é, o professor lê aquele trabalho xinfrim e já sabe que aquilo só pode ter vindo de um site desconhecido da rede. Quase todos já passaram por esse humilde site. Culpe o Google Inc.. Copie por sua própria conta e risco, porque eu não autorizo."

No princípio, era o caos:

"O Breves Notas é uma obra organizada de um modo um tanto caótico"

Um biógrafo (seu super ego) escreve sobre ele na terceira pessoa. Linguagem profunda:

"Lefebvre de Saboya nasceu no dia 11 de dezembro de 1980, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, aonde viveu até os 5 anos. Depois, mudou-se com seus pais e irmã para Olinda, Recife, Natal, Brasília e, finalmente, voltou para Campo Grande em 1990. (...) Aos 18 anos, entrou na faculdade de Arquitectura em Porto Alegre, onde conheceu a verdadeira solidão."
Obs. A verdadeira solidão encontrou na caixa de comentários, rs "Aonde viveu" foi fogo... Sugiro a expulsão de Saboya do B.C.

Incompreendido. Seria por causa da falta de estilo?

"A habilidade de Lefebvre era muito grande para ser censurada por meros clientes da agência. Por isso, retirou-se da actividade permanentemente."

Incorpora Byron. O que teria acontecido ao seu bem mais precioso durante a inconsciência?

"Lefebvre de Saboya admirava os poetas do mal-do-século e desejava viver a mesma boemia dos seus inspiradores. Por vezes precisou ser carregado para casa. Teve vários amores feitos & desfeitos. "

Boatos se espalham sobre ele, uma lenda viva:

"Conta-se que, sob o efeito da bebida, ele escrevia os mais belos poemas declarando seu amor, ódio, rancor e esperança. "
Obs. Só eram belos enquanto os demais estavam bêbados.

A maior glória de sua vida, que fecha a sua biografia:

"Discutiu com os professores que subestimavam sua capacidade de raciocínio. Não assistiu mais às aulas. Foi reprovado em todas as matérias por falta de frequência, mas tirou grau A em todas as provas do semestre. "

Sobre Diogo Mainardi. Que estilo!

"Gostariam os mais reacionários, que o acusam de ser reacionário, que Diogo fizesse algo mais produtivo com sua inteligência (ou simplesmente calasse-se). Já outros encontram nele o ótimo crítico, "
Obs. Digitem "calasse-se" no google (calma, não é plágio universitário) e vejam o que aparece no topo da lista, he he! Sugiro a expulsão de Saboya do B.C.

Repetindo: voto pela saída de Lefebvre de Saboya, afinal não sou o único que escreve "mau", he he he

Abraços a todos

p.s. Saboya, nem se rebaixe a responder a um sujeito baixo como eu. E desculpe-me pela aliteração.
p.s. 2 - tomei o cuidado de retirar o David da lista. Façam o mesmo, rs

Bocage disse...

Surtaste, Catellius. Onde viste aliteração?

C. Mouro disse...

Pô! O tal Lefebvre dos comments acima é quem escreveu isso que vai abaixo?
.
"Se você quer liberdade absoluta, uma respeito à pluralidade de opiniões, juntou-se à turma errada. Não são os liberais que proporcionam isso, mas algumas áreas da esquerda."
.
Caracoles!
Então esse tipo, para ser um asno, só falta ter olhos! ...hehehe!
.
Catellius, és generoso, sou-lhe grato.
Só os socialistas, "perseguidos" pelos malvados capitalistas e os cristãos "perseguidos" pelos malvados ateus choram vitimados, coitadinhos. ...mostrar o que eles são não é choradeira.
.
...hehehe! de cara eu imaginei que seu brilhantíssimo e bem humorado texto, iria dar panos para manga caso lido e entendido pelos coitadinhos tão "perseguidos" pelos malvadões. ...hehehe! ...quando a verdade é exposta de forma tão deliciosa ela dói mais, ela machuca mais que os instrumentos de tortura que os bondosos cristãos usaram para, como diz o "Bin Ladem" bananeiro, convencer os hereges de seu erro. ....hehehe!
.
A crítica, a contestação, é uma focinheira para ideológicos. Por isso eles almejam o silêncio, para interpreta-lo como anuência si8lenciosa. Afinal, se apenas o apoio comunitário é visível então a ideologia vira "verdade". Eles querem usar a "espiral do silêncio".
.
Forte abraço
C. Mouro

André disse...

Sim, o comunismo cristão é até tolerado por certos cristãos. Mas o comunismo ateu, não.

E vários blogs continuam com a bobagem de que C. Mouro é Catellius são a mesma pessoa...

Eu vi esse filme, Sunshine. É bom. Ralph Fiennes faz a figura principal de cada geração de uma família de judeus húngaros. Sobrenome Storz, alterado, evitando o Sonnenheim ou Schonnenheim, que entregaria a origem judaica da família.

Exceto por alguns húngaros que não são anti-semitas, a família só apanha. Primeiro, o anti-semitismo dentro do exército húngaro, do qual um dos Storz fazia parte como esgrimista. Depois, os nazistas. Depois, a vingança em cima dos nazistas graças ao comunismo. Em seguida, o comunismo se volta contra um Storz, e logo o que mais diligentemente trabalhou pela causa (acreditava nela, inclusive). Uma tristeza só, mas muito bom. E Ralph Fiennnes é um excelente ator.

Essa parte da qual ele fala é no final, quando ele descobre uma carta de um bisavô ou algo mais distante para o chefe de família seguinte na linhagem. Ele dá vários conselhos, mas esse da religião deve ser entendido no contexto. Não é um “adote uma religião” assim, de forma absoluta. É um preceito moral. Esse conselho tem q ser observado em conjunto com os demais, como “não acredite em nada do q os outros dizem sobre um determinado assunto, mas sim na sua opinião sobre ele, não se guie pelas impressões de terceiros, não confie excessivamente nos outros” e por aí vai. Uma bela carta, mas que não se resume a uma coleção de preceitos morais isolados.

Aliás, judeus na Europa de 1920/30, o último lugar de onde poderia sair alguma ajuda seria a Igreja Católica, ainda mais a de Pio XII. De católicos individualmente, pessoas movidas por compaixão, talvez viesse alguma ajuda. Mas o filme não mexe com a Igreja, até porque os judeus já possuem a sua e costumam ficar bem na deles. Uma família aristocrática e refinada como a do filme, então, nem se fala.

“Vítima de incorporação de espíritos”? Eu não sou kardecista ou praticante de candomblé, mas não me referiria a esse pessoal dessa forma. Vítima? Parece até um crime! Deixe cada um com suas crenças, meu amigo.

Esse Lefebvre Saboya tem um blog tipo vitrine, bonitinho mas sempre parado, às moscas. Acho q quer fazer o tipo descolado de internet, cool. Um poeta urbano, protótipo de Renato Russo, talvez.

Estudei com uma garota que só se referia e ela na 3ª pessoa. Isso na frente de todo mundo. Vai entender...

"Aonde viveu", organização um tanto caótica...

Muita poesia maldita dá em tuberculose e morte aos 20 anos.

André disse...

Minha caixa de e-mail foi inundada com comentários, a maioria verborrágicos, daquele pessoal do BC. Saí do BC e pedi para que tirassem meu e-mail da lista, mas fui ignorado. Bloqueei os dois e-mails principais deles, acho q agora isso vai acabar.

No começo até era divertido, mas depois os mesmos comentários de cada um deles começaram a ser reenviados cinco, seis vezes. Nada de novo.

Entrei lá há umas duas semanas, a convite do Klauber, q gostou do meu blog, ao q parece. Não percebi q o BC reunia muita gente dada a extremismos políticos, religiosos e outros. "Conservadorismo" besta.

C. Mouro disse...

Só posso dizer que, pelo que já vi do Catellius até então, É UMA HONRA tal bobagem.
Afinal, ser confundido com um argumentador brilhante e culto é motivo de júbilo. ...hehehe!
.
...e foi o "Bin Ladem" bananeiro que introduziu tal asneira na mente de suas olavetes.
Há muito tempo atrás me divertia a valer (no inicio da internet cá no feudo bananéio), pois sendo "dedos solitários" na crítica ao socialismo, embora levando esquerdinhas ao desespero, os desgraçados passaram a me ver em qualquer texto "cortante" contra o socialismo. Com o tempo, tão logo aparecia um e os pobres diabos já apontavam: "É ELE!" e blá blá blá.

Fui ao "paraíso" na primeira vez que um "postante" que nunca tinha ouvido falar de mim, ao se comigo confundido, se espantou: "mas quem,raio, é esse sujeito? de quem estão falando" ...hehehe! foi a glória máxima.
.
Abraços
C. Mouro
Abraços
C. Mouro

André disse...

Pois é, C. Mouro, eles fazem isso com muita gente (dizer q vc e outro são a mesma pessoa)

C. Mouro disse...

Para falar da “espiral do silêncio” reproduzo um trecho de um texto que fiz (Desprezando conhecimentos – 24–10–2005 — C. Mouro) logo após ler, prazerosamente, o artigo do Paulo Moura tocando num assunto que tantas vezes comentei sem saber que foi, digamos, oficializado com tal denominação.
(...)
Referendo: A onda pró-não contra a espiral do silêncio - por Paulo Moura, (19/10/2005)
(...)
Em primeiro lugar, na teoria da espiral do silêncio. Essa hipótese foi desenvolvida pela pesquisadora Elizabeth Noelle-Neumann para tentar explicar certos tipos de comportamento da opinião pública. Noelle-Neumann desenvolveu sua teoria ao observar pesquisas sobre a percepção que os alemães tinham de si mesmos, a partir da influência das opiniões que a mídia transmitia. Constatou a existência de uma relação entre os conteúdos que a mídia veiculava e o comportamento dos receptores dessas mensagens. Sua pesquisa indicou que as pessoas são influenciadas não apenas pelo que as outras dizem mas, pelo que elas imaginam que os outros poderiam dizer. Ela sugeriu que, se um indivíduo imagina que sua opinião poderia estar em minoria ou poderia ser recebida com desdém, essa pessoa, temendo o isolamento no grupo a que pertence, estaria menos propensa a expressá-la. Assim, as pessoas desenvolveram a capacidade de perceber o clima de opinião, independentemente do que elas mesmas sintam ou pensem sobre determinados assuntos. Dessa forma, ao perceberem ou imaginarem o clima da opinião sobre certos temas, num primeiro momento elas tendem a se calar e, depois, a adaptarem, mesmo que apenas retoricamente, "suas" opiniões ao que elas imaginam ser o pensamento da maioria.

Essa conduta silenciosa, quando se transforma de atitude individual e comportamento coletivo, produz, como conseqüência, aquilo que os americanos costumam chamar de "PROFECIA QUE SE AUTO-REALIZA". ISTO É, TERMINA POR TRANSFORMAR EM "PENSAMENTO DA MAIORIA", AQUILO QUE TALVEZ NÃO O FOSSE NA ORIGEM, SE NÃO EXISTISSE ESSE TIPO DE POSTURA, QUE, COMO RESULTADO DESSE "EFEITO DE ESPIRAL DO SILÊNCIO", ACABA ANGARIANDO AMPLO PRESTÍGIO E ADESÃO. As pesquisas de opinião publicadas, conforme Noelle-Neumann, somam-se a esse processo, na medida em que externalizam e conferem visibilidade e quantificação "concreta" à percepção, antes apenas imaginada, do que sejam essas alegadas maiorias, ou do que seja "a opinião pública".
.
Perfeito!
.
E para reforço, leio hoje no “O Globo” um artigo de Paulo Guedes, que cita:

“as elites em todas as épocas “não dedicam o excesso de acumulação a propósitos úteis. Não buscam expandir suas próprias vidas, viver com mais sabedoria, inteligência e compreensão, e sim buscam impressionar outras pessoas pela posse desse excesso”. (...) “despendendo dinheiro, tempo e esforço na agradável tarefa de inflar o próprio ego”, é denominado por Veblen “consumo conspícuo”. “
.
A ambição intelectual (B.Russel), ou psicológica, pode por vezes se confundir com ambição material.
A brilhante idéia de jogar todo o mal sobre a ambição material foi a mais perfeita forma de fazer política em benefício do Poder; uma canalhice inteligente, não se pode negar. Foi de fato o meio de instigar uma “luta de classes” inexistente: pobres x ricos. Que tem há milênios dado certo, pois que a limitada ambição material, tão execrada e alardeada, esconde a ilimitada ambição psicológica, sobretudo em seu lado perverso e nocivo, que é de fato a fonte das maiores desgraças por que se passa, se não de todas.
.
Quando qualquer pessoa puder entender certas coisas, como essas mencionadas, aí sim, teremos o caminho aberto para as idéias de liberdade igual para todos, direito e justiça, prosperarem em base sólida.
.
Abraços
C. Mouro
.
E dou seqüência com um outro trecho comentando um artigo em “Liberalismo.org”.
.
...vale a pena ler a página - (Meus grifos - C. M.)
Neste texto vislumbra-se a idéia de que as leis mais das vezes são apenas ordens, e muitos dos que pedem leis, apenas desejam dar ordens aos outros, para obriga-los a viver segundo suas preferências subjetivas. Aqueles que aplaudem estas ordens (“leis”), até sobre si, o fazem covardemente para impô-las aos outros - por vezes consideram que o prejuízo próprio é compensado pelo alheio, caso mais claro na inveja -, nem sempre pelo objetivo declarado, mas, por vezes, apenas para impor a submissão alheia, até por inveja ou ciúme. Um exemplo claro disso, são os imbecis recalcados que matam a “amada” e/ou aqueles a quem ela escolheu, e até a si próprios, depois. A estúpida idéia do ciumento é: “se eu não tenho, outros também não terão”.

Funesto que seja, esse tipo de estúpidos sentimentos, acima referidos, ciúme e inveja, são manipulados pelas ideologias e fortemente utilizados na prática política, que são atividades essencialmente voltadas para a manipulação da cretina vaidade humana, capaz de obscurecer totalmente a razão. Ou seja, nesta questão a soberba, que é ostentação pretensamente convincente, até de si, de um falso orgulho, é incentivada como escudo contra o orgulho sincero, que é o respeito e admiração por si mesmo ao comportar-se exatamente como considera justo a sua própria consciência. Assim, o orgulho individual é combatido pelas ideologias por dificultar a manipulação do individuo; induzindo este a substituir o orgulho sincero pela soberba coletivista: “orgulho” patriótico, religioso/ideológico e etc., amparada unicamente num “asinus asinum fricat”, entre pares grupais. Ou seja, valores ideológicos e não valores racionais.
.
II - Estado Minimo - Por Antonio Mascaró Rotger - ( Liberalismo.org)
(...)
Um excelente texto.

Abraços
C. Mouro

André disse...

“Não buscam expandir suas próprias vidas, viver com mais sabedoria, inteligência e compreensão, e sim buscam impressionar outras pessoas pela posse desse excesso”.

“despendendo dinheiro, tempo e esforço na agradável tarefa de inflar o próprio ego”

Nada mais verdadeiro...

Interessante essa história de espiral do silêncio.

Acho todo coletivismo perigoso. E ideologias são coletivistas. Claro, há o bom coletivismo, mas essa força da massa contra o indivíduo (ou contra um pequeno grupo de indivíduos) é muito perigosa.

Catellius disse...

Ha ha ha!
Entendi bem? C. Mouro, eu apenas macaqueio o que faz sentido para mim. Por exemplo, já tentei usar com minha esposa, ontem à mesa de jantar, a argumentação de seus comentários anteriores, dos fins inatingíveis para se perpetuarem os meios, etc. Após repeti-los com meus pais, sócio e amigos, ficarei mais consciente desta nova argumentação que me foi revelada, he he.
Brincadeiras à parte, sou um mero ignorante e papagaio de conceitos que fazem sentido para mim. Escrevo "mau" e às vezes uso o corretor do Word para não cometer os erros grosseiros que às vezes critico nos outros. Escrevo e reescrevo um comentário banal, de poucas linhas, a cada 5 posts do Heitor publico 1, mas não há como negar que existem aqueles mais ignorantes ainda. Então, por comparação, nesta República Bananeira, posso ser classificado como um "argumentador brilhante", he he.
Um grande abraço

Simone Weber disse...

Minha Nossa Senhora da Abadia!
Que peleja, Catellius!
Imprimi os comentários em umas dez folhas e espero ter tempo de lê-los após o trabalho.
Beijocas a todos

Simone Weber disse...

E não respondeste. Como foi a mudança? E como reagiu a pimpolha?

André disse...

Que nada, Catellius, vc não escreve mau, e a freqüência baixa de posts não tem nada de mais.

E ARGUMENTA muito bem, pouco importando se são idéias suas ou não.

Quanto a macaquear idéias, eu também macaqueio. E macaqueio textos. De vez em quando ainda tenho idéias originais, mas vivo mesmo é das idéias dos outros, e de propagá-las na medida do possível. Às vezes leio textos tão bem acabados e vejo idéias tão brilhantes q fico com um pouco de inveja, saudável, acho, e penso: "Como é que eu não escrevi isso?" É o preço que eu pago por viver no copia-e-cola da internet, o mundo interminável do Ctrl + C , Ctrl + V

Papagaiar conceitos q fazem sentido pra mim e que me agradam também acontece muito.

André disse...

No final da história, acho q os 300 de Esparta aqui do site agüentaram bem os Persas Coligados. Xerxes deve estar en-fu-re-ci-da! "Como eles tiveram a au-dá-cia de me desafiar?!" diz Sua Realeza.

Catellius disse...

Simone,

Boa idéia. Vou ter que fazer isso também. Estou com muito trabalho por aqui, meio sem tempo de ler tudo com a atenção merecida. Minha esposa tolera que eu leia algo à noite, mas não gosta muito de me ver plantado em frente ao computador. Por isso, farei como você; imprimirei tudo, acomodarei os comentários entre as páginas do Calhamaço de Embustes, de preferência em meio à crucifixão de Jesus, e fingirei lê-lo com renovada piedade, rs.
A mudança foi tranqüila e a pimpolhinha se adaptou bem. Ficou um pouco assustada com os "homi" carregando os sofás, mesa, geladeira. Aliás, com ela no colo abri uma porta imaginária da geladeira imaginária que "estava" na cozinha e tomei um copo imaginário de água. Ela ficou profundamente impressionada. Deve ter aumentado suas sinapses, he he.
Mudamo-nos para um prédio idêntico mas para um apartamento de planta espelhada, e isto parece estar causando uma confusão na cabecinha dela! Sempre quando toco piano ela irrompe de algum dos quartos ou da cozinha e vai até mim para tocar a quatro mãos. No apartamento novo, saiu da cozinha e correu para a direita, quase dando de cara com um armário. Mudou a rota a tempo e foi socar as teclas graves, suas preferidas, dando um toque um pouco mais "dodecafônico" à pueril sonatina de Clementi. Eu mesmo fiquei confuso, he he. Mas estou 32 metros mais próximo de meu escritório, que agora dista uns duzentos metros de onde moro. Ê vida boa...

André,

É isso aí! Não sei se o Xerxes é um andrógino cheio de piercings, mas se ganhou nas Termópilas, perderá em Platea e Salamina, he he.
O Heitor está com um texto novo. Mas ainda vou comentar algumas coisas que li por aqui.

p.s. Bocage, realmente "rebaixe" e "baixo" não fazem uma aliteração.

Abração a todos

Simone Weber disse...

Catellius,

Que lindinha! Dá umas beijocas na pimpolha por mim! Não me vem com modéstia, amigo, conheces teu potencial muito bem.
Penso que seja direito do Klauber manter a orientação conservadora que pensou para seu blog, apesar de este tipo de cerceadura conduzir inevitavelmente à falta de credibilidade.

C. Mouro, gostei da explicação que deste à Espiral do Silêncio, para além das comparações entre marxismo, cristianismo, ateus, "bode na sala", consciência externa e afins.

Beijocas a todos

Blogue da Magui disse...

Também achei esquesito!

Catellius disse...

Achou esquisito o quê, exatamente?

André disse...

Eu não achei nada esquisito. Nem esquesito. Esquisitíssimo, não?

C. Mouro disse...

Esquisito é tomar sopa com palito,
confundir picolé com pirulito,
usar pistola contra mosquito
e conversar com periquito
no meio de um faniquito
numa briga com o irmão,
que sem ter papa na lingua
quer briga e ainda xinga
aumentando a confusão
.
Abraços
C. Mouro

Catellius disse...

Muito boa, Mouro!
E também Schwarzenegger ser irmão de Danny deVito.
ha ha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...